Tetra Pak® lança novo site Rota da Reciclagem

Rota

 

Com novo layout, o site Rota da Reciclagem, o primeiro buscador de locais para entrega de recicláveis lançado no Brasil, está mais moderno e didático. A iniciativa da Tetra Pak® tem a missão de ajudar os consumidores a encontrar locais para destinar as embalagens longa vida pós-consumo e outros resíduos para a reciclagem, que sejam pontos de entrega voluntária, cooperativas de catadores ou comércios.

No ar há seis anos, a ferramenta tem mais de cinco mil pontos cadastrados, distribuídos por todas as regiões do Brasil. Disponível também como aplicativo, pode ser baixado gratuitamente pela Apple Store para os usuários de iPhone e iPad. O objetivo é tornar a informação contida no site ainda mais acessível aos consumidores e, desta forma, aumentar a participação dos consumidores na reciclagem.

De acordo com Fernando von Zuben, Diretor de Meio Ambiente da Tetra Pak®, a empresa tem grande conhecimento na área de coleta seletiva e reciclagem, funcionando como catalisadora neste processo. “O Rota da Reciclagem surgiu com o intuito de prestar um serviço à população, informando os locais de recebimento de materiais recicláveis para, com isso, aumentar o volume de material enviado para a reciclagem”, afirma.

Por causa do sucesso da ferramenta brasileira, a empresa também lançou há dois anos uma versão em espanhol, que traz os principais pontos mapeados na Argentina, Chile, Panamá, Costa Rica, República Dominicana, Paraguai e Uruguai. Hoje, o www.rutadelreciclado.com tem cerca de 500 pontos cadastrados e ainda deve ser ampliado para toda a América Central e do Sul.

Rota1

Tetra Pak® patrocina documentário sobre preservação da onça-pintada

Onça Pintada

Vejam que charme esta linda onça-pintada que ganhei. Ela é mascote do Projeto Onçafari, que promove a proteção da biodiversidade do Pantanal por meio do Ecoturismo. Além dela também ganhei um caderno reciclado com embalagens da Tetra Pak com a onça-pintada estampada na capa. Também ganhei um bloco de anotações reciclado com embalagens da Tetra Pak® e caneta também reciclada com embalagens da Tetra Pak® além das informações sobre o Projeto o qual compartilho com vocês abaixo.

Lançado no dia 23 de abril, o documentário “Onça-pintada, mais perto do que se pode imaginar” traz cenas reais do Projeto Onçafari, realizado no Pantanal Sul-mato-grossense. Espelhado em trabalhos semelhantes, desenvolvidos principalmente na África, o projeto busca incentivar o turismo de avistamento de animais, com foco na onça-pintada.

Patrocinado pela Tetra Pak® e produzido pela Wild Life Conservation Produções e pela Marca D’água, o filme deve ser transmitido em TV aberta ainda este ano e também tem o apoio das empresas Mitsubishi Motors, RSA, Bemis e Grupo Orinter.

Além de promover a proteção da biodiversidade, o projeto traz benefícios, renda e emprego para os moradores e a comunidade local. De acordo com Mario Haberfeld, coordenador e idealizador do Projeto Onçafari, há anos, as onças-pintadas são perseguidas e caçadas pelo falso prejuízo que causam as fazendas de animais domésticos. “Com a promoção e o crescimento do ecoturismo de avistamento na região, a comunidade percebe o valor de preservar a fauna”, afirma Mario.

O documentário exibe passo a passo das ações realizadas desde o início do projeto, em 2010. Além de diversas cenas de machos, fêmeas e filhotes, o filme apresenta os progressos no método de “habituação” da onça-pintada aos carros com turistas, que não consiste em domesticá-las, apenas fazer com que os animais sejam avistados no habitat natural.  Atualmente o projeto conta com especialistas africanos para realização deste trabalho, que já conseguiu ambientar mais de 20 animais. No entanto, atuando em uma área de 53 mil hectares, o projeto ainda deve envolver outras onças.

Segundo Fernando von Zuben, Diretor de Meio Ambiente da Tetra Pak®, a empresa, tem atuado em programas de proteção à biodiversidade, ao mesmo tempo em que leva informação e conscientização à população. “Acreditamos que a combinação da cultura com a informação é uma maneira eficaz de comunicar a importância da preservação ambiental e de aproximar o assunto aos mais diversos públicos, contribuindo para o desenvolvimento sustentável”, afirma Fernando.

Assista ao trailer:

Galeria do making off, acesse.

“Onça-pintada, mais perto do que se pode imaginar” foi realizado com patrocínio da Tetra Pak® e apoio institucional da ANCINE – Agência Nacional de Cinema.

Ficha técnica
Direção : Túlio Schargel
Produtoras: Wild Life Conservation Produções e Marca D’água

Sobre a Tetra Pak®

A Tetra Pak® é líder mundial em soluções para processamento e envase de alimentos. Atuando próximo aos clientes e fornecedores, oferece produtos seguros, inovadores e ambientalmente corretos, que a cada dia satisfazem as necessidades de centenas de milhões de pessoas em mais de 170 países ao redor do mundo. Com quase 22.000 funcionários em mais de 85 países, a Tetra Pak® acredita na liderança da indústria responsável e em uma abordagem sustentável dos negócios. O slogan “PROTEGE O QUE É BOM” reflete a visão da empresa de tornar o alimento seguro e disponível, em qualquer lugar.  

Sobre o Projeto Onçafari

O Projeto Onçafari é um projeto de conservação que visa promover o ecoturismo no Pantanal através da habituação* de onças pintadas a veículos de safári fotográfico.Com isso, turistas de todo o mundo poderão ter a oportunidade de testemunhar o comportamento fascinante destes belos animais, a partir de um veículo. O ecoturismo está sendo usado como uma ferramenta de conservação importante em muitos lugares no mundo, proporcionando uma importante fonte de trabalho e renda, tanto para proprietários rurais quanto para as comunidades locais, que passam a perceber a importância de manter preservado o ecossistema onde vivem. Grandes extensões de terra são conservadas em todo o planeta desta maneira. O turismo de avistamento de animais faz com que as onças-pintadas passem a ter mais valor vivas do que mortas e que todos, proprietários de terras, comunidades e a natureza lucrem com isso.*É importante frisar que “habituar” as onças não consiste em domesticá-las. Elas continuam totalmente selvagens, apenas deixam de enxergar os veículos como uma ameaça e não se escondem quando o mesmo se aproxima. Esse processo esta sendo acompanhado pelo Cenap, Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Carnívoros do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade – ICMBio, órgão vinculado ao Ministério do Meio Ambiente.

 

Dia Internacional da Floresta: O compromisso da Faber-Castell com o meio ambiente # EducaJá!

Faber Castell1

Amanhã, dia 21 de março, será comemorado o Dia Internacional da Floresta. Mais do que uma mera lembrança em escolas, empresas e ONGs, esta data merece de todos nós um despertar de conscientização acerca da importância das florestas e, sobretudo, a importância da preservação à natureza.

No Brasil, a Faber-Castell trabalha exclusivamente com madeira reflorestada: este projeto teve início nos anos 80, na cidade de Prata (MG), onde a empresa fomentou o plantio para a produção de EcoLápis. Ao todo, a Faber-Castell mantém em Prata 9.6 mil hectares, divididos em 11 parques florestais. Desse total, 2.7 mil hectares são de áreas de preservação permanentes e 6.7 mil de áreas plantadas com pinus caribea var. Hondurensis- matéria-prima para a produção dos seus EcoLápis. Para a fabricação do EcoLápis, feita de madeira reflorestada e certificada pelo FSC® (Forest Stewardship Council), a empresa investe no aprimoramento da produtividade florestal.

O projeto florestal que a Faber-Castell iniciou no Brasil é referência no segmento. Quando a Faber-Castell se instalou na região, começou a cultivar árvores nas áreas antes improdutivas e já devastadas por antigas pastagens. As florestas manejadas pela empresa fazem do grupo uma das poucas corporações que não apenas neutralizou seu balanço de CO2, mas que absorve muito mais dióxido de carbono do que produz. A empresa utiliza novas tecnologias para aumentar a produtividade das suas florestas, como melhoramento genético e clonagem de espécies. Dentro deste cenário de inovação, a empresa trabalha com o novo conceito de Floresta Orgânica, cujo processo elimina ao máximo o uso de produtos químicos. Esta nova ação causará ainda menos impacto para a natureza num futuro próximo, com melhores resultados para a floresta e também para a produção do EcoLápis.

No processo de fabricação do EcoLápis Faber-Castell, há 100% de aproveitamento da madeira. Os resíduos – como folhas e galhos finos – são aproveitados como adubo, devolvendo à terra os nutrientes necessários para a renovação do solo. A serragem é utilizada para a geração de energia na própria fábrica, encaminhada para granjas para a criação de frangos e, juntamente com outros resíduos da madeira, também é utilizada para a produção de chapas de aglomerado e briquetes. A casca sofre um processo de decomposição natural para a produção de húmus, e a cinza produzida na caldeira é utilizada por indústrias na composição do cimento ou por empresas de paisagismo para a fertilização do solo.

Projetos

Nestes parques florestais, a preservação da fauna e da flora está entre as preocupações permanentes da empresa. O Projeto Animalis, que teve início há 20 anos, monitora e identifica os animais que vivem dentro dos parques florestais da empresa. Nesse período, já foram identificadas 55 diferentes espécies de mamíferos e 230 de aves, 40 espécies de répteis e anfíbios, alguns desses constam na lista de animais sob risco de extinção como o lobo-guará, o tamanduá bandeira e a onça parda e 159 espécies de formigas.

O Projeto Arboris consiste na preservação, recuperação e adensamento de remanescentes da flora nativa presente nos parques florestais da empresa. Mais de 300 espécies nativas já foram identificadas nos inventários executados. Com este projeto, a Faber-Castell implanta e sustenta o conceito de Uso Múltiplo da Floresta, que garante a conservação da biodiversidade, preservação dos recursos hídricos, do solo e a geração de empregos.

Faber-Castell: curiosidades sobre a fabricação do EcoLápis de cor

Faber Castell

A Faber-Castell é líder mundial na produção de EcoLápis de madeira plantada, com a fabricação de 1,9 bilhão de EcoLápis por ano. Seu projeto de plantio  e seus EcoLápis são certificados pelo FSC (Forest Stewardship Council). A história da Faber-Castell se confunde com a própria criação do lápis: Fundada em 1761 na Alemanha, hoje a empresa possui escritórios em mais de 100 países.

Mas afinal, como é produzido um EcoLápis feitos a partir de madeira plantada? Veja abaixo o passo a passo deste processo curioso:

1)      As sementes de Pinus Caribea são plantadas em um viveiro onde são adubadas, regadas e tratadas. Depois de 10 a 15 dias, germinam e continuam sendo cuidadas.

2)      Quatro meses depois, com mais ou menos 25 cm de altura, as mudas são plantadas nos 11 parques florestais da Faber-Castell em Minas Gerais. Ao total, são 9.6 mil hectares de área plantada;

3)      Durante o crescimento, as árvores retiram da atmosfera o gás carbônico, um dos principais causadores da poluição atmosférica e do aquecimento global, e devolvem oxigênio.

4)      Após 3 anos, com 4 metros de altura, para facilitar seu crescimento e evitar a formação de “nós”, os galhos mais baixos são podados e deixados no solo, fertilizando a terra.

5)      Faz-se então a colheita parcial, para não deixar o solo exposto, proteger a fauna e aumentar a produtividade do plantio. A colheita final ocorre aos 25 anos, quando outras mudas são plantadas em seus lugares. As folhas, ramos e raízes são deixadas no solo, tornando-o fértil para a próxima geração de árvores.

6)      Começa então o processo de industrialização da madeira: as toras com mais de 14 cm de diâmetro são levadas da plantação Faber-Castell para a fábrica. As toras mais finas são utilizadas para produzir energia na fábrica, em forma de vapor.

7)      Na indústria, prepara-se a madeira para se tornar EcoLápis:  ela é cortada em tabuinhas e recebe um tratamento especial de secagem e tingimento, ficando ainda mais macia, facilitando o apontamento dos EcoLápis. Depois do tratamento, as tabuinhas prontas ficam armazenadas e descansam durante 60 dias.

8)      Agora, o EcoLápis começa a tomar forma. Uma máquina abre canaletas nas tabuinhas, onde são coladas as minas de grafite ou de cor.

9)      Depois, cola-se outra tabuinha com canaletas por cima, formando um “sanduíche” que é prensado, garantindo a qualidade do EcoLápis. As minas e a madeira tornam-se uma única peça, garantindo que mina não quebre por inteiro quando cair no chão.

10)  O “sanduíche” é processado no formato dos EcoLápis. Eles são pintados, envernizados, apontados e carimbados com a marca Faber-Castell.

11)  Depois de embalados, os EcoLápis estão prontos para serem comercializados.

Ganhando cores

A fabricação das minas coloridas (o “recheio” colorido do lápis) é feita exclusivamente pela Faber-Castell, com matérias-primas como pigmentos, aglutinantes, cargas inertes e ceras. Esses ingredientes são misturados até formar uma massa macia, que será prensada em máquinas extrusoras, de onde sairão em formato de espaguete. As minas são cortadas no tamanho certo dos EcoLápis, passam por um processo de secagem, de mais ou menos 24 horas, para só depois serem coladas às tabuinhas. Todas as matérias-primas utilizadas na fabricação do EcoLápis de cor Faber-Castell são rigorosamente testadas em laboratórios próprios e em institutos independentes, garantindo a ausência de elementos tóxicos e atestando a qualidade Faber-Castell.

Números curiosos

Um hectare de plantação de árvores (10 mil metros quadrados), gera:

  • Cerca de 3.500.000 lápis;
  • 3.300 m² de chapas;
  • casca para 90.000 vasinhos de violetas (em húmus);
  • cama para cerca de 100.000 frangos

Sobre a Faber-Castell

Líder mundial na produção de EcoLápis de madeira plantada, a história da Faber-Castell se confunde com a própria criação do lápis. Fundada em 1761 na Alemanha, hoje a empresa possui escritórios em mais de 100 países. No Brasil, onde está presente desde 1930, três fábricas (São Carlos-SP, Prata-MG e Manaus-AM) e 9.600 hectares de floresta cultivada (também em Prata-MG) são as responsáveis pela produção de 1,9 bilhão de EcoLápis por ano. Com mais de 69 mil postos de venda no Brasil, exporta também para mais de 70 países. Seu portfolio inclui: EcoLápis de cor e de grafite, giz de cera, tintas escolares, canetinhas hidrográficas, apontadores, borrachas, canetas, lapiseiras, kits criativos, produtos artísticos, instrumentos e acessórios de luxo para a escrita. Seu projeto de plantio  e seus EcoLápis são certificados pelo FSC (Forest Stewardship Council).  Em 2004, a Faber-Castell também recebeu o certificado ISO 14001, conquistando a recertificação em 2010.

Tetra Pak® lança campanha “A Embalagem que Renova” para conscientizar os consumidores sobre renovabilidade

A Tetra Pak®, líder mundial em soluções para processamento e envase de alimentos, lança a campanha A Embalagem que Renova”.

O principal objetivo é explicar para os consumidores, por meio de uma abordagem lúdica, sobre a importância das matérias-primas renováveis (utilizam recursos naturais que se renovam – como árvores e cana de açúcar. Quando bem cultivados, não se esgotam rapidamente devido à sua possibilidade de novo crescimento) e como proteger o planeta.  A campanha visa conscientizar e esclarecer pontos importantes sobre o meio ambiente, com foco nos materiais renováveis e a gestão responsável dos recursos.

A campanha, que tem início no próximo dia 1º de julho, atingirá o público de diversas formas, incluindo uma animação, um concurso cultural na Fan Page da empresa e um site“.

“A Embalagem que Renova”, será realizada em diversos países ao longo do ano, começando este mês no Brasil.

Desde 2008, a Tetra Pak® possui certificação da cadeia de custódia do papel pelo Forest Stewardship Council® (FSC®), o que significa que é possível comprovar que o papel utilizado como matéria-prima nas embalagens da Tetra Pak® é proveniente de áreas florestais manejadas de forma responsável.

“A gestão responsável de florestas, não apenas protege e preserva recursos naturais, mas também permite às gerações futuras a opção de beneficiarem-se da diversidade biológica do planeta”, afirma Fernando von Zuben, Diretor de Meio Ambiente da Tetra Pak®.

No entanto, uma pesquisa realizada pela Tetra Pak® apontou que consumidores de diversos países julgam o conceito de renovabilidade muito complexo e longe de sua realidade, confundindo muitas vezes com reciclagem.

campanha aproveita este momento para explicar o que é renovabilidade de maneira simples e divertida. Será lançado um concurso cultural no Facebook, com prêmio de uma viagem para uma floresta certificada pelo Conselho de Manejo Florestal, em Telêmaco Borba (PR). Na ocasião, também será possível aprender sobre os benefícios ambientais das florestas e como protegê-las adequadamente.

Desde sua criação, a Tetra Pak® tem a premissa da sustentabilidade em seu DNA. Assim, a empresa acredita em uma liderança industrial responsável, gerando crescimento com rentabilidade em harmonia com a sustentabilidade ambiental e boa cidadania corporativa.

“Partindo do princípio de que uma embalagem deve economizar mais do que custa, a empresa investe em ações em prol da preservação do meio ambiente e da educação ambiental com diversos projetos”, afirma Elisa Prado, Diretora de Comunicação da Tetra Pak®,

Participe do concurso pela Fan Page http://www.facebook.com/TetraPakBrasil

Conheça o site http://www.tetrapak.com.br/aembalagemquerenova

Acesse o vídeo

TETRA PAK® PROMOVE PRÊMIO DE JORNALISMO AMBIENTAL

A Tetra Pak®, líder mundial em soluções para processamento e envase de alimentos, apoiará a Semana Estado de Jornalismo Ambiental, idealizada pelo Grupo Estado. O evento, que será realizado entre os dias 4 e 7 de junho, em São Paulo, terá a participação de especialistas em meio ambiente, ONGs e jornalistas especializados na área.

A Semana vai trazer debates sobre os principais desafios na preservação do Meio Ambiente e diversas palestras com especialistas em mares, rios e represas – a ONU definiu 2013 como o Ano Internacional de Cooperação pela Água. Haverá, ainda, blocos sobre questões florestais, reciclagem, desenvolvimento sustentável e meio ambiente urbano.

Para participar da Semana, basta se inscrever diretamente com os coordenadores dos cursos de jornalismo de todas as universidades do País entre os dias 6 e 24 de maio.

Prêmio Tetra Pak® de Jornalismo Ambiental

Durante o evento, será lançado o Prêmio Tetra Pak® de Jornalismo Ambiental, para os universitários que tiverem 100% de presença nas palestras da Semana. As reportagens produzidas para o Prêmio serão avaliadas por uma comissão de profissionais do Estadão, que definirá os seis finalistas. Os estudantes terão sua matéria publicada no portal www.estadao.com.br  e ganharão uma viagem ao Estado do Paraná, para conhecer  reservas florestais locais.

Os finalistas vão participar de entrevistas com jornalistas do Grupo, representantes do meio acadêmico e da Tetra Pak®, que escolherão o grande vencedor. O premiado terá a reportagem publicada na versão impressa do jornal O Estado de São Paulo e vai participar de uma viagem à Suécia, com programação especial elaborada pela Tetra Pak®, para conhecer florestas do país.

Serviço:
Semana Estado de Jornalismo Ambiental
Realização: 4 a 7 de junho
Horário: 14h às 17h
Local: Av. Eng. Caetano Álvares, 55 – Bairro do Limão – São Paulo/SP
Inscrições: diretamente na coordenação dos Cursos de Jornalismo de todo País
Período de inscrições: 6 a 24 de maio

 

&n