Conhecendo o desenvolvimento da criança

Olá professores,

Excelente este texto que, de forma bem objetiva e explicativa, dá a real visão sobre como ocorre o desenvolvimento da criança e como este desenvolvimento está atrelado à ótica infantil.

As crianças e suas representações de espaço

Fonte: Revista Nova Escola

Ao explorar objetos e ambientes variados, a criança vai montando uma representação do espaço e aprende a se orientar por pontos de referência

Thais Gurgel


“Eu moro num prédio, no andar dez. Aqui sou eu sentado no sofá da sala, assistindo Pokémon. Deste lado é o quarto do meu pai, com a cama de casal. Aqui embaixo é a cozinha e do lado o quartinho, com a minha irmã, que sempre está sentada no computador. Esse roxo é o corredor. Tem uma porta que sai da minha casa e vai dar nele.” Pedro*. Reprodução/Agradecimento Creche Central da Universidade de São Paulo (USP)

Logo nos primeiros dias de vida, o bebê se inicia em uma jornada digna de um desbravador. Sem experiência, ele precisa distinguir e compreender as formas estáticas e em movimento que aparecem em seu campo de visão. Em outras palavras, para ele, o espaço ao redor ainda está por se constituir. “Lidar com o mundo, nessa fase, é reconhecer objetos e interagir com eles”, explica Lino de Macedo, professor do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP). “O desafio é grande porque o espaço é algo contínuo, sem separações.” As rupturas entre os objetos e as relações entre eles são construídas ao longo do desenvolvimento infantil e se estendem ao menos até a adolescência.


Essa criação pessoal do mundo ocorre em paralelo a outro processo importante: a construção da subjetividade, que se dá em grande parte pela exploração dos limites do próprio corpo. Uma elaboração colabora para o avanço da outra, tornando o entendimento sobre o entorno cada vez mais complexo e abrangente.

Um aspecto fundamental para esse desenvolvimento em duas frentes é a ideia de permanência do objeto. Trata-se da capacidade de criar uma imagem mental de algo, mesmo sem tê-lo diante dos olhos. Ao ser capaz de fazer isso, o bebê tem a primeira questão espacial – onde está o objeto que ele sabe existir, mas está ausente? Essa noção ganha um impulso quando ele começa a se deslocar com autonomia.

A criança cria coordenadas espaciais e relaciona os objetos conforme se desloca e explora o ambiente.


Assim que aprende a engatinhar, a criança não só pode pensar numa bolinha, por exemplo, mas se propõe a encontrá-la. Assim vem uma sequência: achar o brinquedo no ambiente em que ele está, entender onde ela própria se encontra e elaborar uma trajetória de deslocamento para chegar ao objetivo. Para isso, são necessárias referências para a orientação. Surge aí a exigência de estabelecer relações posicionais entre os objetos – se a bolinha rolou para trás do sofá, como se deslocar para alcançá-la?

Pela ação, os bebês compreendem o entorno

De início, os pequenos brincam com o próprio corpo – as mãos e os pés – e as roupas, que vestem como se explorassem objetos distintos. Depois, passam a manipular tudo o que veem, observando o resultado de suas ações sobre essas coisas. Quem nunca presenciou a cena de um bebê sentado em um cadeirão jogando ao chão todos os objetos ao seu alcance? Com isso, ele observa as diferentes consequências de seu ato: há coisas que rolam, que ficam estáticas e que pulam. Até os 3 anos, é isso o que amplia a percepção sobre o entorno. Dos 4 aos 6, ela expande a experimentação para a representação do espaço em desenhos e brincadeiras, por exemplo. Isso se percebe nos traços de Pedro, 6 anos (veja o primeiro desenho). A imagem que produziu do apartamento em que mora demonstra que tem uma boa capacidade de relacionar os diferentes cômodos com base em coordenadas espaciais ou pontos de referência.

O mesmo princípio ocorre com a representação que os pequenos têm do próprio corpo. Nesse processo, eles desenvolvem ainda a percepção de que ele tem dois lados – o esquerdo e o direito. Esse conceito, da lateralidade, se desenvolve em geral por volta dos 7 anos (a idade pode variar) e permite que a criança diga se um objeto se localiza mais próximo à sua esquerda ou direita – embora nomear os dois campos seja difícil num primeiro momento (como no diálogo abaixo).

“Como você faz para ir do seu quarto para a cozinha, Laura?” Repórter
“É assim: eu tô no meu quarto, ando um passo reto e faço uma curva.” Laura
“Mas para que lado é a curva?” Repórter
“Pra lá, assim (e indica a esquerda com a mão).” Laura
“Assim como?” Repórter
“Assim, para o lado dessa mão. Aí depois a gente vira assim (voltando o corpo para a direita) e entra na cozinha.” Laura

“Essa possibilidade de referência para a localização dos objetos, que vem do próprio corpo, é a base da orientação espacial”, explica Valéria Queiroz Furtado, especialista em psicomotricidade e professora da Universidade Estadual de Londrina (UEL). “O próximo passo é conseguir projetar essas referências para um objeto em relação a outro sem ter de se colocar fisicamente no lugar dele.”

Esse desenvolvimento depende bastante da pluralidade de experiências e do espaço a que cada um tem acesso. “A ampliação do repertório de vivências faz com que se refine a percepção da posição do próprio corpo no espaço e projete a forma de se deslocar para atingir um objetivo”, diz Valéria. “Há uma memória de movimentos a que recorrer.” Isso permite não só se situar no espaço em que se encontra mas também imaginar novos ambientes com base na possibilidade de representá-los. A criança utiliza suas noções espaciais ao remontar cenas domésticas, enquanto brinca de casinha, por exemplo, e ao ouvir contos de fadas, quando cria em sua mente como seria o assustador castelo da bruxa.


Ao perceber que o corpo tem o lado esquerdo e o direito, os pequenos passam a usá-los como referência.

Numa época em que os pequenos têm cada vez menos chances de explorar ruas e quintais, o papel da escola se torna decisivo. “Há a tendência de evitar que eles se arrisquem do lado de fora, restringindo-os a ambientes em que não existem chances de acidentes e quedas – ou seja, espaços artificializados”, diz Ana Paula Yazbek, diretora pedagógica do Espaço da Vila – Berçário e Recreação, em São Paulo. “Embora os cuidados com a segurança sejam muito importantes, a garotada precisa explorar diferentes texturas e níveis de piso, por exemplo, e enfrentar o que se configura como desafios espaciais – equilibrar-se, rolar no chão, subir em móveis com a supervisão de um adulto e manipular objetos variados.”

Criar referências espaciais é uma grande conquista

“Eu sei o caminho da casa da minha avó para a minha, mas não sei o da minha casa para a dela, não.” Giovanna. Reprodução/Agradecimento Creche Central da Universidade de São Paulo (USP)

Alguém que sabe se deslocar de um lugar a outro sabe voltar ao ponto inicial, certo? No caso dos pequenos, não de imediato. Esse conceito, chamado reversibilidade, é algo adquirido à medida que eles possam encontrar referências espaciais que os orientem. Enquanto ainda não têm essa capacidade de se localizar com base em coordenadas, o simples fato de voltar da cozinha para a sala de uma casa desconhecida pode ser uma missão difícil. Giovanna, 5 anos, por exemplo, diz conhecer o caminho da casa de sua avó até a sua, mas não o contrário (veja o desenho acima). Quando traça o trajeto, ela demonstra ainda não ter uma representação mental dele: registra-o como uma linha reta, sem referências espaciais que a oriente (os poucos detalhes que aparecem no itinerário são elementos que ela costuma ver, como um carro e semáforos, mas não servem como coordenadas). A noção de reversibilidade diz respeito ao desenvolvimento cognitivo da criança de forma geral: se ela vê a transformação de algo, saberá revertê-lo ao seu estado original.


Saber ir e voltar pelo mesmo caminho é uma função adquirida quando a criança já tem referências espaciais.

Multifacetada, a noção de espaço é, desse modo, um processo de amadurecimento que pode ser favorecido por professores e pais. “Isso é condição para pensar sobre a realidade em que se vive”, diz Monique Deheinzelin, assessora da Escola Comunitária de Campinas, em Campinas, a 100 quilômetros de São Paulo. “O adulto não pode apressar essa aquisição, mas deve garantir que a criança tenha oportunidades de se colocar problemas em relação ao seu entorno.”

* Os desenhos e os diálogos publicados nesta reportagem são de crianças de turmas de 5 e 6 anos da Central Creche da Universidade de São Paulo (USP), em São Paulo, SP



O Dia-a-dia na escola: Que habilidades desenvolver em cada nível da Educação Infantil.

Fonte: Mundinho da Criança

Berçário (0 a 2 anos)

? OBJETIVO:

Desenvolver harmonicamente os aspectos físicos, psíquicossociais do bebê, respeitando sua maturidade emocional.
Desenvolver a psicomotricidade da criança através do corpo e do movimento.

? ATIVIDADES:

· Estimulação tátil (acariciando o bebê sempre que possível e conversas diárias).

· Estimulação visual, através de objetos coloridos, que permitam o manuseio com as mãos e a boca.

· Estimulação de movimentos como se arrastar, engatinhar para buscar um objeto

. Incentivar também o andar, segurando-o com as mãos.

· Estimulação verbal conversando com a criança todo o tempo, brincando e sorrindo.

· Introdução de alimentos com a paciência do professor, pois a adaptação nem sempre é fácil.

· Trocas de roupas e fraldas contínuas, sempre que for necessário.

· Banhos agradáveis, acompanhados de conversas e músicas.

· Músicas gestuais e cantigas de roda (sentados).

· Exercícios com bolas e brinquedos de encaixe, quando a criança apresentar maturidade.

· Incentivo a fala.

· Imposição de limites, dizendo não, toda vez que a criança colocar em perigo si mesmo, os colegas, tias e o ambiente escolar.


? ETAPAS IMPORTANTES DO DESENVOLVIMENTO INFANTIL:


? Com 01 mês:

· Levanta o queixo.

· Mantêm as mãos fechadas.

· Olha indefinitivamente

. Olha o rosto das pessoas que o observam.

· Fixa o olhar na luz.

· Emite sons guturais.

? Com 02 meses:

· Levanta o tórax.

· Movimenta braços e pernas.

· Olhar acompanha objetos e pessoas em movimento.

· Sorriso social quando recebe atenção.

· Olhar se demora no horizonte.

? Com 03 meses:

· Rola da posição de lado para a de costas.

· Olha em todas as direções.

· Não fixa atenção por muito tempo.

· Tenta pegar objetos.

· Sorri.

· Emite sons de vogais.

· Sustenta a cabeça.

? Com 04 meses:

· Senta com apoio e mantêm a cabeça firme.

· Mãos abertas.

· Olha imediatamente um objeto que se move.

· Murmura e ri alto.

· Brinca com as mãos e roupas.

· Reconhece a mamadeira.

· Começa a levar objetos à boca.

· Tende a rolar.

? Com 05 meses:

· Quando sentado mantêm a cabeça ereta e firme.

· Se sentado, apanha objetos

· Reconhece as pessoas.

· Pode estranhar estranhos.

· Sorri ao se ver no espelho.

· Emite gritos.

· Preensão precária.

? Com 06 meses:

· Permanece sentado com o tronco ereto, se tiver apoio.

· Gosta de balançar objetos.

· Agarra objetos com as mãos.

· Gosta de olhar no espelho.

· Estende os braços para os pais e pessoas que gosta.

· Quando deitado segura os pés e brinca com os dedos levando à boca.

? Com 07 meses:

· Senta-se com apoio e permanece ereto por pouco tempo.

· Segura um objeto em cada mão.

· Passa objetos de uma mão para outra.

· Sacode chocalho.

· Vocaliza sons e escuta a própria voz.

· Brinca com os pés.

· Aceita alimentos sólidos e estranha pessoas não conhecidas.

? Com 08 meses:

· Sentado, permanece ereto, porém inseguro.

· Levanta-se com ajuda.

· Emite sons e parece gostar de ouvir a própria voz.

· Pronuncia sílabas simples.

· Morde e chupa os brinquedos.

· Busca com insistência os brinquedos fora de seu alcance.

? Com 09 meses:

· Pode começar a engatinhar.

· Senta-se firme sem apoiar.

· Explora e manipula objetos.

· Vocaliza sílabas repetidas.

· Troca sorrisos, atende ao seu nome e ao não.

· Leva à boca e morde tudo que apanha.

· Mantêm-se em pé apoiado.

· Come bolacha; segura a mamadeira.

? Com 10 meses:

· Permanece sentado firme por tempo indeterminado.

· Engatinha.

· Levanta-se sozinho com apoio.

· Começa a soltar os objetos.

· Vocaliza dá-dá, mã-mã, uma ou duas palavras.

· Faz adeus e bate palmas.

· Tende comer sem ajuda, com colher.

· Atende ao seu nome e ao não.

· Faz brincadeiras simples como esconde-esconde.

? Com 11 meses:

· Anda com ajuda.

· Pronuncia uma ou outra palavra.

· Compreende o som de algumas palavras.

· Repete palavras.

· Estende o brinquedo para outra pessoa, em geral sem soltar.

· Bebe um pouco de água já da xícara.

?Com 12 a 15 meses:

· Começa a andar sozinho.

· Anda cambaleante.

· Gosta de atividades, de andar.

· Coopera ao vestir.

· Reconhece o nome de pessoas conhecidas.

· Quando se vê no espelho, vocaliza.

· Brinca sozinho e já tem objetos favoritos.

· Repete algumas palavras.

· Fica de pé sozinha

. Dá alguns passos sozinhos, com todas as articulações flexionadas, sem direção definida

. Vai da posição deitada à de pé, sem apoio.

· Solta facilmente

. Come sozinho, mas desperdiça boa quantidade

. Preensão palmar cruzada.

· Constância formal.

· Constrói torres de dois blocos (cubos de 2,5 cm).

· Pára de levar as coisas à boca.

· Primeira palavra pronunciada corretamente

. Não baba mais.

· Reage ao seu próprio nome

. Compreende que todas as coisas e todas a pessoas têm nomes.

· Estende as pernas quando esta sendo vestida.

· Emprega a mão dominante com mais freqüência.

? Com 15 a 18 meses:

· Caminha bem sozinho.

· Começa a correr, cambaleante.

· Senta-se sozinho em cadeira infantil.

· Sobe e desce com ajuda, ou sé engatinhando.

· Tem mímica muito expressiva.

· Esforça-se para chutar a bola.

· Desenha um traço.

· Vira folhas do livro: 2 ou 3 por vez.

· Gosta de puxar e empurrar brinquedos.

· Constrói uma torre com três cubos.

· Com só, deixando cair.

· Pronuncia cerca de dez palavras e indica desejos nomeando objetos.

· Mostra o nariz, os olhos, o cabelo.

· Imita varrer, ler jornal.

· Compreende ordens e pedidos simples.

· Pode iniciar uso do piniquinho.

· Começa a testar os limites que lhe são impostos

. Sobe escadas.

· Caminha com os pés separados.

· Bebe na caneca sozinha.

· Frases de uma palavra.

· Localiza rapidamente os sons

. Compreende algumas frases simples.

· Compreende onde a bola foi quando ela rola para fora de seu campo visual.

? Com 18 a 24 meses:

· Corre bem.

· Chuta a bola.

· Atira a bola com a mão.

· Constrói torres de 4 a 7 cubos (sete cubos com 24 meses).

· Alinha cubos

. Vira páginas de uma a uma.

· Imita traços verticais e circulares.

· Coloca blocos em um tabuleiro, indiscriminadamente.

· Identifica 3 a 5 desenhos.

· Começa a cortar com tesoura.

· É demorado às refeições e ainda brinca com a comida.

· Abre armários, tira objetos das gavetas.

· Acompanha com gestos o que ouve e vê.

· Reconhece-se no espelho.

· Canta (atrapalhado).

· Dramatiza situações simples com bonecos.

· Negativismo acentuado.

· Tem senso de posse.

· Refere-se a si mesmo pelo nome.

· Veste peça simples.

· Compreende perguntas.

· Faz brincadeiras paralelas.

· Desce escada engatinhando para trás.

· Sobe escada de pé, sozinha, segurando no corrimão

. “Corre” desajeitadamente.

· Caminha lateralmente

. Caminha para trás

. Chuta uma bola

. “Salta” desajeitadamente, quando segura por ambas as mãos.

· Come com uma colher

. Arremessa, mais sem direção definida.

· Vira as figuras da maneira correta, de cabeça para cima.

· Imagina coisas que não pode ver.

· Ajuda a despir-se.

· Leva a mão a um lugar dolorido.

· Balbucia, imitando o tom e ritmo da mãe

. Repete sons.

· Frases de duas palavras.

· Compreende frases curtas

.Localiza sons em outra sala.

· Aponta para algumas partes do corpo.

· Consegue associar banheiro/defecação, banheiro/micção.

? OBJETIVOS SÓCIO-EMOCIONAIS:

Desenvolve hábitos de asseio: pedir para ir ao banheiro, lavar as mãos, limpar o nariz, etc.

Habituá-lo a usar os clichês sociais. Exemplo: Por favor, muito obrigado, com licença, etc.

Permitir que a criança seja independente.

Deixá-la explorar ao máximo os objetos e brinquedos.

Levar a criança a brincar com os outros do grupo.

Fazer com que a criança não fixe em um único colega.

Mantê-la ocupada

Levar a criança a participar das atividades de grupo.


O que trabalhar com crianças de 2 a 3 anos

? OBJETIVO:

Promover o desenvolvimento físico, psíquico e social da criança respeitando sua maturidade emocional.Incentivar o uso do raciocínio através de atividades recreativas que valorizem a auto estima do aluno.

? ATIVIDADES:

• Controle dos esfíncteres, de forma gradativa e com grande paciência e estímulo/incentivo por parte do professor.

• Higiene Bucal apõe as refeições, estimulando e incentivando para o uso da escova.

• Alimentar-se sozinho, com ajuda do professor, aos poucos as crianças aprendem a levar a colher sozinho à boca.

• Introdução de alimentos sólidos, onde aos poucos as crianças deverão se alimentar normalmente, como as crianças maiores, tirando a sopa e a fruta.

• Estimulação do próprio corpo,m identificando e nomeando as partes do corpo. Pode utilizar músicas e brincar de lavar a boneca. No banho também nomeia-se o corpo.

• Garatuja: folhas em branco, onde a criança poderá pintar com lápis, giz de cera e/ou guache (tomando muito cuidado para não levar à boca e aos olhos).

• Exercícios de encaixe, sempre incentivando para que a criança acerte. De início o professor deve ajudar a criança, até que ela consiga associar a forma ao buraco.

• Jogos de bola em rodas, promovendo a integração social, onde a criança deverá joga-la para o amigo, dizendo o nome (ou dito pelo professor).

• Trabalhos manuais com massinhas e argila, deixando que estes manuseiem bastante.

• Incentivo e desenvolvimento da fala, onde o professor deverá conversar e estimular para que a criança consiga manifestar o que quer, não permitindo que ela só se manifeste por gestos.

• Ampliar seu vocabulário, conversando diariamente, com a criança sobre os aspectos do dia-a-dia.

• Incentivar e permitir a fala da criança em todas as atividades possíveis, falando corretamente com a criança. Mostrar à criança a conveniência de falar em voz baixa, trabalhando com a criança o saber escutar.

• Apresentação das cores.

• Trabalhos com músicas gestuais, cantigas de roda e dança, estimulando partes do corpo.

• Contos de histórias curtas.

• Coordenação motora livre, como rasgar papel, brincar de massinha, etc.

• Brincadeiras de imitar os adultos, como escovar os dentes de bonecas, fazer comidinha, ir as compras, banho de bonecas, etc.

• Explorar o ambiente escolar, mostrando árvores, passarinhos, parquinho, etc.

• O uso do parquinho diário, pois nessa idade a criança tem bastante energia e grande dificuldade de concentração, por isso todas as atividades devem ser curtas e com bastante estímulo/incentivo por parte do professor.

• Imposição de limites e boas maneiras, dizendo “não” à criança, toda vez que colocar em perigo si mesmo, os colegas, tias e o ambiente escolar.

• Traçados simples: Coordenação Motora.

• Formas Geométricas: círculo, quadrado e triângulo

? OBJETIVOS SÓCIO-EMOCIONAIS:

1. Desenvolve hábitos de asseio: pedir para ir ao banheiro, lavar as mãos, limpar o nariz, etc.

2. Habitua-lo a usar os clichês sociais. Exemplo: Por favor, muito obrigado, com licença, etc.

3. Permitir que a criança seja independente.

4. Deixa-la explorar ao máximo os objetos e brinquedos.

5. Levar a criança a brincar com os outros do grupo.

6. Fazer com que a criança não fixe em um único colega.

7. Mantê-la ocupada.

8. Levar a criança a participar das atividades de grupo.

? OBSERVAÇÕES:

? CARACTERÍSTICAS:

Aproximadamente entre 2 e 3 anos.

• Egocentrismo.

• Descobertas: tato, movimentos, formas, pessoas, texturas, reprodução de sons, andar, comunicação, etc.

• Coordenação Motora: abrir, fechar, empilhar, encaixar, puxar, empurrar, etc.

? TIPOS DE BRINCADEIRAS:

• Brincadeiras referentes à educação sensório-motora (sentir/executar).

• Exploração, canto, perguntas e respostas, esconder.

O que trabalhar com crianças de 3 a 4 anos



? LINGUAGEM ORAL

? OBJETIVO

1. Desenvolver na criança o conceito de eu em relação ao seu nome, idade e em relação aos pais (família) e colegas. 2. Desenvolver coordenação motora grossa (livre).

3. Despertar na criança o interesse por estímulos sonoros, para que ela consiga perceber, identificar e localizar sons forte e fraco.

4. Desenvolver a capacidade da criança de identificar diferentes objetos e movimentar-se no espaço com facilidade.

5. Incentivar e permitir a fala da criança em toda as atividades possíveis, corrigindo e ampliando seu vocabulário, utilizando também as músicas.

6. Estimular o vocabulário através de contos e histórias pequenas que despertem a fantasia da criança.

7. Incentivar a memorização de pequenas músicas e gestos.

8. Identificar e reconhecer as vogais.

9. Identificar o nome próprio e as letras do nome.

? CONTEÚDO

1. Eu (nome, idade, pais e colegas). 2. Coordenação motora.

3. Discriminação auditiva.

4. Discriminação visual.

5. Expressão oral (pronúncias, relatos de acontecimentos, músicas).

6. Histórias e contos.

7. Memorização.

8. Vogais.

9. Nome próprio e letras do nome próprio.

? METODOLOGIA

1. Através de músicas, jogos com bola pronunciando o nome e estimulação oral.

2. Utilização de recortes, colagem, traçado de linhas em folha e no chão, incentivando jogos e brincadeiras.

3. Utilização de instrumentos sonoros, músicas, batidas de palmas e pés e sons produzidos pela boca.

4. Utilização de sucatas, jogos e materiais pedagógicos com exploração dos objetos do ambiente interno e externo.

5. Utilização de leitura de histórias curtas, músicas e conversas diárias com a criança sobre sua rotina, dando atenção as perguntas e respondendo-as sempre de acordo com sua maturidade emocional.

6. Histórias curtas com gestos, estimulando o interesse e fantasia da criança.

7. Repetição de músicas, gestos e histórias curtas.

8. Através de materiais pedagógicos, fichas, desenhos, cartazes, etc.

9. Fichas, crachás, cartazes, materiais concretos e pedagógicos, jogos e brincadeiras, etc.

? AVALIAÇÃO

Avaliação será contínua, através da observação diária da criança no desempenho de suas atividades, no relacionamento com os colegas e com a professora. O instrumento de avaliação é uma ficha de observações que será entregue aos pais todo Bimestre.

MATEMÁTICA

? OBJETIVO

1. Iniciar a aprendizagem de conceitos de longe, perto, dentro, fora, em cima, em baixo, atrás, na frente, ao lado, dentro, fora, cheio, vazio, etc.

2. Discriminar na criança o sentido de ontem hoje e amanhã.

3. Estimular o uso do raciocínio da criança.

4. Classificação e nomeação de objetos pelas cores primárias (azul, amarelo e vermelho), formas (círculo, triângulo e Quadrado), tamanho (grande e pequeno) e quantidade (1 a 9).

5. Nomear e identificar iguais e diferentes.

? CONTEÚDO

1. Conceitos de lateralidade: todo, dentro/fora, grande/pequeno, cheio/vazio, grosso/fino, muito/pouco.

2. Organização espacial: antes/durante e depois, hoje/ontem/amanhã.

3. Jogos de raciocínio (quebra-cabeça e jogos de encaixe).

4. Classificar e nomear objetos pela cor, forma (círculo, triângulo e quadrado), tamanho e quantidade.

5. Nomear iguais e diferentes.

? METODOLOGIA

1. Através de jogos, músicas e atividades que incentivam o aprendizado da criança como movimento da esquerda para a direita, jogos de dentro para fora, etc. Incentivar e explorar o meio ambiente.

2. Utilização do calendário e estimulação de perguntas e respostas que distingam o dia e a noite, o ontem, o hoje e amanhã.

3. Através de jogos como quebra cabeça, encaixes, de formas e situações problemas que incentivem a criança a pensar, não respondendo tudo para criança, sem que ela tente responder sozinha.

4. Através de objetos, sucatas e material dourado que tenham estas características, utilizando-os em jogos, como procurar cor e forma.

5. Através de jogos, sucatas e objetos que permitam a identificação e classificação de iguais e diferentes.

CIÊNCIAS

? OBJETIVO

1. Desenvolver capacidade de auto-higiene corporal.

2. Identificar, reconhecer, localizar e nomear partes do próprio corpo.

3. Estimulação dos 5 sentidos.

4. Estimular o cuidado com a natureza.

5. Nomear e reconhecer diferentes animais.

6. Discriminação entre liso e áspero.

7. Apresentação de diferentes alimentos, diferenciando de doce e salgados.

? CONTEÚDO

1. Higiene Corporal (mãos, dentes, uso do banheiro).

2. Esquema corporal.

3. Órgãos dos sentido: olhos (discriminação visual), ouvidos (discriminação auditiva), tato, olfato e paladar.

4. Horticultura e jardinagem.

5. Animais.

6. Texturas (liso e áspero).

7. Alimentos.

? METODOLOGIA

1. Incentivar o lavar as mãos, escovar os dentes e ir ao banheiro sozinho, sempre que necessário, através de músicas e histórias que despertem o interesse das crianças.

2. Utilizando quebra-cabeça, músicas, figuras, bonecas e nomeação que desenvolvam o reconhecimento do corpo humano.

3. Exercícios, atividades e jogos que desenvolvam a visão, audição, tato e gustação.

4. Plantação de mudas e flores.

5. Através de figuras, desenhos, gestos musicais e histórias.

6. Através de objetos que mostrem tais diferenças, estimulando jogos e atividades.

7. Apresentação de alimentos.

ARTES

? OBJETIVO

1. Incentivar e desenvolver o hábito de desenho, estimulando assim a fantasia da criança.

2. Estimulação de confecção de brinquedos através da sucata.

3. Estimular a coordenação da criança e a criatividade com o uso da argila e massinha.

? CONTEÚDO

1. Artes: desenho livre e pintura.

2. Sucata.

3. Argila e massinha.

? METODOLOGIA

1. Utilização de lápis, pincéis, cola, tesouras sem pontas.

2. Estimulando a criança através de elogios.

3. Material de sucata e criatividade do professor.

4. Apresentação de argila e massinha.

? OBJETIVOS SÓCIO-EMOCIONAIS

1. Desenvolve hábitos de asseio: pedir para ir ao banheiro, lavar as mãos, limpar o nariz, etc.

2. Habitua-lo a usar os clichês sociais. Exemplo: Por favor, muito obrigado, com licença, etc.

3. Permitir que a criança seja independente.

4. Deixa-la explorar ao máximo os objetos e brinquedos.

5. Levar a criança a brincar com os outros do grupo.

6. Fazer com que a criança não fixe em um único colega.

7. Mantê-la ocupada.

8. Levar a criança a participar das atividades de grupo.

O que trabalhar com crianças de 4 a 5 anos

PORTUGUÊS

? OBJETIVO

1. Desenvolver percepção visual, auditiva, coordenação viso-motora.

2. Desenvolver Orientação temporal (começo, meio e fim).

3. Desenvolver Orientação espacial.

? CONTEÚDO

? Coordenação viso-motora:

1. Desenho livre.

2. Labirinto.

3. Pintura.

4. Recorte e colagem.

5. Traçado de linhas com movimentos livres e dirigidos.

? Percepção visual:

1. Cor.

2. Forma.

3. Tamanho

4. Detalhes.

5. Complementação de figuras.

6. Letras (a, e, i, o, u).

· Orientação temporal: começo, meio e fim, mais velho, mais novo, primeiro e último.

· Orientação espacial: dentro/fora, em cima, entre, em baixo, na frente, atrás, alto, baixo, perto e longe.

? Metodogia:

Folhas que promovam o interesse da criança. Pode-se também trabalhar as vogais com músicas. Trabalhar as noções do conteúdo no dia-a-dia da criança, explicando-a sempre que ocorrer dúvidas. Pode-se trabalhar também com jogos, brincadeira, histórias e músicas.

? AVALIAÇÃO

Avaliação será contínua, através da observação diária da criança no desempenho de suas atividades, no relacionamento com os colegas e com a professora. O instrumento de avaliação é uma ficha de observações que será entregue aos pais todo Bimestre.

MATEMÁTICA

? OBJETIVO

Estimular o raciocínio lógico, estabelecendo relações entre os conceitos: todo, parte, igual, diferente, grande, pequeno, tamanho, cor, forma, etc.
Desenvolver o conceito numérico através da expressão verbal e gráfica.Desenvolver a noção de diferente medidas em relação aos objetos e ao tempo.

? CONTEÚDO

? Estruturas lógicas:

1. Discriminação (semelhanças e diferenças).

2. Comparação.

3. Identificação.

4. Conjuntos.

5. Correspondência.

6. Cores.

· Tamanho e formas (círculo, triângulo, quadrado, retângulo).

· Número de 1 a 9, quantidade (mais, menos, muito, pouco, cheio e vazio).

? Medidas:

1. Tamanho de objetos (pequeno, grande, maior, menor, grosso e fino).

2. Distância entre os objetos (longe, perto).

3. Velocidade (rápido, lento, devagar, depressa).

4. Massa (leve, pesado).

5. Temperatura (quente, frio).

6. Som (alto, baixo).

7. Tempo (muito tempo, pouco tempo, dia, noite, hoje, ontem e amanhã).

? Metodologia:

· Através do uso de material concreto e/ou dourado que promovam a discriminação.

· Através do uso de material concreto onde a criança consiga visualizar e conceituar a contagem dos objetos, e mais tarde a apresentação dos números em lousa, caderno, folhas de sulfite, cartazes e músicas.

· Através de material concreto que permita a visualização de diferente medidas, utilizando também jogos e brincadeiras. Em relação ao tempo é interessante o uso de calendário mostrando o dia, mês, ano e tempo meteorológico, e o aniversário das crianças da sala.

? AVALIAÇÃO

Avaliação será contínua, através da observação diária da criança no desempenho de suas atividades, no relacionamento com os colegas e com a professora. O instrumento de avaliação é uma ficha de observações que será entregue aos pais todo Bimestre.

ESTUDOS SOCIAIS

? OBJETIVO

1. Identificar, nomear e se reconhecer como membro de sua família, reconhecendo sua importância e valor que possui em casa.

2. Desenvolver socialização.

3. Identificar os meios de transportes que circulam em nosso país, relacionando-os com o trânsito.

4. Identificar os meios de comunicação existentes em nosso país.

5. Identificar diferentes profissões, bem como sua importância para economia familiar e do país.

6. Estimular o reconhecimento da história Brasileira.

? CONTEÚDO

· Eu/Família/Casa.

· Escola

· Meios de Transporte/Trânsito.

· Meios de Comunicação.

· Profissões.

? Datas Comemorativas:

1. Carnaval.

2. Páscoa.

3. Dia Nacional do Livro Infantil.

4. Dia do Índio.

5. Dia do Trabalho

6. Dia das Mães.

7. São João.

8. Dia dos Pais.

9. Dia do Soldado.

10. Folclore.

11. Independência.

12. Dia da Árvore.

13. Primavera.

14. Semana do Trânsito.

15. Dia das Crianças.

16. Proclamação da República.

17. Natal e outros.

? Metodologia:

Através de figuras, desenhos, gestos, músicas, histórias e explicações sobre o significado de cada item, e produções de lembrancinhas que traduzam a data em questão.

? AVALIAÇÃO

Avaliação será contínua, através da observação diária da criança no desempenho de suas atividades, no relacionamento com os colegas e com a professora. O instrumento de avaliação é uma ficha de observações que será entregue aos pais todo Bimestre.

CIÊNCIAS

? OBJETIVO

· Estimulação dos 5 sentidos, desenvolvendo a capacidade de auto-higiene e a identificação e nomeação das partes do corpo.

· Incentivar a importância ecológica, através da jardinagem e horticultura.

· Apresentar a diferença entre campo/cidade e praia, estabelecendo a noção de tempo.

· Identificar a importância da água para os seres vivos mostrando a diferenciação entre seres vivos e não vivos.

· Nomear e reconhecer diferentes animais.

? CONTEÚDO

. O corpo humano (os sentidos, hábitos de higiene, e partes do corpo).

. A natureza (dia/noite/tempo, água, campo, cidade, praia, seres vivos e não vivos, plantas e animais).

? Metodologia

· Exercícios e atividades que desenvolvam a visão, audição, tato, olfato e gustação. Incentivar também o lavar as mãos, escovar os dentes sempre que necessário, através de músicas e histórias, que despertem o interesse da criança.

· Plantar mudas e flores explorando o meio ambiente, livros e revistas que auxiliam a explicação sobre a natureza para o professor.

? AVALIAÇÃO

Avaliação será contínua, através da observação diária da criança no desempenho de suas atividades, no relacionamento com os colegas e com a professora. O instrumento de avaliação é uma ficha de observações que será entregue aos pais todo Bimestre.

ARTES

? OBJETIVO

· Incentivar e desenvolver o hábito de desenho, estimulando assim a fantasia da criança.

· Estimulação de confecção de brinquedos através da sucata.

· Estimular a coordenação da criança e a criatividade com o uso da argila e massinha.

? CONTEÚDO

· Artes: desenho livre e pintura.

· Sucata.

· Argila e massinha.

? Metodologia

· Utilização de lápis, pincéis, cola

. Com muito incentivo, estimulando a criança através de elogios.

· Material de sucata e criatividade do professor.

· Apresentação de argila e massinha.

? AVALIAÇÃO

Avaliação será contínua, através da observação diária da criança no desempenho de suas atividades, no relacionamento com os colegas e com a professora. O instrumento de avaliação é uma ficha de observações que será entregue aos pais todo Bimestre.

? OBJETIVOS SÓCIO-EMOCIONAIS

· Desenvolve hábitos de asseio: pedir para ir ao banheiro, lavar as mãos, limpar o nariz, etc.

· Habitua-lo a usar os clichês sociais. Exemplo: Por favor, muito obrigado, com licença, etc.

· Permitir que a criança seja independente.

· Deixa-la explorar ao máximo os objetos e brinquedos.

· Levar a criança a brincar com os outros do grupo.

· Fazer com que a criança não fixe em um único colega.

· Mantê-la ocupada.

· Levar a criança a participar das atividades de grupo.

3 thoughts on “Conhecendo o desenvolvimento da criança

  1. Sou acadêmica de pedagogia, preciso de uma matéria sobre trabalhar com crianças de seis anos de idade com cantigas de roda. Aguardo sua matéria e obrigada!

    Cybele Reply:

    Olá Elenice, tudo bem?

    Sua sugestão já foi anotada e em breve haverá um post sobre cantigas de roda.
    Obrigada por participar e contribuir para que o Educajá progrida sempre.
    Com carinho

  2. gostaria de saber como podemos trabalhar com crianças de 0 a 3 anos em educação para trânsito. Existe algum material paradidático ou didático nesta faixa etária. Grata

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>