Datas comemorativas -PRIMAVERA

PRIMAVERA

Primavera este ano iniciará precisamente no domingo, 23 de setembro, às 06h52. Terá duração de 89 dias, 20 horas e 16 minutos. Com a chegada da nova estação, há uma mudança no regime de chuvas e temperaturas na maior parte do Brasil. Os dias são mais compridos e a luminosidade é muito maior. Todas estas mudanças climáticas afetam também a vida de todos os seres na terra. È nesta época que a maioria das espécies procriam. As flores, especialmente as flores, se fazem presentes neste período. Desabrocham, crescem, enfeitam e perfumam tudo a nossa volta.
A Primavera é uma estação especial porque dá a vida um clima de otimismo, de renovação. Nos traz a sensação de que as coisas boas acontecem e, principalmente, de que o amor está no ar. No canto dos pássaros, na beleza dos jardins, em cada pessoa, em cada sorriso.
Aproveite o sol no rosto, o vento nos cabelos, o perfume e a beleza das flores. Curta o clima nas ruas e parques, pise na grama e sinta a natureza ao seu redor.

Primavera musical

Em 1934, a prefeitura do Rio de Janeiro pensou em incluir a abertura da primavera no calendário oficial de festas da cidade. Chegou-se a promover a escolha da Rainha da Primavera, sendo eleita Lela Casatle, moradora de Vila Isabel. A pequena foi homenageada por Benedito Lacerda com a valsa “Lela” e por Jayme Florence (o Meira) com o choro “Primavera” – depois letrado por Jorge Faraj e gravado por Jayme Vogeler. Morador do mesmo bairro de Lela, Noel Rosa não podia deixar por menos: de parceria com Vadico, dedicou à rainha uma obra-prima definitiva: “Feitiço da Vila”.
A idéia de comemorar oficialmente a primavera não prosperou, mas ainda em 1934 gerou algumas músicas: “Primavera no Rio”, de João de Barro, gravada por Carmen Miranda (“O Rio amanheceu cantando/ Toda a cidade amanheceu em flor/ Os namorados vêm pra rua em bando/ Porque a primavera é a estação do amor…”); e, também de Noel, “Marcha da Prima…Vera”, que Almirante cantava no Programa Casé, mas que ficou inédita.
Vinicius de Moraes associou à estação a valsa de Tom Jobim que é tema do primeiro longa-metragem de Paulo César Saraceni, que passou a chamar-se “Derradeira Primavera” ao receber os melancólicos versos do poeta. No mesmo ano, 1962, a composição foi gravada instrumental como “Valsa de Porto das Caixas” por Orlando Silveira e seu conjunto, e como “Derradeira Primavera” pela cantora Elza Laranjeira. Curiosamente, na produção de Vinicius com Toquinho há outra canção primaveril – embora deva se tratar da primavera na Europa, pois é intitulada “As Cores de Abril” (1974): “As cores de abril/ Os ares de anil/ O mundo se abriu em flor/ E pássaros mil/ Nas flores de abril/ Voando e fazendo amor…”. Outra manifestação primaveril muito conhecida de Vinicius foi o clássico da bossa nova “Primavera”, parceria com Carlos Lyra (1965): “O meu amor sozinho/ É assim como um jardim sem flor…”.
Também se chamava “Primavera” um dos primeiros sucessos gravados por Tim Maia (1970), de autoria de Cassiano e Silvio Rochael. Outros compositores também escreveram sobre o tema na época, embora sem obterem o mesmo sucesso: Pixinguinha e Hermínio Bello de Carvalho (“Harmonia da Flores”, gravada por Aracy Côrtes em 1964), Tito Madi e Arnoldo Medeiros (“Vem, É Primavera”, lançada por Claudete Soares), Sílvio César e Sérgio Carvalho (“Primavera, Outono”, que Elizeth Cardoso gravou em 1979) e até o sambista Monarco, que dedicou à estação das flores uma marcha: “Rancho da Primavera”, interpretada por Clara Nunes.

Feitiço da vila – Noel Rosa / Vadico

Quem nasce na lá Vila / Nem sequer vacila
Em abraçar o samba
Que faz dançar os galhos do arvoredo
E faz a lua nascer mais cedo
O sol da Vila é triste / Samba não assiste
Porque a gente implora:
Sol pelo amor de Deus não venha agora
Que as morenas vão logo embora . . .
A Vila tem um feitiço sem farofa
Sem vela e sem vintém / Que nos faz bem
Tendo nome de princesa
Transformou o samba num feitiço decente
Que prende a gente
Lá em Vila Isabel/ Quem é bacharel
Não tem medo de bamba / São Paulo dá café, Minas dá leite
E Vila Isabel dá samba,/ Eu sei tudo que faço
Sei por onde passo / Paixão não me aniquila
Mas tenho que dizer, modéstia à parte
Meus senhores eu sou da Vila !

Derradeira Primavera – Vinicius de Moraes

Põe a mão na minha mão
Só nos resta uma canção
Vamos, volta, o mais é dor
Ouve só uma vez mais
A última vez, a última voz
A voz de um trovador

Fecha os olhos devagar
Vem e chora comigo
O tempo que o amor não nos deu
Toda a infinita espera
O que não foi só teu e meu
Nessa derradeira primavera

Primavera – Carlos Lyra

O meu amor sozinho
É assim como um jardim sem flor
Só queria poder ir dizer a ela
Como é triste se sentir saudade
É que eu gosto tanto dela
Que é capaz dela gostar de mim
E acontece que eu estou mais longe dela
Que da estrela a reluzir na tarde
Estrela eu lhe diria
Desce à Terra, o amor existe
E a poesia só espera ver
Nascer a primavera
Para não morrer
Não há amor sozinho
É juntinho que ele fica bom
Eu queria dar lhe todo o meu carinho
Eu queria ter felicidade
É que o meu amor é tanto
Um encanto que não tem mais fim
E no entanto ela nem sabe
Que isso existe
E é tão triste se sentir saudade
Amor eu lhe direi
Amor que eu tanto procurei
Ah! quem me dera eu pudesse ser
A tua primavera
E depois morrer
E depois morrer

Rancho da Primavera – Clara Nunes

Não vejo a primavera
Já era
A triste margarida
A desaparecida
O pobre beija-flor
Que não vejo voar sobre o meu jardim
Não tem a quem beijar
Que tristeza sem fim, lá lá iá
Não ouço mais o canto da cigarra ao anoitecer
Que saudade que eu tenho
Já nem sinto prazer
Quem fala é um poeta esquecido
Que constrangido
Vive a chorar
Desejo vitalidade às flores
Diminuir minhas dores
Me alegrar
Eu quero retomar minha alegria
Quando raiar o dia
Os pássaros cantando
O outono que seja benvindo
Quero viver sorrindo
E não chorando

Primavera – Tim Maia

Quando o inverno chegar
Eu quero estar junto a ti
Pode o outono voltar
Eu quero estar junto a ti
Eu, é primavera
Te amo, é primavera
Te amo, meu amor
Trago esta rosa, para te dar
Trago esta rosa, para te dar
Meu amor
Hoje o céu está tão lindo
Cai chuva
Hoje o céu está tão lindo
Quando o inverno chegar
Eu quero estar junto a ti
Pode o outono voltar
Eu quero estar junto a ti
Eu, é primavera
Te amo, é primavera
Te amo, meu amor
Trago esta rosa, para te dar
Trago esta rosa, para te dar
Meu amor
Hoje o céu está tão lindo
Cai chuva
Hoje o céu está tão lindo
Cai chuva
Hoje o céu está tão lindo
Cai chuva
Hoje o céu está tão lindo
Maurício Manieri – Primavera
Quando o inverno chegar
Eu quero estar junto a ti
Pode o outono voltar
Que eu quero estar junto a ti
eu quero estar junto a ti
Porque é primavera
Te amo
é primavera, te amo
meu amor
Trago essa rosa, para lhe dar
Trago essa rosa, para lhe dar
Trago essa rosa, para lhe dar
meu amor, ieee

Quando o inverno chegar
eu quero estar junto a ti
pode o outono voltar
que eu quero estar junto a ti
Porque é primavera
Te amo
é primavera, te amo
meu amor

Trago essa rosa, paralhe dar
trago essa rosa, para lhe dar
trago essa rosa, para lhe dar
meu amor, ieeemeu amor
Hoje o céu esta tão lindo, vai chuva
hoje o céu esta tão lindo, vai chuva
hoje o céu esta tão lindo, vai chuva
hoje o céu esta tão lindo, tão lindo ieee
tão lindo
tão lindo

PRIMAVERA
Cecília Meireles
A primavera chegará, mesmo que ninguém mais saiba seu nome, nem acredite no calendário, nem possua jardim para recebê-la. A inclinação do sol vai marcando outras sombras; e os habitantes da mata, essas criaturas naturais que ainda circulam pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida para a primavera que chega.

Finos clarins que não ouvimos devem soar por dentro da terra, nesse mundo confidencial das raízes, — e arautos sutis acordarão as cores e os perfumes e a alegria de nascer, no espírito das flores.

Há bosques de rododendros que eram verdes e já estão todos cor-de-rosa, como os palácios de Jeipur. Vozes novas de passarinhos começam a ensaiar as árias tradicionais de sua nação. Pequenas borboletas brancas e amarelas apressam-se pelos ares, — e certamente conversam: mas tão baixinho que não se entende.

Oh! Primaveras distantes, depois do branco e deserto inverno, quando as amendoeiras inauguram suas flores, alegremente, e todos os olhos procuram pelo céu o primeiro raio de sol.

Esta é uma primavera diferente, com as matas intactas, as árvores cobertas de folhas, — e só os poetas, entre os humanos, sabem que uma Deusa chega, coroada de flores, com vestidos bordados de flores, com os braços carregados de flores, e vem dançar neste mundo cálido, de incessante luz.

Mas é certo que a primavera chega. É certo que a vida não se esquece, e a terra maternalmente se enfeita para as festas da sua perpetuação.

Algum dia, talvez, nada mais vai ser assim. Algum dia, talvez, os homens terão a primavera que desejarem, no momento que quiserem, independentes deste ritmo, desta ordem, deste movimento do céu. E os pássaros serão outros, com outros cantos e outros hábitos, — e os ouvidos que por acaso os ouvirem não terão nada mais com tudo aquilo que, outrora se entendeu e amou.

Enquanto há primavera, esta primavera natural, prestemos atenção ao sussurro dos passarinhos novos, que dão beijinhos para o ar azul. Escutemos estas vozes que andam nas árvores, caminhemos por estas estradas que ainda conservam seus sentimentos antigos: lentamente estão sendo tecidos os manacás roxos e brancos; e a eufórbia se vai tornando pulquérrima, em cada coroa vermelha que desdobra. Os casulos brancos das gardênias ainda estão sendo enrolados em redor do perfume. E flores agrestes acordam com suas roupas de chita multicor.

Tudo isto para brilhar um instante, apenas, para ser lançado ao vento, — por fidelidade à obscura semente, ao que vem, na rotação da eternidade. Saudemos a primavera, dona da vida — e efêmera.

Texto extraído do livro “Cecília Meireles – Obra em Prosa – Volume 1”, Editora Nova Fronteira – Rio de Janeiro, 1998, pág. 366.

A Sementinha e a flor

A sementinha e a flor
O vento
Agarrou na sementinha
E levou-a para uma terra lavrada.

As nuvens
choraram de madrugada

O Sol
Em dias a fio
Tudo beijou com amor

E numa tarde de estio
Transformada em bela planta
A sementinha deu flor

Lília da Fonseca


“Vem, Primavera”

Luiz Carlos Amorim

Vai embora, inverno,
leva contigo o frio,
a solidão, a saudade
e deixa vir a primavera
vestir a terra de flores,
de verde, vida e cores.

Vem, primavera:
contigo renasce a vida,
brota de novo a poesia,
renova-se a esperança.

Vem, primavera:
lança sobre nós o sol,
raio de luz, força e cor,
essência de vida de nós,
pequenos filhos da terra.

Vem, primavera:
abra sorrisos, corações,
botões e céu.
A festa da vida recomeça
e eu te festejo, primavera

E CHEGOU A PRIMAVERA

Marcial Salaverry

A primavera nos faz ver
como é lindo na Natureza viver,
vendo das flores a explosão multicor,
estimulando para o amor…
Viver na Natureza…
Sentir toda a sua beleza…
O espetáculo sempre querido,
de um jardim florido…
Ouvir os pássaros em seu alegre chilrear,
sempre nossa vida irá encantar,
cantando na Natureza, em liberdade,
extasiando-nos com seu canto de felicidade…
O verde das matas cobrindo a terra,
quanta beleza encerra…
O sol, em seu lento caminhar,
aquece-nos o corpo, e nossa alma vai encantar,
quando no horizonte for descansar,
dando espaço para a lua brilhar…
Noites estreladas… Feitas para o amor…
Sentimos na alma todo o seu calor…
Flores silvestres… Expressão de total beleza,
com que nos brinda a Natureza…
Hortênsias, orquídeas, cravos…
Das belezas da Primavera, ficamos escravos…
Tudo nos encanta… Nos extasia…
Contudo, a vida fica vazia,
quando a Natureza é destruída,
e nossa alma fica ferida…
Cuidemos da Natureza, como de nossa vida,
pois é na Natureza que ela deve ser vivida…
A Natureza é onde mais se vê o dedo de Deus…
E se a matarmos, para a vida será um adeus…

Primavera de Cores …. Flores e dos Amores

Elisa de Andrade

Seja sempre bem-vinda, rainha PRIMAVERA
Trazendo Paz, alegria e êxito
Colorindo os preciosos jardins
Através das variadas cores do arco-íris
Sem contar as elegantes flores …
Perfumando os rincões desse imenso Brasil!
Tua formosura tão nítida …
Traz contentamento aos corações apaixonados
Cobres de prazer e pincela matizes
Nessa natureza tão pródiga ….
Repleta dos melhores sentimentos!
Aqueles que tem a felicidade de te encontrar
E contigo tem a oportunidade de conviver
São os mais felizes …. que um dia puderam existir
Primas pela beleza e em ti resplandece a natureza!
Em teus campos florescem a mais pura das essências
Tens a graça dos jardins repletos de lindas flores
São tantas e tão formosas e é de ti que nascem
E vem colorir de encantamento …. esse universo!
Tens o poder maior de seduzir
A magia de inspirar poetas e compositores
Que numa ode aos seus amantes e amores
Dizem em prosa e verso
E também cantam em coro diverso
As mais lindas canções de amor!
Tu que ao se despedir deixa saudade
Desses magníficos momentos vividos
E em que tu premias teus expectadores
Esperando estão …. que o tempo passe depressa
E traga novamente a eterna PRIMAVERA!

BRINCADEIRAS.

Fui à floricultura:
Idade: a partir de 5 anos
Participantes: 2 ou mais

Regra:
Um jogador diz em voz alta: Fui a floricultura e comprei.. por exemplo ” cravos”. O jogador seguinte repete a frase do primeiro acrescentando outra flor comprada por exemplo:” jasmim”, o terceiro jogador repete as flores que os jogadores anteriores disseram e acrescenta mais uma, ganha quem não repetir as flores e lembrar todas que foram faladas

Rosa ou margarida?
Idade: a partir do 5 anos
Participantes: todos

Regra:
Primeiro temos que escolher dois participantes que serão a ponte dando as mãos um para o outro, sem que o restante da turma saiba eles decidem quem será rosa ou margarida. Os demais fazem uma fila que passará por debaixo da ponte.
A dupla que é a ponte canta:
Passarás, passarás
Mas algum há de ficar
se não for o da frente
tem que ser o de trás
Nesta hora (quando fala “ de trás”) a dupla prende nos braços quem está passando e perguntam baixinho sem que os outros ouçam:
_ Você quer rosa ou margarida?
O Participante escolhe e vai para trás de quem representa a flor que ele escolheu.
No final ganha o participante que tiver mais gente atrás , ou seja a flor mais escolhida.

A Primavera chegou
Um Participante devera ficar de costas para o grupo junto a uma parede
Os outros ficam lado a lado e vão andando a medida em que o participante de costas conta: “a Primavera chegou um, dois, três” e ao virar-se rapidamente quem for visto se movimentando volta para o começo.
Ganha o participante que chegar primeiro ao lugar do contador.

Que flor eu sou?
Participantes: No mínimo três
É uma brincadeira bem divertida.

Uma pessoa escreve o nome de várias flores (pode ser um desenho) , um em cada folha de papel.
Esses nomes devem ser colados nas costas dos participantes sem que eles vejam qual a flor.
Cada participante terá que adivinhar a flor que virou fazendo perguntas sobre as características da flor aos outros participantes.
As respostas devem ser sim ou não.
O último a descobrir sai da brincadeira e passa a colar o nome das flores nos vencedores

Jardineiro cuidadoso e Jardineiro descuidado

São escolhidas duas crianças uma para ser o Jardineiro cuidadoso e a outra Jardineiro descuidado Uma outra criança dá a cada uma das outras restantes um nome de flor, ou uma cor, cochichando-lhe no ouvido.
Inicia-se o jogo com o diálogo: “Toc, Toc”
A mesma criança que escolheu o nome das flores ou cores e que designou a cada criança, é o porteiro e diz: ”Quem bate? “
Dependendo da vez, a criança que bate responde: Jardineiro cuidadoso ou Jardineiro descuidado
A criança ( porteiro) diz: “O que você quer?”
O Jardineiro cuidadoso ou o descuidado responde: Uma flor (ou cor )
A criança ( porteiro) pergunta: Que flor? (ou cor)
A partir daí, o Jardineiro cuidadoso ou o Jardineiro descuidado tem três chances. Se entre as três chances de acertar não tiver nenhuma criança que tenha o nome da flor ( ou cor), será então a vez do outro jardineiro. Se acertar, a criança (flor ou cor) pertencerá ao Jardineiro que acertou.
Ganha quem possuir mais crianças.
Exige noção de ordem e alteração por parte dos Jardineiros cuidadosos e descuidados. Também é necessário que as crianças memorizem as flores ou cores que as representam.

Quem eu sou.
Idade: a partir de 7 anos
O que desenvolve:identidade
Material: Perguntas escritas em um papel e lápis ou caneta.
Organização: as crianças ficam em duplas
Aqui os alunos soltam a imaginação dizendo o que gostariam de ser

Regra: Uma das crianças de cada dupla inicia fazendo perguntas ao colega.
Se você fosse uma flor, seria… Se você fosse uma cor, um jardim, uma semente, etc.
Ela anota as respostas e pergunta o porquê. Depois, quem fez a entrevista responde às questões do colega. Terminada essa etapa, a turma forma uma roda e conta aos demais o que descobriu sobre o amigo. A brincadeira termina quando todos falarem

Plantando flores
Idade: a partir dos 7 anos
Material: Papéis coloridos, tesoura, papel microondulado cola, palitos de sorvetes e papel canson.

Regra:
O professor deverá pedir para os alunos cortarem tiras largas com os papéis coloridos O professor deve ter em mãos algumas sugestões de flores já prontas, para que eles possam ter idéias de como fazer, explicar que com as tiras poderão fazer diversas flores.
Depois “plantar” todas formando um lindo jardim
Objetivo– Integrar a sala;
– Imaginação;
– Criatividade;
– Coordenação motora;
– Percepção visual;
– Destreza manual.

HISTÓRIA

NINA E O MILAGRE DA PRIMAVERA
Nina era uma garota muito mal humorada, tudo era problema para ela. Se tava sol ela reclamava de calor; no inverno, reclamava de frio.
Um belo dia de primavera, Luíza, sua prima, convidou-a para um banho de piscina e ela claro, recusou.
Ficou o dia inteiro trancada em casa.
A mãe de Nina ficou muito chateada em vê-la trancada em um dia tão bonito e a noite, antes de domir ela viu uma estrela-cadente e logo fez o pedido.
– Por favor estrela, faça com que Nina aprenda a gostar mais das coisas, a dar valor as coisas simples.
E foi dormir. No dia seguinte ela acordou ouvindo um berro histérico de Nina e morrendo de preocupação foi correndo no quarto de Nina.
– Mammmmmmmãããããããããeeeee…… tô mal, muito maaaallll!!!
– O que você tem filhinha?
– Tô enchergando tudo preto e branco!
A mãe ficou preocupada mas na hora lembrou de seu pedido a estrela e disse:
– Ah, é só isso?: Isso já já passa…
– COMO ASSIM JÁ JÁ PASSA?? Você não ouviu mãe? Tô enxergando em preto e branco….
– Ah minha filha, isso passa sim, é só você começar a reparar na beleza do mundo….
– Que beleza, se nem as cores eu enxergo?
– Ué você não lembra delas? Pois então! Lembre-se que cor é o céu, que cor são as árvores.
– Ah mãe, não é possível!! Eu aqui com o maior problemão e você dizendo para eu analisar o céu? Tenha dó!!

E Nina saiu de casa.
Logo quando saía ela deu uma espiadinha no céu, mas logo se sentiu uma boba e continuou andando. Nina foi até a pracinha perto de sua casa e lá viu várias crianças no parquinho, descendo do escorregador, brincando de pega-pega, fazendo pique-nique. Ela se aproximou e avistou Luíza e foi correndo contar o grande problemão.
– Luuuu, você não sabe…. acordei hoje enxergando tudo em preto e branco!
– Ai Nina que horror! E você vai perder as cores da primavera? Não acredito, vamos logo falar com o meu pai!!
O tio Duda era médico e sempre cuidou de Nina e claro, de Luíza.
– Bom Nina, pelo que estou vendo, você não está com problema nenhum. Não sei o que fazer com você.
A tia Mercedes ouviu tudo e disse:
– Ah Nina, você vai ver que isso não é tão ruim assim. Você ainda consegue ver a beleza do mundo… vem aqui, vamos passear…
Nina enxugando suas lágrimas de tristeza entrou no carro com tia Mercedes e Luíza.
Ela levou as meninas em uma reserva florestal lá perto e ia perguntando as cores das coisas para Nina.
– Que cor é a grama?
– Verde
– Que cor é o tronco de árvore?
– Marrom
– Que cor é o rio?
– Azul.
E assim foi indo o dia.
Nina que nunca tinha feito nenhum passeio destes ficou encantada com as maravilhas da natureza e quantas cores ela tinha. Quando ela não sabia que cor era a tia Mercedes falava pra ela e Nina imaginava.
Nina estava adorando e Luíza ficou até espantada com a alegria da prima.
Ela voltou nova e realizada pra casa e sua mãe olhou pro céu cheio de estrelas e chamou Nina:
– Olha filha…. o “meu” céu hoje deve estar muito parecido com o “seu” céu hoje, pois ele está bem escuro e as estrelas bem branquinhas.
E as duas ficaram um tempão olhando e brincando com as estrelas.
E antes de dormir a mãe de Nina piscou pro céu e disse bem baixinho sem que a filha pudesse ouvir:
– Obrigada estrela!!
No dia seguinte de novo ela acordou aos berros de Nina, só que dessa vez de felicidade pois ela tinha voltado a enxergar colorido. Sua mãe lhe mostrou o quanto era importante ela curtir as coisas simples da vida como admirar um beija-flor ou ver uma nova plantinha nascer.
Nina foi correndo na pracinha onde estavam seus amiguinhos brincando e os convidou para uma festa em sua casa.
Chegando lá a casa estava toda enfeitada de flores e tinham muitas frutas deliciosas para comer. Tudo isso porque Nina percebeu como era fácil ser uma criança alegre pois as coisas belas estão sempre ao nosso redor é só saber enxergá-las, por isso ela fez uma festa para comemorar a Primavera!!!

DOMINÓ DAS CORES
Faça peças como as debaixo usando as cores vermelhas, amarelo, verde, azul, roxo e laranja, como se fossem uns dominós, nas seguintes combinações:

Amarelo/azul
Amarelo/amarelo
Amarelo/vermelho
Amarelo/roxo
Amarelo/laranja
Amarelo/verde
Azul/vermelho
Azul/azul
Azul/verde
Azul/roxo
Azul/laranja
ermelho/vermelho
Vermelho/roxo
Vermelho/laranja
Vermelho/verde
Verde/verde
Verde/roxo
Verde/laranja
Roxo/roxo
Roxo/laranja
Laranja/laranja
O jogo se dá, da divisão da sala com dois grupos. As peças são divididas entre os grupos . Coloca-se a 1ª peça . Por exemplo: amarelo/roxo. O outro grupo deve encaixar a mesma cor ou colocar suas cores primárias e secundárias correspondentes. Por exemplo: no roxo deve-se encaixar tanto roxo, quanto o azul, quanto o vermelho. No amarelo, tanto em amarelo, quanto um laranja e um verde.No caso de roxo se conseguir encaixar uma peça azul/vermelho, ou no amarelo uma peça laranja/verde se ganha o dobro de pontos.

Referência
www.brasileirinho.mus.br/arquivomistura
www.web.educom.pt/escolovar/prima_sement01.htm
www.chakanagem.blogspot.com/2006/12/poesia-vem-primavera.html
www.stationary.olga.kapatti.nom.br/CIRANDAS/primavera/ciranda_primavera_parte_dois.htm
www.qdivertido.com.br/vamosbrincar.php
www.kadike.com.br/brincadeiras/files/comecome/index.htm
www.editorainformal.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *