Educação: Mitos X Fatos debate sobre vários tópicos na sua 3ª Edição

Convite Cybele Meyer

Aconteceu nessa terça-feira, dia 23 de junho, a 3ª edição do seminário Educação: Mitos X Fatos o qual reuniu nomes como André Gravatá, Anna Penido, Sintian Schmitd e Fernando Gabeira com a mediação de Maria Beltrão para debater sobre os seguintes temas: “O jovem não se interessa pela escola”; “A família perdeu o controle, o jovem só estuda se quiser” e “As novas tecnologias atrapalham os estudos”.

O grande diferencial desse seminário é que ele dá voz às pessoas. Foram ouvidas mais de 150 pessoas de diferentes cidades dos estados de São Paulo (SP), Rio Branco (AC), Rio de Janeiro (RJ) e Salvador (BA) e os depoimentos foram compartilhados com todos os presentes através dos telões.

Cybele Meyer 1

Sobre a primeira questão os jovens entrevistados afirmaram que se interessam sim pela escola e que esperam que ela adote um formato mais dinâmico para que eles possam participar mais ativamente interagindo, colaborando, enfim trabalhando junto com o professor, em parceria, focando em um crescimento mútuo.

Sobre a questão da família muitos opinaram sobre o fato de ela estar perdida e não saber ao certo qual seu papel diante da educação do seu filho. Foi debatido entre os convidados que a parceria família e escola é fundamental para o desenvolvimento integral do aluno, porém é preciso que escola e família se disponibilizem para que essa parceria se torne real e ativa dando, dessa forma, amparo ao aluno e motivando-o a estudar.

Em relação ao fato de as novas tecnologias estarem ativas também na escola foi muito bem abordado, principalmente quando os debatedores afirmaram que ela deve ser somente mais um recurso, que não deve ser destacada e sim usada normalmente, como se usa o lápis e o caderno e como deve também auxiliar o professor em suas atividades.

Um tópico que foi muito bem abordado foi em relação à valorização do professor, e esse tema me interessa e muito uma vez que tenho tratado aqui no blog  através dos posts, também em vídeos e também no Facebook usando a #ValordeSerProfessor sobre a mudança de conceito em relação à valorização da profissão do professor

Cybele Meyer 2Minha amiga, agora não mais virtual pois a conheci pessoalmente no seminário, Sintian Schmitd se manifestou sobre a necessidade de “revolucionar a percepção da valorização do professor”. Nós fazemos parte de um grupo de discussão sobre Educação chamado blogs_educativos há mais de 7 anos e agora tivemos a oportunidade de nos conhecermos pessoalmente, pois eu sou de SP e ela do RS.

O debate foi maravilhoso, assim como as outras duas edições que eu também estive presente, e será transmitido amanhã, sábado, dia 27 de junho às 21 horas na GloboNews. Vale muito a pena acompanhar.

Se você quiser saber mais sobre as escolas que foram visitadas e sobre os jovens que estiveram engajados acesse essa matéria publicada ontem pela GloboEducação: “Globo realiza 3ª edição de seminário sobre mitos da educação brasileira”.

Veja o resumo do seminário Mitos X Fatos do #GloboEducação hoje em São Paulo

O Globo Educação – parceria da Globo com o Unicef e com a Fundação Roberto Marinho – promoveu o I Seminário Nacional Educação: Mitos e Fatos nesta sexta-feira, dia 6, em São Paulo. O evento reuniu especialistas na área para discutir as percepções a respeito de quatro temas: o valor que o brasileiro dá ao conhecimento; remuneração de professores x qualidade do ensino; o perfil dos alunos de escola pública e a capacidade de algumas crianças em aprender. Entre os participantes convidados estavam: Cleuza Repulho, presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação; Fernando Abrucio, cientista político, professor da FGV-SP; Luiz Felipe Pondé, filósofo, escritor e ensaísta; e Ricardo Henriques, economista, superintendente executivo do Instituto Unibanco.

A jornalista Mônica Waldvogel foi a mediadora do encontro e destacou a importância do fórum. “O objetivo do Globo Educação é refletir sobre temas relevantes e promover debates a respeito do sistema educacional brasileiro por meio de seminários presenciais, campanhas, matérias jornalísticas e internet”, disse. Para ampliar a discussão e mostrar as diversas visões sobre os mitos e fatos, foram exibidos vídeos produzidos pela Central Única das Favelas (CUFA) com depoimentos de moradores de São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Curitiba (PR), Manaus (AM) e Recife (PE). A partir das entrevistas apresentadas, os especialistas contribuíram e analisaram as percepções sobre cada tema proposto.

Para Fernando Abrucio, a educação é muito mais que um diploma. “É um fenômeno de transformação social. Precisamos começar a mostrar que vai muito além da escola”, ressaltou. Já Ricardo Henriques comentou que para aumentar a valorização do conhecimento, é preciso reforçar a relação entre a educação e a vida das pessoas. “A experiência na escola precisa de encanto para gerar adesão. O processo de aprendizagem envolve paixão. Sem esse ingrediente, você escolariza e não consegue ter o papel transformador. Um dos maiores desafios da escola é dar conta do cotidiano, do comum”, disse.

Sobre a remuneração dos professores, os participantes reforçaram a necessidade de um plano de carreira, que estimule a atração de novos talentos. “Se nós dobrássemos o salário, o desempenho do educador não melhoraria. É preciso encontrar algum mecanismo que dê perspectivas a médio e longo prazo”, comentou Abrucio. Para Cleuza Repulho, é necessário valorizar o que pode ajudar o desenvolvimento do país. E a educação tem um papel fundamental nesse processo.

O seminário discutiu ainda o perfil dos alunos de escola pública e os métodos e capacidade de aprendizagem dos estudantes. “O mito de que tem menino que não aprende não é real. As pessoas têm diferenças religiosas, sociais, o fato de ter tempo para estudar quando está em casa ou não, além das questões fisiológicas”, destacou Pondé. Ricardo Henriques lembrou também da enorme diversidade brasileira. “Parte do nosso desafio é entender a riqueza das escolas públicas. Temos jovens negros, ribeirinhos, da periferia urbana. Precisamos reformular as práticas pedagógicas. Não podemos ter uma visão idealizada e ter um paradigma da ‘família margarina’”.

Todo o conteúdo do seminário será exibido no Globo News Especial, dia 15 de dezembro.

Adorei ter participado. Foi muito enriquecedor e em breve farei um post com minhas considerações sobre tudo que foi debatido lá.

É sempre um prazer rever minha querida Priscilla Brum que me enche de mimos.

Veja que lindos os presentes que ganhei:  sacola retornável para levar na bolsa, caderninho de anotações de bolsa, kit de mesa com vários post it que eu adoro e um clips lanterna para ler meus livros quando não puder ficar de luz acesa. AMEI!

Globo Educação promove seminário sobre mitos e fatos na educação

O Globo Educação – uma parceria da Globo com o Unicef e com a Fundação Roberto Marinho –  promove, na próxima sexta-feira, dia 06, em São Paulo, o seu I Seminário Nacional Educação: Mitos e Fatos. O evento reúne especialistas na área para debater máximas e percepções a respeito do sistema educacional brasileiro. Os tópicos que serão debatidos versam sobre: o valor que o brasileiro dá ao conhecimento; remuneração de professores; o perfil dos alunos de escola pública e a capacidade de algumas crianças em aprender.

Para o debate, foram convidados: Cleuza Repulho, presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação, Fernando Abrucio, cientista político, professor da FGV-SP, Luiz Felipe Pondé, filósofo, escritor e ensaísta, e Ricardo Henriques, economista, superintendente executivo do Instituto Unibanco. O encontro será mediado pela jornalista Mônica Waldvogel.

Durante o evento, serão exibidos vídeos produzidos pela Central Única das Favelas (CUFA) com depoimentos da população. As entrevistas sobre os mitos foram realizadas em São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Curitiba (PR), Manaus (AM) e Recife (PE).

Todo o conteúdo do seminário será exibido no Globo News Especial no dia 15 de dezembro.

Eu estarei lá:

Data: 06/12/13 (sexta-feira)

Horário: 9h

Endereço: Rua Evandro Carlos de Andrade, 160 –  1º andar

Edifício JRM – TV Globo São Paulo

Meia receita, não faz bolo! #Campanha #GloboEducacao

Campanha do Globo Educação reforça a importância da volta às aulas

Para incentivar a volta às aulas e combater a evasão escolar após as férias de julho, a Globo exibe a campanha “Meio Jogo”.

A animação de 30 segundos, veiculada nos intervalos da programação da emissora no mês de agosto, explica de forma lúdica que:

“Meio jogo, não ganha campeonato. Meia receita, não faz bolo. Meio avião, não voa. Meio ano só, não basta”.

Para assistir ao vídeo clique na imagem

Com criação da Comunicação da Globo, o filme apresenta uma mensagem de incentivo e reforça a importância da permanência das crianças e dos adolescentes na escola.

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a taxa de evasão dos alunos brasileiros é três vezes maior do que a dos europeus. Ainda segundo o instituto, um a cada quatro estudantes que inicia o ensino fundamental no país abandona a escola antes de completar a última série.

A campanha é uma iniciativa do Globo Educação, parceria entre a Globo, Fundação Roberto Marinho e Unicef.

A plataforma tem como objetivo contribuir para o fortalecimento da consciência e do comprometimento do brasileiro sobre a qualidade da educação pública. Busca difundir boas práticas, prestação de serviços e projetos de referência em interprogramas, campanhas, matérias jornalísticas, conteúdos online e debates com especialistas.

Ficha Técnica:

Direção de Criação: Mariana Sá

Criação: Globo Comunicação

Produtora: Molho Filmes

Globo reafirma compromisso com a Educação #GloboEducacao

José Roberto Marinho e Gary Stahl - Divulgação/Ze Paulo Cardeal

Na manhã desta quarta-feira, dia 22, a Globo reforçou o seu compromisso com a educação brasileira ao lançar o projeto Globo Educação – plataforma que tem como objetivo mobilizar a sociedade e promover o debate sobre a importância do ensino de qualidade.

O evento aconteceu na sede da emissora em São Paulo e marcou o início das ações do projeto que contam com a parceria da Fundação Roberto Marinho (FRM) e do Fundo das Nações Unidas para a Infância(Unicef).

Durante o lançamento, José Roberto Marinho, vice-presidente das Organizações Globo, Gary Stahl, representante do Unicef no Brasil,  e Hugo Barreto, secretário-geral da Fundação Roberto Marinho, assinaram o termo de compromisso da parceria institucional. “A conquista do conhecimento é peça central da sociedade e deve estar no imaginário de todos. O nosso objetivo é transformar o projeto em ponto de encontro de educação na Globo. Somar as forças e contribuir para que a educação tenha o espaço que merece”, explicou José Roberto. Gary do Unicef complementou: “A união dos nossos esforços irá fortalecer os direitos das crianças e adolescentes do país, ajudando a construir uma educação pública de qualidade.”

Hugo Barreto, da Fundação Roberto Marinho, também destacou a importância da iniciativa. “A educação é um direito de todos. Com plataformas em diferentes espaços e conteúdos, iremos mobilizar a sociedade brasileira em torno do tema”, disse. “Temos aqui bons parceiros da educação pública, com visões diferentes, que podem ajudar a garantir a qualidade do ensino”, acrescentou a secretária de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão do Ministério da Educação, Macaé Maria Evaristo dos Santos, que também participou do evento.

Veja o que disse alguns dos participantes clicando AQUI

O lançamento do projeto contou ainda com o diálogo “O Valor do Conhecimento na Sociedade Brasileira”, mediado pelo jornalista William Wack.

O filósofo e economista, Eduardo Gianetti, a ex-secretária de Educação Básica, Maria do Pilar, e o estudante do Instituto Tecnológico de Aeronaútica(ITA) e presidente do QMágico, empresa que trabalha com tecnologia educacional, Thiago Feijão, debateram questões como a valorização do professor, o ensino de qualidade e a busca do conhecimento.

O Globo Educação contará com três eixos de atuação: televisão, internet e fóruns presenciais. A meta é contribuir para o fortalecimento da consciência e do comprometimento com a qualidade da educação pública, difundindo boas práticas, prestação de serviços e projetos de referência em interprogramas, campanhas, matérias jornalísticas, conteúdo online e debates com especialistas.