Por que a pressa?

Vejam só o paradoxo que estamos vivendo.

Antigamente, até a descoberta da penicilina em 1928, a perspectiva de vida das pessoas era de 40 anos.  Hoje, com todo o avanço científico da Medicina, da boa alimentação, da prática de esportes e tantos outros recursos que fazemos uso diariamente, a perspectiva de vida gira em torno dos 80 anos e, tudo leva a crer que esta geração que está vindo agora chegará tranquilamente aos 100 anos. Pois bem, antigamente, não havia pressa, embora se soubesse que se viveria bem menos. O estilo de vida era mais tranquilo, os horários, os compromissos, enfim tudo andava em um ritmo mais lento levando em consideração a velocidade de hoje.

Para se tomar banho tinha que alguém ir buscar a água, aquecê-la, derramá-la em uma bacia ou banheira consumindo um bom tempo. Para colocar a roupa o tempo investido era enorme, pois as roupas eram muito elaboradas, cheias de detalhes, franzidos, rendinhas, saiotes, espartilhos, inúmeras saias, meias, luvas, chapéus, sombrinhas, capas, assim como os homens que usavam calças, camisas, casacas, coletes, suspensórios, gravatas, lenços, cravo na lapela e luvas além do chapéu e da bengala.

Sair de casa era uma verdadeira aventura, pois os mais simples iam caminhando por trilhas de terra uma vez que a maioria da população vivia na zona rural, enquanto que os mais abastados iam de charretes ou a cavalo.

No século XX a expectativa de vida praticamente dobrou e com ela a pressa oriunda do progresso que construiu ruas e avenidas colocando carros para transitarem sobre elas, construiu casas e edifícios, trouxe quem morava no campo para a cidade, colocou transporte público, indústrias, bancos, mercados, escolas, hotéis, supermercados, cinemas, teatro, shopping…

As pessoas começaram a realizar atividades que antes não faziam parte do seu cotidiano. Lembro-me que quando era pequena, na década de 60 e morávamos em Santos-SP, uma vez por mês íamos eu, minha mãe e minha irmã, ao centro para pagar a conta de luz no banco. Era uma verdadeira festa, pois íamos de bonde até o centro da cidade, descíamos na Praça Mauá, andávamos até o banco, minha mãe pagava a conta e depois íamos até as Lojas Americanas comer um americano no prato com refrigerante e como sobremesa uma banana Split. É claro que isso só acontecia se o comportamento tivesse sido bom e as notas altas, caso contrário, voltávamos sem este super lanche. Hoje, século XXI ninguém sai de casa para fazer somente uma tarefa. É comum se sair de casa com um itinerário repleto de afazeres que vão sendo riscados na agenda durante o percurso de ida e de volta.

No século XXI a perspectiva de vida é de que muitos cheguem a viver perto dos 120 anos. Temos exemplos atuais de famosos como Dercy Gonçalves (101 anos), Oscar Niemeyer (104 anos), Dona Canô (105 anos) e da pessoa mais velha do mundo, que ainda continua viva, que é o japonês Jiroemon Kimura com 115 anos.

Pensando no jovem de hoje que está diante desta possibilidade de longevidade, te convido a refletirmos sobre a possibilidade de diminuir a pressa em muitos tópicos como, por exemplo, a necessidade de ingressar em uma Graduação aos 17 anos, principalmente se não tiver vocação definida. Ele pode se dar ao luxo de praticar alguma atividade que lhe dê prazer fazendo uso do seu vigor juvenil enquanto exerce atividades diversas para experimentar vários caminhos até se sentir seguro quanto a profissão que quer exercer.

Poderá ingressar aos 25 anos na Graduação, se formar aos 30, exercer por 30 anos fazendo todas as especializações que tiver oportunidade, e se aposentar. Estando então com 60 anos poderá optar por uma nova Graduação renovando suas energias em uma nova atividade.  Se formará aos 65, exercerá mais 30 anos e conseguirá sua segunda aposentadoria. Aos 95 anos, já bem seguro financeiramente, ainda terá 25 anos para fazer tudo que tiver vontade.

O que vocês acharam desta expectativa?

8 thoughts on “Por que a pressa?

  1. Bom seria se a vida fosse planejadinha assim!

    Cybele Reply:

    Olá Arlete, tudo bem?

    Concordo plenamente com você.
    E justamente por não dar para planejar tudo certinho assim que fiz a provocação sobre a imposição ao jovem de ter que escolher, sem vocação definida, uma profissão que terá que exercer para o resto da vida. Pelo menos terá que cursar a Graduação, pois alcançou a idade de ir para a Universidade.
    Muitos ainda frequentam cursos impostos por seus pais que, diante da indecisão ou de uma escolha não recomendada, imputam ao filho qual Graduação cursar.
    É claro que estou me referindo aos estudantes de classes A,B e alguns da C, pois os das demais, mesmo com vocação definida, não têm a oportunidade pois já carregam a responsabilidade de ajudar a manter a casa.
    Obrigada pelo seu comentário.
    Adoro prolongar a conversa!
    Volte sempre!
    abraços
    Cybele Meyer

  2. També acredito que esta filosofia de fazer tantas coisas ao mesmo tempo (parece que é moda no momento), além de ser prejudicial neurologicamente pois com isso perdemos um dos principais requisitos para a memória que é atenção. Isto tem levado também inclusive a maioria dos erros que cometemos em qualquer atividade.
    Também concordo que esta pressa toda não está nos levando a uma vida melhor que sempre foi e continuará sendo um dos nossos principais objetivos.
    Por outro lado, também me preocupa a falta de interesse de outra parte da populaçao, achando que a vida é só festa.
    Ter objetivos e sonhos é fundamental para manter nossa mente e corpo bem. Para fazer o que se gosta é preciso fazer muita coisa de que não se gosta. Tudo tem um preço.

    Cybele Reply:

    Olá Rafael, tudo bem?

    Obrigada por enriquecer o Educa Já! com o seu comentário.
    Volte sempre e continue nos acompanhando.
    abraços
    Cybele Meyer

  3. Fica mesmo uma reflexão a fazer pois enquanto estamos vivendo já esta realidade de longevidade por outro lado enfrentamos os mesmos preconceitos da idade das pedras.

    Cybele Reply:

    Olá Maria Helena, tudo bem?

    Muito bem pontuado.
    Adorei sua colocação.
    Obrigada pelo comentário.
    Volte sempre!
    abraços
    Cybele Meyer

  4. Uauu amiga Cybele, adorei o post, realmente a pressa tem tomado conta dos nossos dias, falta nos tempo ou não sabemos administrá-los como deveríamos? Penso que ainda perco muito tempo da minha vida… e assim, vão passando os dias, os anos, mas não perco a esperança não, com 40 anos ainda quero voltar à faculdade, fazer o meu mestrado ou outra graduação, se Deus quiser… e vamos que vamos…rsrs

    Olha, tenho um Tag no blog Livros, Leitura e Cia e te indiquei para responder, passa lá e dá uma olhadela…rsrs depois me diz alguma coisa…
    Bjokas e bom fim de semana
    Cris

    Cybele Reply:

    Querida Cris,

    Obrigada por seu comentário.
    Grandes planos na Educação. É isso mesmo! Dou o maior apoio!
    Já passei no seu blog e já deixei um recadinho.
    Adorei saber que você tinha medo da Cuca rssss
    Beijos e bom final de semana
    Cybele Meyer

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *