Educar – A quem compete?

Educar é um processo longo e seu resultado, seja ele positivo ou negativo, também demora um bom tempo para aparecer. Assim sendo, hoje podemos avaliar mediante os resultados que temos claramente evidenciado no dia a dia, que a educação não está acontecendo de forma correta seja ela dentro de casa no convívio familiar, seja na escola.

Como vivemos no tempo do imediatismo, percebemos que a educação, por ser um processo longo, está perdendo as suas características principais e tudo está sendo feito de qualquer jeito.

Há o jogo do empurra, empurra onde a família diz que a educação é responsabilidade da escola e a escola diz que os pais não estão cumprindo com o seu papel de educar. Com esta discussão para saber à quem cabe o papel de educar, as crianças estão crescendo sem qualquer orientação, fazendo tudo o que querem e achando que são os donos do mundo.

Temos urgentemente que reestruturar os conceitos de formação de cidadãos a qual fique bem definido qual é o papel da família e qual é o papel da escola, embora saibamos que os dois têm que educar, porém cada um na sua área.

Quando se fala que família e escola têm que caminhar juntas não se quer dizer que uma vai desempenhar o papel da outra e sim que uma vai auxiliar e completar a outra.

A família quando educa seu filho transmite a ele seus valores e conceitos podendo cobrar dele atitudes dentro do que lhes foi ensinado.

A escola ao ocupar o lugar da família tentará transmitir valores e conceitos de uma maneira coletiva.

A criança em formação não sabe distinguir qual é a maneira certa e sim qual é a maneira mais fácil. Se em casa tudo é permitido ele avança; se na escola existem regras e estas são praticadas ele as cumpre. Reclama, mas cumpre.

Afinal que cidadãos teremos no futuro com este tipo de comportamento?

O certo e o errado não existem para ele e sim o aproveitar a oportunidade. “Se na minha casa eu posso fazer o que na escola é proibido, eu vou aproveitar a minha casa e agir como eu quero”.

Será que é este tipo de pessoa que queremos formar?

O psiquiatra e escritor Içami Tiba, fala em sua entrevista sobre a falta de limites que está levando gerações inteiras à falta de cidadania.

Sugestão de Leitura – Quem Ama, Educa! Içami Tiba – Leia o resumo.

Há também Quem Ama, Educa! para Adolescentes

Este post foi publicado originalmente no site Mãe com Filhos

Quem é educador?

Hoje trago um presente para vocês.

O Texto de uma amiga muito especial!

Deborah Dubner é psicóloga, jornalista online e focalizadora de Danças Circulares. Através dos círculos de dança, da escrita e dos relacionamentos presenciais ou virtuais procura semear amor e paz ao seu redor.

“O que é educação pra você?” – perguntei ao meu filho de 7 anos. Ele respondeu: “Educação é falar com licença, obrigado e de nada. Mas não é só isso. É também respeitar os outros, não falar enquanto o outro fala, respeitar o que o outro gosta”. Continuei: “E a escola, onde entra nessa história?”. E ele: “A escola ensina a ler, escrever e ficar mais esperto. Mas educação mesmo são os pais que dão.”

Diplomas à parte, não podemos nos eximir da tarefa de educar. Podemos ser apenas pais e mães, apenas professores, ou os dois. Ou podemos não ser nenhum dos dois, sem que isso nos tire o título de educador. Sim, somos todos educadores. Não adianta fingir que esse tema não faz parte do nosso despertar.

Educa quem levanta de manhã e fala com a empregada de casa. Educa quem joga o lixo na lixeira (de preferência reciclável). Educa quem tem uma empresa, uma padaria, um bar na praia. Educa quem ensina violão, pintura, ler e escrever. Educa quem conta histórias, memórias e mentiras. Educa quem cuida do jardim. Educa quem cozinha, quem limpa, quem lava. Educa quem fala, quem ouve, quem espera. Educa quem canta, quem dança, quem cria. Educa quem respira, quem corre, quem anda. Educa quem fala, quem esconde, quem cala. Educa quem sonha, quem esquece, quem desiste. Educa quem cumprimenta no elevador, quem joga papel pela janela do carro, quem desperdiça recursos. Educa quem fuma, quem bebe, quem come. Educa quem ama, quem odeia, quem perdoa. Educa quem grita, quem bate, quem abraça. Educa quem trabalha, quem descansa, quem acorda. Educa quem sente, quem ousa, quem vive. Educa quem quer e quem não quer, quem pode e quem não pode, quem sabe e quem não sabe.

Somos todos educadores e aprendizes no palco da vida. Ensinar e aprender entrelaçam as mãos nessa jornada, assim como o branco precisa do preto e a luz precisa da escuridão. Quem mais aprende, mais educa. Quem menos educa, menos aprende. Despertar o gosto de aprender é mais talento do que técnica, mais perguntas do que respostas, mais asas do que pés. Gostar de aprender é ter dentro da alma mais interrogações do que pontos finais, mais sede do que conforto, mais esperança do que promessas.

Podemos saber que somos todos educadores, e então vislumbrar nossa influência e capacidade de interferir positivamente ou negativamente ao nosso redor. Imensa responsabilidade e oportunidade.

Podemos não saber que somos todos educadores, e então descansar sobre macios travesseiros, esperando que os outros façam por nós, falem por nós, dêem exemplos por nós, mudem por nós, resolvam por nós.

Podemos saber, ou não saber. Ainda assim, somos todos educadores. Então… O que estamos ensinando?


A competência de educar é de quem? #educacao

Educar é um processo longo e seu resultado, seja ele positivo ou negativo, também demora um bom tempo para aparecer. Assim sendo, hoje podemos avaliar mediante os resultados que temos claramente evidenciado no dia a dia, que a educação não está acontecendo de forma correta seja ela dentro de casa no convívio familiar, seja na escola.

Como vivemos no tempo do imediatismo, percebemos que a educação, por ser um processo longo, está perdendo as suas características principais e tudo está sendo feito de qualquer jeito.

Há o jogo do empurra, empurra onde a família diz que a educação é responsabilidade da escola e a escola diz que os pais não estão cumprindo com o seu papel de educar. Com esta discussão para saber à quem cabe o papel de educar, as crianças estão crescendo sem qualquer orientação, fazendo tudo o que querem e achando que são os donos do mundo.

Temos urgentemente que reestruturar os conceitos de formação de cidadãos a qual fique bem definido qual é o papel da família e qual é o papel da escola, embora saibamos que os dois têm que educar, porém cada um na sua área.

Quando se fala que família e escola têm que caminhar juntas não se quer dizer que uma vai desempenhar o papel da outra e sim que uma vai auxiliar e completar a outra.

A família quando educa seu filho transmite a ele seus valores e conceitos podendo cobrar dele atitudes dentro do que lhes foi ensinado.

A escola ao ocupar o lugar da família tentará transmitir valores e conceitos de uma maneira coletiva.

A criança em formação não sabe distinguir qual é a maneira certa e sim qual é a maneira mais fácil. Se em casa tudo é permitido ele avança; se na escola existem regras e estas são praticadas ele as cumpre. Reclama, mas cumpre.

Afinal que cidadãos teremos no futuro com este tipo de comportamento?

O certo e o errado não existem para ele e sim o aproveitar a oportunidade. “Se na minha casa eu posso fazer o que na escola é proibido, eu vou aproveitar a minha casa e agir como eu quero”.

Será que é este tipo de pessoa que queremos formar?

O psiquiatra e escritor Içami Tiba, fala em sua entrevista sobre a falta de limites que está levando gerações inteiras à falta de cidadania.

Sugestão de Leitura – Quem Ama, Educa! Içami Tiba – Leia o resumo.

Há também Quem Ama, Educa! para Adolescentes.
Reflita sobre este tema e deixe aqui a sua opinião. Todos nós que estamos envolvidos neste processo de Educar temos que partilhar nossas experiências.

Estou te aguardando!

Que tipo de mãe você é?

Como já falei no post sobre o aniversário do Educar Já! propondo que vocês participem da comemoração elaborando um texto o qual os três escolhidos receberão uma apresentação em slideshare para ser divulgado na web.

Para dar uma mãozinha na criatividade indiquei os vídeos Mãe Paparazzi, Mãe Polvo e Mãe Carrapato.
Acredito que nós mães sejamos um pouco de cada uma delas.

Me identifiquei profundamente com a conversa das mães dos vídeos contando um pouco da rotina diária delas e que, acredito, faça parte da rotina de cada uma de nós.

Quem nunca foi um pouco atriz para conseguir fazer o filho comer, tomar banho, tomar remédio…

Get Flash to see this player.

Mãe está sempre ligada na tomada, tem que dar conta de tudo mesmo que o filho consuma 80 e muitas vezes 90% do dia. Quantas vezes fiz o almoço balançando o carrinho de bebê com o pé. Falar então era o tempo todo “mamãe já vai! Já estou indo! Olha que vou te pegar…”

Get Flash to see this player.

E louca? Que mãe que nunca fez nada de loucura? Uma vez, minha prima comprou uma fantasia linda de Mulher Maravilha para a filha dela participar da festa à fantasia que ia acontecer na escola. Chegou em casa com a fantasia e a pequena não quis colocar de jeito nenhum. A mãe usou todos os meus argumentos e nada de convencê-la. Então se lembrou que seus vizinhos eram animadores de festa infantil e foi lá perguntar se eles emprestavam a fantasia de Mulher Maravilha. Claro que emprestaram. Voltou para casa feliz da vida e colocou a fantasia. A pequena ao ver a mãe vestida daquele jeito concordou em colocar. Estavam as duas fantasiadas quando chega o marido para o almoço. Aparecem na sala as duas fantasiadas de Mulher Maravilha, e qual não foi a surpresa – Ele havia trazido o chefe dele para almoçar. Rssssss

Get Flash to see this player.

E você, que tipo de mãe você é?

Então conte a sua história.

Veja como proceder:

Vou então propor o seguinte:

1- Que vocês contem alguma situação vivida seja com filho, irmã, pai, mãe, aluno, professor, avó, vizinha ou qualquer outro personagem, engraçada ou não, para virar uma apresentação personalizada no SlideShare.
2- Deverá conter no máximo 2000 caracteres.
3- Deverá ser uma narrativa com diálogos.
4- O texto deverá ser postado nos comentários até o dia do aniversário do blog, ou seja, 21 de agosto de 2009.
5- Após esta data será votada a história mais criativa e as três histórias ganhadoras serão ilustradas em SlideShare e apresentadas aqui para serem divulgadas.

Estou te aguardando!