Momento da Educação – Período de adaptação escolar

Estamos no inicio do ano e os pais estão visitando várias escolas e creches para escolher qual será a melhor para matricular seu filho. Feito isso passaremos para o próximo passo a preparação de pais e filho para a adaptação escolar. Sim, os pais também passam pelo momento de adaptação, pois haverá mudanças na rotina e a insegurança se fará presente em muitos momentos.

Tanto os pais quanto a criança se sentem angustiados e acabam ficando estressados com o fato. A criança assim como a mãe/pai sentem ansiedade, medo e insegurança diante do novo. Todos estes sentimentos são normais, afinal é uma experiência nova que será vivida e compartilhada entre ambos.

A criança começará a frequentar um lugar, que é até então para ele estranho, e também estará experimentando o sentimento de separação. A separação parece ser um episódio ruim, mas na verdade estará fortalecendo o desenvolvimento emocional tanto da criança quanto dos pais. A vida é repleta de encontros e separações. A escola não é diferente. Ela irá promover que esta criança encontre outras crianças da mesma idade e um ambiente todo voltado para ela, e promoverá a separação, por pouco tempo, da família.

Estas mesmas angustias são vividas pela mãe. Ocorre que a mãe tem que se manter segura para passar segurança para seu filho. A mãe tem que ter consciência de que seu filho passará a frequentar um local totalmente preparado para ele. Tudo ali é do tamanho dele e está li para acolhê-lo. Também não deve esquecer que é na escola que a criança vai iniciar a sua convivência numa sociedade mais ampla da até então convivida – A família.

Os pais ocupam papel importantíssimo nessa experiência e devem dar todo o apoio, ajuda e motivação. Toda criança irá enfrentar o “primeiro dia de aula” e terá que absorver que a separação existente é momentânea e que, com certeza, sua mãe não a está abandonando e que logo voltará para buscá-la. Porém, como a criança pequena não tem noção de tempo, o período que a mãe vai deixa-la na escola significará um abandono total. Porém, à medida que ela for percebendo que sua mãe a deixa ali, mas volta para buscá-la, ela começará a se sentir segura e então vai se soltar e começar a participar da rotina da escola mostrando que superou o período de adaptação.

É justamente para transmitir esta segurança que a mãe tem que estar segura e mostrar para o filho que ela volta logo. E tem que voltar mesmo. Neste início é importante ela chegar um pouco antes da saída dos outros coleguinhas, porque se a criança que está em adaptação percebe que os amiguinhos estão indo embora e ela não, ela vai pensar que foi abandonada. Por isso a mãe não pode se atrasar para buscar o filho nos primeiros dias de aula, mesmo que seu filho já tenha ido para a escola no ano anterior. Isto se chama respeito e é fundamental neste processo

A mãe tem que ajudar o filho neste momento tão importante da vida dele. Na verdade este processo começa desde a escolha da escola onde a criança deve participar das visitas e sua opinião, se gostou ou não, deve ser respeitada.

É importante ressaltar também que a parceria entre pais e escola começa ai– na adaptação da criança.

Vamos agora abordar os tipos de adaptação. Para as crianças da Educação Infantil podemos enquadrar em três tipos:

Primeiro: Quando a criança chega feliz na escola, deslumbrada por estar vestindo o uniforme. Mostra para todo mundo, exibe a mochila nova, a lancheira. Entra na escola, dá a mão para a professora e muitas vezes até se esquece de dar um tchauzinho para a mamãe que está ansiosa no portão de entrada e que acaba se sentindo “desprezada” porque a criança nem ao menos olhou para trás. Neste tipo de adaptação a criança apresenta este comportamento sempre. Nunca chora e nunca demonstra resistência para ir para a escola. Este tipo de adaptação é mais raro. Não é exceção, mas também não é muito frequente. E a participação da mãe é fundamental, pois se ela ficar no portão de entrada chamando a criança para dar tchau e tornar este momento uma “grande despedida” pode ser que a criança venha a chorar e passe a integrar o segundo tipo de adaptação. Que é quando a criança se comporta exatamente igual ao modo como descrevi acima, pode ser até por uma semana como descrevi acima e depois deste período ela começa a chorar e não quer mais ir para a escola. Não consegue nem olhar para o uniforme.  Toda vez que escuta a palavra escola ou professora, começa a chorar desesperadamente. Este tipo de adaptação é a mais complicada principalmente em relação aos pais que logo pensam que algo muito grave aconteceu na escola, porque ela ia tão bem, adorava e de repente não quer mais ir e demonstra aversão.

Na verdade o que acontece é que a criança na primeira semana se deslumbra com o “novo” e quer explorar tudo que existe lá. Depois de uma semana o novo deixa de existir e ela quer então retornar à sua rotina anterior, ou seja, à sua “zona de conforto” que é a sua casa onde ela pode fazer tudo aquilo que já está acostumada, na hora que ela quer, não precisa obedecer a uma rotina que na existe.  Na escola ela tem que aprender a compartilhar os brinquedos com os colegas, tomar lanchinho junto dos amiguinhos, terá que ir ao parquinho só quando todos forem e assim por diante. Este tipo de adaptação irá exigir uma postura firme dos pais no sentido de insistirem e não deixarem de levar o filho para a escola. Dependendo da personalidade da criança, ela vai chorar, espernear, vomitar, algumas perdem o fôlego e tantos outros “argumentos” que a criança usará para convencer a não leva-la mais para a escola. Normalmente, assim que os pais vão embora a criança se entretém e para de chorar rapidinho, afinal tudo lá é voltado para a criança. Se a mãe ficar muito preocupada deve entregar o filho(a) para a professora e permanecer na secretaria sem que a criança a veja. Ela vai perceber que logo a criança vai parar de chorar e ela então poderá ir embora mais aliviada.  Sei que é um período difícil, mas para o bem da própria criança a mãe não deverá deixar de levar a criança para a escola nenhum dia, nem que seja para ela ficar 5 minutos, pois se a mãe ceder, uma única vez e levar o filho embora ela estará reforçando este tipo de comportamento e no dia seguinte ela chorará o dobro imaginando que em algum momento ela irá “ganhar” a batalha novamente e quem irá sofrer mais com tudo isso, será justamente a criança.

E finalmente há a adaptação em que a criança chora logo no primeiro dia. Não quer ir para o colo da professora. Se agarra no pescoço da mãe, enfim tenta de todas as maneiras não ficar. Neste caso a mãe também deve insistir e nunca deve levar a criança de volta para casa. As professoras irão tentar usando todos os recursos para despertar o interesse da criança para alguma brincadeira, levando-a ao parquinho, ao tanque de areia, enfim agirá usando toda a sua bagagem, A criança irá se entreter, irá chorar um pouquinho, depois irá se entreter novamente e voltará a chorar e agirá assim até se adaptar completamente. A mãe tem que ser firme. É por este motivo que a mãe/pai tem que se sentir segura de que chegou o momento de levar seu filho(a) para a escola. Iniciado o processo não deverá, de forma alguma, retroceder para o bem, principalmente, da criança. Somente com a continuidade é que a criança criará vínculos com a professora e com a escola.

No meu livro Inteligências na Prática Educativa abordo ações e reações que comunicam quais os tipos de inteligências a criança tem mais aflorada e de como o saber identificar estas inteligências pode ajudar no processo de adaptação escolar.

Só para exemplificar, a criança interpessoal se sente bem quando está rodeada de pessoas diferentemente da intrapessoal que leva mais tempo para se relacionar. Portanto, nos primeiros dias de aula da criança intrapessoal o contato com os demais coleguinhas deve acontecer de forma lenta e gradual propiciando que neste começo ele fique mais perto da professora se assim o desejar. Diferentemente a criança interpessoal deve ser estimulada a participar das atividades junto com os demais colegas para que se entretenha e se adapte mais rapidamente.

Os pais devem passar para a professora todas as informações importantes para que ela tenha subsídios para ajudar a criança neste momento de adaptação.