Sábado dia 20 é Dia de Vacinação

Veja a postagem anterior clicando AQUI


PAIS SEJAM RESPONSÁVEIS – LEVEM SEUS FILHOS PARA TOMAR A VACINA CONTRA A POLIOMIELITE

Vacinas contra Poliomielite

Terezinha Marta P.P. Castiñeiras & Fernando S. V. Martins

A poliomielite é uma doença infecciosa causada pelo poliovírus (sorotipos 1, 2 e 3), que pode determinar paralisia flácida (permanente ou transitória) ou óbito. A infecção é mais comum em crianças (“paralisia infantil”), mas também ocorre em adultos.

As vacinas disponíveis, Sabin (oral, com vírus atenuado) e Salk (injetável, com vírus inativado), produzem imunidade contra os três sorotipos do poliovírus e têm eficácia comparável. A Sabin é a vacina utilizada em imunizações de rotina no Brasil. Os indivíduos que recebem a Sabin elimininam os vírus junto com as fezes por cerca de seis semanas, o que pode levar a uma “vacinação” secundária de outras pessoas.

Os indivíduos saudáveis que recebem a Sabin podem, raramente, desenvolver poliomielite induzida por mutação (“reversão) dos próprios vírus atenuados componentes da vacina, principalmente quando recebem a primeira dose. A poliomielite vacinal tem evolução clínica idêntica à causada pelo vírus “selvagem”, podendo causar paralisia flácida (permanente ou transitória) ou, eventualmente, evoluir para o óbito. O risco de poliomielite vacinal é maior em adultos e pessoas com imunodeficiência, causada por qualquer doença ou medicamento.

A vacina oral contra a poliomielite não deve ser utilizada em pessoas com imunodeficiência (inclusive portadores assintomáticos de HIV) e nem em contactantes desses indivíduos. Os indivíduos com imunodeficência, além do risco maior de poliomielite vacinal, podem eliminar o vírus pelas fezes por períodos prolongados (meses, anos), o que facilita a ocorrência de mutação (“reversão”) e constitui um risco para pessoas não vacinadas. Em uma situação de baixa cobertura vacinal na população, o vírus vacinal mutante pode levar a uma epidemia de poliomielite, como já ocorreu no Egito (1983-1993) e, atualmente, ocorre na República Dominicana e no Haiti.

Os adultos que nunca foram vacinados, quando viajarem para áreas de risco (como o Continente Africano), devem receber, preferencialmente, pelo menos nas duas primeiras doses, a vacina com o vírus inativado (Salk), pelo risco de polio vacinal, que embora pequeno, é maior neste grupo do que em crianças.

Começa na próxima semana a primeira etapa da Campanha contra a Poliomielite.
A doença – A poliomielite, ou “paralisia infantil”, é uma doença infecto-contagiosa causada por um vírus que se instala agudamente e é caracterizada por um quadro clássico de paralisia flácida de início súbito. Compromete em geral os membros inferiores, de forma assimétrica, e se caracteriza por flacidez muscular (perda do tônus muscular), com preservação da sensibilidade e ausência de reflexos na parte do corpo atingida pela doença.

Os primeiros sintomas da contaminação pelo vírus da pólio podem aparecer de 10 a 12 dias após o contágio. O quadro clínico inclui febre e alterações gastrointestinais, como diarréia. Nos casos mais graves pode aparecer rigidez de nuca, reflexos tendíneos inicialmente hiperativos e que posteriormente são abolidos (quando a doença causa a paralisia).

Fonte: PMCG

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *