A criança e a construção da sua identidade


Construir a identidade faz parte do desenvolvimento de qualquer cidadão não importando a qual geração pertença. E nós: pais, professores, comunidade temos influência direta nesta construção.

A criança levada, bagunceira que não fica parada um único momento, que em sala de aula senta e levanta o tempo todo, aponta o lápis inúmeras vezes, fala com o amiguinho da frente, vira para trás, “cutuca” o colega do lado, ou mesmo quando está em casa, pula no sofá, escala o batente da porta, dá cambalhota ou vira estrela, corre do quarto para a sala, da sala para o quarto e assim por diante, é tida como “hiperativa em potencial”.

Será? Será que tem mesmo algo de errado com esta criança ou ela tem muita energia que precisa ser gasta? Onde ela pode gastar esta energia se mora num apartamento pequeno, cheio de mobília e quando sai do apartamento vai para escola e tem que ficar sentada 90% do tempo!

Como será que esta criança está construindo a sua identidade?

Que informações ela está recebendo dos que convivem ao seu lado e quais está assimilando para formar a sua identidade?

E a criança comportada, obediente, estudiosa, que sempre deixa seu quarto arrumado, que guarda seus brinquedos? Sim esta criança tida como exemplar e que sempre recebe um afago na cabeça acompanhado de um elogio:

- Que comportada!

- Que educada!

- Que ordeira!

Você já imaginou que carga pesada esta criança carrega em seus ombros?

As crianças com energia infindável acabam por atrair a atenção dos adultos constantemente, pois estão sempre “aprontando” alguma coisa e a intervenção destes se faz necessária.

Já a criança comportada se sente com a responsabilidade de não decepcionar o adulto que a elogia. Se em algum momento ela comete um deslize, natural em qualquer criança, imediatamente aparece alguém para dizer: – Não acredito que você fez isto! Logo você que é tão…

Como será que estas crianças estão construindo suas identidades?

Será condição ter que chamar constantemente e atenção dos adultos com o objetivo de construir sua identidade?

A criança que concentra energia demais tem como meta de comportamento atrair a atenção do adulto que lhe é mais próximo. Caso este a ignore ela irá aumentar o ritmo do seu comportamento até alcançar seu objetivo, ou seja, chamar atenção.

Se em razão deste comportamento acaba sendo castigada ou recebendo outro corretivo qualquer, na verdade, terá um peso menor. O que realmente importa é o fato de ser o centro das atenções.

O mesmo acontece com a criança “exemplar”, ela necessita muito do elogio.

Este é o seu maior objetivo. Irá cada vez mais, se desdobrar em afazeres para ser elogiada. Caso, em algum momento, não o receba, ficará imensamente magoada, pois na verdade ela tem uma preocupação muito grande em não decepcionar os que a rodeiam.

Esta preocupação com o outro é constante. Caso ela não o agrade terá a sensação de que perderá o seu amor.

Vemos então que tanto um quanto outro necessitam da interferência constante do adulto para se autoafirmar e consequentemente construir sua identidade.

E quando estiverem sozinhos? Sem ninguém por perto, como agirão?

Como será que está a autoestima destas crianças? Estarão elas construindo sua identidade?

Sabemos que não nascemos com nossa identidade formada. Ela vai se construindo à medida que vamos interagindo com o meio em que vivemos. Se a aprovação ou desaprovação dos outros é tão necessária, é porque não conhecemos a nós mesmos.

Logo nossa identidade não existe.

Na verdade o que nós adultos temos que fazer é transmitir valores humanos para nossas crianças, propiciando assim, um autoconhecimento e consequentemente a construção da autoestima.

Se a criança se conhece. Sabe do seu valor. Se acredita em si mesma, o elogio ou a crítica passa a ter importância secundária.

Temos também que enxergar os limites de cada um e não exigirmos mais do que eles podem dar. O simples fato de falarmos: – Eu sei que você é capaz! Tente e com certeza conseguirá! Poderá acabar ocasionando resultados negativos. Se a criança não estiver preparada tanto na parte motora, psicológica ou emocional estas palavras de “estímulos” acabarão por imputar uma responsabilidade difícil de ser atingida, podendo ocasionar efeito inverso.

Enfim, temos acima de tudo que respeitar o outro, seja ele criança “exemplar” ou “hiperativa” desenvolvendo a sua autoestima fortalecendo assim a construção da sua identidade.

E você o que pensa sobre esta construção?

Pode contribuir com algum caso ou exemplo?

Compartilhe conosco.

6 thoughts on “A criança e a construção da sua identidade

  1. Muito importante teu post! E quem convive e observa as crianças percebe isso. Tive uma aluninha ‘exemplar’ que as vezes parecia esquecer de seus desejos e que era criança a fim de agradar aos pais e tanto que tornou-se tão perfeccionista que um dia no pré B rasgou um trabalhinho porque um colega sacudiu a mesa sem querer e ela errou o traço. Ai chorou, ficou amuada e foi difícil contornar. Os pais precisam ‘parar’ de por nas crianças suas expectativas exacerbadas, desejar que façam o que não fizeram. O debate desses assuntos é importante em todos os espaços, e mais ainda nas comunidades escolares. Afinal, ainda não tem escola para aprendermos a ser pais. []s

    Cybele Reply:

    Olá Paulinha, tudo bem?

    Muitos pais usam seus filhos como “objetos de exibicionismos” desde que são bebês fazendo com que apresentem as gracinhas repetidas vezes para ganhar o sorriso do outro. Este comportamento continua durante toda a vida. Há pais que querem que o filho se alfabetize antes da hora só para exibir o filho em sua roda de amizades. É uma pena esta falta de preparo dos pais.
    Obrigada pela visita e pelo comentário.
    Ele enriqueceu o nosso tema.
    beijinhos e volte sempre!

  2. Achei muito importante esse breve ensaio sobre a formação da identidade da criança, muitos Pais precisam aprender a conhecer a si mesmo, para depois, contribuir an formação dos próprios filhos, preparando-os para a sociedade com cidadãos.

    Cybele Reply:

    Olá Carlos, tudo bem?

    Obrigada por participar e por enriquecer ainda mais o nosso espaço.
    Continue acompanhando o Educa Já!
    Abraços
    Equipe Educa Já!

  3. achei muito interessante, pois acabamos de tolir algumas atitudes da criança, pulando etapas da vida só para mostrar aos outros como ela é inteligente. Pois sabemos que apenas fazemos a criança repetir o que o adulto quer.

    Cybele Reply:

    Olá Albert, tudo bem?

    Obrigada pelo carinho da sua mensagem e por enriquecer o nosso espaço.
    Continue acompanhando o Educa Já!
    abraços e volte sempre!
    Equipe Educa Já!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>