PROVOCANDO SENSAÇÕES.

O que de bom podemos proporcionar aos nossos alunos de Pré-escola numa aula
sobre Órgãos dos Sentidos.

A fase pré-escolar é a mais significativa da escolaridade humana, pois irá
proporcionar o desenvolvimento integral da criança.
Nos primeiros anos se iniciará o desenvolvimento da linguagem oral e a criança começará a demonstrar sua vontade em socializar-se.

O homem é um ser social por natureza e esta necessidade se faz presente logo nos primeiros momentos de vida. Sabemos que nas primeiras semanas a visão do bebê não tem capacidade de foco e que a distância ideal para que ele possa ver é de 20 a 30 cm. Estudos realizados na medicina concluíram que eles demonstram preferência pela face humana, dizem haver no cérebro uma zona específica para proporcionar tal reconhecimento gerando uma sensação de prazer. Assim sendo, concluímos que os bebês ficam admirando o rosto da mãe enquanto mamam saciando, desde os primeiros momentos, a necessidade de socializar-se.

A visão é debilitada mas a audição é praticamente perfeita assim sendo, quando a mãe se afasta do bebê mas ele continua a ouvir sua voz (ele reconhece que aquela voz é da sua mãe uma vez que já a ouvia desde o útero), então não se sente sozinho. Caso sua mãe se cale e a sensação de estar só se faça presente, ele irá chorar, sua forma de comunicar-se, até que ela venha ao seu encontro ou que fale de modo que ele a possa ouvir.

A criança está sempre à procura de alguém para estar junto dela. À medida que vai crescendo ela vai requisitando através da palavra, cada vez mais a companhia de alguém ao seu lado, por isso fica a todo o momento chamando “mãe”, “mamãe”, “manhê”. Na maioria das vezes ela não tem nada a dizer, mas é a expressão da necessidade que ela tem de não se sentir sozinha. Necessita da sensação de estar acompanhada. É a socialização se fazendo presente.

A criança ao entrar para a escola terá contato com um novo ambiente e passará a desfrutar da companhia de outras crianças provocando-lhe assim inúmeras sensações. Ela irá aprender a repartir, a compartilhar, a aguardar sua vez, a se identificar mais com este ou aquele amiguinho. Todas estas sensações irão contribuir para que a criança se desenvolva no pessoal e também abrirá espaço para uma perfeita interação social.

Conforme a criança vai crescendo novos horizontes, no mundo escolar, irão se abrindo e a professora terá papel fundamental na condução destes mágicos caminhos.

Todos os processos de aprendizagem integram a criança com o processo de socialização. Dentre os muitos processos de aprendizagem vamos destacar os órgãos dos sentidos e em especial a percepção tátil. Vale dizer que além da audição, o bebê tem o tato também muito desenvolvido pois quando, na vida uterina, tinha a sensação de acariciamento pelos tecidos e pelo líquido morno em que estava envolvido. É por este motivo que em algumas maternidades, aos bebês prematuros são intercalados o tempo na incubadora com o colo da mãe. Está provado que o toque provoca a sensação de tranqüilidade e segurança ajudando na recuperação rápida do bebê prematuro.

Uma vez na Pré-escola, a professora irá trabalhar todos os conceitos no concreto, pois sabemos que toda atividade vivenciada produz resultados formidáveis, utilizando-se da exploração da função dos órgãos dos sentidos. Vou discorrer rapidamente pelos 4 órgãos dos sentidos para depois me deter no tato que é o destaque deste texto.

No que se refere à visão a professora poderá desenvolver: Projeto Leitura onde as crianças pequenas participarão das histórias através das ilustrações ou até mesmo de encenações teatrais propiciando manifestações das sensações obtidas através da criação, da interpretação e das mensagens passadas, através daquela história, bem como releituras de pintores famosos e vários outros projetos.

Ao olfato poderá desenvolver reconhecimento tanto de cheiros agradáveis como de cheiros desagradáveis. A sensação que este órgão proporciona é intensa, pois pode aguçar a fome, se estiver na hora do almoço e sentir um cheiro de bife sendo frito, ou de feijão sendo temperado; pode estourar pipoca e pedir para que a criança a identifique pelo cheiro, como também um amiguinho poderá ser identificado através do perfume que usa. Poderá provocar a sensação de repulsa pelo cheiro de uma batata em apodrecimento, ou de uma lata de lixo mal cuidada e outros exemplos.

Quanto ao paladar muitas sensações podem ser exploradas como a identificação de alimentos salgados, doces, azedos ou ácidos e amargos. Dependendo do alimento que for oferecido poderá provocar uma sensação de fome, de enjôo de salivação excessiva ou de prazer “de quero mais”.

A audição, como já mencionamos acima, proporciona uma interação com o meio provocando a sensação de segurança, de entendimento para uma satisfatória comunicação, para um falar bem, para se divertir seja através da televisão, das cantigas, das brincadeiras com comandos auditivos. A professora poderá utilizar Projetos que desenvolvam a atenção, o saber ouvir. É muito comum na idade Pré-escolar todos falarem ao mesmo tempo. Trabalhar o “saber ouvir” é muito importante, pois além de ser um ato relacionado ao respeito ao outro, é uma porta aberta para o aprendizado Outro fator que deve ser desenvolvido é o equilíbrio, que na verdade está intimamente ligado ao ouvido e não à coordenação motora como às vezes se confunde.

Finalmente vamos falar sobre o maior órgão dos sentidos do ser humano – o TATO. Este órgão provoca as sensações mais intensas e mais diversas. Podemos distinguir formas pelo tato, feições, texturas, podemos ler (método braile) enfim, estas são normalmente as funções enumeradas para o desempenho deste órgão. Acontece que é através do tato que sentimos as maiores e mais profundas sensações.

A sensação da dor quando batemos o “dedinho” do pé na perna da mesa, a sentimos em razão do tato. Quando levamos uma picada de um pernilongo, a sensação de coceira é em razão do tato. Também quando recebemos um beijo no rosto a sensação de bem querer é em razão do tato. O andar de mãos dadas provoca uma sensação de imenso prazer que é realizada em razão do tato. Quer sensação mais gostosa do que quando sentimos alguém nos afagando os cabelos! Ou quando deslizam os dedos levemente nas nossas costas, ou mesmo quando nos acariciam a face! A sensação que estes gestos provocam atinge diretamente o nosso emocional aflorando toda uma reação de felicidade, de sentimento de sermos amados.

]Por que estas sensações provocadas pelo tato nunca são trabalhadas na escola?

Imaginem a sensação de harmonia, de querer bem, de respeito mútuo, que estas sensações não iriam provocar numa aula sobre órgãos dos sentidos, em especial o tato, numa Pré-escola. Estes sentimentos ainda estão bem vivos entre as crianças de 0 a 6 anos.
Diante de tanta agressividade que vemos a todo o momento nos noticiários da TV, nos filmes de luta, nos desenhos de monstros aterrorizantes, não podemos deixar escapar esta oportunidade de trabalhar as sensações de demonstração de carinho, de segurança, de solidariedade, de companheirismo.

Quem sabe não conseguimos resgatar um pouco do bem querer que se esconde na singeleza dos pequenos gestos. É tão importante, mostrar para uma criança de 3 anos que através do tato podemos sentir sensações que nos proporcionarão identificar o que é áspero ou macio, o que é liso ou crespo, o que é seco ou molhado, quanto mostrar a sensação sentida no calor de um aperto de mãos, na satisfação de um abraço apertado onde podemos sentir o coração do outro batendo junto do nosso coração, na ternura de um beijo estalado na bochecha.

Podemos e devemos trabalhar também em relação a todos os órgãos dos sentidos estas sensações que propiciam uma comunicação que agirá diretamente na nossa emoção.

À visão acrescentar o olhar carinhoso, a piscadinha de solidariedade.
Para a audição, as palavras de incentivo, de elogio de agradecimento.
Para o olfato o cheiro do amanhecer, da terra molhada, do verão.
Ao paladar o gosto da fruta no pé, gosto da infância, gosto de Natal.

Vamos trabalhar nossos pequeninos para que eles possam dar um novo visual ao nosso velho mundo a qual as sensações boas possam ser sentidas, inclusive nas pequeninas coisas, por todos nós.

Cybele Meyer é advogada, artista plástica,
professora, psicopedagoga, palestrante e escritora

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *