Educação: Mitos X Fatos debate sobre vários tópicos na sua 3ª Edição

Convite Cybele Meyer

Aconteceu nessa terça-feira, dia 23 de junho, a 3ª edição do seminário Educação: Mitos X Fatos o qual reuniu nomes como André Gravatá, Anna Penido, Sintian Schmitd e Fernando Gabeira com a mediação de Maria Beltrão para debater sobre os seguintes temas: “O jovem não se interessa pela escola”; “A família perdeu o controle, o jovem só estuda se quiser” e “As novas tecnologias atrapalham os estudos”.

O grande diferencial desse seminário é que ele dá voz às pessoas. Foram ouvidas mais de 150 pessoas de diferentes cidades dos estados de São Paulo (SP), Rio Branco (AC), Rio de Janeiro (RJ) e Salvador (BA) e os depoimentos foram compartilhados com todos os presentes através dos telões.

Cybele Meyer 1

Sobre a primeira questão os jovens entrevistados afirmaram que se interessam sim pela escola e que esperam que ela adote um formato mais dinâmico para que eles possam participar mais ativamente interagindo, colaborando, enfim trabalhando junto com o professor, em parceria, focando em um crescimento mútuo.

Sobre a questão da família muitos opinaram sobre o fato de ela estar perdida e não saber ao certo qual seu papel diante da educação do seu filho. Foi debatido entre os convidados que a parceria família e escola é fundamental para o desenvolvimento integral do aluno, porém é preciso que escola e família se disponibilizem para que essa parceria se torne real e ativa dando, dessa forma, amparo ao aluno e motivando-o a estudar.

Em relação ao fato de as novas tecnologias estarem ativas também na escola foi muito bem abordado, principalmente quando os debatedores afirmaram que ela deve ser somente mais um recurso, que não deve ser destacada e sim usada normalmente, como se usa o lápis e o caderno e como deve também auxiliar o professor em suas atividades.

Um tópico que foi muito bem abordado foi em relação à valorização do professor, e esse tema me interessa e muito uma vez que tenho tratado aqui no blog  através dos posts, também em vídeos e também no Facebook usando a #ValordeSerProfessor sobre a mudança de conceito em relação à valorização da profissão do professor

Cybele Meyer 2Minha amiga, agora não mais virtual pois a conheci pessoalmente no seminário, Sintian Schmitd se manifestou sobre a necessidade de “revolucionar a percepção da valorização do professor”. Nós fazemos parte de um grupo de discussão sobre Educação chamado blogs_educativos há mais de 7 anos e agora tivemos a oportunidade de nos conhecermos pessoalmente, pois eu sou de SP e ela do RS.

O debate foi maravilhoso, assim como as outras duas edições que eu também estive presente, e será transmitido amanhã, sábado, dia 27 de junho às 21 horas na GloboNews. Vale muito a pena acompanhar.

Se você quiser saber mais sobre as escolas que foram visitadas e sobre os jovens que estiveram engajados acesse essa matéria publicada ontem pela GloboEducação: “Globo realiza 3ª edição de seminário sobre mitos da educação brasileira”.

Momento da Educação – Dica preciosa para o professor – #ValordeSerProfessor

Olá professor, hoje a minha dica é para você!

Sim, para você que está sempre envolvido em inúmeras atividades, projetos, providenciando o material que vai utilizar para desenvolver sua aula.

Você professor, que se empenha em falar diferentes linguagens porque a diversidade ocupa a sua sala de aula, afinal você tem de 35 a 40 alunos com realidades diferentes, com bagagens culturais diferentes, histórias de vida diferentes e tem que se comunicar com todos eles para que todos consigam entender qual a proposta da atividade.

Diante de tudo isso e muito mais, o tempo é curto, mesmo porque você tem também que desenvolver outras atividades que lhes são atribuídas, como fazer relatórios sobre o aproveitamento dos alunos, corrigir provas, entregar o diário de classe, enfim, essas são algumas de tantas outras que você exerce fora da sala de aula.

Assim sendo, não lhe sobra tempo para compartilhar e divulgar o resultado do seu trabalho.

Há professores que desenvolvem atividades excelentes, com resultados incríveis, mas estão tão envolvidos com o processo, preocupados em saber se a aprendizagem está acontecendo, se todos estão participando que nem se lembram de registrar o passo-a-passo para divulgar.

Existem inúmeros Projetos maravilhosos, mas que não são divulgados, e com isso fica uma sensação de que o professor não produz nada de valor. Fica a impressão de que ele é apenas um repetidor de conteúdo, sem qualquer interferência na aprendizagem do aluno.

E isso não é verdade.

Afinal, quem está sentado na carteira da Universidade é o aluno da Educação Básica. Quem está ocupando a cadeira da diretoria de alguma grande empresa é o aluno da Graduação.

É por essa razão que aqui vai a minha dica:

– Professor, registre as suas atividades, projetos e divulgue.

Pode até ser que você pense: “Mais uma incumbência?”

Então te respondo: Sim, mas pelo menos essa incumbência trará algum retorno para você. Porque todas as outras que você desempenha o retorno é para o outro.

Pense nisso!

Valor de Ser professor!

Educa Já! está entre os 10 melhores blogs de Educação

Educa Ja

10 MELHORES BLOGS DE EDUCAÇÃO

Muitos profissionais compartilham seus conhecimentos através da internet. Os blogs de educação são bons exemplos da parceria dos professores e educadores com o público, ambos ganham em compartilhar conhecimento e trocar dicas.

Os internautas têm a possibilidade de receber conteúdos de qualidade, assuntos que versam desde a educação infantil até a escolha profissional dos estudantes, na realização de atividades online, dicas para estudar através da leitura de artigos, etc. Este nicho colabora para uma internet mais inteligente, com conteúdo rico e espaços de discussão de temas relevantes à educação e cidadania.

Aqui você conhece 10 blogs educativos que tem muito a oferecer no processo de aprendizagem. Visite-os, compartilhe conhecimento e uma ótima leitura!

1- Educa Já
Elaborado pela pedagoga e escritora paulista Cybele Meyer, engajada com vários assuntos referentes à educação, o blog traz uma série de textos que refletem assuntos ligados ao ensino infantil, sustentabilidade, literatura e conteúdos para sala de aula. Além de textos, o blog que é sempre atualizado, traz vídeos com entrevistas e debates importantes sobre ensino e afins. O blog está no ar desde 2007, sempre com novidades.

Continue lendo e saiba quais são os outros 9 blogs selecionados clicando AQUI

Eduque seu filho para ser um bom motorista

motorista

Educar através de exemplos é sempre o mais indicado. Mais forte do que mil palavras é o que a criança observa no comportamento dos pais. Em todas as áreas exemplos podem ser dados e, sem sombra de dúvida, os pequenos estarão de olhos atentos. O comportamento dos pais ou responsáveis na direção de um carro também é um momento para educar.

A sociedade busca muitas mudanças em infra-estrutura e fiscalização, mas o comportamento individual no trânsito tem a mesma importância quanto à uma rua bem sinalizada ou um asfalto de qualidade.

Respeitar as leis de trânsito não só é dever de qualquer cidadão que dirige mas também é um momento de orientar as crianças para que desde pequenos percebam a importância da responsabilidade pessoal e que envolve os terceiros, como é no trânsito. Sabemos que seguir as orientações de segurança no carro é essencial e é uma oportunidade também de explicar o porquê eles existem para facilitar o entendimento das crianças desde a pequena infância quanto ao respeito às regras.

A responsabilidade e prudência são quesitos de ensinamento e a atividade de dirigir um veículo é uma chance de mostrar na prática o que a falta dessas atitudes pode provocar, até porque toda a atividade de direção é baseada em regras em conjunto, de todos os motoristas em ação.

Acidentes de trânsito é uma das principais causas de morte de jovens no mundo, o que indica claramente que algo não está indo bem. A adrenalina e o gosto pelo perigo faz parte da cabeça dos jovens na fase da adolescência e pós-adolescência, o que aumenta o desejo de provar situações de risco. Mas, a atitude dos pais no trânsito cria uma mentalidade bastante forte nos filhos. Caso haja sempre uma tendência ao respeito de regras é certo que em algum ponto essa atitude vai também ser repetida pelo filho.

Mostrar rivalidade ao dirigir, querer estacionar onde não é permitido, fazer ultrapassagens desnecessárias ou querer sempre ser o mais rápido são atitudes que podem deixar uma imagem negativa e, a pior consequência, serem realizadas novamente pelos jovens.

Da mesma maneira que tomamos decisões para proteger nosso bem, como pagar um seguro auto, fazer as revisões corriqueiras no automóvel, o comportamento do motorista resulta em grande diferença, ou seja, a educação no trânsito deve ser levada em conta com a mesma importância como ao seguir as leis e regras para quem dirige.

As escolas também podem contribuir com aulas educacionais sobre trânsito e usar inclusive jogos que visualizem as situações nas ruas e avenidas. Brincadeiras e aulas sobre leis de trânsito também são incentivadoras do conhecimento e são geralmente bem aceitas pelas crianças, a maioria deseja no futuro ter sua carteira de motorista e poder usufruir da ação de dirigir.

Você educa seu filho para ser um bom motorista?

Por Roberta Clarissa

Viajar também é um exercício de educação

Foto 2

 

Encarar a realidade de outros países com situações melhores ou piores que a nossa é uma forma de avaliarmos o que podemos melhorar em nossas ações diárias como cidadão. Sair do que estamos acostumados a ver e observar como outras sociedades se comportam, abre uma visão mais ampla de como soluções e problemas são encarados, por isso viajar também é um caminho para evoluir.

Quando um brasileiro viaja de férias para o exterior, para a Europa por exemplo, em alguns países, o que mais chama à atenção é a limpeza das ruas e coleta separada do lixo. Se a estadia for mais longa e a pessoa participar dessa ação de separar o lixo para reciclagem, ao voltar ao país de origem, sente a necessidade de dar continuidade à tarefa.

A pergunta que vem à cabeça é por que funciona em outros países e não no nosso? Existe a necessidade é claro da presença de programas do governo, tanto de incentivo quanto punição – como multa para quem joga lixo no chão. Entretanto, através da ação de cada um, o cenário pode também ser modificado. Não há como negar, as grandes ações partem de indivíduos que começam a fazer diferente em suas comunidades.

Outra atitude muito difundida é evitar usar sacolas plásticas nas compras em supermercado, no lugar usar bolsa ecológica, assim diminuindo a quantidade de lixo acumulado e uso indiscriminado de plástico, essa ação já é comum e faz parte do dia a dia das pessoas em vários países.

Por outro lado, quando em uma viagem observamos em algumas situações que temos também no nosso lugar características positivas, é saudável a valorização e reconhecimento do que temos de bom. E isso pode ser notado em várias áreas, produtos locais, alimentos ou até mesmo nas relações humanas. Quando um estudante passa por um período de intercâmbio volta com alguma mudança ou visão mais ampla da vida e do mundo, por isso é tão importante a troca e interação entre as pessoas.

Aproveite sempre uma viagem para observar o que de bom você pode levar para seu país e o que de negativo você pode evitar. Não esqueça do planejamento e lembre-se que um seguro viagem internacional é importante para qualquer viagem para fora do Brasil.

A troca de informações é uma rica oportunidade de vivenciar pessoalmente as características de outras cidades ao redor do mundo, e essa evolução é tanto pessoal quanto coletiva, já que você estará compartilhando suas experiências através de suas  atitudes nos grupos em que você se socializa.

Qual viagem mudou sua forma de encarar o mundo?

Por Roberta Clarissa Leite