“Independência ou Morte!”

Independência ou Morte!

Viver sem independência é preferível morrer! Este é o nosso grito que ecoa desde 1822.

A tão sonhada liberdade banhada por raios fúlgidos.
Nunca conseguiu brilhar no céu da nossa Pátria.
Apesar de termos, braço forte,
Nunca conseguimos conquistar o penhor da liberdade!
E no seio da Pátria Mãe, aconchega-nos, para que não,
Precisemos desafiar o nosso peito a própria morte.

Tu que és Pátria, tão amada! Por nós idolatrada!
Salve-nos!! Salve-nos!!

De amor e de esperança, descemos a terra.
Seguindo o céu risonho e límpido,
E um cruzeiro resplandecente!
Deixando-nos morrer numa fronteira
Em busca de um sonho intenso!

Gigante, pela própria natureza.
Que te fez tão cobiçada.
Eras bela e antes forte como um colosso,
Teu futuro não mais espelha a grandeza,
Nem de mata, nem de água,
Nem de honra, nem de nada…

Tu que és Pátria, tão amada! Por nós idolatrada!
Salve-nos!! Salve-nos!!

Do que a terra mais garrida,
Protege teus filhos!
Para que não sejam confundidos,
E mortos,
Em casa alheia.
Para que não precisem,
Arriscar a vida,
Em terra que não se U.S.A.

Tu que és Pátria, tão amada! Por nós idolatrada!
Salve-nos!! Salve-nos!!

Brasil! “Mostra a tua cara!”.
O que ostentas afinal?

Para onde foi o verde-louro desta flâmula?
Que foi glória no passado,
E jamais será paz no futuro.
Erguida a clava forte,
Aqui jaz, Justiça!
Verás que os filhos teu
Não temem, só tomam.

E mesmo assim, terra adorada!
Entre outras mil,
És tu, Brasil.
Oh! Pátria amada!
Tu que fostes mãe gentil
Aos filhos desta terra, Brasil!

Salve-nos!! Salve-nos!!
Cybele Meyer (01/09/2006)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *