Dia Mundial da Saúde – 07 de abril

http://static.blogstorage.hi-pi.com/photos/usr1madeira.bloguepessoal.com/images/gd/1238847790/Saude-Dia-Mundial-da-Saude.jpg

Alimentação, saneamento e cuidados são formas de prevenir doenças

Fonte: Brasil Escola

O dia mundial da saúde foi criado em 1948, pela Organização Mundial de Saúde (OMS), através da preocupação de seus integrantes em manter o bom estado de saúde das pessoas do mundo, bem como alertar sobre os principais problemas que podem atingir a população.

Ter saúde é garantir a condição de bem estar das pessoas, envolvendo os aspectos físicos, mentais e sociais das mesmas, em harmonia, definição dada segundo a OMS.

É necessário que informações acerca da higiene, doenças, lixões, aterros sanitários, dentre outras, cheguem à população, pois dessa forma o governo faz um trabalho preventivo, melhorando a saúde da população e diminuindo gastos com a saúde pública.

Sendo de responsabilidade dos governantes, a saúde pública deve ser levada a sério tanto pelos municípios, estados e governo federal. Esses devem cuidar de aspectos ligados às suas responsabilidades, capacidades e verbas.

O saneamento básico é um desses aspectos para se manter a saúde de uma população, pois garante que a água tratada chegue até nossas casas e que as redes de esgotos estejam devidamente encanadas, diminuindo os riscos de contaminação por bactérias.

Campanhas de vacinação também é uma forma preventiva de cuidar da saúde das pessoas, pois através delas é possível evitar doenças e epidemias entre as pessoas.

Participar de pequenas associações também é uma forma de buscar informações sobre a manutenção da saúde, pois estas estão diretamente ligadas a governantes, que devem assumir tais responsabilidades; promover discussões e reflexões visando maior amplitude do tema, buscando soluções para manter o saneamento ambiental, garantindo o desenvolvimento social e econômico de um país.

Outra forma de garantir a saúde de um povo é dando-lhes condições dignas de trabalho, a fim de proporcionar ganhos o suficiente para manter uma alimentação de qualidade. Através de uma boa alimentação as pessoas adquirem uma forma saudável de manter a saúde própria, evitando despesas com planos de saúde e remédios.

Por Jussara de Barros

07 DE ABRIL – DIA MUNDIAL DA SAÚDE (2010)

Fonte: Datas Comemorativas

http://cesmg.files.wordpress.com/2009/04/dia-mundial-da-saudwe1.jpg

Comemorado em 07 de Abril desde 1950, o Dia Mundial da Saúde celebra a criação da OMS, em 1948.
Em cada ano, a OMS aproveita a ocasião para fomentar a consciência sobre alguns temas chave relacionados com a saúde mundial. Neste sentido, organiza eventos a nível internacional, regional e local para promover o tema escolhido em matéria de saúde.

O Dia Mundial da Saúde 2010 incidirá sobre urbanização e saúde, com a campanha “1000 cidades, 1000 vidas”. Serão organizados eventos em todo o mundo, durante a semana de 7 a 11 de abril de 2010, convidando as cidades a disponibilizar espaços para atividades de saúde.
O tema escolhido para este ano destaca o efeito da urbanização sobre a saúde coletiva, a nível global e para cada um de nós, individualmente.

Criação
Criado em 07 de abril de 1948 pela Organização Mundial de Saúde – OMS, o Dia Mundial da Saúde foi fundamentado no direito do cidadão à saúde e na obrigação do Estado na promoção da saúde. Ao longo da história da humanidade, o saneamento ambiental tem sido o instrumento mais eficaz para a promoção da saúde. Nesse sentido, o depoimento da moradora de uma favela do Recife, no lançamento do programa “Fome Zero”, pelo Presidente Lula, foi decisivo: “O que o pessoal precisa mesmo é de uma casa com água e esgoto. Tendo uma habitação digna, a comida a gente consegue”. As nossas primeiras lembranças quando se fala em saúde são assistência médica, hospital, remédio… Essas coisas, no entanto, constituem apenas um componente no campo da saúde. Muitas vezes, é mais importante ter água potável, ambiente e alimentos saudáveis. Tudo isso, quando bem feito, resulta em um bom nível de saúde pública.

Saúde pública
Mais do que o somatório da saúde das pessoas, Saúde pública é um instrumento para o desenvolvimento social e econômico e está intimamente relacionada com a paz, educação, habitação e eqüidade. É fantástico o alcance dos benefícios do saneamento ambiental, principalmente nas camadas menos favorecidas da população. Imagine, por exemplo, 34 milhões de pessoas que nunca foram ao dentista, como indica pesquisa do IBGE, recebendo água com flúor. O imenso contingente de doentes que superlota os Centros de Saúde, na maioria das vezes, é proveniente de áreas sem saneamento ambiental. Dados da OMS indicam que nessas regiões a incidência anual de doenças diarréicas atinge cerca de um bilhão de pessoas e mais 1,5 bilhões são infectadas por helmintíases.

Saneamento ambiental
Tem efeito imediato na redução dessas enfermidades ao romper o círculo vicioso que se estabelece quando o paciente é medicado e devolvido para o ambiente insalubre. Ao reduzir as filas nos Centros de Saúde, o saneamento ambiental representa importante alívio orçamentário no Setor Saúde, compensando, com folga, os investimentos. Saturnino de Brito e Oswaldo Cruz foram os profissionais que mais se destacaram nas primeiras reformas sanitárias realizadas no Brasil, respectivamente, pela implantação dos serviços de água e esgotos, e pelas campanhas de vacinação, nas grandes cidades do litoral. Atualmente, são mais de 170 mil trabalhadores envolvidos direta e indiretamente com saneamento ambiental que se destacam, pela grandeza da sua missão.

Verdadeiros agentes
A Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental – ABES e a Faculdade de Saúde Pública da USP, que fomentam iniciativas para a formação e especialização de profissionais na área do saneamento ambiental, e oferecem espaço para discussão dos assuntos relacionados com saneamento ambiental e saúde pública, neste dia, cumprimentam os trabalhadores das empresas de saneamento básico, dos serviços municipais de água e esgotos, das empresas de coleta de lixo, dos catadores de material reciclável, dos professores e consultores, enfim de todos aqueles que, muitas vezes, não têm consciência de que são os verdadeiros agentes da saúde pública.

Dia Mundial de Saúde 2010: Urbanismo e Saúde

Fonte: Saúde Ambiental (Portugal)

O Dia Mundial da Saúde de 2010 já tem tema. O tema escolhido pela Organização Mundial de Saúde para o Dia Mundial da Saúde de 2010 será “Urbanismo e Saúde“, com a campanha “1000 cidades, 1000 vidas”.

Saiba mais sobre o vento:

People cycle at the city centre in Brussels, Belgium on a car-free  street day

Dia Mundial da Saúde: prevenção é o melhor remédio para o câncer colorretal

Fonte: Vou nessa

http://static.blogstorage.hi-pi.com/photos/atividadefisicaesaude.spaceblog.com.br/images/gd/1219499064/A-importancia-da-Atividade-Fisica-na-promocao-da-Saude.jpg

Se diagnosticado no começo, sobrevida pode ultrapassar os 90%

Na próxima semana, no dia 7 de abril, comemora-se o Dia Mundial da Saúde. Para celebrar a data, nada melhor do que falar em prevenção de um tipo de câncer que é o segundo em casos de morte no ocidente, o tumor colorretal ou câncer do intestino grosso. Segundo a médica especialista em coloproctologia e diretora técnica da Clínica Lucano, Maria Cristina Sartor, quando detectado no começo, a sobrevida dos pacientes pode ultrapassar os 90%.

De acordo com dados divulgados pelo Instituto Nacional de Câncer (Inca), em 2010 são esperados 28 mil casos da doença, que fica atrás somente do câncer de pele do tipo não melanoma (114 mil casos novos), tumores de próstata (52 mil) e mama feminina (49 mil). A médica conta que com o desenvolvimento da colonoscopia, a partir da década de 80, a prevenção do câncer colorretal passou a ser realidade. “Tornou-se possível o tratamento de casos ainda precoces, alcançando-se a cura dessa doença”, explica.

A colonoscopia é a endoscopia de todo o cólon (intestino grosso), do reto e canal anal. Com a introdução de tubos flexíveis pelo ânus, são obtidas imagens de alta definição da mucosa do tubo digestório. O procedimento é capaz de demonstrar doenças localizadas no interior do intestino e fazer alguns tratamentos, como retirar pólipos (lesões precursoras) e pequenos tumores, cauterizar hemorragias, entre outros. Quando realizado sob sedação adequada, é seguro e indolor.

Além da colonoscopia, pode ser feito o exame de sangue oculto, porém o resultado não é tão preciso. A médica esclarece que esse teste consiste em colocar fezes em contato com corantes (guáiaco), se houver protoporfirina, um componente do sangue, haverá reação positiva. Para esse exame é necessária dieta durante três dias, sem ingestão de carne, corantes, vitamina C e aspirina. “Se for ingerida carne bovina, por exemplo, o resultado será positivo. Por outro lado, se o paciente tiver uma lesão no intestino, que não estiver sangrando nos dias do exame, não será detectada. Muitos pacientes terão resultados falso-positivos e falso-negativos”, comenta Maria Cristina.

Ela acrescenta que atualmente há testes especiais que só reagem com componentes do sangue humano, tornando-os mais eficazes e dispensando a dieta de três dias. “Mas se o exame for positivo, obrigatoriamente deve-se solicitar uma colonoscopia e endoscopia digestiva alta para examinar o esôfago, estômago e duodeno”, complementa Maria Cristina.

Os exames são indicados pelo médico, por isso é importante sempre procurar um profissional quando houver algum sintoma – sangramento retal de qualquer tipo, alteração na frequência das evacuações e características das fezes, dor abdominal, emagrecimento e anemia. “Os pacientes com sangramento retal ou sintomas no ânus e no reto, geralmente, acham que estão com problemas de hemorróidas e não dão importância ou sentem-se constrangidos em procurar ajuda. Deve-se, sempre, excluir as doenças cancerosas antes de fechar o diagnóstico de hemorróidas”, declara a diretora técnica da Clínica Lucano.

Já as pessoas que não têm sintomas e nem história de câncer na família, a partir dos 50 anos devem se submeter a exame de colonoscopia. Se o exame for normal, deverá ser repetido a cada 10 anos. Caso contrário, a frequência de exames será orientada pelo médico especialista. Antes dos 50 anos e nos intervalos das colonoscopias, os pacientes, quando necessário, poderão ser acompanhados com teste de sangue oculto anualmente.

Predisposição e vigilância

A diretora da Clínica Lucano conta que, hoje, entende-se que a maioria dos tumores do cólon e reto são genéticos, mas possuem alguns fatores facilitadores, como tabagismo, sedentarismo, obesidade, ingestão de certos alimentos com conservantes, gorduras insaturadas, álcool em excesso, pouca quantidade de fibras, entre outros. Alguns poucos deles também são hereditários.

Segundo ela, se o portador de câncer tiver menos que 50 anos, os parentes diretos deverão começar a investigação e vigilância com 10 anos a menos do que a idade do paciente índice. “Dentro da herança genética, além dos tumores colorretais, interessam, para indicar a vigilância, os tumores do útero (endométrio), bexiga, rim, estômago, ovário e mama”, analisa.

No caso de síndromes genéticas hereditárias dominantes, a maioria dos familiares pode ser afetada. Dentre as síndromes estão a polipose adenomatosa familial e o câncer colorretal familial não polipose. “O primeiro grupo começa a ter manifestações desde a infância. O tratamento é a retirada completa do cólon e reto antes do aparecimento do câncer. O segundo afeta indivíduos adultos, geralmente com mais de 40 anos. Também há indicação cirúrgica quando detectado. Estas doenças envolvem aconselhamento genético e até cirurgias profiláticas, o que assusta os familiares envolvidos, já que se trata de operações de grande porte”, descreve Maria Cristina.

As Doenças Inflamatórias Intestinais, especialmente a retocolite ulcerativa e a doença de Crohn, também devem servir de alerta para o câncer colorretal. Ambas estão diretamente ligadas ao início do tumor de cólon e reto, especialmente após o décimo ano da doença e quando o controle clínico for difícil.

Tratamento

Quando for diagnosticado o câncer, a cirurgia, endoscópica ou convencional, é a forma mais eficaz e segura de tratamento. Em alguns casos é necessário radioterapia e quimioterapia antes da cirurgia, especialmente nos cânceres do reto. Outros precisarão de quimioterapia após a operação. “Se o diagnóstico for precoce, não há necessidade de terapia adicional”, expõe Maria Cristina.

A especialista enfatiza que se houver atitude por parte da população, não é necessário chegar nessas fases de tratamento. “A maioria dos tumores do cólon e reto podem ser prevenidos. Para isso, é necessário atitude para melhorar os hábitos de vida e os comportamentos que possam facilitar o aparecimento dos tumores e em fazer os exames de prevenção recomendados pelas sociedades de especialistas. Só com a informação, vigilância e os exames de prevenção haverá diagnóstico de tumores mais precoces e ainda passíveis de cura, evitando incômodos e sofrimento”, afirma.

DIA MUNDIAL DA SAÚDE

Fonte: Tecnologias na Educação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *