Datas Comemorativas – Descobimento do Brasil

[c.jpg]

Vejam as postagens anteriores

Descobrimento do Brasil – 2008

Descobrimento do Brasil – cont

Descobrimento do Brasil – 2009

[c.jpg]

Trabalhando o Hino Nacional nas aulas de artes

Fonte: Pra Gente Miúda

[De Ouviram do Ipiranga as margens plácidas até Brilhou no céu da Pátria nesse instante] IDÉIA - Confeccionem em papel kraft (pardo) o desnho de um riacho, árvores, enfim tudo que lembre a margem de um rio. Pintem em conjunto com tinta guache. Represente também a figura do príncipe e faça a comparação da atividade com a estrofe. Faça a espada, o chapéu e o cavalinho para as crianças.

.
[De O penhor dessa igualdade até Desafia o nosso peito a própria morte] IDÉIA – Leia a estrofe com as crianças. Providencie várias revistas e peça que recortem figuras de adultos e crianças caminhando e cole-as no mapa do Brasil em tamanho grande.
.
[De Brasil, de um sonho intenso até a imagem do cruzeiro resplandece] IDÉIA – Leia a estrofe e faça um painel do céu a noite, pintado com tinta guache pelas crianças, destacando o cruzeiro do Sul. Solicite que as crianças peçam ajuda aos pais para observar o céu a noite, para encontrar a constelação do Cruzeiro do Sul.
.
[De Gigante pela própria natureza até dos filhos deste solo és mãe gentil, Pátria amada Brasil] IDÉIA – Peça as crianças para levarem para a sala de aula fotografias. Faça o mapa do Brasil em tamanho grande, recorte com os alunos pedacinhos de papel laminado dourado e façam um mosaico deixando espaço para colarem as fotografias, ressaltando que eles são o futuro e a riqueza do país.
.
[De Deitado eternamente em berço até iluminando o sol do novo mundo] IDÉIA – Faça com as crianças flores coloridas e solicite que colem-nas no mapa do Brasil em tamanho grande. Faça a comparação da atividade desenvolvida e explique que elas representam a expressão “Florão da América”!
.
[De Do que a Terra mais garrida até Nossa vida no teu seio mais amores] IDÉIA – Leia a estrofe com as crianças e confeccione um painel com cenário de floresta ou bosque e cole dobraduras de animais da nossa fauna. Faça a comparação do trabalho realizado e os versos da estrofe.
.
[Em Ó Pátria amada idolatrada, Salve, salve] IDÉIA – Leia a estrofe com as crianças e faça a bandeira do Brasil em tamanho grande e solicite às crianças que picotem papel laminado nas cores verde, amarelo, azul e branca e colem os pedacinhos nos locais correspondentes…
Ao final das atividades, fazer a exposição dos trabalhos, destacando cada estrofe trabalhada.
Boa Sorte!
Música e letra – Descobrimento do Brasil
Fonte: Pra Gente Miúda
O almirante português,
Pedro Álvares Cabral,
No ano de 1500, saiu de Portugal!

Com 13 barcos veleiros,
do rio Tejo pro mar,
Para nas ilhas distantes,
especiarias comprar !

Mas D. Manuel I,
rei venturoso chamado,
Aconselhou a Cabral
Mudar de rota um bocado…
Para evitar calmarias,
e para saber também,
Se havia como diziam,
Terras na banda do além.

Navegaram vários dias,
Viram um monte afinal…
Que por ser tempo de páscoa,
Chamaram-no Monte Pascoal.

E assim, numa quarta-feira,
Dia 22 de abril…
Foi descoberto afinal,
O nosso amado Brasil!

Baixe a música clicando AQUI

Música/Letra – A 1ª Missa

No Ilhéu da Coroa Vermelha,
Onde Cabral ancorou…
E cercados de índios e brancos,
A cruz de Cristo elevou!
Frei Henrique de Coimbra,
A 26 de abril,
rezou a primeira missa,
abençoando o Brasil!

A princípio chamaram a terra,
De ilha de Vera Cruz.
Mas depois logo a crismaram,
de Terra de Santa Cruz.
Mas um pau da cor de brasa,
próprio da terra gentil,
Foi quem lhe deu finalmente,
seu nome eterno: BRASIL!

Baixe a música clicando AQUI

Gibi – Descobrimento do Brasil

http://2.bp.blogspot.com/_eIBAVA7AGQ0/S7QWf1F8AjI/AAAAAAAAKTc/l45JxbHLyuw/s1600/01.JPG

Se você gosta de inovar…

Nada melhor do que trabalhar duas datas de abril ao mesmo tempo… O Descobrimento do Brasil está bem ilustrado neste gibi da Turma do Sítio do Pica Pau Amarelo, personagens que ganham vida no Dia do Livro.

O Gibi pode ser baixado AQUI

Texto ilustrado

Fonte: Pra Gente Miúda

http://2.bp.blogspot.com/_eIBAVA7AGQ0/S7Qh-LMbZlI/AAAAAAAAKU8/ZDKFhCtZGak/s1600/brasil.jpg

Datas Comemorativas – Tiradentes


Veja as postagens anteriores

Datas comemorativas – Tiradentes – 2009

Datas comemorativas – Tiradentes – 2008

TIRADENTE

Fonte: Smartkids

Tiradentes

Um grito de liberdade!

Em 21 de abril comemoramos o dia do primeiro sonho de um Brasil livre da colonização portuguesa, exato dia esse em que Tiradentes, Joaquim José da Silva Xavier, no ano de 1792, morreu enforcado.

A Inconfidência foi o início da mudança que pretendia a liberdade do Brasil do domínio colonial português. De lá para cá realmente muita coisa mudou, além de Portugal não ser mais nosso inimigo.

Frase de Tiradentes: “Esta terra há de ser um dia maior que a Nova Inglaterra!”

Desenho Tiradentes para colorir

TIRADENTES

TiradentesQuem foi Tiradentes?

O seu nome era Joaquim José da Silva Xavier, nasceu em 1746 na Vila de São José Del Rei (hoje Tiradentes), Minas Gerais. Seu pai era um pequeno fazendeiro. Ficou conhecido como Tiradentes por ser dentista, profissão que aprendeu com o tio após ficar órfão. Tiradentes não foi apenas dentista, mas também minerador entre outros ofícios. Como muitos, Tiradentes não aceitava os altos impostos cobrados na época por Portugal, essa revolta foi aumentando até que surgiu um movimento revolucionário chamado de Inconfidência Mineira que tinha como objetivo acabar com os impostos abusivos e também conseguir a independência brasileira. Este movimento foi denunciado antes de ser concretizado. Foi iniciado um processo contra todos os revolucionários, mas apenas Tiradentes, o único condenado a morte foi enforcado em praça pública em abril de 1792.

Jogue o JOGO DA FORCA TIRADENTES clicando AQUI

Dia de Tiradentes – 21 de abril

Fonte: Larissa Carla

http://4.bp.blogspot.com/_O3K3jFrq_as/S8poATAOTnI/AAAAAAAACyU/VXtm94QFs2o/s1600/Tiradentes3.jpg
.
http://1.bp.blogspot.com/_O3K3jFrq_as/S8pn85Fhg_I/AAAAAAAACyE/HUir16Lgxd0/s1600/kjkadsdkl.jpg

Fotonovela em aula de História

Eu sou do tempo da fotonovela. A Revista Sétimo Céu era a minha preferida. Adorava ler e ficar apaixonada pelo mocinho que sofria muito e que no final da história encontrava a amada e viviam felizes para sempre.  O engraçado é que o final da história estava ali, entre meus dedos, mas eu só lia na sequência. O suspense era a maior motivação. E isto era comum entre as meninas da minha idade. Hoje as fotonovelas são raridade.

Porém, um professor de História, Leandro Vilela de Azevedo, que tem o blog Tecnaula – A tecnologia em favor do ensino, após trabalhar muitos anos com Histórias em Quadrinhos resolveu elaborar fotonovelas com seus alunos e posso garantir que o resultado foi excelente.

Vou convidá-los para assistirem os diversos registros das fotonovelas desenvolvidas pelos seus alunos.

Fotonovelas – a versão 2.0 do trabalho com História em Quadrinhos

Sendo professor há 11 anos, trabalho com histórias em quadrinhos há 10. Nestes anos foi possível perceber que essa atividade, que para o aluno parece lúdica, permite ao professor uma série de percepções que seriam impossíveis em uma avaliação formal. Embora o foco deste post não sejam as histórias em quadrinhos, uma vez que eu pretenda posterior fazer um post específico sobre elas, gostaria de ressaltar algumas das vantagens deste trabalho para justificar a questão das fotonovelas que falarei a seguir:

1 – Criação própria do aluno:

Não estamos criando “máquinas de copiar” e nem sempre exercícios formais permitem uma reflexão dos alunos, especialmente nas séries mais iniciais do fundamental II. Por vezes, mesmo que o professor proponha uma atividade interessante, se ele não a planejar com muito cuidado, corre o risco de pegar um trabalho copiado e colado da Internet. Entretanto, ao propor a criação de uma história em quadrinhos (ou fotonovela) isso se torna impossível, uma vez que o aluno terá de fazer sua própria criação do começo ao fim. Não existe esse produto pronto para ele querer copiar, e unindo isso ao aspecto lúdico, você verá o seu aluno aparecendo na atividade

2 – Percepção de dúvidas antes não apresentadas:

Quando o aluno começa a produção é que ele percebe que não havia compreendido exatamente algum conceito, isso em especial pois agora ela vai precisar colocar aquele conceito em prática. Às vezes, mais do que o aluno perceber sua própria dúvida, uma utilização inadequada de um conceito permite ao professor perceber a dúvida e apresentar ao aluno.
Exemplos:
Um Egípcio antigo falando “então, como nós vivemos em 2000AC” … a nossa ideia de contagem do tempo…

continue lendo

Encenação das Monções #educação

Neste sábado, dia 09 de outubro de 2010, fui assistir em Porto Feliz a 55ª encenação das Monções.

Foi um espetáculo maravilhoso! Uma aula de História inesquecível!

Porto Feliz – Nossa gente faz história!

Falando um pouco de Porto Feliz, conta-se que foi à margem esquerda do rio Anhemby (hoje rio Tietê), que Antonio Cardoso Pimentel iniciaria, em 1693, a fazenda que deu origem ao povoado. O local foi batizado pelos indígenas como Araritaguaba, cujo significado é “Lugar onde as araras pousam para bicar a pedra”. O nome deve-se à existência de um paredão salitroso no local. Este pequeno povoado teve como base de sua economia a agricultura de subsistência, até a descoberta de ouro em Mato Grosso (1719) e em Goiás (1725). Favorecido pelas águas navegáveis do rio Tietê neste trecho, o Porto de Araritaguaba tornou-se o ponto de partida para as longas viagens e expedições fluviais de colonização organizadas pelos paulistas no movimento denominado Monções.

A cidade das Monções

A história de Porto Feliz está intimamente ligada ao movimento das Monções, fase importante da história paulista. A palavra Monção, de origem árabe, significa vento e estação do ano em que se dá determinado fato.

No Brasil, o termo foi emprestado às expedições que eram realizadas em determinados meses do ano, cujos ventos ou épocas eram propícios à navegação. O período mais famoso das Monções aconteceu na primeira metade do século XVIII. Ao longo dos 3.500 quilômetros de percurso, os batelões cruzavam as águas dos rios Tietê, Paraná, Pardo, Coxim, Taquari, Porrudos e Cuiabá, sendo o rio Pardo o de navegação mais difícil. Neste trecho, as expedições gastavam dois meses tentando vencer a subida do rio.

Monções, um importante papel lhes foi reservado na história: o de desbravar e alargar as fronteiras brasileiras, provocando a integração entre as várias regiões.

Primeiramente houve o desfile pela avenida principal de Porto Feliz! de todos os personagens que participariam da encenação representando todos os seguimentos da sociedade da época.

Em seguida nos dirigimos ao Parque das Monções onde aconteceria a encenação.

No caminho encontramos várias estátuas vivas como esta abaixo:

E registrei minha passagem pelo evento junto ao marco de partida das Monções

Os preparativos antes de iniciar a Encenação

A encenação das Monções é uma viagem pelo interior e pela história de São Paulo. O Roteiro dos Bandeirantes é o traçado por onde passram os desbravadores que partiram da Vila de São Paulo de Piratininga em suas andanças pelo então desconhecido território nacional.

As cidades do Roeiro São um pólo de referência histórico-cultural para todo Brasil. São museus, fazendas, trilhas e caminhos dignos de serem explorados por novos desbravadores. A viagem é uma excelente oportunidade para o visitante se aprofundar na história do Brasil, pisando nas mesmas terras por onde passaram personagens como Bartolomeu Bueno da Silva, o Anhanguera e Fernão Dias Paes Leme, o Caçador de Esmeraldas, homens que deram, com bravura e determinação, o formato que o Brasil tem atualmente.

O Roteiro dos Bandeirantes se constitui num dos mais importantes roteiros turísticos de São Paulo, envolvendo as cidades de Santana do Parnaíba, Pirapora do Bom Jesus, Araçariguama, São Roque, Cabreúva, Salto, Itu, Porto Feliz e Tietê.

A abertura da encenação foi feito pelo ator Paulo Betti e abaixo um trecho da encenação

Fonte das informações – Secretaria do Desenvolvimento Social e Sustentável de Porto Feliz

Para ver outras votos do evento pode acessar o Flickr AQUI

24 de agosto – aniversário de morte de Getúlio Vargas

Este material faz parte do meu acervo pessoal. É um material riquissímo publicado logo após o suicídio de Getúlio.

Quem precisar de mais informações entre em contato comigo.

Manchete EXTRA – Revista semanal -  Rio de Janeiro – 30 de agosto de 1954


Manchete EXTRA – Revista semanal -  Rio de Janeiro – 30 de agosto de 1954

O Palácio do Catete esteve sempre intimamente ligado à vida de Getúlio Vargas. Ele frequentou, primeiro como deputado federal, pelo Rio Grande do Sul; depois como ministro da Fazenda do presidente Washington Luis. Governador de seu Estado em seguida, de lá voltaria na liderança do movimento que fez a revolução de 30 e que o instalou no Catete como chefe do governo provisório. Sem solução de continuidade, ali continuou, como presidente da República, eleito pela Assembléia Constituinte, em 1933. Em 37, com o golpe de estado, continuou à frente do governo até 1945, quando foi deposto. Em 1950 voltou eleito pelo povo e ali este até sua trágica morte. Pouco antes, dissera ele: “Só morto sairei do Catete”. Ninguém suspeitaria que, naquela declaração, já se ocultava a sua determinação suicida. “O povo subirá comigo as escadas do Catete” disse Vargas em sua campanha de 50. Em 54, o povo subiu as escadas do Catete para buscá-lo, numa última homenagem ao homem que – pondo em prática a sua dramática advertência – já não era um presidente, mas um cadaver.

Manchete EXTRA – Revista semanal -  Rio de Janeiro – 30 de agosto de 1954

Dona Alzira depois de ter permanecido no Catete até alta madrugada, lá voltou com a terrível notícia de que seu pai acabara de suicidar-se

O adeus dos cariocas –

Incalculável massa popular levou a Getúlio Vagas o seu último adeus. Do Palácio do Catete ao aeroporto Santos Dumont, o povo acompanhou os restos mortais do Presidente, como se vê do esplendido flagrante que reproduzimos por gentileza de “O Globo”, que o colheu e publicou em primeira mão. Foi uma das maiores manifestações populares jamais verificadas no Brasil

Os poucos masoléus do pobre cemitério do interior foram usados como ponto de obseração dos inúmeros acompanhantes que desejavam presenciar a descida dos restos mortais do Presidente Getúlio Vargas ao túmulo.

Manchete EXTRA – Revista semanal -  Rio de Janeiro – 30 de agosto de 1954

Tancredo Neves à esquerda, D. Darcy, D. Alzira, Aranha e Lutero diante do túmulo de Vargas

Jango Goulart “Teu nome será sempre a nossa bandeira”.

Tancredo Neves “Minas aqui está ao lado dos teus gauchos”.


Manchete EXTRA – Revista semanal -  Rio de Janeiro – 30 de agosto de 1954

A Igreja Católica é muito severa para com os suicidas. Orações e missas, porém são permitidas, em caráter não solene, pela alma do ex-presidente Getúlio Vargas.

O Mundo Ilustrado – Rio de Janeiro – 01 de setembro de 1954 – nº 83


Manchete EXTRA – Revista semanal -  Rio de Janeiro – 30 de agosto de 1954

Os fatos que antecederam o suicídio

Manchete EXTRA – Revista semanal -  Rio de Janeiro – 30 de agosto de 1954

Manchete EXTRA – Revista semanal -  Rio de Janeiro – 30 de agosto de 1954

Manchete EXTRA – Revista semanal -  Rio de Janeiro – 30 de agosto de 1954

Manchete EXTRA – Revista semanal -  Rio de Janeiro – 30 de agosto de 1954

Manchete EXTRA – Revista semanal -  Rio de Janeiro – 30 de agosto de 1954

Manchete EXTRA – Revista semanal -  Rio de Janeiro – 30 de agosto de 1954

Manchete EXTRA – Revista semanal -  Rio de Janeiro – 30 de agosto de 1954

Manchete EXTRA – Revista semanal -  Rio de Janeiro – 30 de agosto de 1954

Manchete EXTRA – Revista semanal -  Rio de Janeiro – 30 de agosto de 1954

Manchete EXTRA – Revista semanal -  Rio de Janeiro – 30 de agosto de 1954

Manchete EXTRA – Revista semanal -  Rio de Janeiro – 30 de agosto de 1954

Manchete EXTRA – Revista semanal -  Rio de Janeiro – 30 de agosto de 1954

Manchete EXTRA – Revista semanal -  Rio de Janeiro – 30 de agosto de 1954

Manchete EXTRA – Revista semanal -  Rio de Janeiro – 30 de agosto de 1954

Manchete EXTRA – Revista semanal -  Rio de Janeiro – 30 de agosto de 1954

Manchete EXTRA – Revista semanal -  Rio de Janeiro – 30 de agosto de 1954

Madrugada do dia 24 – Os jornalistas permanecem agrupados em frente ao Palácio aguardando os acontecimentos. As trevas da noite vão cedendo lugar aos primeiros albores do dia. Um dia nublado e chuvoso ao que parece. Em dado momento, nervoso e agitado alguém tra notícia surpreendente: – Getúlio se suicidara com um tiro no coração. Corrida aos telefones e, em breve, as redações são colhidas pelo impacto da notícia. O povo aglomerado nas imediações do Palácio é contido à custa pelo Exército.

As primeiras pessoas que, no Palácio do Catete souberam do suicídio do presidente solicitaram ainda uma ambulância numa tentativa desesperada para salvar Getúlio da morte. E a ambulância 1-55 silvando sua sirene passou célere em demanda ao Palácio. Foi curta a sua demora no Palácio. Em velocidade reduzida ela retornou. Getúlio falecera antes do socorro médico ser ministrado. O povo começa a afluir em massa para as cercanias do Catete, forçando o policiamento a intervir com energia para evitar a invasão do Palácio do Catete. Cenas dramáticas e pungentes presenciam-se então. Mulheres desmaiam e homens choram.

Manchete EXTRA – Revista semanal -  Rio de Janeiro – 30 de agosto de 1954

Manchete EXTRA – Revista semanal -  Rio de Janeiro – 30 de agosto de 1954


Café Filho é o novo presidente.

Manchete EXTRA – Revista semanal -  Rio de Janeiro – 30 de agosto de 1954

Manchete EXTRA – Revista semanal -  Rio de Janeiro – 30 de agosto de 1954

Para a História

“Nada mais posso dar
a não ser  meu sangue!”

Mais uma vez  as forças e os  interesses contra o povo coordenaram-se novamente e se desencadeiam sobre mim.
Não me acusam , insultam ; não me combatem , caluniam-me ; não me dão o direito de defesa . Precisam sufocar a minha voz e impedir a minha ação para , para que eu continue a defender como sempre defendi o povo e principalmente os humildes .Sigo o destino que me é imposto.Depois de decênios de esfoliações de grupos econômico-financeiros internacionais , fiz-me chefe de uma revolução e venci. Iniciei o trabalho de libertação e instaurei um regime  de liberdade social . Tive que renunciar . Voltei ao governo nos braços do povo. A campanha subterrânea  dos grupos internacionais  aliou-se à  dos grupos nacionais  revoltados contra o regime  de garantia do trabalhador . A lei de lucros extraordinários foi detida  no Congresso . Contra a justiça da revisão do salário mí
nimo  se desencadearam os ódios . Quis criar a liberdade na potencialização das nossas riquezas através da  Petrobrás e mal começa esta a funcionar  a onda de agitação se avoluma . A Eletrobrás foi obstaculada até o desespero . Não querem que o povo seja  independente. Assumi o governo dentro da espiral  inflacionária que destruía os valores do trabalho . Os lucros  das empresas estrangeiras alcançavam  até quinhentos por cento ao ano . Nas declarações  de valores  do que importávamos  existiam fraudes constatadas de mais de cem milhões de dólares por ano. Veio a crise do café , valorizou-se o nosso principal  produto . Tentamos defender o seu preço  e a resposta foi uma violenta  pressão sobre a nossa economia  a ponto de sermos obrigados a ceder.
Tenho lutado  mês a mês, dia a dia , hora a hora , resistindo a uma agressão constante , incessante, tudo suportando em silêncio, tudo esquecendo, renunciando a mim mesmo para defender o povo que agora se queda desamparado . Nada mais posso dar a não ser o meu sangue . Se as aves de rapina querem o sangue de alguém , querem continuar sugar o povo brasileiro , eu  ofereço  em  holocausto a minha vida . Escolho este meio de estar sempre convosco. Quando vos humilharem, sentireis minha alma sofrendo ao vosso lado. Quamdo a fome bater à vossa porta , sentireis em vosso peito  a energia para a luta , por vós e por vossos filhos . Quando vos vilipendiarem , sentireis no meu pensamento  a força para a reação. Meu sacrifício vos manterá  unidos e meu sangue será  a vossa bandeira de luta . Cada gota do meu sangue  será uma chama imortal  na vossa consciência e manterá  a vibração  sagrada  para a resistência . Ao ódio respondo com o meu perdão. Aos que pensam que me derrotam , respondo com a minha vitória . Era escravo do povo e hoje me liberto para a vida eterna . Mas esse povo de quem fui escravo , não será mais escravo de ninguém . Meu sacrifício ficará para sempre  em sua alme e meu sangue será o preço  de seu resgate. Lutei contra a espoliação do Brasil. Lutei contra a espoliação do povo  . Tenho lutado de peito aberto . O ódio , as infâmias , a calúnia , não abateram meu ânimo. Eu vos dei a minha vida . Agora ofereço a minha morte . Nada receio. Serenamente dou o primeiro passo no caminho da Eternidade e saio da vida para entrar na história .

Fotos que tirei quando estive no Rio de Janeiro e fui visitar o Palácio do Catete.

Sala de jantar exibe aparelho com o símbolo do Brasão da República.

Sala de estar do Palácio do Catete

A lista de presença do velório do Presidente Vargas foi reproduzida na parede que leva ao quarto onde Getúlio de suicidou

Manchete EXTRA – Revista semanal -  Rio de Janeiro – 30 de agosto de 1954

Guernica #3D

http://indiamoema.zip.net/images/guernica.jpg

Fonte: Wikipédia

Guernica é um painel pintado por Pablo Picasso em 1937 por ocasião da Exposição Internacional de Paris. Foi exposto no pavilhão da República Espanhola. Medindo 350 por 782 cm, esta tela pintada a óleo é normalmente tratada como representativa do bombardeio sofrido pela cidade espanhola de Guernica em 26 de abril de 1937 por aviões alemães, apoiando o ditador Francisco Franco. Atualmente está no Centro Nacional de Arte Rainha Sofia, em Madrid.

A pintura foi feita com o uso das cores preto e branco – algo que demonstrava o sentimento de repúdio do artista ao bombardeio da cidadezinha espanhola. Claramente em estilo cubista, Picasso retrata pessoas, animais e edifícios nascidos pelo intenso bombardeio da força aérea alemã (Luftwaffe), já sob o controle de Hitler, aliado de Francisco Franco.

Morando em Paris, o artista soube dos fatos desumanos e brutais através de jornais – e daí supõe-se tenha saído a inspiração para a retratação monocromática do fato.

Sua composição retrata as figuras ao estilo dos frisos dos templos gregos, através de um enquadramento triangular das mesmas. O posicionamento diagonal da cabeça feminina, olhando para a esquerda, remete o observador a dirigir também seu olhar da direita para a esquerda, até o lampião trazido ainda aceso sobre um braço decepado e, finalmente, à representação de uma bomba explodindo.

Curiosidades e folclore

  • Conta-se que, em 1940, com Paris ocupada pelos nazistas, um oficial alemão, diante de uma fotografia reproduzindo o painel, perguntou a Picasso se havia sido ele quem tinha feito aquilo. O pintor, então, teria respondido: “Não, foram vocês!“.
  • Na parte central (inferior direito) do quadro, a pelagem do cavalo mutilado é retratada com pequenos traços verticais. Picasso teria começado a fazê-las, mas quem as terminou teria sido sua esposa, pois o artista teria dito que davam muito trabalho.
  • Esteve exposto no Casón del Buen Retiro antes de ir para o Museu Reina Sofia em 1992.
  • O quadro, transferido para Nova Iorque durante a Segunda Guerra Mundial, recebeu do pintor a ordem de que apenas quando a Espanha natal fosse um país democrático poderia para lá ser transladada. Ficou sob a guarda do Museu de Arte Moderna de Nova York – MOMA. Isso ocorreu apenas a 9 de Setembro de 1981, sendo Guernica retirada do MOMA rumo a Madrid. Tinha chegado ao final a peregrinação da obra a que chamavam os espanhóis de “el último exiliado“.
  • Em janeiro de 1973,e com o título “The Great Guernica Fraud”, o professor Jeffrey Hart do Dartmouth College, publicou no National Review um estudo onde sustenta a tese de que bombardeio de Guernica não ocorreu. O artigo foi reimpresso nos jornais “Die Welt” e “Il Tempo”. No último teve o título: “Revelações sensacionais destroem um Mito”

Assista ao expetacular vídeo em 3D do quadro Guernica