Inclusão Especial.

DEFICIENTE EFICIENTE

CARTILHA DE INCLUSÃO
DIREITOS DAS PESSOAS PORTADORAS DE DEFICIÊNCIA


Estamos vivendo um momento histórico muito importante.

Vários segmentos sociais lutam pelos seus direitos de inclusão na sociedade. É o que acontece com as mulheres, negros, sem-terra e tantos outros excluídos.

Embora não tenham conseguido plenamente sua inclusão na sociedade, muito já avançaram.

Como esses, há um outro grupo de excluídos – as pessoas com deficiência, que não têm acesso aos direitos que devem pertencer a todos: educação, saúde, trabalho, locomoção, transporte, esporte, cultura e lazer.

Leis têm sido criadas para a garantia desses direitos, o que já é um grande passo. Mas, apesar delas, percebemos que nós excluímos as pessoas que consideramos diferentes.

Precisamos, então, conhecer e reconhecer essas pessoas que vivem a nossa volta, excluídas por nossa própria ação.


Acesse esta página no http://www.deficienteeficiente.com.br/

PROJETO ESCOLA VIVA

Visando atender a a necessidade de programas de formação e suporte técnico-científico aos professores que garanta o acesso, a permanência e um ensino de qualidade aos alunos nas salas de aula do ensino regular, a Secretaria de Educação Especial distribuiu para todos os estados brasileiros um conjunto de materiais que compõe o Projeto Escola Viva. Esta coletânea, recentemente reeditada, contém cinco cartilhas e duas fitas de vídeo que devem ser utilizadas nos programas de formação de professores e pesquisas educacionais.

A versão eletrônica desse documento está disponível para download em formato TXT e PDF.

Acesse esta página no http://portal.mec.gov.br/seesp/index.php?option=content&task=view&id=145&Itemid=297

Conheça o DefNet


O DefNet é uma iniciativa e criação do Dr. Jorge Márcio Pereira de Andrade, médico e psiquiatra, pai de duas crianças com paralisias cerebrais, ou como ele redefiniu “duas crianças com DEF – Distpurbios de Eficiência Física”, que em 23 de abril de 1996, lançou a primeira página em português sobre o tema das Paralisias Cerebrais, que se ampliou como um Bando de Dados On Line e Para Pessoas com dEficiência, ampliando seu campo de atuação e expressando seu desejo de trabalhar em prol da Inclusão.

Acreditando que a informática não se restringe ao seu uso nesta rede, a WWW, aglutinamos diversas pessoas, pais, profissionais, técnicos, amigos e os próprios dEficientes (independentemente do grau de comprometimento ou do tipo de deficiência), e criamos o Centro de Informática e Informações Sobre Paralisias Cerebrais, que se norteia pelos princípios de um Projeto inicial que chamamos de GEO-ORGOS.

Acesse esta página no http://www.defnet.org.br/

NADA DE EXCLUSÃO, QUEREMOS EDUCAÇÃO.


A intervenção educativa centrada na família da criança autista.
…A parceria educacional deve basear-se na partilha, no respeito, na negociação, na informação, nas aptidões da família/criança, na confiança e responsabilidade de ambas as partes nas decisões a tomar. Nem sempre é fácil aceitar um diagnóstico de autismo para os pais de uma criança. Segundo Jordan (2000), a aceitação da situação depende da idade, das capacidades/problemas que a criança apresenta, o número de filhos e idade do casal, a saúde dos membros da família e até a situação económica.

Esta autora propõe que os técnicos devem aceitar as estratégias da família para lidar com a situação, podendo estes profissionais contribuir para a integração da criança autista no seio da família e a melhoria das suas condições de vida dentro e fora dela. A colaboração entre a família da criança com autismo e a escola é fundamental, para que se possam desenvolver estratégias que supram as necessidades, não só da criança com perturbação do desenvolvimento, mas de todos os membros da família que interagem com ela…
Fonte: Jornal Terra Nostra – 07/06/2006
Leia o restante da matéria acessando o http://aceitandodiferencas.blogspot.com/2007/11/interveno-educativa-centrada-na-famlia.html


Acesse esta página no http://aceitandodiferencas.blogspot.com/

LER PARA VER

A Educação para deficientes visuais

Muitos de vocês já devem ter passado por situações desagradáveis – e até mesmo constrangedoras – na escola. Muitas vezes isso acontece pela falta de conhecimento das pessoas – incluindo a maioria dos professores – que não sabem lidar com os portadores de baixa visão. Mas até onde esse constrangimento é fruto da ignorância, e quando passa a ser puro preconceito?

Os colegas de deficientes visuais – salvo raras exceções – tendem a fazer piadas, brincadeiras de péssimo gosto, etc. Os professores, às vezes por não saber como se portar, às vezes por fugir da responsabilidade – por assim dizer – tendem a deixar uma espécie de vácuo na cabeça do aluno portador de deficiência. Esse aluno, por sua vez, mesmo se esforçando nunca vai absorver o conteúdo sem uma atenção especial dada pelo professor. Mas como dar atenção especial se a turma não coopera? Na maior parte das vezes esses colegas só não ajudam com o silêncio – aliado importantíssimo do aprendizado desse aluno especial, que se guia pela voz do professor, ou da pessoa que dita para ele -, porque é um pedido do aluno. Para os colegas “pedir silêncio” é uma espécie de autoritarismo do aluno especial – o que, claro, não é verdade, já que este só pretende entender o conteúdo ministrado pelo professor…
Leia todo o Artigo acessando o
http://www.lerparaver.com/node/5854


Acesse está página no http://www.lerparaver.com/

Como Lidar com Pessoas nos Diversos Tipos de Deficiência.

Dicas para quando você encontrar uma pessoa com deficiência.
Faça isso e você verá o quanto é importante e enriquecedor aprendermos a conviver com a diversidade!

Muitas pessoas não deficientes ficam confusas quando encontram uma pessoa com deficiência. Isso é natural. Todos nós podemos nos sentir desconfortáveis diante do “diferente”.

Esse desconforto diminui e pode até mesmo desaparecer quando existem muitas oportunidades de convivência entre pessoas deficientes e não-deficientes.

Não faça de conta que a deficiência não existe. Se você se relacionar com uma pessoa deficiente como se ela não tivesse uma deficiência, você vai estar ignorando uma característica muito importante dela. Dessa forma, você não estará se relacionando com ela, mas com outra pessoa, uma que você inventou, que não é real.

Aceite a deficiência. Ela existe e você precisa levá-la na sua devida consideração. Não subestime as possibilidades, nem superestime as dificuldades e vice-versa.

As pessoas com deficiência têm o direito, podem e querem tomar suas próprias decisões e assumir a responsabilidade por suas escolhas.

Ter uma deficiência não faz com que uma pessoa seja melhor ou pior do que uma pessoa não deficiente. Provavelmente, por causa da deficiência, essa pessoa pode ter dificuldade para realizar algumas atividades e, por outro lado, poderá ter extrema habilidade para fazer outras coisas. Exatamente como todo mundo.

A maioria das pessoas com deficiência não se importa de responder perguntas, principalmente aquelas feitas por crianças, a respeito da sua deficiência e como ela realiza algumas tarefas. Mas, se você não tem muita intimidade com a pessoa, evite fazer muitas perguntas muito íntimas.

Quando quiser alguma informação de uma pessoa deficiente, dirija-se diretamente a ela e não a seus acompanhantes ou intérpretes.

Sempre que quiser ajudar, ofereça ajuda. Sempre espere sua oferta ser aceita, antes de ajudar. Sempre pergunte a forma mais adequada para fazê-lo. Mas não se ofenda se seu oferecimento for recusado. Pois, nem sempre, as pessoas com deficiência precisam de auxílio. Às vezes, uma determinada atividade pode ser mais bem desenvolvida sem assistência.
Leia o Artigo na íntegra acessando o http://www.bengalalegal.com/lidar.php


Acesse o site no http://www.bengalalegal.com/index.php#1

A Audioteca


A Audioteca Sal & Luz é uma instituição filantrópica, sem fins lucrativos, que produz e empresta livros falados (audiolivros) para pessoas cegas ou com deficiência visual, em todo o território nacional, de forma gratuita.

Possui, hoje, mais de 1.500 associados e conta, em seu acervo, com cerca de 3.000 títulos, entre didáticos/profissionalizantes e literatura.

Nosso objetivo é proporcionar, aos nossos associados, meios para a conquista de uma vida com qualidade.

Mais do que inclusão, desejamos viver numa sociedade que não exclua seus filhos, a despeito de todas as diferenças. Que essas diferenças sejam o estímulo necessário para nosso crescimento individual e para a construção de uma nação mais justa.

Conheça nossa história

Meus olhos são seus olhos


Acesse o site no http://audioteca.org.br/audioteca.htm

“O COTIDIANO DE UM D+EFICIENTE”
Deficiente sim + Sempre Eficiente……

“INTÉRPRETES DE LIBRAS – LINGUAGEM DE SINAIS”


As pessoas tem curiosidade em saber como os deficientes auditivos se comunicam.
Hoje em todo o país – Brasil, só existem 400 intérpretes de LIBRAS (Linguagem de sinais).

= UMA BASE DO QUE É UM CURSO DE INTÉRPRETE DE LIBRAS =

O QUE É UM CURSO SEQÜENCIAL?
Trata-se de uma modalidade de ensino superior prevista na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB (Lei 9.394/96) e regulamentada pelo Ministério da Educação em 1999. Tem um viés profissionalizante e é oferecido como uma oportunidade diferenciada ao indivíduo que desejar inserir-se mais rapidamente no mercado de trabalho.

QUAL É O PAPEL DO INTÉRPRETE DE LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS (LIBRAS)?
Ele é o mediador entre o surdo e as informações sobre a cultura e o universo ouvinte. Nos últimos anos, a presença do intérprete de Libras tem ganhado destaque nos espaços educacionais em função da política educacional brasileira que prevê a inclusão do sujeito surdo nas instituições regulares de ensino. Além disso, dado o desconhecimento da maioria de nossa população sobre a LIBRAS, torna-se necessário que existam intérpretes nos diversos setores da sociedade – públicos e privados – a fim de permitir que os surdos tenham seus direitos de cidadania respeitados, da mesma forma em que possam estar livres e conscientes para exercer seus deveres.

OBJETIVOS DO CURSO:
Formar profissionais intérpretes de LIBRAS, com diploma em nível superior, visando a formação de profissionais éticos, críticos e reflexivos quanto ao seu papel e sua prática de atuação junto à comunidade surda.
Capacitar profissionais intérpretes de LIBRAS para atuarem nos diversos espaços sociais como: instituições de educação básica, de ensino fundamental, médio e superior; instituições públicas ou privadas de atendimento à população; eventos científicos; reuniões e/ou assembléias municipais, estaduais e/ou federais.
Dar condições para o aluno aprender, no contato com a comunidade surda, refletindo sobre novas formas de atuação, redimensionando, desse modo, seu saber.
Leia na íntegra acessando o http://www.pvsdeficiente.hpg.com.br/linguagem.html


Acesse o site no http://www.pvsdeficiente.hpg.com.br/

TECNOLOGIA ASSISTIVA & COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA

O uso da tecnologia assistiva no processo de inclusão escolar


Inclusão escolar
O sucesso do processo de inclusão está diretamente ligado à possibilidade de reconhecer as diferenças e aceitá-las. Isso não significa ignorá-las, isso não significa colocar crianças com necessidades educacionais especiais na sala de aula regular e esperar que elas aprendam pela proximidade com seus colegas da mesma idade. Respeitar as diferenças é oportunizar os recursos necessários para que a criança aprenda. Muitas vezes esses recursos serão simples como letras soltas ou textos escritos em letras maiúsculas e outras vezes poderá ser o uso de um computador adaptado.
O Brasil tem hoje, segundo o Censo escolar de 2005 (MEC, 2006), 640.317 alunos com necessidades educacionais especiais matriculados nas escolas do país, portanto esse não é um problema que possa ser ignorado.

O uso da tecnologia no processo de inclusão escolar
Ao longo da história, a tecnologia vem sendo utilizada para facilitar a vida dos homens. Para as pessoas com deficiência, a tecnologia é a diferença entre o “poder” e o “não poder” realizar ações.
No processo de inclusão de crianças com dificuldades motoras, o terapeuta ocupacional poderá coordenar:

Adaptações ambientais como:
Leia o Artigo na íntegra acessando o http://www.tecnologiaassistiva.com.br/adcaa/inclusao/inclusao.asp


Acesso o site no http://www.tecnologiaassistiva.com.br/adcaa/

4 thoughts on “Inclusão Especial.

  1. Maravilhoso o site!!!

    Cybele Reply:

    Olá Silvania, tudo bem?

    Obrigada pelo carinho e por acompanhar o Educa Já!
    abraços e volte sempre!
    Cybele Meyer

    Cybele Reply:

    Olá Silvania, tudo bem?

    Obrigada pelo carinho e por acompanhar o Educa Já!
    Volte sempre!
    Com carinho

  2. A constituição Brasileira diz; que nascemos livres e temos direitos e deveres .
    mais mesmo no senado ainda se cria lei sob lei pra garantir o que já é lei.
    que constituição é essa que não garante se nascer com necessidades ESPECIAL deve recorre a outra recursos pra garantir o que já foi criado, criando mais e mais projetos específicos para minha necessidade para que eu possa garantir o direito de exercer esse direito que já é lei nascemos livres e temos direitos e deveres.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *