Conscientização sobre Sustentabilidade

Vocês se lembram quando falei aqui  sobre o Educador Educar que aconteceu nos dias 18 a 21 de maio e ressaltei a participação de  Lucy Duró – Pedagoga e Pós-graduada em Medicina do Comportamento pela USP que falaria sobre “Sustentabilidade e Mudança Real: A Necessidade de Ampliação da Consciência e Responsabilidade Social”?

O vídeo que postei de uma entrevista que ela concedeu à TV Estadão fez bastante sucesso e recebi vários e-mails pedindo o link do vídeo e orientações de como baixar para poder apresentar nas escolas, pois acharam o assunto ser de grande relevância. Para assistir o vídeo clique AQUI

Hoje quero compartilhar com vocês a entrevista que ela concedeu à Radio Estadão/ESPN logo após sua Palestra no evento, que quem pôde  assistir, achou maravilhosa.

 

Você acha que a internet desperta para o prazer de ler? #Estadão.com

Leia a entrevista queSuzane G. Furtuoso fez comigo sobre o tema:

Suzane G. Frutuoso – Jornal da Tarde

A internet é capaz de despertar o interesse pela leitura?

Sim. Os jovens leem e escrevem muito na internet, abrindo um canal para a leitura de livros no papel. Infelizmente, as pessoas têm o hábito de querer substituir e não somar. Quando surgiu a TV, disseram que era o fim do rádio e do cinema. E com o passar do tempo o que vemos foi que a televisão é mais um recurso para o entretenimento das pessoas.

O jovem está lendo mais?

O jovem de hoje lê muito mais do que o jovem de décadas passadas. Ele iniciou o hábito com a internet de forma motivadora, sem imposição. No passado, a leitura era imposta de forma punitiva. Aquele que não soubesse falar sobre determinado clássico tiraria nota baixa. Ele era obrigado a ler os livros que o professor indicava, normalmente clássicos com linguagem erudita, se deparando com inúmeras palavras que não conhecia, gerando uma “repulsa” pela leitura em geral. Agora, o jovem lê toda a coleção do Harry Potter sem que ninguém precise mandar.

Muitas bibliotecas estão disponibilizando livros mais populares, como os de autoajuda. Isso é bom?

A pessoa que procura um livro de autoajuda está querendo se tornar uma pessoa melhor. E essa é … Continue lendo

Os perigos das redes sociais tratados em entrevista no Show+

No início deste mês, mais precisamente no dia 05 de julho fui convidada para participar do Programa Show+ que é veiculado pela Rede TV+ no canal 14 da NET Digital em São Paulo e canal 10 analógico na Região do ABC, nas cidades de Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema e Mauá.

Muitos temas são reprisados pela REDE TV+, para as cidades do interior paulista: Americana, Mogi Guaçú, Mogi Mirim, Santa Bárbara d’Oeste, Araras, Hortolândia, Rio Claro, Sumaré, Limeira, para os municípios do Rio de Janeiro: Niterói e São Gonçalo, para a Baixada Santista: Santos, Guarujá, São Vicente, Praia Grande e Cubatão. O programa também é veiculado em Porto Alegre, Curitiba e Florianópolis.

O Show+ é jornalismo com entretenimento. Apresentado por Darcio Arruda, ao vivo, tem 1h30 de duração de segunda a sexta, das 19h30 às 21h. Jornalismo puro ao vivo, no horário nobre da televisão brasileira, tendo a participação e interação do telespectador. Uma verdadeira revista eletrônica na qual cada dia uma página importante é lida e discutida por todos.

Este projeto foi trazido dos Estados Unidos por Darcio Arruda, que apresenta o programa, após mais de dez anos de trabalho na Voz da América (Washington DC) e na PSN (Miami) trazendo uma nova visão de jornalismo: a da informação com entretenimento

Neste dia cujo tema abordado foi “Perigos das Redes Sociais” também estiveram comigo o Advogado especializado em Direito eletrônico – Dr. Renato Leite Monteiro e o  Jornalista e especialista em Comunicação Corporativa e Mídias Sociais – Davi Machado.

Foi um bate-papo muito proveitoso e esclarecedor e você pode conferir o programa acessando aqui este link SHOW+.

Saber sobre o uso adequado e quais os perigos que envolvem as mídias sociais é muito importante, pois uso destes recursos já faz parte do cotidiano de muitas pessoas.

Você tem algum caso para compartilhar? Então sinta-se a vontade. A sua contribuição poderá ajudar muitas pessoas.

Entrevista: enfim, meu filho foi para a escola!

Na semana passada fui procurada pela Tiffany do Blog da Ti, o qual me relatou que:

“Nesta semana o CJ completou 1 mês de adaptação na Creche/Escola. E apesar de estarmos satisfeitos com o desenvolvimento das primeiras atividades propostas pela instituição e claro, com o progresso no processo de adaptação, ainda nos colocamos frequentemente em reflexão avaliando se a escola aos 2 anos de idade é a escolha acertada.”


Enfatizou ser esta a dúvida de muitas mães com filhos nesta idade e com as mesas decisões.
Então, continuou:


“Para me ajudar com as repostas, eu entrevistei a professora, psicopedagoga e blogueira do Educar Já! e Cybele Meyer falando sobre, mãe de três filhos, Cybele Meyer (@cybelemeyer).
Minha intenção é trazer algumas dúvidas para o debate e claro, dirimir as minhas próprias, porque afinal estou – como mãe – vivendo também uma nova experiência, essa de oferecer independência ao filho, o que requer habilidade, sensibilidade e distanciamento, coisas que nem todas as mães de primeira viagem sabem oferecer.

Sendo este processo muito importante tanto para a criança quanto para os pais e a escola achei interessante compartilhar com vocês as perguntas e respostas nesta entrevista.


Para ler a entrevista na íntegra clique AQUI

Bom domingo para todos!

Entrevista

No domingo passado, 11 de janeiro de 2009, saiu publicado no Jornal A Gazeta do Espírito Santo uma entrevista realizada comigo na qual falei sobre o relacionamento de pais e filhos durante o período de Férias.

Acima está a reportagem transformada em imagem e o conteúdo segue abaixo:

Mais harmonia. Relacionamento entre pais e filhos pode melhorar depois das férias bem aproveitadas

Férias: é hora de crescer

Realizado por ELAINE VIEIRA
evieira@redegazeta.com.br

O período ajuda crianças e adolescentes a terem responsabilidade e a viver em sociedade

Por melhor que seja a escola do seu filho, é nas férias que ele vai aprender mais. Esse período, se bem aproveitado, pode servir para deixar crianças e adolescentes mais seguros, mais maduros e até – quem diria – melhorar seu desempenho na escola.
Investir nas férias, então, é mais do que não deixar as crianças à toa. Mas não é preciso gastar muito dinheiro para tornar esse período proveitoso e inesquecível.

A convivência com outras pessoas e a possibilidade de fazer coisas que não faria durante o ano letivo são os grandes trunfos, destaca a psicóloga e professora da Faculdade Faesa, Ana Carla Amorim Moura.
Nessa hora, liberdade vira sinônimo de responsabilidade, defende a psicopedagoga Cybele Meyer.
Para ela, deixar os filhos passarem parte das férias na casa de parentes e amigos, além de facilitar a vida dos pais que não tiram férias nesta época do ano, pode ser uma oportunidade de ensiná-los a viver em sociedade.

“Na casa de pessoas que não vê sempre, ele vai ter que usar o bom senso, exercitar seu jogo de cintura. Não vai poder bater de frente para resolver os impasses, como faz em casa”, destaca Cybele, autora de um blog com seu nome, sobre educação, além de colaboradora do site Mães com Filhos.

Segundo ela, crianças e adolescentes que convivem apenas com pais e pessoas próximas tendem a se amedrontar quando mudam de ambiente. “Conviver com posturas e valores morais diferentes dos da própria família pode ser benéfico para todos. É inclusive uma oportunidade para fazer um balanço e mudar certas coisas no relacionamento entre pais e filhos”, aponta.

MAIS DIÁLOGO

O diálogo é a melhor ferramenta para garantir que tudo dê certo, dentro e fora de casa, esclarecem as especialistas. A dica vale inclusive para falar sobre os principais medos dos pais, como o envolvimento commás-companhias, drogas e sexo.
“É preciso destacar os riscos, e deixar claro que o único prejudicado é o próprio adolescente.

Não é questão de aterrorizar, mas nessa fase o que funciona é frisar o processo de ação e reação.
Não dá para medir forças”, aconselha Cybele Meyer.