Hábitos de Estudo

Um bom começo para se falar sobre “Hábitos de estudo” é através da avaliação.

Responda a este teste e analise os comentários.

INVENTÁRIO DE HÁBITOS DE ESTUDO

Fonte: http://www.unoeste.br/fipp/gapa/inventario.htm

A. Motivação para o estudo

Para cada afirmação, você tem três respostas:
a) raramente ou nunca;
b) às vezes;
c) freqüentemente ou sempre.

Assinale nos parênteses ao lado:

1. ( ) Você é capaz de desligar a TV, ou outra atividade de que goste muito, para ir estudar.
2. ( ) Quando começa a estudar é capaz de adiar um divertimento.
3. ( ) Você não se preocupa com a hora de acabar o estudo, nem conta as páginas que faltam para ler ou olha no relógio a todo momento quando senta para estudar.
4. ( ) Você gosta de ler seus apontamentos ou seu livro de estudos independentemente de provas; faz isto porque gosta.

B. Local de estudo

1 . Você estuda habitualmente:

a) numa escrivaninha, no seu quarto, onde está todo o seu material;
b) na casa de amigos;
c) em qualquer local da casa desde que haja uma poltrona confortável ou mesmo uma cama (nem sempre no mesmo local).

2. No local onde você estuda:

a) é um local quieto, sossegado, e você tem por hábito fechar porta para não ser interrompido;
b) não existem pessoas passando, conversando, mas é um local de onde você consegue perceber o “movimento” todo da casa: quem chega, o que cada um está fazendo, etc.;
c) existem pessoas passando, conversando, por vezes até fazendo uma ou outra brincadeira com você.

3. Na sua escrivaninha ou mesa de estudo:

a) você deixa o estritamente necessário: papel, canetas, lápis;
b) você deixa sua máquina de calcular, dicionário, ao lado de algumas guloseimas, balas, bolachas, etc.;
c) você coloca todos os objetos de que gosta (troféus que ganhou, coleção de chaveiros) e mais algumas fotos (geralmente embaixo do vidro da mesa).

4. Você gosta do local onde estuda?

( ) Sim ( ) Não

C. Horário de estudo

1. Quanto ao horário de estudo, você:

a) já sabe de manhã como vai passar o dia, tem um plano diário de estudo;
b) tem um horário onde são previstas as suas atividades, as horas de estudo, mas raramente consegue segui-lo;
c) não tem muita idéia do que terá que fazer durante o dia quando se levanta; resolve na hora, dependendo do que aparece”.

D. Atitude durante as aulas

1 . Durante as aulas:

a) você assiste à aula, não toma notas, mas fica desenhando no caderno ou mexendo com alguma coisa, “para se manter atento”;
b) você não consegue se concentrar, fica “sonhando” ou tentando conversar com o colega;
c) você só anota alguns pontos que você acha importante.

2 . As anotações que faz em classe:

a) você, às vezes, não lembra onde anotou as aulas da matéria que vai estudar, ou estas anotações estão espalhadas no caderno;
b) você raramente recorre a elas na hora de estudar para as provas, por não dar tempo e por não confiar muito nelas;
c) são transcritas depois da aula, de forma que você “remonta” à aula dada.

E. Hábitos de leitura

1. Quando você lê um texto:

a) costuma se deter para compreender gráficos ou diagramas, tabelas e mapas;
b) tem muita dificuldade para descobrir o significado de um gráfico, tabela ou mapa;
c) você “pula” estas partes, pois acha perda de tempo.

2. Ainda em relação à leitura, você:

a) costuma ler o resumo no fim do capítulo antes de ler o capítulo com cuidado, ou dá uma folheada geral no capítulo antes de lê-lo, parando em alguns pontos e nos subitens;
b) começa imediatamente a ler, desde a 1.a linha;
c) dá uma folheada geral, mais para contar o número de folhas, etc., depois faz uma leitura rápida, “pulando” trechos não muito claros.

3. Durante a leitura:

a) tenta resumir o capítulo em itens ou palavras-chaves, ou anota nos cantos do texto, fazendo um resumo por parágrafo;
b) sublinha somente os pontos mais importantes;
c) não faz anotação nenhuma.

4. Quando você está lendo:

a) não se detém em cada palavra, mas é capaz, até certo ponto, de prever a palavra seguinte, “lê com os olhos”;
b) pronuncia cada palavra mentalmente;
c) articula as palavras, ou seja, mexe a boca como se estivesse lendo baixinho o que está escrito.

F. Hábitos e atitudes gerais de trabalho. Atenção e memória

1. Você resolve estudar porque no dia seguinte haverá uma prova; a partir desta resolução:

a) você telefona a um amigo para saber o que terá que estudar;
b) você se dirige à escrivaninha, ou local de estudo, e pega tudo o que você tem referente àquela matéria que entrará na prova, fica desesperado e, “já” que não vai dar tempo mesmo de estudar agora, vai descansar;
c) você pega imediatamente o livro ou caderno e senta em algum lugar da casa para estudar.

2. Ainda na situação de véspera de prova:

a) tudo arrumado para você começar a estudar, você se lembra da festinha da semana anterior e não consegue se desligar disso e resolve ler a matéria;
b) antes de começar a ler suas anotações, preparado todo o material ou livro, você dá uma “ligada” na TV para ver o que está passando, ou vai saber o que seu irmão (ou irmã) está fazendo, vai até a casa de um amigo, ou pega o telefone antes de iniciar realmente o estudo;
c) você fica preocupado com a prova, fica pensando que deveria ter estudado antes, porém faz um planejamento de estudo e inicia logo para que, dentro do tempo disponível, consiga se preparar o melhor possível.

3. Você está estudando em sua escrivaninha, há outras pessoas na casa: sua mãe, irmãos, empregada. A janela está aberta, de forma que você ouve o barulho da rua. Você é capaz de:

a) identificar a marca de carro que buzinou na esquina e a procedência de todos os ruídos da casa;
b) responder à pergunta que a empregada faz a sua mãe e saber o que seu irmão (ou irmã) está fazendo naquele momento e em que local da casa;
c) desligar de tudo e saber qual foi o último item lido.

4. Você acabou de ler um texto, você é capaz de lembrar:

a) não sabe repetir nada do que leu;
b) alguma parte do texto, mas não se lembra do tema central;
c) o tema geral, mas não todos os detalhes.

5. Quando você se dispõe a fazer um trabalho:

a) faz tanto rodeio que no fim já não sobra mais tempo;
b) só deixa a escrivaninha após terminá-lo, embora perceba que já está cansado e que não está conseguindo fazê-lo satisfatoriamente;
c) mantém sua atenção nele até terminá-lo ou necessita de várias pausas, para um café, ou uma voltinha pela casa, antes de retomá-lo e ir até o fim.

6. Enquanto você está estudando:

a) conversa com as pessoas que passam por você, fica tamborilando na mesa ou comendo alguma coisa como bolachas, balas;
b) deixa a TV ligada para, de vez em quando, olhar o que está passando, ou estuda ouvindo música;
c) fica absorto no estudo e não gosta de ser interrompido.

7. Quando você lê um texto:

a) não sabe bem por que o autor está dizendo tudo aquilo;
b) não consegue descobrir os pontos mais importantes do que está lendo, não se recorda do que o autor disse anteriormente;
c) entende seu significado, “acompanha” as idéias do autor, embora não consiga sempre reproduzi-las no final.

8. Se você estava lendo um texto,e teve que interromper:

a) recomeça onde achava que parou, depois descobre que aquilo você já tinha lido anteriormente;
b) você tem que retomar a partir do último item, senão fica “perdido” no texto;
c) sabe exatamente onde parou ou sabe do que o autor estava tratando, mas não se lembra exatamente de onde parou.

Quadro de avaliação dos resultados
Comentários

A . Motivação

– Se as suas respostas a esse grupo de afirmações foram em sua maioria (a), sua motivação para o estudo está bem abaixo do que seria razoável. Você está desmotivado e, portanto, no restante do teste é bem possível que apareçam falhas de concentração ou memória; isso é natural, pois você não está “ligado” no estudo.
– Se suas respostas são (a) ou (b), mas a maioria é (b), sua motivação ainda assim deixa a desejar.
– Se suas respostas foram, na maioria ou todas, (c) e mesmo assim você não está conseguindo um bom rendimento, é possível que existam falhas nos hábitos de concentração ou mesmo falta de organização.

B. Local de estudo

– Se você respondeu (a) a quase todas as questões, você consegue se organizar satisfatoriamente num ponto de bastante importância, que é o lugar que destinou a seus trabalhos escolares.
– Se suas respostas estão entre (b) ou (c), este ponto é problemático. As situações descritas nelas revelam desorganização crescente, isto é, as situações das alternativas (c) são “piores” do que as descritas em (b) quanto à questão de organização do local de estudo.
– A última questão, se você gosta ou não do local onde estuda, destina-se a fazê-lo parar e pensar nisto, tentando depois detectar o que no local onde você estuda está ruim e como mudá-lo. É de suma importância você gostar do local onde trabalha.

C. Horário de estudo

– Se você respondeu (a), ótimo.
– Se você respondeu (b) ou (c), novamente volto a insistir: você precisa organizar sua vida escolar; a alternativa (c) mostra ainda que sua dedicação ao estudo está bem deficiente. E, ainda, você “funciona” na base de cobrança, sem nenhum planejamento prévio.

D. Atitude durante as aulas

– Se você respondeu (c) às duas questões deste item, excelente.
– Se houve qualquer outra combinação de respostas, você tem perdido tempo devido a problemas de organização ou concentração na hora da aula. E isso vai refletir na pouca utilidade das anotações que faz. Pense no seu caso: os seus apontamentos não lhe são úteis porque você não tem um bom método de anotar as aulas ou por não conseguir manter sua atenção na hora em que o professor está explicando?

E. Hábitos de leitura

– Se você respondeu (a) a todas as perguntas deste item, meus parabéns!
– Se você respondeu (b), existem dificuldades a serem superadas quanto a leitura de textos.
– Se suas respostas foram (c), ou a maioria delas foi (c), existem problemas específicos a serem corrigidos, e problemas de duas espécies:
– de maus hábitos de leitura (leitura com os lábios), e
– de motivação. Você não está se aplicando o suficiente; poder-se-ia dizer que existe um problema de descuido, de desleixo. (Seria bom, inclusive, se for esse seu caso, começar uma leitura mais cuidadosa, procurando no dicionário a palavra desleixo, se você não a conhece.)

F. Hábitos e atitudes gerais de trabalho

– Se você respondeu (c) a todas as perguntas, ou a maioria das respostas foi (c), você tem bons hábitos de trabalho, principalmente se respondeu (c) à questão 3.
– Se você respondeu à maioria (b), existem pontos a ser corrigidos. Pequenos “vícios” de leitura e problemas na área de concentração em uma tarefa.
– Se você respondeu à maioria (a), ou só deu respostas (a), será necessário uma reformulação de seus hábitos. Existem problemas relativos a motivação, organização e atenção.

Resumindo

Neste quadro colocamos as respostas mais típicas dos três tipos de estudante:

a. o desmotivado ou desligado, que sempre precisa de uma “inspiração” especial para estudar;

b. o desorganizado, cujo material escolar geralmente não está em ordem para ser usado e que não consegue dimensionar sua vida ou seguir um horário.

c. o distraído ou disperso, que apresenta problemas de atenção e não consegue se concentrar no que está fazendo; é um “sonhador”, está no “mundo da lua”.

No entanto, estas categorias não são mutuamente exclusivas e, a bem da verdade, um problema leva a outro. Por exemplo, se eu não me organizo ou não estou motivado para uma determinada tarefa, é quase impossível prestar atenção. E, com menor probabilidade ainda, memorizarei o conteúdo do que estou lendo.

E agora, além das questões apresentadas anteriormente, seria útil ainda você pensar e responder sim ou não a estes pontos:

( ) 1. Você tem que ler várias vezes um texto para entender seu conteúdo?
( ) 2. Você volta atrás e tenta entender o que havia ficado confuso na primeira leitura?
( ) 3. Você consulta o dicionário quando encontra uma palavra de que desconhece o sentido?
( ) 4. Você tenta relacionar o que está lendo com outras partes do programa?
( ) 5. Concentra-se no que está fazendo? Consegue prestar atenção às aulas?
( ) 6. Você realmente tem horas destinadas ao estudo e aos trabalhos escolares?
( ) 7. Você precisa de uma “inspiração” especial para estudar ou se dedicar aos trabalhos acadêmicos pois tem tendência a se dispersar, a perder tempo?
( ) 8. Fica nervoso nas provas ou não tem muita paciência para ficar pensando e logo entrega a prova, bem antes do término do prazo?
( ) 9. Antes de fazer um trabalho organiza mentalmente as idéias?
( ) 10. As características do professor influem no seu empenho em estudar aquela matéria?

Um bom estudante teria respondido “não” somente às questões de números 1, 7, 8 e 10, e “sim” às restantes.
Analise agora suas respostas, comparando-as com as respostas esperadas de um bom estudante, e veja como você se situa quanto a estes pontos.

HÁBITOS DE ESTUDOS

Fonte: Colégio Teutônia

““ O vento é o mesmo, mas sua resposta
é diferente em cada folha.”
Cecília Meireles

ALGUMAS DICAS:

USO DO DICIONÁRIO:

Por vezes, enquanto você estuda , surgem palavras desconhecidas. É bom
ter um dicionário à mão, para que possa consultá-lo e compreender melhor o que
está a ler. As palavras apresentam-se em ordem alfabética. Após encontrar a
palavra, leia novamente a frase do texto em que está essa palavra. Depois veja os
sinônimos que o dicionário sugere.
Qual lhe parece que vai fazer sentido no texto? Substitua a palavra do texto por esse sinônimo. Leia a frase. Faz sentido? Escolheu bem. Não faz sentido? Tente outro sinônimo e repita o processo.

Treine a sua consulta no dicionário procurando o significado das palavras destacadas (ou de outras que eventualmente desconhece).

Como fazer sublinhados

Sublinhar é colocar um risco embaixo das idéias, detalhes e notas mais importantes do texto que se está a ler ou a estudar. Com o sublinhado pretende destacar-se aquilo que de mais importante surge no texto.
Permite ainda facilitar a memorização dos conhecimentos e fazer revisões mais facilmente.

Como fazer?
A – Utilize um lápis ou caneta de cor contrastante, sublinhe os títulos e as idéias
mais importantes;
B – Sublinhe as palavras e frases que venham com escrita em itálico ou em letra
mais carregada (negrito) e tudo o que se encontre de especial interesse.
C – Utilize diferentes tipos de sublinhados, para distinguires diferentes tipos de
idéias.

Regras para sublinhar bem:

1 – Depois de leres o texto, na segunda leitura, tente distinguir o que é essencial.
2 – Selecione então os elementos de informação mais importantes para sublinhar.
3 – Sublinhe as frases que contêm esses elementos, de forma que, ao lê-las, de imediato lhe forneçam a idéia fundamental.
4 – Dê mais importância às definições e idéias-chave.
5 – Sublinhe de forma que, ao leres só os sublinhados, você se lembre de todo o texto e perceba o seu sentido. Assim, quando fores fazer revisões da matéria, terá o trabalho muito facilitado.

Notas à margem do texto:

Além dos sublinhados, você pode também utilizar um código e fazer notas à margem do texto chamando assim a atenção para diversos pontos. Por exemplo:
Código Significado
II Importante; idéias a realçar.
V Concordo
X Não concordo
Def. Definição ou conceito
- aviso

Técnicas de memorização – Vantagens e desvantagens·

Repetição

-A forma mais simples de decorar uma determinada informação é exatamente repeti- la um determinado número de vezes até que esteja totalmente apreendida. Esta técnica é
muito utilizada, mas pode ser demasiado fatigante ou mesmo pouco útil, uma vez que implica um esforço mental que resulta muitas vezes no posterior esquecimento de tudo o que foi decorado.

· Imagens mentais

- Esta técnica baseia-se na idéia da memória fotográfica. Para as pessoas que tenham maior facilidade em decorar imagens, aconselha-se o recurso a páginas de informação
estruturada e extremamente visual que provoque uma impressão forte na memória e obrigue a uma recordação exata. A grande desvantagem deste método é não poder ser aplicado a todas as matérias, mas apenas àquelas que tenham uma maior adaptabilidade a este tipo de estrutura.

· Técnica dos espaços

- Nesta técnica pretende-se utilizar a familiaridade da pessoa com determinado
espaço para recordar determinada informação. Assim, por exemplo, pode-se associar a cada rua de uma pequena cidade uma idéia e o indivíduo, enquanto imagina passear-se por esses espaços vai-se recordando das informações que associou a cada um deles. Esta técnica tem a desvantagem de implicar um bom conhecimento dos espaços, o que não acontece com todos nós, mas também, que a matéria a estudar se associe com eles.

Palavras-chave

- A idéia desta técnica é associar um tópico a cada palavra-chave, de modo que ao
lembrarmo-nos desse termo nos recordamos de todo um raciocínio ou de toda uma matéria. Embora este método tenha nítidos benefícios do ponto de vista da compreensão da matéria, também é pouco confiável, pois a escolha de uma palavra-chave é muito importante, e também aqui o esquecimento de uma dessas palavras pode ser fundamental para a perda de todo o raciocínio.

Elaboração progressiva

- Por vezes pode ser útil encadear as informações de tal maneira que elas
sigam uma ordem lógica que nos permita recordar as informações que elas encerram. Esta técnica mostra-se bastante útil para descrever processos, mas para enumerar listas de características ou outras informações que pretendemos decorar, não é muito útil, devido à dificuldade de encadear os diferentes dados.

Técnica dos números

- Algumas pessoas têm uma maior facilidade em recordar números do que palavras, o que pode ser comprovado, por exemplo, com os números de telefone. Para essas pessoas,
a codificação de um conjunto de informações em números pode ser a forma mais fácil de adquirir todos esses dados. No entanto, esta técnica encerra também outros problemas como o excesso de codificação que pode tornar as mensagens um conjunto de informações sem sentido e de memorização ainda mais difícil.

Técnica das iniciais

- Muitas pessoas têm também maior facilidade de decorar um processo ou dados como os elementos da tabela periódica, se estes formarem, com as suas iniciais uma palavra
fácil de memorizar e com sentido. No entanto, também este método tem problemas, pois a partir das iniciais apenas, muitas vezes é difícil lembrar quais as palavras que pretendem representar.

Rimas e jogos

- O ensino de crianças passa muitas vezes por rimas e jogos, que se tornam fáceis instrumentos de memorização. Por exemplo, certas rimas para decorar o nome dos meses e do número de dias que os compõem ou mesmo o ritmo que se imprime à tabuada para que quase se assemelhe a uma cantiga são formas de memorização mais fáceis de implementar. Este tipo de métodos muitas vezes recorre a palavras que soam a outras e que têm um sentido caricato na frase, o que faz com que a memória os fixe mais
facilmente, pois apela á sua componente afetiva. Para matérias mais complexas, é, no entanto, difícil de aplicar e geralmente baseia-se em jogos tradicionais, que não incluem muitas das novas matérias a estudar.

Como Fazer um Resumo:

Um resumo é a apresentação sucinta das idéias principais de um texto mais extenso, mas tendo todas as idéias fundamentais. Para tal devem eliminar-se os aspectos secundários. Muitas vezes, um texto é demasiado grande e tem informação “a mais”. Você verá que a tarefa de estudar fica bem mais simplificada se utilizar esta técnica.

Características de um bom resumo:

*Brevidade – só contém as idéias principais. Os pormenores não são incluídos.
*Rigor e clareza – exprime as idéias fundamentais do texto, de uma forma coerente e clara, e que respeite o pensamento do autor.
*Linguagem pessoal – não se copia frases do texto; exprimem-se as idéias principais por palavras nossas.

Resumir corretamente:

Leia o texto e tente compreendê-lo, identificando as idéias principais parágrafo a parágrafo. Para isso, recorra aos sublinhados e aos esquemas, que lhe ajudarão a organizar o texto e os parágrafos. Comece a escrever o seu resumo, respeitando o conteúdo do texto e o pensamento do autor. Não inclua pormenores desnecessários, substitua idéias repetidas ou semelhantes por uma única idéia-chave utilizando a sua própria linguagem.
Leia o seu resumo e avalie, corrigindo os aspectos que achar necessário. Verifique se tem as idéias principais, se a idéia do autor está respeitada e se o texto está coeso. Por fim, aperfeiçoe a linguagem do texto: ortografia, construção de frases, etc.

Como ler e fazer esquemas

Um esquema é sempre a representação e interpretação simplificada e atraente de uma realidade mais complicada. A sua utilização ajuda-nos a compreender e a recordar os acontecimentos, a estabelecer relações entre eles ou entre diversos fatores e a compreender a influência que esses acontecimentos ou fatores exercem uns sobre os outros.

Há vários tipos de esquemas: lineares, quando organizam a informação na horizontal e na vertical; circulares, se organizam a informação em círculo; piramidais, se a informação se dispõe em forma de pirâmide; e sistemáticos,
quando a informação se organiza em forma de quadro, representando as relações de interdependência de um fenômeno.

Como você deve ler um esquema:

1. º Identificar o seu conteúdo, isto é, o tema, a data e, eventualmente, o lugar.
2. º Interpretar a informação, estabelecendo relações entre os vários fenômenos,
seguindo a direção das setas. Uma seta pretende dizer-nos que um acontecimento ou fenômeno teve “determinada causa ou conseqüência” ou “conduziu a”.
3º Escrever um comentário – comece por identificar o conteúdo, faça a descrição
ordenada da informação e depois tire uma conclusão, que deve ser a interpretação das relações entre os diversos dados apresentados.

Para construir um esquema deves

1. º Ordenar a informação.
2. º Escolher o tipo de esquema mais adequado.
3. º Utilizar a mesma cor e a mesma forma para todos os elementos de um mesmo tema.
4. º Colocar adequadamente as setas, considerando que a seta ——> significa
causa/efeito e a seta <-------> quer dizer inter-relação.
5. º Usar de forma correta o traço mais espesso ou menos espesso e a linha contínua ou tracejada para expressar uma relação mais ou menos importante.
6. º Escrever as palavras na horizontal e com letra legível.

Algumas indicações para aprender na sala de aula

A – Ouvir atentamente as explicações dos professores e as intervenções dos colegas.
B – Estar atento e não distrair os colegas.
C – Esclarecer as dúvidas que ocorrem.
D – Realizar as atividades seguindo as orientações propostas..
E – Levar sempre para a aula o material indicado pelos professores.
F – Fazer o registro, no caderno, de forma ordenada (não esquecer a data,
conclusões, esquemas/apontamentos, os trabalhos de casa ou outros).
G – Colaborar nos trabalhos de grupo.
H-Corrigir os exercícios, tanto de classe como os de casa, para que estejam corretos na hora da revisão e do estudo.
Verifica agora as tuas atitudes na sala de aula:

Analise agora os seus resultados: (N.ºde respostas)
Nunca _____
Às vezes _____
Muitas vezes _____
Sempre _____
Perante estes resultados, que conclusão você pode tirar?

Aprendendo a estudar…

Para que o seu esforço não seja penoso, aborrecido e infrutífero, não se esqueças que você deve:

· Interessar-se pelos estudos que está a estudar;
· organizar o estudo com método e eficácia;
· cumprir todas as tarefas e atividades que te forem exigidas.

Estudar exige vontade, atenção, esforço e determinadas técnicas que podem tornar mais eficaz o seu trabalho:

· Na sala de aula, acompanhe com a máxima atenção a explicação e as instruções do professor – identifique o assunto que vai estudar, tome nota das principais informações, esclareça todas as dúvidas e aponte as instruções para o trabalho de casa.
· Na sala de aula, participe do diálogo de forma positiva – acompanhe as intervenções dos colegas, intervenha a propósito, solicite permissão para falar e não hesite em intervir com receio de errar.
· Utilize corretamente os seus instrumentos de trabalho – nunca se esqueças deles, mantenha-os bem cuidados e com os registros em dia.

Preparação para uma avaliação

Antes da avaliação:-Procure dormir bem.
-Estude com tempo. Poderás assim tirar todas as dúvidas.
- Seja autoconfiante, o medo excessivo é um obstáculo ao êxito escolar.
-Faça previamente um plano de estudo dos conteúdos e reserva, para a véspera da avaliação, a revisão final. Volta a ler os sublinhados do texto, as anotações e os apontamentos para consolidares os teus conhecimentos.

Durante a realização da avaliação:

-Leia todo o enunciado da prova antes de responder, pois poderá tomar as atitudes mais corretas quanto à distribuição do tempo e à forma de organização das respostas.
-Distribua o tempo pelas várias perguntas, tendo o cuidado de deixar os últimos 5 ou 10 minutos para uma leitura/revisão das respostas.
-Entenda o sentido das questões, conhecendo previamente o significado de termos como “Defina”, “Interprete”, “Explique”, “Analise”, “Comente”, “Relacione”.
-Faça uma lista de tópicos antes de começar a responder. Em seguida, ordene-os de forma lógica e coerente e só depois, elabore a resposta.
-Começa a responder às perguntas mais simples e fáceis. Em caso de
dificuldade, não se deixes bloquear. Passe, de imediato, a outra questão.
-Cuide a caligrafia, pois a legibilidade de um texto facilita a sua avaliação.

Após a entrega/correção da avaliação:

-Quaisquer que sejam os resultado consulte seu material e responda às questões que você teve maior dificuldade. Recorra de novo ao professor se ainda tiver alguma dúvida.
-Face a uma classificação insuficiente, não encare o resultado com derrotismo. Assuma a responsabilidade e, sobretudo, consciencialize-se da necessidade de trabalhar mais e melhor. Confie em você e não desanime.
-Se você obteve uma boa classificação, orgulhe-se do resultado, mas não o encare com triunfalismo. Continue a trabalhar, pois saiba que esse é o caminho para o êxito.

COMO ESTUDAR EM CASA:

*Estabeleça um horário de estudo e não se afaste dele.
*Escolha um lugar sossegado, silencioso, arejado, bem iluminado. Não estude deitado e verifique se todo o material de que precisa está à mão.
*Ao final de cada tarefa, levante e dê uma voltinha por alguns minutos. Isso ajuda a descansar a mente e o corpo. Depois, retorne ao trabalho.
*Todo dia, você deve dar uma olhada rápida no assunto que acabou de ser ensinado. Não deixe para ver toda a matéria às vésperas da prova.
*Fazer os trabalhos escolares é trabalhar mesmo, o estudo deve ser comparado às atividades profissionais de seus pais: como qualquer adulto, você tem que trabalhar todos os dias. Estudar é seu trabalho.
* Estudo também tem limites. Exercício físico, repouso e diversão são fatores que mantêm a mente alerta e saudável. Procure dormir de 8 a 10 horas por dia.

Horário de Estudo

De acordo com o teu horário escolar e outras atividades, é vantajoso elaborares e cumprires um horário de estudo.
Quando você se sentir cansado e já com falta de atenção, é preferível fazer um pequeno intervalo.
Estude todos os dias um pouco e vá fazendo revisões.

Hábitos de estudo na adolescência

Fonte: Colégio Santa Teresa

Nas séries iniciais do ensino fundamental e educação infantil é comum o acompanhamento constante, tanto em relação à presença na escola, como interlocutores dos professores e coordenadores, quanto na orientação da realização das tarefas escolares, garantindo o cumprimento pelas crianças das tarefas escolares.

À medida que os filhos crescem e com mais freqüência com a chegada à quinta série, esse acompanhamento passa a ser feito de forma menos constante e de forma mais indireta, por vários fatores entre os quais possibilitar o exercício da autonomia dos educandos que nessa fase estão ingressando na adolescência e a sobrecarga de trabalho da maioria dos pais.

Nessa etapa percebe-se claramente a necessidade do adolescente ser tratado como um sujeito independente, capaz de cumprir por si só as responsabilidades inerentes ao seu papel. É salutar que a relação estabelecida com o mesmo seja de acordo com essa necessidade que é legítimo dado o momento biopsicossocial pelo qual passa. As mudanças no corpo são evidentes. A carga hormonal passa a atuar nas funções biológicas fim, para as quais o cérebro passa por uma reorganização geral.

Novas pesquisas sobre o cérebro na adolescência apontam para um momento de grande explosão de sinapses, semelhante ao que ocorre por volta do terceiro ano de idade. Surge um novo corpo que provoca um esforço diário de auto-aceitação. Socialmente passa a ser exigido mais papéis e mais atribuições. Afetivamente passa a ter grande importância o outro para além do grupo familiar e o reconhecimento do grupo passa a ser uma urgência.

Intelectualmente é capaz de interpretar com amplo alcance os fatos inclusive aqueles relativos à sua própria vida. Abstrai, toma decisões, posiciona-se criticamente e com “rigor” moral.

Isso tudo exige que as relações familiares se reconfigurem em torno desse novo sujeito que cresce e que precisa de reconhecimento, mas que ainda é frágil e não dispõe de estrutura emocional para sustentar as decisões tomadas racionalmente. Todo esse processo não é linear e esse sujeito oscila com freqüência entre as posições puramente imediatistas e egocêntricas e aquelas coerentes com as necessidades do grupo ou de médio e longo prazo.

Assim é comum um aluno nesse momento de sua vida afirmar com convicção “que sabe que deve estudar” diariamente por um tempo determinado. Que vai cumprir rigorosamente o horário estipulado, pois sabe que se não o fizer terá prejuízo. É capaz de identificar com objetividade os conteúdos, onde tem mais dificuldade de aprendizagem e os tipos de atitudes que podem contribuir para a superação dos obstáculos. Entretanto, poucos são aqueles que conseguem manter na prática suas decisões.

A autodisciplina é um aprendizado sistemático que depende de uma organização psicológica da pessoa e também do ambiente a sua volta. A consciência pessoal do fato é importante, entretanto para que isso seja transformado em rotina e em hábito é necessário que alguns apoios concretos sejam efetivados por todos os comprometidos com o êxito da empreitada, a saber:

• Assumir a condição de estudante como prioridade, evitando a sobrecarga de compromissos extra-escolares.

• A família, ou o grupo de convivência deve estimular e exigir a definição das responsabilidades diárias (rotina) por escrito para ser exposto em local de acesso e visibilidade facilitadas para que todo o grupo respeite.

• Estabelecimento das metas semestrais por escrito que a cada etapa possa comparada com a meta e assim verifique o alcance tingido ou reorganize as estratégias se for necessário.

• Definição e organização de um lugar adequado com condições satisfatórias de iluminação, ventilação e organização para o estudo diário. Esse local deve receber uma ambientação de acordo com o estilo pessoal do educando e seja acolhedor e prazeroso.

• Cumprimento de um horário diário fixo de acordo com a organização dos outros compromissos fora da escola e que possa ser cumprido sem alterações freqüentes que possam dificultar a incorporação do hábito.

• Valorização da preparação inicial criando um ritual de oração, meditação e alongamento para que o corpo e a mente predisponham-se harmoniosamente para a tarefa e o foco seja garantido.

• Desenvolvimento do estudo com métodos próprios, cujos procedimentos sejam previamente definidos, tais como: leitura, pesquisa em fontes variadas, resumo, esquemas, resolução de exercícios, sínteses etc. respeitando-se as especificidades da matéria estudada.

• Organização de um portfólio em pasta adequada para guardar os rascunhos, rabiscos, os treinos porque representam os percursos do raciocínio desenvolvido que poderá ser útil posteriormente na resolução de outras tarefas.

Essas condições são direcionadas ao educando, mas sua efetivação e eficácia devem ser potencializadas pela exigência dos pais que devem estar próximos como orientadores e avaliadores do desempenho. Isso não requer um grande tempo em casa, ao lado do adolescente como uma babá. Requer atenção diária, predisposição para saber a rotina do filho, para cobrar as atribuições inerentes ao seu papel de estudante e ânimo renovado para incentivar diariamente o cumprimento das tarefas. Isso não é tudo, mas certamente poderá trazer eficiência na produtividade dos nossos estudantes.

A teoria da aprendizagem significativa

Ronny Machado de Moraes

Fonte: Construir notícias

Se eu tivesse de reduzir toda a psicologia educacional a um único princípio, diria isto: o fator singular mais importante que influencia a aprendizagem é aquilo que o aprendiz já conhece. Descubra o que ele sabe e baseie nisso os seus ensinamentos.

David Ausubel (1980)

A aprendizagem significativa está subjacente à integração construtiva do pensamento, dos sentimentos e das ações que levam à capacitação humana tanto quanto ao compromisso e à responsabilidade.

Joseph Novak (1980)

La recepción significativa de aprendizajes se produce a medida que el material potencialmente significativo entre en el campo cognoscitivo e interatúa en él, siendo apropiadamente incluido en un sistema conceptual relevante y más inclusivo.

David Ausubel (1973)

A idéia fundamental da teoria de Ausubel é a de que a aprendizagem significativa é um processo em que as novas informações ou os novos conhecimentos estejam relacionados com um aspecto relevante, existente na estrutura de conhecimentos de cada indivíduo (NOVAK, 2000, p. 51).

Leia mais clicando AQUI

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>