Dicas para as aulas de Física e Química

Usando Animações on-line para aulas de física

Fonte: Vivência Pedagógica

Introdução

Muitas vezes desejamos enriquecer uma aula sobre um tema/fenômeno de física e nem sempre temos disponibilidade (falta de laboratório e/ou equipamento adequados) para montarmos um experimento didádico. Com a internet, isto já não é mais motivo para que as aulas fiquem apenas no cuspe e giz.

Ingredientes

Com um editor de texto simples (memopad do windows ou gedit do Linux), um navegador com suporte a java e acesso a internet e algumas máquinas [idealmente uma para cada dois alunos, mas podemos sempre improvisar ;-)] já podemos usar simulações em java de fenômenos físicos para apresentar ou mesmo aprofundar conceitos de física. Existem várias simulações livremente disponíveis na internet.

Uma procura em ferramentas de buscas nos trazem vários endereços. Aqui, um exemplo de um endereço com várias simulações já divididas por assunto: http://www.walter-fendt.de/ph11br/index.html Neste endereço você verifica que existem várias simulações (applets) sobre vários assuntos que trabalhamos com nossos alunos.

Misturando os ingredientes

Algumas simulações são simples outras mais elaboradas, mas em todas elas é sempre possível se pensar em roteiros didáticos para que os alunos possam interagir com as simulações de modo que reflitam e tenham uma experiência mais enriquecedora com a simulação. Como assim? O professor ao invés de apresentar as idéias, sugere ações (que parâmetros devem ser alterados e como) que o aluno deve fazer com a simulação e que parâmetros ele deveria observar para chegar a conclusôes importantes sobre um determinado fenômento físico.

As respostas podem/devem ser colocadas no próprio roteiro e uma discussão sistematizadora com toda turma pode ser feita no final da atividade.

Exemplos de roteiros

Neste link três exemplos de roteiros, no formato apresentado acima: http://sergioflima.pro.br/cpii/#toc3. Você sempre poderá acrescentar ou suprimir atividades nos roteiros acima. Eles estão sendo apresentados apenas como exemplos efetivos de aplicação da idéia.

Também há simulações neste endereço http://www.rived.mec.gov.br/site_objeto_lis.php Vá ao final da página

Vídeos para o Ensino da Física e da Química

Sopros com hélio

As características do som produzido por instrumentos musicais dependem dos harmónicos característicos de cada um deles: as respectivas frequências de ressonância.

Estas frequências dependem, no caso dos instrumentos de sopro, não só da forma dos instrumentos como também da velocidade de propagação do som no ar. O som propaga-se mais rapidamente no hélio. Pode verificar aqui (Lionel Richie) quais as consequências deste facto.

Verifica-se que a velocidade do som e, neste caso, também a frequência fundamental de ressonância é inversamente proporcional à raiz quadrada da densidade do meio onde se estabelece a onda estacionária.

Assista ao vídeo clicando AQUI

Por que é que certas coisas fazem BANG? Ou BUM?

Quando um balão rebenta ouvimos um estrondo que nos pode assustar. Sobretudo se formos surpreendidos. A que se deve esse estrondo?

Quando o balão rebenta, o ar contido no seu interior aumenta de volume muito rapidamente pois estava a ser comprimido pela superfície do balão. Esta expansão comprime as porções de ar adjacentes à superfície do balão, e esta compressão vai-se transmitindo sucessivamente de cada camada às camadas adjacentes: onda de compressão.

O mecanismo de propagação do som envolve uma variação de pressão que produz um deslocamento nas camadas de ar adjacentes. Por sua vez este deslocamento altera a densidade do ar. Esta alteração de densidade gera nova mudança de pressão que volta a produzir um deslocamento da camada de ar adjacente. E assim sucessivamente.

Assista ao vídeo clicanco AQUI

Uma viagem ao ouvido

A percepção dos sons do mundo é possível graças aos ouvidos: excelentes detectores de vibrações mínimas (animações de acústica).

A função principal da orelha é colectar o som, funcionando como um funil e direccionando o som para o canal auditivo que transmite os sons captados para o tímpano e serve de câmara de ressonância.
As vibrações do tímpano são transmitidas aos ossículos martelo, bigorna e estribo no ouvido médio.

O estribo, está acoplado a uma fina membrana designada de janela oval, uma entrada para a ouvido interno que contém o órgão da audição, a cóclea. Quando as vibrações chegam à cóclea activam o órgão de Corti, formado por milhares de células ciliadas, que é responsável pela transformação das ondas de pressão (som) em impulsos nervosos que são enviados ao cérebro para serem interpretados.

Para assistir o filme clique AQUI

Som: freqüência, intensidade e timbre

Um coro a reproduzir os sons produzidos por um Honda Civic: publicidade onde se demonstra que as possibilidades da voz humana são infinitas (criação da Wieden + Kennedy London).

Embora o ideal fosse um carro silencioso, utilizam-se estes sons, normalmente pouco agradáveis, para referir alguns conceitos elementares associados ao som: onda longitudinal, intensidade, altura e timbre.

Onda estacionária como o resultado de duas ondas

© 2004 The Physics Classroom and Mathsoft Engineering & Education, Inc., Todos os direitos reservados.

Vale a pena consultar algumas das animações flash de David M. Harrison do Departamento de Física da Universidade de Toronto, tais como as seguintes: ondas de deslocamento e de pressão; física da música; efeito Doppler (frentes de onda e frequência da vibração). Para aceder a lista completa de animações sobre diversos temas de física clique aqui.

Para assistir ao filme clique AQUI

Ouvir os lábios e ver a voz: BA-BA, GA-GA ou DA-DA?

O som é ouvido ou visto? O som também se pode ver? As imagens também se podem escutar? As investigações mostram que a percepção da fala é multimodal, ou seja, a fala é ouvista.

A maioria das pessoas percepcionam o som “DA-DA”: neste caso, o “D” resulta de uma ilusão audiovisual. Na realidade, o som produzido é “BA-BA” e o movimento dos lábios deste personagem é o correspondente a “GA-GA”. Trata-se, portanto, de uma montagem em que o som foi sobreposto à imagem.

É muito interessante notar que o facto de se ter consciência do truque não elimina a ilusão: embora o som produzido seja “BA-BA” (confirme ouvindo o vídeo de olhos fechados), quando vemos o vídeo continuamos a ouver “DA-DA”.

Este é o chamado efeito McGurk. Foi descrito pela primeira vez na revista Nature – 264(5588), pp. 746-748 -, em 1976, por Harry McGurk (1936-1998) – psicólogo do desenvolvimento na Universidade de Surrey, Inglaterra, na altura da publicação deste trabalho – e John MacDonald (assistente de McGurk). Através da combinação da informação auditiva e visual, percepciona-se um fonema diferente do fonema que na realidade foi usado, ou acusticamente, ou visualmente.

O estudo deste efeito está a ser utilizado na concepção de software de reconhecimento da fala mais preciso que utiliza simultaneamente informação vídeo para a leitura labial.

LUDOTECA

Experimentoteca-Ludoteca do Instituto de Física da USP

MÃO NA MASSA você encontra:
Textos, atividades, simulações e projetos

SIMULAÇÕES: Aqui você encontra algumas simulações e atividades desenvolvidas em Flash, Delphi e Visual Basic.

EXPERIMENTOS: muitas opções

ROLETA QUÍMICA

Fonte: Portal Mocho

Para jogar ROLETA QUÍMICA clique AQUI

Visite o MOLECULARIUM você encontra simulações em QUÍMICA-FÍSICA

ASSISTA AOS VÍDEOS LABORATORIAIS CLICANDO AQUI

ASSISTA AOS VÍDEOS “LIGAÇÕES INTERMOLECULARES” CLICANDO AQUI

Convido vocês para lerem a entrevista que dei para o blog Desabafo de mãe.
Como vocês sabem eu escrevo para o site Desabafo de Mãe da Ceila Santos e também respondo perguntas sobre Educação. É um espaço muito interessante que vale a pena ser visitado sempre.

Inscrições para o curso

“Ensino da Arte na Contemporaneidade: Desafio Para a Cultura e a Educação”

estão abertas do dia 26 de maio a 23 de junho

Estão abertas, entre os dias 26 de maio e 23 de junho, as inscrições
para o curso “Ensino de Arte na Contemporaneidade: Desafio Para a
Cultura e a Educação”, realizado pela Duo Informação e Cultura e a
Humbiumbi – Arte, Cultura e Educação, ambas de Belo Horizonte (MG),
com patrocínio da Petrobras.

As aulas serão ministradas à distância (pela internet), no período
de 01 de agosto a 28 de novembro.

O curso é gratuito e oferece 160 vagas para arte/educadores de todo
país, vinculados a instituições de ensino públicas e privadas e ao
terceiro setor. As inscrições podem ser feitas AQUI

O curso, que será desenvolvido por meio da plataforma de Educação a
Distância da DUO, vai atuar na formação de arte-educadores,
fomentando o diálogo em rede e o intercâmbio de experiências entre
estes profissionais. selecionado por meio de seleção pública do
Programa Petrobras Cultural, busca investir na formação de educadores
e agentes culturais, privilegiando a Educação para e pelas Artes.

Além da disponibilização dos conteúdos de cada aula, haverá espaço
para o fórum de debates. Professores, monitores, coordenadores e alunos
participarão desse fórum levantando temas, fazendo perguntas e
respondendo dúvidas, de forma assíncrona, ou seja, não haverá
necessidade de estarem conectados simultaneamente. Estima-se uma carga
horária de 120 horas, distribuídas em leitura de textos e
participação em fóruns de debates.

A iniciativa conta ainda com a parceria institucional e chancela da
Unesco, além da parceria com o Instituto Ayrton Senna que está
disponibilizando a Solução Educacional de Educação para o
Desenvolvimento Humano pela Arte para ser utilizada como uma das
referências conceituais e metodológicas do curso.

One thought on “Dicas para as aulas de Física e Química

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *