Por que crianças também sofrem de depressão?

Depressão

Uma doença chamada de mal do século que afeta grande parte da população não exclui as crianças. Há também depressão infantil. É necessário inicialmente os pais a detectarem, e assim, buscar a mudança do quadro.

A depressão é mais do que apenas sentir-se triste ou estar de mau-humor. Por isso a observação dos pais nesta sutil diferença pode ser primordial para conduzir a criança para um quadro melhor.

Um dos sintomas mais comuns é o isolamento social e a solidão opcional, ou seja, querer estar sozinho e não ter vontade de fazer atividades que eram do seu interesse anteriormente. Claro que às vezes os filhos querem estar sós e ter seus espaços, mas quando a solidão é exagerada e os colocam distante dos hobbies e dos momentos de lazer, é um momento de parar e analisar o que está acontecendo.

A depressão não desaparece sozinha, requer ajuda profissional para ser tratada, por isso convém não subestimar a desesperança ou a irritabilidade frequente da criança, que através desses comportamentos dá o sinal que algo não vai bem.

Antes de tudo o diálogo é sempre a rota a ser traçada entre filhos e pais, porém, às vezes, pela dificuldade de algumas crianças em revelarem suas fraquezas, é mais indicado esse bate-papo ser feito com um profissional, situação em que a criança pode se sentir mais confortável para expor o que está sentindo ou vivenciando. Em alguns casos até, a psicoterapia pode incluir sessão familiar, especialmente quando algum problema está acontecendo dentro de casa e inclui os membros da família e afeta a criança.

Faça uma consulta no seu plano de saúde e pesquise os profissionais que você pode procurar ajuda, há psiquiatras e psicólogos especialistas nestes casos.

Mas caso seu filho(a) dê sinais de depressão, não é motivo de desespero. A sociedade competitiva estabelece muito cedo uma concorrência e uma busca pelo sucesso exagerado em tudo e a criança pode se sentir vítima disso na escola, entre os amigos ou até em casa. É sempre válido valorizar os trabalhos e os resultados alcançados e criar uma atmosfera saudável. Colabore para a auto-estima e não faça dos filhos uma meta de sucesso a todo custo, eles têm seu tempo e suas escolhas individuais também, conforme amadurecem.

Segundo pesquisas sobre o tema, a depressão infantil alcança cerca de 1% a 3% das crianças na fase pré-puerperal, e 3 a 9% dos adolescentes. Mas há causas biológicas que comprovam que a doença pode ter ligação com a hereditariedade. Em outros casos os quadros depressivos podem aparecer também por motivos de aspectos psicológicos, como a morte de uma animal de estimação, mudança de cidade e escola ou separação dos pais.

O diagnótico e a busca pela superação e cura devem ser os passos principais nestes quadros, o amor e a compreensão familiar são a base para o começo da ajuda.

Texto de Roberta Clarissa Leite

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *