Infância!

“Oh! que saudades que tenho,
da aurora da minha vida,
da minha infância querida,
que os anos não trazem mais!”

Casimiro de Abreu

INFÂNCIA – Palavra de uma sonoridade infinita que embriaga os ouvidos como se poesia fosse.

Sempre que é pronunciada provoca um sorriso maroto nos lábios de quem a ouve.

Quem não guarda, no baú de suas recordações, doces lembranças da infância?

Quando falamos em infância, sempre temos uma história deliciosa para contar.

Mesmo as maiores travessuras, aquelas que chegaram a tirar a nossa mãe do sério, hoje se tornaram pérolas que guardamos em nosso coração como jóias raras.

Bons tempos aqueles em que brincávamos com bolinhas de gude na rua de terra. Ao final do dia voltávamos para casa com os bolsos pesados, cheios de bolinhas de vidro, fruto das partidas ganhas e na mão, para poder contemplar a todo o momento, aquela bolinha especial, tão “cobiçada”, com três listras coloridas, prêmio obtido pelo melhor desempenho na partida.

E pular amarelinha! Era divertido desde o momento de procurar um pedaço de tijolo para desenhá-la na calçada. Precisava ter muita noção espacial para não deixar uma casa maior que a outra.

Era sempre a mais velha da turma quem desenhava. E a pontaria! Era preciso muita concentração para mirar e acertar na casa da vez. Equilíbrio então!! Ficar num pé só, abaixar-se para pegar a pedrinha e voltar sem colocar o outro pé no chão, era uma missão e tanto.

Lembro-me com muitas saudades do “jogo da ordem” em que eu atirava a bola contra a parede e ia recitando: ordem, sem lugar, sem rir, sem ……(falar), um dos pés, o outro, uma das mãos, ….. e ia fazendo os gestos pedidos pela música no tempo da bola bater na parede e voltar. Se a bola caísse no chão, eu perdia a vez (é obvio).

Nos dias de chuva brincávamos de cama de gato, jogo da velha, três marias….

Passávamos o dia todo entretidos com estas brincadeiras.

Riamos muito, corríamos até perder o fôlego, pulávamos, cantávamos, tudo ao som estridente das vozes infantis.

Quando a tarde chegava, tomava banho e me sentava diante da TV para assistir desenho animado. Era o Pica-pau fazendo das suas, o Plic e o Ploc enganando o Chuvisco, o Tom e o Jerry que nunca se entendiam. Depois dos desenhos vinham os episódios dos Três Patetas, como eu ria das palhaçadas deles.

Também havia o seriado do Zorro. Este ativava muito a minha imaginação. Eu amarrava um lençol no pescoço e colocava a meia preta do meu pai sobre os olhos, deixando uma fresta para poder enxergar e pulava de cima do sofá para o chão empunhando numa das mãos como se fosse uma espada, a colher de pau da minha mãe.

Era uma delícia!

Depois jantava e às nove horas da noite, quando começava a tocar na TV a música dos cobertores Parahyba “Tá na hora de dormir, não espere a mamãe mandar…” eu tinha que dar boa noite rapidinho e ir para o meu quarto dormir, caso contrário no dia seguinte ficava sem assistir televisão.

Eu sabia que daquele horário em diante era só programa de adulto, então, como eu ainda era criança, não podia assistir.

É uma pena que as crianças de hoje não possam usufruir dessas delícias, primeiro em razão do progresso, brincar na rua nem pensar, o trânsito é imenso e a falta de segurança é outro fator crucial.

Temos também que concordar que hoje os tempos são outro, a tecnologia é outra, os tipos de brinquedos são outros, só que isto está acabando com o espírito infantil.

No tempo citado acima não havia variedade de brinquedos mas o que havia em grande quantidade era imaginação,  fantasia e criatividade.

Hoje, o consumismo tomou o lugar do brincar.

A criança quer muito um determinado brinquedo, logo após ganhá-lo já começa a pedir outro.

Quando a criança vai à casa de um amiguinho para brincar e leva um brinquedo novo – o brinquedo que a criança carrega consigo é sempre “o novo” pois o que ele ganhou ontem “é velho” e não tem mais importância – ela o fica segurando todo o tempo.

Não brinca com ele, não o empresta, apenas o exibe.

Com relação às meninas, fazem uma verdadeira coleção de bonecas da moda. É uma boneca com roupa de praia, outra com a roupa que vai esquiar, a com roupa para ir ao supermercado, a com roupa de festa e assim vai.

E mesmo tendo todas estas bonecas, ela ainda não se sente satisfeita, pois sua amiguinha tem uma com um modelo que ela ainda não tem, então ela vai pedir este outro modelo, incessantemente, até conseguir.

Agora me responda, elas brincam com as bonecas? Não! Elas apenas as exibem e comentam que vão ganhar mais esta ou aquela.

Este tipo de comportamento roubou o prazer do brincar do faz de conta.

O que existe agora é o adquirir, o competir, a satisfação relâmpago do TER.

A criança de hoje não conversa mais com seus bichinhos, não sabe brincar sozinha, não se entretem com nada!

Ops!!! Mas tem o videogame! Realmente o “must” agora é o videogame. As crianças ficam sentadas no sofá, quase nem piscam, praticamente nem se lembram de fechar a boca e ficam ali, com os olhos arregalados, com a língua pendurada do lado de fora da boca, só movimentando os dois dedões, um de cada mão, é claro, vidradas nas imagens que elas têm o poder de movimentar para o lado que quiserem.

Quando acaba a força do “boneco”, que é computada pela quantidade de sangue que aparece na parte inferior do vídeo, é que se lembram de olhar em volta e se dão conta de que estão no sofá da sala e que perderam ou ganharam o “game”.

Passam horas ali sentadas sem perceber que estão na mesma posição o tempo todo.

Quando a noite chega, só se afastam um pouco mais para o canto do sofá para dar lugar aos outros membros da família que também querem ali se sentar.

Então começam as novelas das 6h, das 7h, o Jornal, a novela das 9h e elas ali assistindo a tudo isto.

Ninguém se importa se elas têm 2 ou 3 ou 4 ou 5 anos.

Assistem a tudo com muita atenção, afinal tudo ali é muito interessante. Tem traição, tem assalto, tem assassinato, tem desfalque, tem seqüestro, tem sexo, tem… tem…E elas ali vendo tudo isso.

Continuam com os olhos arregalados e com a boca aberta, totalmente concentradas no que estão assistindo.

Diante desta realidade toda não sobra lugar para a fantasia.

É uma pena que as coisas estejam caminhando desta forma.

Isto irá gerar, no futuro, um vazio muito grande nessa geração infantil, pois tudo de bom que levamos, pela vida afora, são as lembranças dos nossos tempos de criança.

São estas lembranças que nos energizam no dia a dia.

Sempre haverá uma música antiga ou um aroma de perfume que nos transportará para um tempo, não muito distante, onde éramos simplesmente crianças.

 

2 thoughts on “Infância!

  1. Maravilhoso artigo!!!! Por alguns instantes pude reviver um tempo que não volta mais, e..hoje canto para o meu netinho dormir, “Já é hora de dormir….alegre despertar” (cobertores Parahyba..
    As cças de hoje sentirão na adolescência, a dor e o desamparo da sociedade contemporânea..
    Parabéns!!

  2. Excelente artigo! Falo sobre isso sempre com meus alunos e amigos também. A infância de hoje perdeu a cor, o cheiro, o encanto desse “tempo que não volta mais”, mesmo. “Videogamizou.”Insensatocoracionalizou.” Vulgarizou, enfim. Êta, Gilberto Braga!Como você “ensina”, hem?Onde fica sua consciência sobre tudo isso que você PROPAGA, divulga, entorpece e faz estágio, ainda!Se liga, cara! Você TAMBÉM não era assim, lembra?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *