Apelidar pode ser considerado bullying?

A escola é o ambiente mais propício para se obter apelidos. Colocar apelido em sintonia com o nome, como uma abreviação por exemplo, sempre foi tida como uma forma carinhosa e mais próxima de tratar uma pessoa. Quando se passa a chamar Luciana de “Lu”, Mariana de “Mari”, Josefa de “Jô”, Francisco de “Chico” e assim por diante, é sinal de que nos tornamos mais próximo daquela pessoa, nos tornamos amigos(as).

Esta prática ocorre justamente em razão da convivência contínua. É por esta razão que o colocar apelido ocorre geralmente no ambiente escolar, familiar ou de trabalho.

O colocar apelido em alguém pode ser uma atitude saudável desde que a pessoa apelidada concorde com ele. Se o apelido causar constrangimento deixa de ser um ato carinhoso e passa a ser considerado bullying.

Como saber então se o apelidado está ou não de acordo com o apelido que recebeu?

O melhor a fazer é perguntar para o próprio se ele autoriza ser chamado pelo apelido ou se prefere ser chamado pelo nome. Ninguém melhor do que a própria pessoa para autorizar ou não.

Uma boa prática da escola é, logo no início do ano, quando a professora estiver fazendo a chamada pela primeira vez, perguntar para cada aluno se ele tem apelido e se gosta de ser chamado por ele.

O que pode ser normal para um, pode ser traumático para outro. Tive uma aluna que adorava ser chamada de “pequena” em razão de ser estilo mignon. Outra também pequenina era chamada de “cisquinho”. Já Marina, que passou a ser chamada de Gisele em razão de ser alta e magra e lembrar a modelo Gisele Bündchen, detestava este apelido.

O apelido age diretamente no emocional do apelidado. É por esta razão que não há uma regra a ser seguida para se detectar se o apelido está interferindo ou não no dia-a-dia do apelidado.

Antes de chamar alguém pelo apelido, peça autorização. Assim você saberá a melhor maneira de agir sem ferir e nem intimidar.

Garagem Social – Juntos por uma Terra sem Bullying

O Blog Garagem Social – Juntos por uma Terra Sem Bullying! trata do assunto com muita seriedade.
Vale a pena ler seu post sobre o filme: Bullying – Provocações sem limite.

Estamos em Barcelona, 2008. Jorci, um jovem de 15 anos de idade, que há pouco perdera seu pai, se muda com sua mãe para Barcelona em busca de uma nova vida. Ao chegar em sua nova escola não foi bem recebido por Nacho, que começa a persegui-lo. Sua mãe sofre de depressão e trabalha como enfermeira durante grande parte do dia. Para não preocupa-la, Jorci esconde as humilhações que sofre na escola e passa a ver sua vida transformada em um inferno. Nesta fase

começa a se relacionar com seu misterioso vizinho e conhece uma garota que também está sofrendo com o bullying em outra escola. Infelizmente todos estes fatos seguem anunciando…

Continue lendo…

Meninas Malvadas: Realidade ou ficção? Histórias de Cyberbullying

Reportagem exibida durante telejornal da cidade de Sacramento (Califórnia, EUA) fala sobre o potencial destrutivo que o Cyberbullying possui sobre sua população de jovens, principalmente entre as garotas. A reporter inicia sua apresentação perguntando: “O quanto pode ser ruim o cyberbullying em Sacramento?”. Eu pergunto: “O quanto pode ser horrível o cyberbullying em todo o mundo?

Uma boa reportagem que mostra, que assim como no filme Meninas Malvadas (Mean Girls-2004), as palavras desagradáveis e as fofocas se fazem presentes no dia-a-dia das garotas da cidade, principalmente na internet.
No filme citado pela reportagem, Cady Heron (Lindsay Lohan) é uma garota que…

8 thoughts on “Apelidar pode ser considerado bullying?

  1. Apedelidar pode ser considerado bullying, desde que a criança apelidada não aceite o apedelido…Como já sabemos é natural os apelidos não só nas escolas, mas no bairro, no clube, no cursinho e por ai vai… Penso que a orientação as crianças é fundamental. Falo aos meus filhos de 13 e 16 anos, a muito tempo que, durante um grupo, independente da quantidade, se um colega, apenas um não estiver gostando da brincadeira, pare e veja outra coisa até que todos estejam se divertindo…é uma questão de orientar, conversar muito com os jovens, mostrando que não se deve fazer com outros o que não gostaria que fisessem com ele mesmo.
    Parabens pela reportagem, infelismente esse é um assunto do qual não para de crescer.

    Cybele Reply:

    Olá Luciana, tudo bem?

    Excelente o seu relato. É muito importante que mães compartilhem suas orientações aos filhos para que consigamos acabar de uma vez com a prática do Bullying seja na escola ou fora dela.
    Obrigada por contribuir e por enriquecer ainda mais o nosso espaço.
    Volte sempre!
    Com carinho

  2. Excelente reportamgem sobre o tema de Bullying, infelizmente temos essa triste realidade dentro das camadas socias do mundo todo.
    Claudio

  3. Tem um menino na minha escola que coloca muitos apelidos maldosos e comparaçoes como : Ela é bonita e voçê não … E também esses dias eu estava voltando da escola com umas amigas e ele estava lá atras e do nada falou : ‘eai babuina Isso tá doendo muito , até porque passei um dia horando o dia inteiro .. Gostaria de saber se isso já é considerado bullying ?

  4. Já sou idoso, e no meu tempo de criança todos tinham apelido gostasse ou não, o meu eu detestava por isso pegou e até hoje os da minha época me chamam de apelido. Outro dia estava em uma agência bancária, na fila, quando alguém me chamou pelo apelido, fingi que não era comigo. Sofri muito na escola com isso, realmente é doloroso uns serem chamados pelos nomes e outros por apelido. O que aconteceu então ! comecei a colocar apelidos em todos, e não os chamava pelos nomes, os apelidos pegaram , foi a minha vingança.

  5. Meu filho ta passando por uma situação não sei mais o que faço os colegas colocaram um apelido nele só ele não gosta o que faço como mãe pois ele do tem 7anos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *