Adolescência, Sexualidade e Drogas

ESCOLA CÉSAR CALS


Segundo a Organização Mundial de Saúde, droga é toda substância que, introduzida em um organismo vivo, pode modificar uma ou mais de suas funções.

Desde muito antes de Cristo, alguns povos usavam plantas como estimulantes, alívio de sofrimentos e dores, auto-castigo ou como forma de contato divino. O álcool também tem um histórico antigo.

Houveram épocas auge para cada tipo de droga. Em 1970 houve a proliferação da cocaína e seus derivados, dentre os quais o “crack” que agora tem representado um grande problema para a sociedade. Recentemente a droga mais popular entre as classes média e alta é o ectasy.

Existem as drogas lícitas, que são as legalmente produzidas e comercializadas, podendo ou não ter sua venda controlada por riscos de causar dependência e por uso indevido, como é o caso do álcool, tabaco, inalantes, solventes e medicamentos.

As drogas ilícitas são substâncias proibidas, dentre as quais estão o crack, LSD, cocaína e maconha.

Algumas drogas são estimulantes e provocam uma reação de alerta. Os usuários têm a impressão de estarem mais fortes e dinâmicos. Há um aumento dos batimentos cardíacos, da respiração, pressão sangüínea, temperatura corporal e a pessoa perde o sono e o apetite.

As drogas depressoras deprimem as atividades do cérebro causando certo relaxamento e provocando uma sensação de calma. Em geral estas drogas afastam sensações desagradáveis. O uso continuado deste tipo de droga causa efeito de retardamento da fala, dos movimentos, prejuízo na memória, alterações de humor e irritabilidade. Altas doses podem gerar convulsões, depressão respiratória e cerebral, levando, inclusive à morte.

Há ainda, o grupo das drogas perturbadoras que são as que produzem distorções, desvios e anormalidades na atividade cerebral, fazendo com que o cérebro funcione desordenadamente, provocando distorção de formas e cores. As alucinações provocadas por estas drogas correspondem a sintomas de doenças mentais graves.


As drogas possuem efeitos que fazem com que as pessoas se interessem pelo seu uso, mas as conseqüências que podem aparecer de curto a longo prazo, dependendo do tipo de droga, estabelecem prejuízos muito mais significativos e daí a necessidade de campanhas preventivas.

Muitas vezes, efeitos falsos são atribuídos às drogas com a finalidade de assustar as pessoas e de mantê-las longe do consumo, mas estas falsas atribuições só atrapalham as campanhas anti-drogas porque as pessoas experimentam, descobrem que os efeitos divulgados não são verdadeiros e desacreditam na parte mais importante para a decisão contra as drogas, que são os prejuízos que aparecem, mesmo que a longo prazo, e que dizem respeito tanto a efeitos físicos como psíquicos gravíssimos e irreversíveis a depender da droga e do tempo de uso.

Uma das drogas mais comuns é a NICOTINA, que tem efeito estimulante e aparece em forma de cigarros altamente divulgados pela mídia. A dependência física e psicológica causadas pelo cigarro são enormes e esta droga também causa bronquite crônica, enfisema pulmonar, doenças do coração, derrame cerebral, úlcera do estômago e diversos tipos de câncer.

O ÁLCOOL , como o tabaco, é lícito e incentivado através da mídia, caracterizando-se um poderoso depressor do sistema nervoso. O álcool provoca desinibição, distúrbios da personalidade, atitudes impulsivas e, logo após, muita sonolência e diminuição do ritmo do corpo. Esta droga pode ocasionar cirrose hepática, coma alcoólico, gastrite e neurite. As dependências física e psicológica são acentuadas e a síndrome de abstinência é uma das mais violentas, causando “delirium tremens” e até alucinações.

Dentre as drogas ilícitas mais usadas estão a MACONHA, que é fumada e provoca efeitos diferentes, dependendo da sensibilidade de cada usuário. Alguns não sentem absolutamente nada ao fumar e outros chegam facilmente a um estado alucinógeno.

A maconha relaxa, dá sonolência, provoca alterações na percepção e na memória, dificuldade de concentração e alterações controversas no desempenho sexual, que para alguns é estimulante e para outros pode provocar impotência.

O consumo regular desta droga provoca alterações de humor e comprometimento na atividade de memória e raciocínio, porque podem acontecer quebras nas ligações entre os neurônios. Há casos em que surtos psicóticos são atribuídos ao uso da droga. A dependência física da maconha é quase inexistente, enquanto que a psicológica pode ser muito significativa.


O LSD-25, ministrado por via oral, provoca reações semelhantes aos sintomas da esquizofrenia aguda, com alucinações, alterações visuais, táteis e despersonalização. É comum que aconteçam suicídios involuntários quando as alucinações causam a impressão, por exemplo, de que se pode voar.

O LSD produz moderada dependência psíquica e, geralmente, não acontece dependência física.

A COCAÍNA é uma das drogas estimulantes do sistema nervoso. Pode ser inalada, ingerida ou injetada. O usuário fica falante, com idéias de grandeza, idéias paranóicas, alucinações visuais, auditivas, táteis e delírios persecutórios. Os efeitos físicos provocam sensação de resistência.

Esta é uma droga muito violenta por provocar efeitos no comportamento social dos usuários, que fazem de tudo para consegui-la.

O CRACK foi desenvolvido na década de 1970, a partir da cocaína, e visava tornar esta droga fumável. Ele é fumado em pedras, colocadas em cachimbos e atinge o cérebro mais rápido do que as outras formas de ingestão da cocaína, prejudicando o equilíbrio hormonal do cérebro. O usuário sente os mesmos efeitos da cocaína e intensa agressividade. Pode provocar convulsão e a degeneração da pessoa se dá muito rapidamente.

As ANFETAMINAS são drogas produzidas em laboratório, usadas para emagrecer ou para manter as pessoas acordadas. Deveriam ser usadas apenas com receita médica, mas são conseguidas facilmente. Podem provocar alucinações, delírios, excitabilidade, sensação de força e até mudança de personalidade. Seu uso provoca dependência física e psicológica.

Os INALANTES e SOLVENTES são produtos químicos usados por inalação e que provocam perda de equilíbrio, falta de coordenação motora, hilaridade e excitação. A dependência física e psicológica é grande.

Existem as drogas encontradas em farmácias, que são os CALMANTES e SEDATIVOS, classificados como BARBITÚRICOS e os TRANQUILIZANTES e ANSIOLÍTICOS, classificados como BENZODIAZEPÍNICOS, utilizados para induzir o sono e tranqüilizar, provocando alta dependência física e psíquica.

As pessoas podem ter curiosidade em relação às drogas, experimentá-las e não reincidir no uso; podem usar moderadamente; podem ter hábito do uso, apresentando alguma dependência psicológica ou serem dependentes, caracterizando-se como toxicômanos.

O uso de drogas pelos adolescentes pode ser influenciado pela família, escola, amigos ou pela comunidade. As relações estabelecidas em cada um destes ambientes e os exemplos interferem na consciência desenvolvida a respeito das drogas, na relação com elas e nas informações necessárias para uma escolha adequada.

A ilegalidade tornou a distribuição das drogas uma atividade marginal de responsabilidade de narcotraficantes, que possuem poder e controle de algumas regiões do Brasil e do mundo, como é o caso dos morros do Rio de Janeiro.

Novas leis a respeito da liberação e descriminalização das drogas têm sido discutidas no Congresso Nacional.

Cerca de 20% das crianças que nascem a cada ano no Brasil são filhas de adolescentes. Comparado à década de 70, três vezes mais garotas com menos de 15 anos engravidam hoje em dia. A maioria não tem condições financeiras nem emocionais para assumir essa maternidade. Acontece em todas as classes sociais mas a incidência é maior e mais grave em populações mais carentes. O rigor religioso e os tabus morais internos à família, a ausência de alternativas de lazer e de orientação sexual específica contribuem para aumentar o problema. Por causa da repressão familiar, algumas adolescentes grávidas fogem de casa. Quase todas abandonam os estudos. Com isso, interrompem seu processo de socialização e abrem mão de sua cidadania.

Psicólogos, assistentes sociais, médicos e pedagogos concordam que a liberalização da sexualidade, a desinformação sobre o tema, a desagregação familiar, a urbanização acelerada, as precariedades das condições de vida e a influência dos meios de comunicação são os maiores responsáveis pelo aumento do número de adolescentes grávidas.

A solução não está nas mãos da prefeitura, mas algumas ações podem ser feitas, diminuindo a incidência do problema e minimizando seus efeitos negativos na vida das adolescentes.

Como prevenção, exige-se do poder público que ofereça programas efetivos de orientação sexual e planejamento familiar, em contrapartida ao estímulo à sexualidade apresentado pela mídia. Além disso, as adolescentes grávidas, ou que já são mães, precisam ter alternativas para que possam continuar seus estudos e garantir o sustento do filho.

ONDE ESTÁ O PROBLEMA?

A adolescência é uma espécie de preparação para assumir o papel de adulto, que é definido principalmente por ter um trabalho que garanta a sobrevivência de um lar. Ao mesmo tempo, a juventude é entendida como uma fase da vida que se caracteriza pelo aumento de autonomia em relação à infância, permitindo-se ao jovem que deixe o espaço doméstico e penetre em espaços públicos como ruas e praças. Para a jovem mulher esse processo é mais difícil por causa de condicionamentos culturais, que limitam sua autonomia na elaboração de projetos de vida, quase sempre exigindo que se mantenha nos limites do núcleo familiar.

Se além da dificuldade de construir sua identidade, administrar emoções e entender as mudanças que acontecem com seu corpo, houver uma sobrecarga de necessidades fisiológicas e psicológicas, a adolescência pode se caracterizar como um processo de ruptura, inviabilizando a formação de um adulto saudável, equilibrado, consciente de seus direitos.

No caso das mulheres, vítimas do preconceito sexual, uma ruptura decorrente de uma gravidez precoce pode acarretar o que se chama de risco psicossocial.

E a comunidade médica tem alertado que as conseqüências de uma gravidez na adolescência não se resumem apenas aos fatores psicológicos ou sociais. A gravidez precoce põe em risco de vida tanto a mãe quanto o recém-nascido. Na faixa dos 14 anos a mulher ainda não tem uma estrutura óssea e muscular adequada para o parto e isso significa uma alta probabilidade de risco para ela e para o feto. O resultado mais comum em uma gestação precoce é o nascimento de um bebê com peso abaixo do normal o que exige cuidados médicos especiais de acompanhamento do recém-nascido.

Além disso, o medo da gravidez leva muitas adolescentes à solução do aborto clandestino: segundo dados da Organização Mundial de Saúde, dos 4 milhões de abortos praticados por ano no Brasil, 1 milhão ocorrem entre adolescentes; muitas delas ficam estéreis e cerca de 20% morrem em decorrência do aborto.

Dados sobre a Gravidez na Adolescência

18% das adolescentes de 15 a 19 anos já haviam ficado grávidas alguma vez.
1 em 3 mulheres de 19 anos já são mães ou estão grávidas do 1º filho.
1 em 10 mulheres de 15 a 19 anos já tinham 2 filhos.
49,1% destes filhos foram indesejados.
20% das adolescentes residentes na zona rural tem pelo menos 1 filho.
13% das adolescentes residentes na área urbana tem pelo menos 1 filho.
54% das adolescentes sem escolaridade já haviam ficado grávidas.
6,4% das adolescentes com mais de 9 anos de escolaridade ou já eram mães ou estavam grávidas do 1º filho.
20% das adolescentes residentes na região norte tem pelo menos 1 filho.
9% das adolescentes residentes na região centro-oeste tem pelo menos 1 filho.

A sexualidade é um assunto desconhecido para a maioria das pessoas e portanto é comum que tenhamos muitas dúvidas a respeito dela.
Existem muitos preconceitos e moralismos em torno deste assunto, o que o transforma em um tabu e facilita o alto número de informações incorretas que temos a respeito.

Muitas instituições e até famílias, proíbem a educação sexual ou deixam que as informações sejam dadas apenas em nível de anatomia, fisiologia do corpo e mecanismos de reprodução.

O sexo é muito mais do que isto. Para falar do assunto, teríamos que considerar questões fundamentais como o prazer, o desejo, proibições, perigos, noções de erro e a culpa implicada nas questões relativas a ele.

Uma das questões mais determinantes dos problemas em relação à sexualidade, dizem respeito ao conflito entre o desejo sexual e a repressão a eles.

Sexo é um assunto que está em todos os lugares, na TV, jornais, cinema, revistas, piadas e na vida cotidiana, mas, por vergonha, por proibições, por medo de que os amigos pensem que somos desenformados, por medo de pensarem que somos promíscuos e por uma série de outros fatores, nunca perguntamos a respeito. Esta situação nos impede de adquirir uma informação correta, que certamente poderia ajudar a diminuir o medo, as dúvidas e os enganos sobre o assunto.

É muito comum que os jovens tenham dúvidas de até onde podem ir, ou seja, de que grau de intimidade podem ter numa relação a dois. Esta questão pode ser muito complicada para algumas pessoas, sejam elas do sexo masculino ou feminino.

Para as meninas é comum a ansiedade, causada por não saberem se deram intimidade de mais ou de menos e se com isto vão “ficar faladas” ou parecer “bobinhas”. Para os meninos pode ser difícil saber como se comportar na primeira relação sexual ou complicado entenderem o que pode estar acontecendo em determinadas situações.

O fato é que as pressões são muitas e de todos os lados e o desejo é fortemente barrado por questões morais.

Sem o acesso às informações, muitas dúvidas são comuns, não só para os jovens, mas para todas as pessoas. As questões mais freqüentes dizem respeito ao homossexualismo, ao orgasmo, aos métodos contraceptivos, ao aborto, masturbação, primeira relação sexual, gravidez na adolescência, doenças sexualmente transmissíveis e outros temas que podem gerar muita ansiedade quando não são devidamente esclarecidos.

A sexualidade é considerada como tema na psicologia, biologia, medicina, antropologia sociologia, sexologia e outras ciências que estudam aspectos diferentes desta mesma questão.

A psicologia pode tratar do prazer, dos sentimentos que acompanham a nossa vida sexual e da diferença entre sexo e sexualidade.


O homem não tem um comportamento sexual apenas instintivo. Ele é influenciado por valores de sua cultura e escolhe seus parceiros. Sua ação tem um componente racional que o diferencia dos animais. O sexo praticado pelo ser humano é muito mais fortalecido pelo prazer que proporciona do que pela função reprodutiva. Para o homem o prazer é fundamental.

Um dos pioneiros no estudo da fonte do prazer foi Freud, que causou impacto ao defender que a sexualidade não é iniciada na puberdade, como supunham os moralistas do começo do século, mas que se inicia desde o nascimento.

Para Freud, o reflexo da sucção ocasiona o prazer do contato da mucosa bucal com o seio materno. Ele considera que a primeira manifestação da sexualidade acontece quando o bebê descobre que o dedo na boca também dá prazer e passa a fazê-lo não para a própria sobrevivência, mas pelo prazer em si, o que caracteriza o erotismo.

Para a psicanálise, o prazer é a maneira de dar vazão à libido, que é um forte impulso sexual que vai se desenvolvendo junto com as características psicológicas e maturacionais do indivíduo.

A psicanálise caracteriza o desenvolvimento sexual em três fazes: a oral, a anal e a fálica.

Para Freud, a sexualidade inicial não tem caráter genital e trata-se apenas da organização do impulso libidinal.

PROJETO – DROGAS: FIQUE FORA!

PROJETO DE APRENDIZAGEM DESENVOLVIDO PELOS PROFESSORES FACILITADORES
E.E. ANTÔNIO CANELA – MONTES CLAROS / MG

Justificativa:

Os jovens estão cada vez mais usando tóxicos e colocando em risco sua saúde e seu futuro.

Desde o “inocente” copo de cerveja, muitas vezes, em reuniões familiares, até o contato com drogas mais pesadas, o caminho pode não ser longo.

Como impedir que esse quadro se torne mais e mais dramático?

A prevenção é um caminho seguro. Uma educação específica sobre o assunto se faz imprescindível nas escolas; é preciso conscientizar jovens e adolescentes, pais e educadores, enfim, unirmos a comunidade, para discutirmos o assunto com coragem, decisão e espírito reflexivo.

Toda a sociedade se organiza para enfrentar tão grave problema, e a história mostra que das crises é que surgiram as grandes soluções.

Acreditamos que quando alguém usa drogas, não imagina a extensão dos vícios e as conseqüências desastrosas que futuramente poderão lhe advir.

Precisamos cuidar dos nossos jovens. Orientar e direcioná-los num caminho seguro, é nosso dever como educadores e cidadãos conscientes.

Queremos lembrar a sábia advertência gravada nas páginas do evangelho: “Conheceis a verdade e a verdade vos libertará!”

Tema: (Transversal)

Saúde
Vida familiar e social
Trabalho
Ética

Projeto:

O tema sobre drogas será abordado a partir da área de Ciências tendo outras áreas de conhecimento como apoio. A informática será utilizada sempre que possível como suporte nas atividades do Projeto.

Ciências
Matemática
Português
História
Geografia
Ed. Física
Ed. Religiosa

Objetivo Pedagógico Geral:

Possibilitar aos alunos através de pesquisas, análises, discussões, reflexões, a conscientização dos perigos e males que as drogas podem trazer às sus vidas.

Objetivos Pedagógicos Específicos:

Áreas Disciplinares:

1. Ciências/Química/Física:

Elaborar conceito de drogas.
Classificar tipos de drogas e relatar conseqüências.
Conhecer e relatar os primeiros socorros para usuários de drogas em crise.
Apresentar propostas para a cura do viciado.

2. Língua Portuguesa:

Desenvolver habilidades de leitura, interpretação, linguagem oral e produção de textos através de livros literários e textos diversos.
Desenvolver habilidades artísticas através de apresentação de poemas, paródias e dramatizações.
Analisar propaganda de TV, rádio e jornal alusivas ao tema.
Construir slogans e cartaz propaganda para conscientização sobre os malefícios da droga.

3. Matemática:

Coletar dados estatísticos sobre as drogas.
Construir gráficos com os dados levantados.
Analisar e construir tabelas.
Interpretar e sintetizar os dados estudados.
Resolver problemas operatórios utilizando os dados obtidos.

4. História:

Pesquisar a origem da droga e discutir o consumo na sociedade atual.
Conhecer a legislação brasileira que dispõe da lei anti-tóxicos.
Discutir sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente em relação às drogas.

5. Geografia:

Localizar em mapas os principais países produtores e consumidores de drogas.
Analisar tabelas de distribuição territorial do narcotráfico.
Discutir sobre o que diferencia os países que produzem e os que consomem drogas ( economia, questão social e climática).

6. Educação Física:

Fazer o levantamento dos detectores utilizados para comprovar o uso da droga pelos esportistas e outros.
Discutir fatos atuais que envolvem esportistas que fizeram uso de drogas.
Promover uma campanha através de um campeonato com o lema “Quem pratica esportes, não usa drogas”.
Procurar patrocinadores para doação de camisetas.

TEMAS TRANSVERSAIS:

1. Ensino Religioso:

Discutir sobre o que leva o adolescente procurar refúgio nas drogas.
Refletir sobre “O preço da liberdade é uma eterna vigilância”.
Discutir sobre a importância da escola (educação) como condutora de conhecimento e formadora de valores e conduta.
Compreender através de reflexões sobre a importância da fé e solidariedade como forma de libertação, relação de vida e construção da cidadania.
Organizar uma palestra informativa sobre “drogas” para pais ou responsáveis.

Tempo: 02 meses

Abrangência: Todo o Ensino Fundamental e Ensino Médio

CIÊNCIAS
Problematização

Assistir ao filme:

“Meninos de Rua” – 1º ciclo

” Morrer em vida” – 2º ciclo

Discutir:

– O que significa “morrer em vida”?

– Você acha que álcool e cigarro são drogas? Se concorda, por que são comercializadas livremente?

– Quais os motivos podem levar um jovem a usar drogas?

– Como ajudar uma pessoa que usa drogas a livrar-se do vício?

– Você acha que alguém que usa drogas pode ter bom desempenho na escola, e sucesso na vida?

Registrar o comentário do grupo sobre o filme.

Organização do projeto

Levantamentos dos conheci-mentos prévios e os desejados.
Levar os professores para o laboratório para que eles possam levantar as certezas e as dúvidas sobre as drogas.

Detalhamento Pedagógico
Levantamento de dados: Pesquisar na Biblioteca o conceito de drogas e os diferentes tipos.

Proposta interdisciplinar:
Fazer uma tabela de diferentes tipos de droga.

Preparar um roteiro para entrevistar um profissional para falar sobre tipos de drogas mais conhecidas e relatar seus danos sociais, psíquicos e físicos causados pelo uso.

Entrevistar profissional segundo roteiro, discussão e avaliação dos resultados.
Preparar um questionário para levantar opiniões sobre o uso de drogas.
Entrevistar o usuário.
Listar os primeiros socorros para usuários de drogas em crise.
Levantar proposta para cura do viciado.

Português

Confronto de pontos de vista:

Propor a leitura textos diversos e dos livros:
“Alcoolismo – questão de bom censo”,
“Macaco, Leão ou porco? … o abuso do álcool e seus problemas …”,
“Vou fazer meu pai parar de fumar”,
“Conversando sobre cigarro”,
“Drogas, uma história diferente” , etc.,

Apresentar a leitura através do conto, criação de poemas, paródias, dramatizações, júri simulado, discussões, etc

Trazer para a sala propaganda de TV, rádio e jornal sobre o tema abordado.

Construir slogans e cartaz propaganda para conscientização dos jovens sobre os malefícios das drogas.

Deflagrar uma campanha sobre os Malefícios das Drogas.

Matemática

Tabular dados estatísticos sobre os países que consomem drogas e países que produzem; e construir gráficos e tabelas
Interpretar dadas levantados.

Resolver problemas operatórios

História

Socialização das entrevistas e pesquisas:

Elaborar roteiro de pesquisa na Biblioteca: origem da droga, o consumo na sociedade
Legislação Brasileira que dispões sobre às drogas.

Estatuto da Criança e do Adolescente em relação às drogas.

Fazer apresentação, debate e jornal mural.

Geografia

Analisar tabelas de distribuição territorial do narcotráfico e localizar em mapas os principais países produtores e consumidores de drogas.

Discutir sobre a influência da questão social- econômica e climática nos países produtores e consumidores de drogas.

Educação Física

Fazer levantamento dos detectores utilizados para comprovar o uso de drogas pelos esportistas e outros e discutir fatos atuais.
Elaborar um campeonato interno com o lema” Quem pratica esportes, não usa drogas”.

Organizar uma pixação orientada nos muros internos da quadra, com slogans criados pelos alunos.

Procurar patrocinadores para doação dos jogos de camisetas.

Registro de hipóteses e conclusão

Organizar todo o material gerado ao longo do projeto:
Relatório de entrevistas
Gráficos de resultados de pesquisas
Tabelas elaboradas
Produções de textos
Paródias
Poemas
Dramatizações
Slogans
Cartaz propaganda
Jornal mural, etc.
Fazer uma exposição interna aberto à comunidade.

Avaliação do Projeto Pedagógico

Avaliar a aprendizagem e os aspectos de interdisciplinariedade
Avaliar a participação de cada aluno, os grupos e a participação da escola.

Começam inscrições para prêmio que vai reconhecer boas práticas de leitura

Brasília – As inscrições para o Prêmio Vivaleitura 2008, que integra o Plano Nacional do Livro e Leitura (PNLL), começam hoje (2) e vão até o dia 8 de julho. Criado com o objetivo de estimular, fomentar e reconhecer boas práticas de leitura, o prêmio será oferecido em três categorias: bibliotecas públicas, privadas e comunitárias; escolas públicas e privadas; e sociedade, que engloba empresas, organizações não-governamentais, pessoas físicas, universidades e instituições sociais.

Segundo informações do Ministério da Cultura, este ano o valor do prêmio será de R$ 30 mil, para cada um dos vencedores nas três categorias. As inscrições podem ser feitas pela internet ou pelo correio, em carta endereçada a Prêmio Vivaleitura 2008, caixa postal 710377, CEP 03410-970, São Paulo (SP).

O prêmio é uma iniciativa dos Ministérios da Cultura e da Educação, em conjunto com a Organização dos Estados Ibero-Americanos para Educação, a Ciência e a Cultura (OEI). É realizado e patrocinado pela Fundação Santillana, com o apoio do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) e da União dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime).

Saiba mais acessando aqui

TÊM INFORMAÇÕES NOVAS NO APRENDENDO A WEB

30 thoughts on “Adolescência, Sexualidade e Drogas

  1. GOSTEI MUITO DO PROJETO , JÁ QUE A SOCIEDADE ESTÁ PASSANDO POR UM MOMENTO CRÍTICO COM RELAÇÃO AO USO DE DROGAS E QUALQUER TENTATIVA DE TENTAR COMBATE-LAS É VÁLIDO.

    Cybele Reply:

    Olá Luizete, tudo bem?

    Você tem toda razão. Precisamos atacar o problema de frente. Não há mais tempor para se fazer de conta que isso não existe.
    Obrigada por comentar e por acompanhar o Educa Já!
    Volte sempre!
    Com carinho

  2. gostei muitissimo do projeto estava pesquisando sobre drogas e sexualidade pois estamos com um projeto sobre drogas na escola em que trabalho e para mim foi muito bom.

    Cybele Reply:

    Olá Margareth, tudo bem?

    Que bom que você gostou.
    Obrigada pelo carinho das suas palavras.
    Volte sempre que quiser.
    abraços
    Equipe Educa Já!

  3. gosttei muito sobre os assuntos abordados.Vê se coloca tabela e estatistica sobre drogas.

    Cybele Reply:

    Olá Aldejany, tudo bem?

    Obrigada pelo seu comentário e sugestão.
    Continue acompanhando o Educa Já! que em breve abordaremos este assunto novamente.
    abraços
    Equipe Educa Já!

  4. O projeto veio contribuir com o nosso trabalho bem como com a realização de atividade s pedagógicas que intensificam as ações dentro do fazer pedagógico da escola.

    Cybele Reply:

    Olá Raimunda, tudo bem?

    Obrigada pelo carinho de sempre.
    Continuamos juntas em 2013.
    abraços
    Cybele Meyer e Equipe Educa Já!

  5. Nossa gostei muito do seu projeto ,é o perfil do trabalho que estou fazendo ,estava pesquisando sobre drogas e sexualidade pois estamos com um projeto a ser trabalhada nos bairros de baixa rendo .

    Cybele Reply:

    Olá Alessandra, tudo bem?

    Obrigada pelo carinho de sempre.
    Continuamos juntas em 2013.
    abraços
    Cybele Meyer e Equipe Educa Já!

  6. reações semelhantes aos sintomas da esquizofrenia aguda, com alucinações, alterações visuais, táteis e despersonalização. É comum que aconteçam suicídios involuntários quando as alucinações causam a impressão, por exemplo, de que se pode voar.

  7. A COCAÍNA: é uma das drogas estimulantes do sistema nervoso. Pode ser inalada, ingerida ou injetada. O usuário fica falante, com idéias de grandeza, idéias paranóicas, alucinações visuais, auditivas, táteis e delírios persecutórios. Os efeitos físicos provocam sensação de resistência.

  8. a droga é conhecida por ter reações semelhantes aos sintomas da esquizofrenia aguda, com alucinações, alterações visuais, táteis e despersonalização. É comum que aconteçam suicídios involuntários quando as alucinações causam a impressão, por exemplo, de que se pode voar. que esta vendo bichos e etc …

  9. Existem as drogas encontradas em farmácias, que são os CALMANTES e SEDATIVOS, classificados como BARBITÚRICOS e os TRANQUILIZANTES e ANSIOLÍTICOS, classificados como BENZODIAZEPÍNICOS, utilizados para induzir o sono e tranqüilizar, provocando alta dependência física e psíquica…

  10. Muitas vezes, efeitos falsos são atribuídos às drogas com a finalidade de assustar as pessoas e de mantê-las longe do consumo, mas estas falsas atribuições só atrapalham as campanhas anti-drogas porque as pessoas experimentam, descobrem que os efeitos divulgados não são verdadeiros e desacreditam na parte mais importante para a decisão contra as drogas, que são os prejuízos que aparecem, mesmo que a longo prazo, e que dizem respeito tanto a efeitos físicos como psíquicos gravíssimos e irreversíveis a depender da droga e do tempo de uso.

    Cybele Reply:

    Olá Melissa, tudo bem?

    Obrigada pelo comentário e por enriquecer ainda mais o nosso espaço.
    Volte sempre!
    abraços
    Equipe Educa Já!

  11. Esse Site é muito bom , ele encina a não usar drogas , e usar sempre perzevativos ,

    Cybele Reply:

    Olá Melissa, tudo bem?

    Obrigada pelo comentário e por acompanhar o Educa Já!
    Volte sempre!
    abraços
    Equipe Educa Já!

  12. eu nãÕ SEI PORQUE ESSAS PESSOAS FICAM USANDO DROGAS ESSE TIPO DE DROGAS NÃo faz bem pra saÚde essas drogas faz mau para saÚde drogas matam milhares de pessoas drogas sÃõ depoimentos que eles usam pra vender

  13. Eu acredito que ter mais informacoes para os adolecentes seja muito importante e que os pais aponhei esse projeto.

    Cybele Reply:

    Olá Thalita, tudo bem?

    Obrigada por enriquecer o nosso espaço com seu comentário
    Continue acompanhando o Educa Já!
    abraços
    Equipe Educa Já!

  14. eu acho muito importante ter um site falando sobre isso, por que pra mim foi muito educativo estou estudando sobre a prejudicação da droga na vida de um(a) adolecente, e este site me ajudou muito
    MUITO OBRIGADO!!!!!!!!!

    Cybele Reply:

    Olá Helem, tudo bem?

    Obrigada por enriquecer o nosso espaço com seu comentário
    Continue acompanhando o Educa Já!
    abraços
    Equipe Educa Já!

  15. Boa Noite aos administradores do site,

    Gostei muito do conteúdo e vou usar de algumas informações para dar início a um projeto com jovens e adolescentes na minha cidade… Belem/PA…
    Se possível, gostaria de outras fontes que possa enriquecer outros projetos….

    Parabéns!!!

    Cybele Reply:

    Olá Elkson, tudo bem?

    Obrigada por acompanhar o Educa Já!
    Sua participação enriquece ainda mais o nosso espaço.
    Continue nos acompanhando que sempre teremos novidades.
    Volte sempre!
    abraços
    Equipe Educa Já!

  16. Ótimo conteúdo! Eu e um grupo de amigos da faculdade estamos com um projeto de educação sexual e tudo aqui foi de muita utilidade!!! Observação: no terceiro parágrafo, não existe ‘houveram’. O verbo haver não possui plural.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *