Falando sobre lixo – PROJETOS

VAMOS RECICLAR NOSSAS IDÉIAS SOBRE O LIXO?

Fonte: Reviverde

Muita gente ainda pensa que a lata de lixo é um lugar mágico que faz desaparecer, como uma varinha de condão, aquilo que jogamos fora, que não precisamos mais.

Basta observarmos as reportagens na imprensa sobre o problema dos lixões e aterros sanitários, para constatar que é preciso fazer alguma coisa já, agora. Porque amanhã pode ser tarde demais.

O primeiro passo é “reciclarmos” o conceito que temos de lixo, deixando de enxergá-lo como uma coisa suja e inútil em sua totalidade.

O lixo é fonte de riqueza e que para ser reciclado deve ser se-pa-ra-do através de um simples gesto, dentro de casa: colocar o lixo orgânico (úmido) em um coletor e o lixo reciclável (seco) em outro.
A coleta seletiva é a melhor – e por enquanto a única – solução para encaminharmos os resíduos que não são biodegradáveis (embalagens de plástico, vidro, metal, papel) para seu destino correto: as usinas de reciclagem

A coleta seletiva só tem vantagens e nenhuma desvantagem:
Redução do material enterrado ou jogado a céu aberto, evitando-se a poluição do ar, terra e água.
Redução da extração de recursos naturais que muitas vezes não são renováveis, como o petróleo.
Redução do desperdício.
Redução do depósito de lixo em lugares clandestinos.
Redução do consumo de energia na produção.
E geração de renda, através da inclusão social e da comercialização dos recicláveis, entre outras.

Você está convidado a ser mais um guardião da natureza e praticar os 3 Rs do cidadão ecoeficiente: Reduzir, Reutilizar, Reciclar.
A natureza agradece!

PROJETO LIXO É LUXO
Fonte:Colégio Vicentino Nossa Senhora das Graças

Responsável pelo Projeto:
Édina Maycot (Professora de Geografia) e
Valéria Meler P. da Silva (Professora de Ciências)

Público alvo: Alunos – Pais – Professores – Comunidade em geral

Tema: Resíduos Sólidos Urbanos – Lixo

Título de Projeto: Lixo é Luxo

Justificativa:
Esse estudo é de suma importância, pois trará grande contribuição não só para a atuação governamental no que tange a destinação correta dos resíduos sólidos, com também para despertar em nossos alunos a consciência de que praticamente todo o lixo pode ser reaproveitado, podendo inclusive, ser usado na confecção de ricos e criativos materiais didáticos, que servirão de instrumentos para enriquecer as aulas, facilitando assim, o processo ensino/aprendizagem.

Objetivo Geral:
Despertar em nossos alunos a consciência de que praticamente todo o lixo pode ser reaproveitado, podendo inclusive, ser usado na confecção de materiais didáticos alternativos.

Procedimentos Metodológicos e Técnicos:
Esse projeto terá como ações concretas a realização de algumas visitas técnicas de estudos em alguns locais (lixão municipal, terrenos baldios, rios, etc) onde o lixo e depositado inadequadamente, a confecção de materiais didáticos alternativos usando sucatas, culminando com uma exposição dos trabalhos, a implantação no ambiente escolar de um projeto piloto de separação do lixo, a organização de uma cartilha educativa, realização de mini-concursos, distribuição de cestas básicas com venda do lixo recolhido no colégio, entre outras.

Enfim, serão efetivados vários levantamentos bibliográficos relacionado ao tema junto às bibliotecas públicas, particulares, instituições públicas ou particulares e a internet, que servirão de embasamento teórico para a execução do presente trabalho.

Atividades Desenvolvidas:

* Confecção de materiais didáticos alternativos usando sucatas.

* Exposição dos trabalhos criados pelos alunos.

* Implantação de um projeto piloto de coleta e separação do lixo no próprio Colégio.

* Venda do lixo reciclado.

* Compra de cestas básicas para distribuição às famílias carentes.

* Realização de palestras com profissionais de instituições públicas e/ou privadas.

* Realização de um ecodesfile com roupas de sucatas confeccionadas pelos alunos.

* Promoção de mini-concursos, como por exemplo, a escolha do (a) melhor: mascote, livreto, frases, teatro, tele-jornal, objetos de sucata, entre outros.

* Organização de um livro de receitas.

* Confecção de adesivos para divulgação da importância de se reciclar o lixo, usando o mascote e a frase criadas pelos próprios alunos.

* Organização de um livro com histórias sobre o lixo.

Tempo de aplicação:
De preferência durante todo o ano letivo

Recursos Humanos:

Professores – Alunos – Pais

Recursos Materiais:
Material reciclável, papéis variados, fitas de vídeo, filmes fotográficos, cola, tesoura, máquinas fotográficas, filmadora, revistas, jornais, livros, cartilhas, giz de cera, lápis de cor, canetinhas, tintas, serviços de terceiros (ônibus para as prováveis visitas técnicas de estudos), enfim, tudo o que possa ser reaproveitado.

PROJETO LIXO-SELETIVO DA CPMA

Fonte: Polícia Militar do Ceará

1. INTRODUÇÃO

A reciclagem é o reaproveitamento dos materiais como matéria-prima para um
novo produto. Muitos materiais podem ser reciclados e os exemplos mais comuns são o
papel, o vidro, o metal e o plástico. As maiores vantagens da reciclagem são a minimização da utilização de fontes naturais, muitas vezes não renováveis; e a minimização da quantidade de resíduos que necessita tratamento final, como aterramento, ou incineração.

O conceito de reciclagem não deve ser confundido com o de reutilização.
Assim, para que ocorra a reciclagem se faz necessário a COLETA SELETIVA, que é a separação dos materiais que podem ser reciclados, na sua fonte geradora. E, aquino âmbito da CPMA, propõe-se criar um exercício de cidadania na comunidade em que vivemos, ou seja, criar hábito de selecionar o lixo para a reciclagem.

2. JUSTIFICATIVA

Os resultados da reciclagem são expressivos tanto no campo ambiental, como nos
campos econômico e social.
No meio-ambiente a reciclagem pode reduzir a acumulação progressiva de lixo a
produção de novos materiais, como por exemplo o papel, que exigiria o corte de mais
árvores; as emissões de gases como metano e gás carbônico; as agressões ao solo, ar e
água; entre outros tantos fatores positivos.

No aspecto econômico a reciclagem contribui para a utilização mais racional dos
recursos naturais e a reposição daqueles recursos que são passíveis de re-aproveitamento.

No âmbito social, a reciclagem não só proporciona melhor qualidade de vida para
as pessoas, através das melhorias ambientais, como também tem gerado muitos postos de
trabalho e rendimento para pessoas que vivem nas camadas mais pobres. No Brasil existem os carroceiros ou catadores de papel, que vivem da venda de sucatas, papéis, latas de alumínio e outros materiais recicláveis deitados para o lixo. Também trabalham na colecta ou na classificação de materiais para a reciclagem. Como é um serviço penoso, pesado e sujo, não tem grande poder atrativo para as fatias mais qualificadas da população.

BENEFÍCIOS DA COLETA SELETIVA

• Para 75 latas de aço, recicladas, preserva-se uma árvore que seria usada como
carvão.
• Para cada tonelada de papel reciclado, evita-se a derrubada de
16 a 30 árvores adulta, em média.
• A cada 100 toneladas de plástico reciclado, evita-se a extração de
1 tonelada de petróleo e a economia em torno de 90% de energia.
• 10% de vidro reciclado, economiza-se 4% de energia e reduz 10% no consumo
de água.
As vantagens da reciclagem são muitas mas acima de tudo, ela melhora a
qualidade de vida, minimiza os efeitos da poluição no planeta, gera empregos e rendas, além de valorizar as empresas ambientalmente corretas.

MATERIAIS RECICLÁVEIS

Os principais materiais recicláveis são papeis, plásticos, vidro e metal.
Todos deverão ser separados e colocados em coletores ou sacos plásticos de preferência na cor padrão de cada material conforme resolução do CONAMA (Conselho Nacional do Meio Ambiente).

MATERIAIS NÃO RECICLÁVEIS

Lixo Orgânico ou Úmido – São restos de comidas, cascas de frutas e legumes, etc.
Rejeitos – Lenços e guardanapos de papel, absorvente e papel higiênico, fraldas, papéis sujos, acrílico, espelhos, cerâmicas, porcelanas, etc.
Resíduos Especiais – Pilhas e baterias.
Resíduos Hospitalar – Curativos, gazes, algodão, seringas, etc.
Lixo Químico ou Tóxico – Embalagens de agrotóxico.

3. OBJETIVO

Contribuir na total melhoria das condições de vida no planeta, visando o homem
em primeiro lugar.

4. ATUAÇÃO

A CPMA conscientizará a sociedade do problema que gera o lixo na degradação
ambiental, através de uma campanha de coleta seletiva na sede da companhia, fazendo com que a população deseje contribuir para a melhoria das condições do meio ambiente e da qualidade de vida.

Para conseguirmos isto, será necessário conscientizar a dona de casa, o
trabalhador, de sua importância vital neste projeto. A partir do momento que valorizamos esta ação, na fonte que gera o lixo, dentro de casa , escritório, restaurantes e outros, teremos o sucesso deste programa.

Neste projeto, via propaganda de televisão, rádio, e jornal (os meios mais rápidos
e abrangentes) será destacado a economia que este novo hábito gerará e a conservação da própria natureza, que hoje é vital para o bem estar do planeta. Visto que um acidente ou até uma forma errada de cultivo desencadeia um desequilíbrio das leis naturais trazendo consequências muito além do local a que foi gerado.

O projeto lixo-seletivo da CPMA, vai trazer para a população local, basicamente
o aprendizado de separar o lixo antes deste ser colocado para a coleta.

A maneira mais simples e fácil é substituir os sacos plásticos de uma única cor
que hoje usamos, por tambores com cores variadas e especificações para cada tipo de lixo, conforme abaixo discriminados.

Lixo orgânico: tambor preto
Lixo papel: tambor azul
Lixo metal/aço: tambor amarelo
Lixo plástico: tambor vermelho
Lixo vidro: tambor verde

Todo lixo recolhido no âmbito desta companhia será encaminhado para empresas
de reciclagens, transportados com veículos próprios dos organismos interessados, que
darão o destino correto de cada tipo de lixo selecionado. O projeto, ainda, pode ser
estendido a outras unidades da Corporação com autorização do Sr. Comandante Geral da
Polícia Militar do Ceará, caso haja interesse de seus Comandantes.

Erik Oliveira Onofre e Silva – Major PM
Comandante da CPMA
Coordenador do Projeto Lixo-Seletivo da CPMA

O LIXO É UM LUXO!
Atividade prática sobre reciclagem

MICROSOFT – Projetos para a Sala de Aula

Público alvo: 6º a 9º ano

Guia do Professor

RESUMO
Num projeto prático de ciências e meio ambiente, os alunos aprendem como reciclar enquanto coletam, registram em planilhas e analisam tabelas com os dados de produção de lixo de suas próprias famílias. Por fim, apresentam o que descobriram.

OBJETIVOS

• Calcular fórmulas simples em planilhas eletrônicas;
• Construir tabelas a partir de dados coletados;
• Analisar informações da tabela e interpretar os resultados.

TEMPO PREVISTO
De seis semanas a três meses.

COMO COMEÇAR
Pergunte aos alunos o que eles sa¬bem sobre a preservação da Terra. Todos sabemos, por exemplo, que a poluição ameaça os recursos naturais. Mas quais são esses recursos? (O oceano, os mananciais de água, o ar, etc.) Como a superutilização também pode ameaçá-los? (Por exemplo, o desenvolvimento excessivo das ter¬ras ou o excesso de áreas destinadas à extração de madeira podem ameaçar árvores, solo, vida selva¬gem e a vida das plantas) De que modo o lixo doméstico agrava o problema? (De dois modos: super¬utilização dos recursos, como árvo¬res/papel; poluição decorrente da grande quantidade de lixo, o que cria excesso de aterros; muitos pro¬dutos não-biodegradáveis.)

Em seguida, discuta a recicla¬gem com a classe. Por que a recicla¬gem é importante e útil para o futuro? Pe¬ça aos alunos para estimarem quantos quilos de lixo eles pessoalmente produzem a cada ano e digam suas estimativas para a classe. Diga-lhes que nesta atividade descobrirão quanto lixo eles e suas famílias realmente produzem por ano, o quanto dele é reciclado e quanto mais poderia ser reciclado. Explique que no projeto “O lixo é um luxo!” os alunos irão pesar e, se possível, separar o lixo da família em não-aproveitável e reciclável, registrar os resultados em tabelas durante três semanas e analisar os dados.

Faça com que os alunos voltem para casa com uma cópia do modelo encontrado no final desta atividade, que explica o projeto “O lixo é um luxo!” aos pais. Assine a parte inferior das cópias impressas e peça que os alunos coloquem seus nomes nos espaços em branco.

Atividade do aluno

DESCRIÇÃO

Nesta atividade, você terá a honra de levar todo o lixo da casa para fora durante uma semana. Você irá registrar o peso em uma planilha, construir uma tabela com os dados referentes a três semanas e analisar os resultados. Por fim, você criará uma apresentação sobre o que descobriu.

ETAPA 1

A coleta
SOFTWARE: Nenhum

O QUE FAZER: Comece dizendo a todos os membros da sua família que não se preocupem com o lixo! Nas próximas 3 semanas, você o levará para fora.

Se possível, monte uma Estação de Reciclagem temporária em casa para (1) vidros; (2) latas; (3) garrafas de plástico descartáveis e não-recicláveis; (4) jornais e revistas; e (5) garrafas retornáveis. Tenha um saco plástico ou recipiente separado para cada tipo de material reciclável.

A planilha
SOFTWARE: Microsoft Excel

O QUE FAZER: Abra o Microsoft Excel e crie uma planilha “Mantenha a Terra Limpa!”, como mostra o Exemplo 1. Você usará essa planilha para registrar o peso de cada categoria de lixo todas as noites. Imprima-a e coloque-a perto de onde você guarda o lixo.

Todas as vezes que levar o lixo da família para fora, você o pesará e registrará os dados na planilha. Um método simples seria você se pesar primeiro e depois se pesar novamente segurando um saco de lixo. OBSERVAÇÃO: Mesmo que você não tenha uma balança de banheiro, você poderá estimar o peso médio de um saco de lixo usado em casa. Por exemplo, um saco grande (capacidade para 100 litros) cheio de lixo pesa cerca de 3 quilos. Conte quantos sacos você leva para fora cada dia e anote na planilha o peso total aproximado..

Ao final de três semanas, depois de todos os seus dados terem sido coletados, abra novamente a sua planilha “Mantenha a Terra Limpa!” no Microsoft Excel e digite os dados coletados.

ETAPA 3

Representação em gráfico
SOFTWARE: Microsoft Excel

O QUE FAZER: Quando a sua planilha estiver preenchida, escolha os dados que deverão ser representados em um gráfico. Por exemplo, você pode comparar sua produção de lixo individual por ano com a produção anual média da classe ou dos brasileiros. Você também poderá mostrar a tendência de produção de lixo do Brasil utilizando os dados da tabela na página anterior.

ETAPA 4

Apresentação dos resultados
SOFTWARE: Microsoft PowerPoint

O QUE FAZER: Depois de ter construído suas tabelas, trabalhe em equipe para criar uma apresentação no PowerPoint. Considere as seguintes áreas a incluir na sua apresentação:
• Pesquisa do recolhimento e reciclagem de lixo na sua cidade e no Brasil. A reciclagem é obrigatória ou opcional? O lixo recolhido é jogado em aterros? Em que medida a reciclagem preserva o ambiente? Que tipo de lixo não é biodegra¬dável? O que acontece com materiais não-biodegradáveis nos aterros sanitários? Os aterros sanitários ou lixões são poluentes?
• Pense em tudo que pode produzir lixo doméstico. Há algo que possamos mudar na sociedade e na família para diminuir a quantidade de lixo?

ETAPA 5

Uma campanha de reciclagem
SOFTWARE: Microsoft Publisher 97

O QUE FAZER: Comece uma cam¬panha de reciclagem na sua escola ou bairro com o título Reduzir, Reutilizar, Reciclar ou crie o seu próprio lema. Os eventos para promover a campanha podem incluir uma noite de conscientização da reciclagem ou competição escolar.
Use o Microsoft Publisher para criar convites para o evento e folhetos para gerar a conscientização das questões da reciclagem, assim como informar sobre futuros eventos de reciclagem (veja o Exemplo 3). Planeje como distribuí-los de modo eficiente, para que ajudem as pessoas a conhecer mais sobre o assunto.

PESQUISA

Data _________________

Prezados Pais,

Estamos iniciando um novo projeto denominado
“O lixo é um luxo!” e contamos com a sua colaboração.

Solicitamos apenas que autorize ________________________ a retirar todo o lixo da sua casa nas próximas semanas. Ninguém mais deverá retirá-lo pois, antes de sair da casa, ______________ deverá pesar o lixo. Se possível, permita que ______________ instale alguns sacos ou latões de “reciclagem”. Se a sua família não fizer reciclagem, o lixo deverá ser separado em casa, mas poderá ser jogado fora junto com o restante depois de ter sido pesado.

“O lixo é um luxo!” é um projeto que ajudará a ensinar a seu filho algumas habilidades importantes. Em uma situação prática e real, ele aprenderá como uti¬¬lizar planilhas eletrônicas com o Microsoft Excel. Além disso, ele vai estudar mais sobre meio ambiente e reciclagem.

O projeto será encerrado com apresentações em classe. Esperamos contar com sua presença na ocasião!

Sinceramente,

P.S. Se possível, monte uma Estação de Reciclagem temporária em casa para
1. vidros, 2. latas, 3. garrafas de plástico descartáveis e não-recicláveis, 4. jornais e revistas e 5. garrafas retornáveis. Os alunos deverão, se possível, dispor de sacos plásticos ou recipientes para cada tipo de material reciclável.

A reprodução parcial ou total deste documento é permitida para o desenvolvimento de equipes e objetivos educacionais.
®1997 Microsoft Corporation. Todos os direitos reservados. As informações presentes neste documento estão sujeitas a alterações sem notificação prévia. As empresas, nomes e/ou dados utilizados nas telas e resultados de exemplo são fictícios, salvo indicação em contrário.
Microsoft Excel, Publisher, PowerPoint são marcas registradas ou comerciais da Microsoft Corporation nos Estados Unidos e/ou outros países.

Ciências e Projetos

PROJETOS DIDÁTICOS

SIM À CURIOSIDADE

Fonte: NOVA ESCOLA

A observação de fenômenos, a experimentação e a reflexão, além de muita leitura, ampliam os conhecimentos sobre questões dessa área.

m um mundo em que o desenvolvimento científico está por toda parte, o ensino de Ciências deve propor situações-problema e trabalhos que gerem reflexão, permitam participação ativa e tenham relação com o dia-a-dia. “A transposição da ciência acadêmica para a escola amplia a visão do cotidiano”, diz Cândida Muzzio, coordenadora do Colégio Miró, em Salvador. É importante articular atividades. Um experimento sem observação, pesquisa e leitura é insuficiente para a aprendizagem. No Centro Educacional de Ensino de 1º Grau, em Presidente Castelo Branco, a 470 de Florianópolis, a professora da 3ª série Rozinei Forquezato participou de projeto sobre compostagem que contempla quatro situações didáticas essenciais. Além de aprenderem conteúdos, os alunos vêem o impacto de sua atuação na comunidade e no ambiente.

Foto: Paula Canova

OLHAR ORIENTADO – No Centro Educacional, a turma observa frutas e cria
hipóteses sobre a decomposição

Observação
O que é
Análise de um experimento com a mediação do educador. A atividade deve instigar perguntas e a elaboração de hipóteses. Ao estudarem o desenvolvimento das plantas, por exemplo, as crianças podem ver que crescem, mas nem sempre se atêm aos detalhes. Por isso a importância de direcionar o olhar delas. Como está a cépala (a proteção que encobre o botão da flor)? Aberta ou fechada? E depois de uma semana?

Quando propor
Sempre que houver uma investigação desenvolvida em aula.

O que a criança aprende
Além de conteúdos tradicionais, a observar fenômenos, elaborar hipóteses e organizar dados.

Experimentação

O que é
Investigação para relacionar o saber científico ao da garotada. O experimento não pode só demonstrar conhecimentos já apresentados. Se é preciso entender quais materiais flutuam, a turma sugere alguns e é desafiada. Uma folha de papel flutua? E se a amassarmos em forma de esfera?

Quando propor
Sempre que o conteúdo puder incluir experimentação.

O que a criança aprende
Além dos conteúdos relacionados, a manipular experimentos e a resolver problemas.

Pesquisa em textos

O que é
Busca por respostas para a resolução de problemas em livros, revistas, jornais e internet. A atividade não é produtiva se for atrelada apenas à coleta de dados. Uma proposta: a turma faz uma experiência em que sal é dissolvido em água e o professor apresenta uma questão – todo sólido se dissolve em água? – a ser resolvida com base em fontes confiáveis.

Quando propor
Sempre que for preciso buscar informações.

O que a criança aprende
Além dos conteúdos relacionados, a trabalhar com obras de caráter científico e a ter maior autonomia na aprendizagem.

Leitura e escrita sobre Ciências

O que é
O professor cria uma oportunidade que gere dúvidas sobre um tema. Depois de todos revelarem suas concepções em conversas, desenhos e textos, ele indica a consulta a textos científicos. É essencial apresentar fontes variadas, além do livro didático, marcando a diferença entre as linguagens. Devem-se discutir conceitos, termos da área e características da linguagem, e não apenas supor que sejam conhecidos.

Quando propor
Em todas as aulas.

O que a criança aprende
Compreendendo o que lê, aprofunda conhecimentos e informações sobre os conteúdos.

Seqüência Didática

Observação de alimentos

Objetivos

Observar o processo de decomposição de alimentos.

Perceber a importância dos fungos e das bactérias na decomposição.

Discutir formas de conservação.

Conteúdos

Decomposição da matéria.

Observação.

Registro escrito.

Pesquisa.

Anos
1º ao 5º.

Tempo Estimado
Quatro aulas.

Material necessário
Pão, tomate, banana, água, potes, pratos descartáveis, folhas brancas, lápis preto, borracha, lápis de cor, régua, livros e canetas.

Desenvolvimento

1ª ETAPA

Converse com os estudantes sobre circunstâncias em que os alimentos se estragam. Identifique conhecimentos prévios e auxilie a turma na elaboração de hipóteses.

2ª ETAPA

Crie um momento de observação levando para a sala uma amostra de pão, tomate e banana com bolor. Retome as hipóteses da aula anterior e proponha questões relacionadas a condições ambientais, características e transformações. É necessário comparar com outros alimentos em bom estado de conservação.

3ª ETAPA

Cada um leva uma amostra de um alimento, acompanha e registra a transformação diariamente em fichas. O estudo tem como objetivo ampliar, ratificar ou retificar as hipóteses iniciais.

4ª ETAPA

Para sistematizar os conteúdos observados, peça que os alunos pesquisem em livros explicações para a decomposição, contrastando as informações com a prática.

Avaliação

Compare as hipóteses iniciais com os resultados. Com o suporte do conteúdo aprendido, discuta o que se comprovou e o que foi refutado.

VEJA TAMBÉM:

Jarra de condensação

Conteúdo
O ciclo da água na natureza

Leia na íntegra clicando AQUI

Condições de equilíbrio

Introdução
A noção de equilíbrio começa muito cedo a fazer parte do repertório cultural de uma criança. Desde os primeiros anos, ela brinca com gangorras em parques ou tenta equilibrar objetos na cabeça ou na ponta do dedo, como livros, lápis ou uma régua. Entretanto, essa noção intuitiva dá conta apenas de uma das condições de equilíbrio: a necessidade de haver igual distribuição de massa em volta de um ponto de apoio. Nesta atividade, vamos ampliar um pouco esse conhecimento apresentando duas outras condições.

Leia mais clicando AQUI

Galápagos, Darwin e a evolução das espécies

Apresente a seus alunos o naturalista cuja incrível teoria revolucionou a Ciência, e em especial, a Biologia.

Evolução do seres vivos

Leia mais clicanco AQUI


Uma viagem através dos sentidos


Introdução

O corpo humano é a mais perfeita máquina já construída e é formado por diversas partes que se relacionam entre si, ou seja, os vários sistemas que formam nosso organismo dependem um do outro para realizarem suas atividades. Milhares de reações químicas acontecem a todo o momento e são responsáveis pela manutenção e o funcionamento perfeito do nosso corpo.

Leia mais clicando AQUI

Hoje é o dia da qualidade de vida!

Introdução
Ter hábitos saudáveis faz parte da vida das pessoas que desejam ter qualidade de vida.

Uma boa alimentação, atividade física, hábitos diários de higiene, comportamento preventivo, controle do estresse e um relacionamento social saudável, fazem parte das práticas das pessoas que se preocupam com o futuro e priorizam a qualidade de vida.

Leia mais clicando AQUI


Prevenir é o melhor remédio!

Introdução
Prevenção é o nome que se dá ao conjunto de ações que evitam as doenças na população. No Brasil, pouco se investe em prevenção. Para muitos, curar as doenças sai mais barato. Mas isso não é verdade. A prevenção, além de trazer economia aos cofres públicos, promove o bem estar e a saúde. Ser saudável é sinal de qualidade de vida e é um direito de todos.

Leia mais clicando AQUI


Projeto “Alimentação”

Ensino Fundamental – 7ª série

Duração:
09 aulas.

Softwares:
Microsoft PowerPoint 97.

Recursos e softwares de apoio:
Scanner, para digitalizar as fotos dos estudantes.

Atividades de impressão:
Foram impressos os gráficos de alimentação dos alunos, totalizando 50 cópias.

Objetivos:

Trabalhar com tabelas e gráficos, analisando-os e discutindo seus tipos e funções.
Fazer com que o estudante reflita sobre a própria alimentação, considerando suas funções biológicas, sua relação com o metabolismo do corpo e o aspecto sócio-econômico que está vinculado a uma alimentação “balanceada”.

Descrição do projeto:
Através de um trabalho interdisciplinar entre Ciências, Matemática e Informática nossos estudantes pesquisaram e analisaram sua própria alimentação, através de gráficos. Decidimos realizar o trabalho no software Microsoft PowerPoint 97, produzindo apresentações que, depois, seriam mostradas às classes e aos pais.
Como os estudantes já conheciam o software, o professor apenas recordou alguns comandos e ensinou como inserir gráficos no programa.

Os estudantes, em grupos, receberam uma descrição do projeto e controlaram por uma semana os alimentos que ingeriram, anotando as porções nas tabelas anexas à descrição. Os dados foram passados para o PowerPoint, onde cada estudante preparou uma tela contendo seu nome, foto e o gráfico (gerado a partir dos dados coletados).
Assim que todos os componentes do grupos terminaram seus gráficos, calculamos a média de cada grupo e os estudantes criaram uma tela contendo o respectivo gráfico. Assim também aconteceu para a média da classe.

Enquanto os gráficos eram produzidos no computador, a professora de Ciências orientava os alunos em sala de aula e o professor de Matemática trabalhava a criação e a interpretação de gráficos, explicando os diversos tipos de gráficos existentes e suas aplicações. Os estudantes fizeram diversos gráficos manuais, usando papel milimetrado; dessa forma, ao criarem seus gráficos no computador eles já tinham os conceitos fixados.

O professor de Informática entrou em contato com duas escolas estaduais, tentando trabalhar em conjunto com os professores da rede pública, oferecendo todo o material do projeto e disponibilizando o laboratório de Informática do colégio para que os alunos dessas escolas criassem seus gráficos. A intenção era mostrar aos alunos das escolas que a questão da alimentação “balanceada”, “saudável” tem também um viés econômico. Não era intenção discriminar uma ou outra “classe social” (já que as escolas contatadas provinham de bairros mais pobres da cidade), mas sim, conscientizar os estudantes sobre a questão social que permeia todas as nossas ações, mesmo aquelas consideradas mais de ordem “biológica”. Infelizmente, após contato inicial com sucesso, as escolas desistiram de abarcar o projeto, alegando falta de tempo e desinteresse por parte dos alunos…

Acabamos também não mostrando os gráficos aos pais, “exigência” dos alunos, que foram unânimes em não querer tal apresentação. Os gráficos foram impressos e colocados nas pastas de avaliação dos alunos, de forma a que o pai tomasse conhecimento da pesquisa sobre a alimentação de seu filho. Na reunião de pais, o professor explanou aos pais as diversas etapas do projeto, mostrando ao final os gráficos das médias das classes, analisando-os em conjunto com os pais presentes.
Como avaliação do projeto o professor considerou os gráficos gerados e aplicou uma avaliação, em que os estudantes tiveram de gerar gráficos extraindo dados a partir de uma reportagem sobre a proliferação da AIDS entre os adolescentes (aproveitando-se do fato de que, nessa época, a professora de Ciências estava trabalhando a sexualidade com os estudantes).

PROJETO “ALIMENTAÇÃO”

OBJETIVOS

Controlar a própria alimentação, anotando os tipos de alimentos ingeridos durante uma semana, conforme tabelas anexas à descrição do projeto, que cada estudante recebeu.
A partir dos dados coletados, gerar gráficos da alimentação de cada estudante, da média do grupo e da média da classe. Os gráficos deverão ser gerados no programa Microsoft PowerPoint 97, aprendido durante as aulas de informática, para que sejam apresentados posteriormente a toda a classe, utilizando o DataShow.
Através dos gráficos gerados, refletir sobre a própria alimentação, tendo como parâmetros a alimentação dos outros colegas, do grupo e da classe.
Perceber como os vários tipos de nutrientes envolvidos na alimentação atuam nas funções metabólicas do organismo e identificar os problemas de saúde mais comuns que podem ter origem na alimentação.
Gerar e interpretar os vários tipos de gráficos, adequando-os a cada situação específica.
Trabalhar em equipe, de forma que todos participem ativamente dos trabalhos propostos.

AVALIAÇÃO – INFORMÁTICA

NOME:
Nº:
SÉRIE
DATA:
PROF.:

CONCEITO:

OBJETIVOS

Avaliar conceitos e ferramentas sobre o software Microsoft Excel 97, aprendido durante as aulas de Informática do Projeto Alimentação.
Criação de tabelas.
Geração de gráficos.
Reconhecer a importância dos gráficos na análise e interpretação de dados.

Leia com atenção o texto abaixo:

“AIDS ENTRE ADOLESCENTES PREOCUPA GOVERNO
A disseminação da AIDS no país avança entre as mulheres, em especial as adolescentes. Se, no início dos anos 80, a proporção de mulheres infectadas era de 1 para cada 40 homens, em quinze meses findos em maio chegou de 1 para cada 2 homens. Na faixa dos 15 a 19 anos, porém, no mesmo período, o número de novos casos entre homens e mulheres já é equivalente. (…)
Desde 1980, foram notificados 135, 2 mil casos, sendo 29,7 mil deles (22%) relativos à mulheres. De março de 1997 a maio, o número total no período ficou em 6.814, embora um quarto disso corresponda a notificações tardias, ou seja, casos identificados em anos anteriores que só agora chegaram ao conhecimento do ministério.
A transmissão do HIV por via sexual é responsável por quase metade das contaminações (49,6%). As relações heterossexuais respondem por 60% dos casos.(…)
O boletim relacionou a incidência de contaminação à escolaridade na população acima de 13 anos: 61% (57,7 mil) do total de portadores do HIV cursaram só o ensino fundamental, enquanto 13% (12,4 mil) passaram pela universidade. A interiorização da epidemia também foi verificada. De 1980 a 1986, 78% dos casos concentravam-se em cidades com mais de 1 milhão de habitantes. Após 1992, essa proporção caiu para 52%..”
(O Estado de S. Paulo, 17/08/98)

1. Com base no texto acima, gere dois gráficos, usando o Microsoft Excel 97:
a) Um gráfico comparativo dos casos de AIDS em cidades com mais de 1 milhão de habitantes nos dois períodos citados (use o tipo de gráfico adequado).
b) Um gráfico de setor (“pizza”) sobre o nível de escolaridade na população contaminada pela AIDS acima de 13 anos. Não se esqueça dos títulos, rótulos e legendas se necessário. Faça um gráfico simples, de fácil visualização e entendimento.
c) Salve o arquivo na pasta da série, com o nome de “Gráficos – AIDS”.
d) Configure a impressão para rápida de baixa qualidade e imprima seu gráfico, colando-o no verso desta folha de avaliação.

Projeto Alimentação Saudável

Fonte: Professora Gegê

Brincando com os alimentos

Projeto desenvolvido pelo Instituto Madre Blandina, Taguatinga, DF. E enviado pelo grupo Sugestão de Atividades Escolares

Descrição: O presente projeto tem como objetivo abordar e discutir assuntos relacionados à alimentação saudáveis a partir dos 2 anos de idade, ampliando os conhecimento dos educandos sobre o tema.Duração: 3 mesesDestinado aos alunos de Educação Infantil.

Justificativa: A fome será, provavelmente, o maior problema político e moral que as ciranças deverão enfrentar como lideres de seus pais no futuro.

No Brasil, a fome é uma questão para ser discutida na escola. E a discussão começa pela situação de vida dos alunos e seus direitos e deveres como cidadãos.

As crianças precisão conhecer a realidade da fome no Brasil e no mundo. Esse papel cabe aos educadores, que devem preparar seus alunos para a construção de uma sociedade mais igualitária, em que as pessoas tenham não apenas o direito, mas as condições necessárias para usufruir de uma alimentação equilibrada qualitativa e quantitativamente.

Objetivos:

• Incentivar aos bons hábitos alimentares;

• Identificar as preferências alimentar dos alunos;

• Concientizar os alunos sobre a importãncia e os motivos pelos quais nos alimentamos;

• Reconhecer os alimentos que faz bem à nossa saúde;

• Identificar cores, textura e os diferentes sabores dos alimentos.

Procedimentos:

1ª aula: Assunto – Frutas

Salada de frutas para degustação

Pintura à dedo

Contagem de frutas, cores, tamanho

2ª aula: Assunto – Verduras

Confecção de carimbos com batata

Explorar com s verduras cores e texturas

3ª aula: Assunto – Legumes

Fazer com os alunos uma sopa utilizando cenoura, chuchu, beterraba, batata

Colagem com papel camurça.

4ª aula: Assunto: Rótulos

Trabalhar com os alunos rótulos de embalagens de alimentos

Utilizar as embalagens trazidas pelos alunos e montar um mural com informações de cada alimento.

5ª aula: Assunto: Hortaliças/ Higiene com os alimentos

Montar uma horta na escola

Junto com os alunos lavar os alimento e mostrar os cuidados que devemos ter com os alimento Lavar antes de comê-los, comer alimentos naturais e saudáveis.

Fazer a degustação de tomate, alface, cenouraAtividades de desenho.

6ª aula: Assuntos – Vitaminas

Explorar com os alunos as frutas que serão utilizadas na vitamina – banana e maçã.

Trabalhar a importância do leite no desenvolvimento da criança.

7ª aula: Alimentos não – saudáveis

Mostrar que alguns alimentos devem ser consumidos com moderação

Confeccionar um mural com esses alimentos e registrar os comentários no blocão

Exemplos de alimentos que devem ser consumidos com moderação: pirulito, chiclete, balas, doces, refrigerantes, entre outros.

8ª aula: Assunto – Derivados do Leite

Trazer para sala queijos, leite e iogurte e explorar a importância desses alimentos

Utilizar embalagens de leite e confeccionar brinquedos com os alunos.

9ª aula: Assuntos – Cereais e Massas

Explicar que alguns alimentos são importantes em nossa dieta, mas que devem ser consumidos uma vez ao dia.

10ª aula: Assunto – Higiene Pessoal

Explicar para os alunos que a higiene pessoal é necessária para se ter uma boa saúde

Trabalhar com os alunos os cuidados que devemos Ter: beber água filtrada, cortar as unhas, lavar sempre as mãos antes das refeições, escovar os dentes após as refeições, praticar esporte.

11ª aula: Assunto – Alimentação Saudável

Apresentação de teatro de fantoches

Mostrar tudo que foi trabalhado pelas professoras durante as aulas.

12ª aula: Assunto – Lanche Gostoso

Os alunos trarão um lanche nutritivo e saboroso para fazer um grande piquenique coletivo

Experiências Interessantes:

Dando continuidade ao projeto “Brincando com os alimentos” foram realizadas várias atividades:

Apresentação teatral, “Sopa de Pedra”, enfocando a importância dos alimentos para manter uma vida saudável, na qual os alunos participaram com entusiasmo.

Degustação das frutas, explorando cor, tamanho, espessura e o sentido (paladar). Cada turma desenvolveu as atividades de acordo com nível escolar.

Apresentamos aos alunos diferentes tipos de legumes e verduras. Os quais puderam observar na palestra quais suas funções, vitaminas e nutrientes. Depois, para complementar a atividade, os alunos tiveram a oportunidade de degustar uma gostosa sopa de legumes e verduras.

VEJA TAMBÉM A PUBLICAÇÃO ANTERIOR CLICANDO AQUI

ATIVIDADES

Fonte: Prazer de Ensinar

Maça de garrafa pet

Frutas de bexiga

Clique na figura para vê-la em tamanho aumentado.

Outras frutas

Clique na figura para vê-la em tamanho aumentado.



Cartaz

MOLDE

SUGESTÃO



MOLDE

Clique na figura para vê-la aumentada

Ensino Superior

Estado oferece bolsa mestrado e doutorado

Fonte: Itú.com.br
A Secretaria de Estado da Educação definiu as datas para inscrições destinadas à bolsa mestrado ou doutorado. Todos os professores efetivos da rede, os 5.500 diretores e os 1.200 supervisores da rede estadual poderão se inscrever entre os dias 1º e 31 de outubro.

O projeto da Secretaria de Estado da Educação, chamado Bolsa Mestrado, foi publicado no Diário Oficial do Estado e dará R$ 790 por mês a professores selecionados para ganhar qualificação. A Secretaria determinou que nos próximos anos as inscrições ocorram em maio, junho, novembro e dezembro.

Todos os professores podem concorrer, desde que as regras sejam seguidas:
> Não pode haver acúmulo de cargo ou recebimento de outro tipo de incentivo por meio de bolsa (de qualquer órgão);
> Os interessados devem ter projeto aprovado pela universidade, na área de sua atuação na rede estadual (por exemplo, estatística para professores de matemática), e pela Secretaria;
> É preciso ser membro do Quadro do Magistério e ser efetivo e estável (ter passado pelo estágio probatório);
> É preciso estar distante de aposentadoria cinco ou nove anos, para mestrado ou doutorado, respectivamente.

O cadastramento ocorrerá via Internet, no site da Secretaria. O candidato terá que formalizar sua inscrição encaminhando sedex ou indo pessoalmente à Diretoria de Ensino de sua escola. Será preciso apresentar uma cópia da ficha cadastral preenchida na Internet, cópia de RG e CPF, cópia do último holerite, declaração de tempo de efetivo e distância da aposentadoria, declaração de horários de trabalho e local de exercício, declaração da instituição de ensino superior que o curso é reconhecido pela Capes, declaração de aprovação no processo da instituição de ensino e cópia do termo de compromisso disponível no site.

Inicialmente são disponíveis 700 vagas. O servidor que conseguir o benefício deve concluir o mestrado em até 24 meses, prorrogáveis por mais seis. A bolsa de doutorado tem a validade de 48 meses, prorrogáveis por mais seis. O tempo dedicado pelo servidor ao mestrado ou doutorado deve ser mantido em seguida na rede estadual: se o professor, por exemplo, estudar por dois anos, deve ficar na rede por pelo menos dois anos após a conclusão. A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) avaliará os projetos dos candidatos.

“Queremos que o resultado chegue aos alunos. A melhoria da aprendizagem passa pela capacitação e pelo incentivo ao estudo dos professores. Temos uma clara política de valorização do professor”, afirma a secretária de Estado da Educação, Maria Helena Guimarães de Castro.

Projetos variados

Projeto Nosso Corpo

Fonte: Brincando e Educando

Objetivos:

No final do projeto os alunos deverão ser capazes de:
Identificar todas as partes do corpo;
Conhecer as partes do corpo;
Reconhecer os sentidos;
Identificar e diferenciar as partes do próprio corpo com as partes do corpo dos amigos;
Vestir-se e desvestir-se sozinha;

O professor deverá:Estimular as crianças a: rolar, agarrar, sentar, engatinhar, andar em um pé só, andar sobre linhas – Trabalhando assim atividades de Psicomotricidade;Estimular o raciocínio e a atenção; Estimular a Socialização Estimular as crianças a explorar todos os 5 sentidos de forma abrangente.

Culminância:

Ginástica orientada com músicas;
Montagem de um mural e de dois bonecões para brincar e enfeitar a sala de aula.

Na “rodinha”:

Num segundo momento o professor deve conversar de forma informal sobre cada parte do corpo: boca, nariz, orelhas, braços, mãos, tronco, pernas, pés… Para que servem? – O professor deve provocar as crianças com esta pergunta para Cada parte do corpo que for citada.

Deixar que os alunos se expressem livremente, fazendo as devidas colocações e orientações. Ao fim da conversa sugerimos o trabalho com as músicas já bastante conhecidas em sala de aula, as quais as crianças adoram.

1 – Partes do Corpo:

Cabeça, ombro, joelho e pé.
Cabeça, ombro, joelho e pé.
Olhos, ouvidos, boca e nariz.
Cabeça, ombro, joelho e pé.

Cantar a música dramatizando-a; Pedir que as crianças mostrem as partes do corpo em si e nos amigos; Mostrar gravuras e pedir que indiquem as partes do corpo.

2 – Pop Pop:

Coloque a mão para frente,
Coloque a mão para o lado,
Coloque a mão para frente,
Balança ela agora
Eu danço pop pop
Eu danço pop pop
Eu danço pop pop
Assim é bem melhor!

(Repetir com todas as partes do corpo possíveis.). Cantar a música dramatizando-a.

3 – Remexo:

Ponha a mão na cabeça
Ponha a mão na cintura
Dá um abraço no corpo
Dá um abraço doçura
Sai sai sai Oh! Piaba Sai lá da lagoa.

Cantar a música dramatizando-a.

Relaxamento…

Concluir com o relaxamento da música: Feche os olhos – Do CD Xuxa só para baixinhos 1 ou outra música apropriada.

Brincar com o corpo e com os sentidos…

O professor deve propiciar atividades diversas de Psicomotricidade:

Pular em um pé som ao ritmo de uma música;Andar em cima de uma linha traçada no chão com uma bola na mão;Subir e descer escadas ao ouvir determinados sons; Engatinhar, saltar, com ritmo ou livremente; Virar cambalhota com auxílio do professor em um colchonete; Vestir e desvestir-se, com a roupa pedida, a cada ordem do professor; Dançar em diferentes ritmos;Pular entre bambolês; Imitar animais; Andar em curvas; Arremessar e agarrar bolas;Brincar de Chefinho mandou;Brincar de Morto-Vivo; Brincar de Estátua; Brincar de cabra-cega; E inúmeras outras atividades de acordo com a necessidade da turma, material disponível, tempo e desejo do professor…

Sugestões de alguns jogos de trabalho com corpo e explorando os sentidos:

1-Caçador de tartarugas: Os jogadores dispersam-se pelo pátio: são as tartarugas. Ao sinal, o caçador sai correndo para pegar as tartarugas. Estas evitarão ser apanhadas deitando-se de costas, pernas e braços encolhidos, imitando tartaruga deitada de costas. Enquanto estiverem nesta posição, não poderão ser caçadas. O jogador que for apanhado será eliminado.

2 – Jogo das Cores:

Sentados em círculos, os alunos devem aguardar a indicação do professor. Ao indicar uma cor, exemplo: verde – Todos devem sair correndo e tocar em algo da cor indicada.

3 – Me dá um abraço:

Os alunos devem estar distantes um do outro. Ao sinal especificado: Três palminhas dadas pelo professor, por exemplo, todos devem correr e encontrar um amigo para abraçar.

4 – Lobos e Carneirinhos:

Formação: Traçar no chão duas linhas afastadas cerca de 5 metros uma da outra. As crianças são divididas em dois grupos: lobos e Carneirinhos. Cada grupo se coloca atrás de uma linha. O grupo dos lobos fica de costas para o grupo dos Carneirinhos.
Desenvolvimento: Ao sinal do professor, os Carneirinhos saem a caminhar, o mais silenciosamente possível, em direção aos lobos. Quando estiverem bem próximo deles o professor diz: “Cuidado com os lobos”!Estes, então, voltam-se rapidamente em partem em perseguição aos Carneirinhos. Os Carneirinhos apanhados antes de alcançar a linha original (de onde vieram) passam a ser lobos. Na repetição da brincadeira invertem-se os papéis.

Sugestão: Antes de proporcionar essa brincadeira, é interessante que se explore o que se sabe e se discuta sobre esses animais: Como são? Quem já viu um carneirinho? Quem já viu um lobo? Onde? Quando? Se viu o que achou do animal? Vamos imitar um lobo? Vamos imitar um carneirinho? O professor deve explorar o tema de acordo com o interesse das crianças.

PROJETO: O CORPO DO GRUPO

Fonte: Paixão de Educar

Conceito-chave: corpo/movimento; espaço

Indicação: Crianças até 11 anos

Objetivo: Identificar as diferentes formas de relação do corpo em movimento com os espaços.

Desenvolvimento:

Pedir que os alunos deitem no chão em qualquer posição. Todos deverão estar interligados entre si por qualquer parte do corpo.
Um dos alunos deverá ser escolhido para contornar com giz os colegas. Após isso, todos deverão se levantar, afastar-se numa certa distância e ficar lado a lado atrás de uma linha riscada no chão. O professor dá o sinal e todos deverão correr, escolher um dos corpos contornados, cumprir as mensagens lançadas pelo professor:

Exemplo de mensagens:

– ocupar o corpo de pé, em um pé só.
– ocupar o corpo sentado; de cócoras.
– ocupar a posição desenhada no chão.
– ocupar o maior espaço possível do corpo escolhido.

Variante: Contornar apenas a metade da turma e realizar a atividade com toda a turma. Indicando que ninguém poderá pisar nas linhas de contorno, procurando ocupar o interior do corpo contornado.
Nesta atividade pretendemos que o aluno de uma forma lúdica, perceba e identifique as partes do corpo e as diferentes formas de relação que ele pode estabelecer com o espaço limitado. E também desenvolver a atenção do aluno que poderá ficar sem espaço para ocupar. Promover uma discussão com os alunos analisando quais as partes mais ocupadas e as partes esquecidas.

“É tarefa da Educação Física escolar, portanto, garantir o acesso dos alunos às práticas da cultura corporal, contribuir para a construção de um estilo pessoal de exercê-las e oferecer instrumentos para que eles sejam capazes de apreciá-las criticamente.”( Parâmetros Curriculares Nacionais de Educação Física )

PROJETO TRABALHANDO COM LENDAS

Fonte: Paixão de Educar

Objetivo:
– Estimular o interesse do aluno pelo Folclore Brasileiro, colocando-o em contato com Lendas e Mitos do nosso Folclore, desenvolvendo assim sua criatividade através da utilização de jogos e brincadeiras propostos, de atividades artísticas além de aguçar sua observação e percepção. Visa também uma interdisciplinaridade.

Lenda da Bruxa Nicácia

É uma lenda do sertão nordestino, onde o regime irregular de chuva criou esse personagem.
Conta a lenda que há muitos anos, no sítio das Limeiras, Sertão do Piauí, vivia uma bruxa chamada Nicácia. Ela era a sétima filha de um casal, e tinha que cumprir o triste destino de sugar o sangue de criancinhas na Quaresma. A bruxa vivia com a sua amiga coruja, numa cabana afastada de todos. Quando ela sumia, todos diziam que ela ia visitar o diabo. Quando voltava desses encontros ela preparava suas terríveis porções e fazia previsões, como a de que um dia o rio Corrente sairia do seu leito, causando uma enchente e afogaria a todos. Certo noite houve uma horrível tempestade, inundando tudo. Depois de passada a chuva, a bruxa, sua cabana e sua coruja sumiram. Alguns contam que ela foi arrastada para o fundo de um poço e se transformou num animal horrendo, o qual foi visto algumas vezes tomando sol nas margens do rio, espantando as lavadeiras com seus urros.

SUGESTÕES DE ATIVIDADES:
– Levar os alunos a discutirem sobre a lenda. Se acreditam ou não, justificando.
– Propor que pesquisem outras lendas e contem-nas de forma original para a turma. Um livro com a reescrita e ilustração das lendas pode ser confeccionado.

PROPOSTA DE ATIVIDADE ARTÍSTICA BASEADA NA LENDA DA BRUXA NICÁCIA:

– Dividir a classe em grupos e pedir para que construam a cabana da Bruxa Nicácia e em um segundo momento modelem a bruxa e sua coruja.

MATERIAIS NECESSÁRIOS:
Isopor para a base, palitos de sorvete ou de dente, massa colorida para modelar, argila, papelão, tampas de garrafas, sucatas em geral, sementes, casca de troncos de árvores, areia, palha, tesoura, cola branca, cartolina, hidrocor, lápis de cor ou giz de cera, tinta guache e pincel. Folhas secas também podem ser utilizadas para a construção do telhado, colando-as no papelão.

CURIOSIDADE:
No sertão nordestino, os períodos de seca se estendem por até três anos, ocasionando a redução dos cursos dos rios, que se transformam em simples poças de água. Assim, quando chove, as águas sobem rapidamente de nível causando terríveis enchentes. Provavelmente foi isso que aconteceu na história A Bruxa Nicácia.

SUGESTÕES PARA A CONTINUIDADE DO TRABALHO:

O professor pode relacionar as lendas e mitos com as regiões brasileiras e problemas atuais, para melhor aprendizado do aluno.

a) Discutir a problemática da seca no Nordeste como causa do êxodo nordestino (pedir aos alunos para que pesquisem em revistas e jornais a atual situação do nordeste, para onde estão indo as pessoas que abandonaram o nordeste e como vivem, os problemas para as áreas de imigração dos nordestinos, etc).

a) Explorar o tema “Meio Ambiente”: como e porquê preservá-lo, as conseqüências da destruição do meio ambiente para o homem, como está sendo destruído, como explorar o meio ambiente sem agredí-lo, o que está sendo feito para preservá-lo (ex: reciclagem de lixo, campanhas); citar Chico Mendes (mártir da luta pela preservação da Floresta Amazônica), como e porquê foi morto, o que fez pelo meio ambiente, etc.

Para as crianças menores a lenda pode ser contada de forma lúdica e realizado o trabalho artístico propondo brincadeiras de bruxas e corujas.
Um dos intuitos desta dica é variar as lendas não caindo na mesmice.

Bibliografia:
1. Lendas e Mitos do Folclore Brasileiro: Região Nordeste. São Paulo: Rideel, 1991
2. Cascudo, L.C. Dicionário do Folclore Brasileiro. Edições de Ouro, 1972
3. Santos, Theobaldo Miranda. Lendas e Mitos no Brasil. Editora Nacional S.P, 1974

PROJETO: Lendo através das embalagens

Fonte: Brincando e Educando

Por que ensinar a ler etiquetas e embalagens?

As etiquetas e embalagens são portadores de textos que cumprem a função de informar. Dizem a composição do produto, que cuidados são exigidos para seu funcionamento e manutenção, data de validade, modo de usar e de armazenar o produto… Veiculam textos escritos curtos e utilizam imagens. Ser capaz de compreender esses textos é fundamental para o exercício da cidadania e, se bem utilizados na alfabetização, podem trazer contribuições importantes também para os avanços dos alunos no processo de aquisição de procedimentos de leitor da escrita verbal e não-verbal.

Objetivos

Ao final das atividades, espera-se que o aluno esteja apto a:

* Reconhecer situações em que faz sentido buscar informações nas embalagens e etiquetas; * Identificar o tipo de informação possível de ser encontrada em cada texto desses portadores; * Identificar as principais informações trazidas nas embalagens e nas etiquetas; * Utilizar estratégias de leitura para buscar informações nos textos: antecipar o significado; utilizar as informações não verbais; * Utilizar o conhecimento de mundo; auto corrigir-se quando as antecipações não forem confirmadas pelo texto.

Recursos didáticos

* Embalagens de produtos diversos . * Etiquetas ou reproduções das mesmas (destas que vêm pregadas no interior dos tênis, nas roupas de cama, de mesa e banho e nas vestimentas pessoais) . * Papel sulfite. * Cola e tesoura.

Procedimento:

Peça a seus alunos que tragam embalagens vazias de casa,junte as que foram usadas durante o lanche,limpe-as bem.

As crianças devem identificar qual o produto e o que deve estar escrito. Entregue a embalagem e peça ao grupo para responder: Qual é o produto? Para que ele serve? O que deve estar escrito na embalagem? Onde está o nome do produto? (Peça para que apontem). Quais outras informações devem estar escritas? Por que existem letras grandes e letras pequenas? Peça para que colem a embalagem recebida no papel sulfite e apresente para a sala. Como lição de casa, solicite aos grupos que procurem outras etiquetas e embalagens.

Durante o jogo, vá chamando os alunos. Para aqueles com menos informação dê dicas do tipo Começa com a mesma letra do seu nome, Tem seis letras.

* Monte com eles o cantinho dos rótulos,criem cartazes,separe os produtos por grupos:Doces,salgados,quente,frio.

* Lição de casa: peça às crianças que perguntem aos adultos com quem moram se costumam ler as embalagens quando vão comprar algum produto.

PROJETO: PROJETO ELEIÇÃO

Fonte: Paixão de Educar

Destinado a alunos do 1o Ciclo do Ensino Fundamental.

JUSTIFICATIVA:

Estamos em ano de eleições… Será que os alunos sabem o que fazem aqueles políticos que querem o voto dos eleitores?
Será que também estão preocupados com os problemas do seu país? Da sua escola? Do seu bairro?
Que tal organizar uma eleição para escolher um representante, aquele que irá representar os alunos da escola, no clube, no condomínio, lembrando que os candidatos deverão apresentar suas propostas para, então, se submeterem à eleição? O candidato que demonstrar maior envolvimento com as causas sociais e atividades que desenvolvam o senso de cidadania, provavelmente, será a escolhido.
Desta forma, o voto se faz instrumento de transformação social, onde os eleitos estarão nos representando. Devemos cobrar deles atitudes honestas que beneficiem toda essa sociedade.
Será que seus alunos estão preparados para votar?
Com o desenvolver do projeto as crianças poderão aprender mais sobre a importância do voto e também escolher um candidato para representar seus interesses da sua escola ou dos moradores do seu bairro.

OBJETIVOS:

– Desenvolver a cidadania;
– Compreender a cidadania como participação social e política;
– Levar os alunos a compreender seus direitos e obrigações;
– Compreender características fundamentais das eleições, construindo a noção de identidade nacional;
– Aprender a questionar a realidade;
– Construir o conceito de: democracia; eleição; deputado (estadual e federal), senador e governador; convenção, comício, assembléia; urna, voto; título de eleitor;
– Identificar os candidatos, seus partidos políticos e siglas.

METODOLOGIA:

– Pesquisar e explicar o processo de eleição do Brasil;
– Analisar propagandas e programas eleitorais;
– Desenvolver um processo de eleição da escola.

ATIVIDADES:

Cada dupla ou grupo de alunos deverá:
– Criar um nome e um partido para o seu candidato;
– Criar um logotipo para o partido (não podendo ser de um partido já existente. Deve ser feito à mão livre)
– Explicar quem é esse político e o que ele pretende fazer (uma proposta de governo com sugestões e medidas que poderão ser tomadas para minimizar problemas da comunidade escolar, do clube, do condomínio);
– Criar um slogan para a Campanha;
– Detalhar as prioridades do seu governo (ex: saúde, educação, meio ambiente);
– Justificar por que devem votar no seu candidato.

PRODUÇÃO FINAL:

– Disponibilizar os candidatos, siglas dos partidos e propostas de cada um deles
– Realizar uma eleição
– Organizar debates com os alunos da escola, onde cada candidato terá oportunidade de esclarecer suas propostas;
– Confeccionar título de eleitor;
– Promover um concurso de charges sobre as eleições;
– Organizar um dia da eleição (mesários, apuradores, local da votação e apuração, horário, fiscal de boca de urna);
– Apurar os votos dos candidatos;
– Divulgar da apuração e realizar uma cerimônia de posse do presidente eleito.

O que pode ser trabalhado com este projeto?

Língua Portuguesa: Leitura e escrita informal; Elaboração de discursos; Produção de textos.

Artes: Confecção de cartazes, faixas para a campanha, urnas, botons, Cédula Eleitoral, Título de Eleitor.

História/Geografia: História das Eleições, Estudo dos Três Poderes; Poluição sonora e visual.

Matemática: Número de candidatos, de eleitores e de vagas; horários dos programas; datas e horários das eleições.

Projeto Estudando as Abelhas

Fonte: Paixão de Educar

O projeto deve ser adaptado ao nível, realidade e necessidades de cada turma.

Desenvolvimento
1 – trazer uma abelha morta para a sala de aula e observar detalhes da sua anatomia:
? Número de patas;
? Antenas;
? Mandíbula;
? Olhos;
? Ferrão;
? Abdômen e tórax;
? Asas.

2 – Desenhar e dar os respectivos nomes das fases da metamorfose da abelha. Antes, pesquisar sobre o que é metamorfose e quais os outros insetos que sofrem metamorfose.

3 – Completar a partir de pesquisas orientadas pelo professor os esquemas abaixo:

FUNÇÕES
? Abelha-rainha:
? Abelhas-operárias:
? Zangões:

ABELHAS
? Onde vivem:
? De que se alimentam:
? Como se defendem:
? Quanto tempo vivem:
? O que produzem:

4 – Dividir a turma em quatro grandes grupos. Cada um deve pesquisar sobre a organização social dos seguintes insetos: abelhas, formigas, cupins e vespas.

5 – Construir nas aulas de Educação Artística, móbiles com gravuras ou desenhos de abelhas. Fazer uma armação de arame com sombrinhas velhas, recortar as gravuras, colar a papelão, amarrá-las num barbante e pendurá-las na armação. Os móbiles devem ficar fixos no teto da sala de aula.

6 – Procurar notícias e gravuras sobre o mel (extração, utilidades, curiosidades) e montar um grande mural ou painel.

7 – Pedir ao alunos que tragam receitas simples que tenham o mel com ingrediente. Escolher uma que possa ser feita na escola, juntamente com as crianças.
Listar os ingredientes que devem ser levados pelos alunos. Aproveitar esta atividade e fazer um comentário sobre o valor do mel na alimentação.

8 – Entrevistar um apicultor. Preparar, anteriormente, com os alunos as perguntas a serem feitas.

9 – Pesquisar quais são os estados maiores produtores de mel no Brasil. Localizá-los no mapa, colorindo-os.

10 – Procurar no dicionário o significado das palavras: enxame, colméia, alvéolos, néctar, pólen, própolis, polinização, apicultura e favo. Propor aos alunos que elaborem 1 frase coerente para cada palavra.

Culminância
Trabalhar a letra da música A Abelha Mestra, de Vinicius de Moraes e Bacalov, cantada por Moraes Moreira. Levando, se possível em aparelho de som a fim de que os alunos escutem a melodia e possam acompanhar a letra.

Abelha mestra
A abelha mestra e as abelhinhas
estão todas prontinhas pra ir para a festa.
E zune, que zune,
lá vão para o jardim,
brincar com a cravina,
roçar com o jasmim,
da rosa para o cravo
e do cravo para a rosa,
da rosa para o favo
e de volta para a rosa.

E vem ver como dão mel
As abelhas do céu.

A abelha-rainha
Está sempre em casa.
Engorda a pancinha
e não faz mais nada.

PROJETO: Se meu corpo falasse…

Fonte: Projetos Pedagógicos Dinâmicos

Ler de maneira lúdica e agradável um ou mais livros da coleção CORPIM de Ziraldo.
Comentar com os alunos o tema principal dos livros: As partes do corpo e seus sentimentos, pensamentos, ações, ideais e planos futuros.
Propor aos alunos que imaginando a voz de cada parte do corpo respondam perguntas como: Se o nariz falasse, o que ele diria?
E o dente cariado? E os seus pés depois de você andar muito? E a barriga quando você come demais?
Após esta etapa, quando o grupo estiver bastante incentivado pedir que as crianças façam perguntas para as partes do corpo dos amigos.
Deixar que as crianças expressem suas idéias, pensamentos, elaborem suas frases, intervindo o menos possível – mas estimulando sempre, mostrando interesse na brincadeira.
Em um segundo momento o professor – dinamizador deve propor que a turma divida-se em grupos monte os quebra-cabeças das partes do corpo – Modelo em anexo.

Deixar que os alunos montem e desmontem enquanto houver interesse.

É interessante apresentar um cartaz com as partes do corpo e deixar fixo na sala de aula.

Montar bonecos articulados com as crianças, fazendo-as pintar, e deixar que brinquem a vontade por algum tempo – Modelos em anexo.

Os Sentidos…

Já tendo explorado bastante as partes do corpo, observado no espelho, dançando, tocando-o, relaxando… Passar para a segunda fase do projeto: Explorar os sentidos.

Visão: Mostrar figuras coloridas pequenas, médias e grandes; figuras preta e brancas pequenas, médias e grandes; mostrar de longe, de perto, de muito perto – sempre perguntando o que estão vendo e como. Provocar os alunos para que percebam a importância da visão. E repetir a pergunta: Para que servem nossos olhos?

Audição: Brincar de identificar sons de instrumentos, da natureza,vozes, barulhos em geral; falar bem baixinho, falar alto, propor que todos sussurrem, gritem, fiquem em silêncio. Enfim, através de diversas brincadeiras provocar para que percebam a importância dos ouvidos e da audição. Repetir a pergunta: Para que servem nossos ouvidos?

Olfato: Brincar de distinguir diferentes cheiros de olhos vendados – Dizer cheiros que agradam e os que desagradam – provocando-os até perceberem a importância de nosso nariz, de nosso olfato.

Paladar: Brincar de provar diferentes tipos de alimentos de olhos vendados – provocando-os até perceberem a importância da língua, de nosso paladar.

Tato: Brincar de sentir diferentes texturas: algodão, lixa, esponja, água fria, água morna, gelo etc.) – provocando-os até perceberem a importância do tato, de sentir o toque. O professor pode criar uma caixa fechada com um buraco apenas para caber as mãos das crianças, e dentro dela devem conter diferentes materiais onde poderão tocar e dizer o que sentem se é macio ou áspero. Outra brincadeira legal é: de olhos fechados, descobrir em que parte dos eu corpo o colega está tocando.

Brincar com o corpo e com os sentidos…

O professor deve propiciar atividades diversas de Psicomotricidade:

• Pular em um pé som ao ritmo de uma música;
• Andar em cima de uma linha traçada no chão com uma bola na mão;
• Subir e descer escadas ao ouvir determinados sons;
• Engatinhar, saltar, com ritmo ou livremente;
• Virar cambalhota com auxílio do professor em um colchonete;
• Vestir e desvestir-se, com a roupa pedida, a cada ordem do professor;
• Dançar em diferentes ritmos;
• Pular entre bambolês;
• Imitar animais;
• Andar em curvas;
• Arremessar e agarrar bolas;
• Brincar de Chefinho mandou;
• Brincar de Morto-Vivo;
• Brincar de Estátua;
• Brincar de cabra-cega;
• E inúmeras outras atividades de acordo com a necessidade da turma, material
disponível, tempo e desejo do professor…

Sugestões de Alguns Jogos de Trabalho com corpo e explorando os sentidos:

1 – Caçador de tartarugas:

Os jogadores dispersam-se pelo pátio: são as tartarugas. Ao sinal, o caçador sai correndo para pegar as tartarugas. Estas evitarão ser apanhadas deitando-se de costas, pernas e braços encolhidos, imitando tartaruga deitada de costas. Enquanto estiverem nesta posição, não poderão ser caçadas. O jogador que for apanhado será eliminado.

2 – Jogo das Cores:
Ver acima “Projeto nosso corpo”

3 – Me dá um abraço:
Ver acima “Projeto nosso corpo”

4 – Lobos e Carneirinhos:
Ver acima “Projeto nosso corpo”

5 – Onça Dorminhoca:

Formação: Formar com os alunos uma roda grande. Cada criança fica dentro de um pequeno círculo desenhado sob os pés, exceto uma que ficará no centro da roda, deitada de olhos fechados. Ela é a Onça dorminhoca.

Desenvolvimento: Todos os jogadores andam a vontade, saindo de seus lugares, exceto a onça dorminhoca que continua dormindo. Eles deverão desafiar a onça gritando-lhe: “Onça dorminhoca”! Inesperadamente, a onça acorda e corre para pegar um dos lugares assinalados no chão. Todas as outras crianças procuram fazer o mesmo. Quem ficar sem lugar será a nova Onça dorminhoca.

Sugestão: O professor poderá proporcionar um estudo sobre a onça, de acordo com o interesse das crianças: Quem já viu uma onça?
Aonde? Quando?
Como ela é? Como vive? O que come?
Quem quer imitá-la?
Confeccionar uma máscara de cartolina ou papelão para aquele que fará o papel da onça.
Partindo deste estudo, a criança, quando for desenvolver a atividade, criará um personagem seu relativo à brincadeira.

6 – Corrida do Elefante:

Formação: As crianças andam à vontade pelo pátio. Uma delas separada utiliza um braço segurando com a mão a ponta do nariz e o outro braço passando pelo espaço vazio formado pelo braço. ( Imitando uma tromba de elefante).

Desenvolvimento: Ao sinal, o pegador sai a pegar os demais usando somente o braço que está livre ( O outro continua segurando o nariz). Quem for tocado transforma-se também em elefante, logo, em pegador, adotando a mesma posição. Será vencedor o último a ser preso.

Sugestão: As crianças, durante a brincadeira podem caminhar como um elefante.

Sempre é bom…

• Trabalhar com parlendas, adivinhas, trava-línguas;
• Desenhar livremente ou de maneira orientada – Exemplo: Desenhe seus olhos.
• Trabalhar pesquisas. Deixar que as crianças recortem e colem diferentes
figuras de corpo humano;
• Usar as cantigas e brincadeiras de roda;
• Modelar bonecos, procurando colocar todas as partes do corpo;

Para finalizar o projeto sugerimos a criação de um boneco do tamanho das crianças feito de sucata – Nomeá-lo, listar suas características de personalidade e caráter, cada parte do corpo que for sendo criada o professor aproveita para revisar tudo que já trabalharam.

Autoria: Patrícia Fonte

Modelos de bonecos articulados:

• Xerocar 2 vezes para cada aluno;
• Propor que as crianças pintem os modelos;
• Colar em papel cartão;
• Prender as partes do corpo com bailarina para maior resistência.
• E estará pronto para brincar!

Exemplo de Atividade Artística Sistematizada:

Cole lã da cor de seus cabelos na cabeça da figura e complete o rosto recortando e colando os órgãos do sentido nos lugares cor
retos:

A importância do brincar com o corpo na Educação Infantil:

Durante muito tempo as creches, Pré-Escolas ou Jardim de Infâncias foram consideradas locais para deixar a criança com alguém de segurança para os pais poderem exercer seus trabalhos, ou, no máximo, um local para brincar. Hoje sabemos a importância e o papel pedagógico, educativo, social desta fase da criança.
Pesquisas demonstram que quando a escola é um ambiente altamente estimulante, onde possam ter como se explorar, imitar, olhar, escutar, expressar-se através de sua fala e em contato com crianças da mesma faixa etária, tendo a professora como facilitadora e orientadora, as crianças com menos de 6 anos desenvolvem sua inteligência de forma surpreendente.
A nós educadores cabe propiciar atividades diversificadas e criar ambientes educativos cada vez mais ricos e desafiadores.

“Brincar com crianças não é perder tempo, é ganhá-lo; se é triste ver meninos sem escola, mais triste ainda é vê-los sentados enfileirados em salas sem ar, com exercícios estéreis, sem valor para a formação do homem.”
( Carlos Drumond de Andrade )

A brincadeira é o caminho do desenvolvimento cognitivo na infância. E é a partir da exploração do seu próprio corpo e dos amigos que iniciam as construções dos conhecimentos e habilidades principais. Em vez de impedí-las de brincar, o ideal é apresentar materiais que incentivem brincadeiras diversas e enriqueçam cada vez mais o processo ensino-aprendizagem.

Desabafo de Mãe promove Concurso de Fotos na Bienal do Livro

O site Desabafo de Mãe, primeiro site de conteúdo de nicho no Brasil feito com a participação do internauta, promove neste mês de agosto o Concurso de Fotos da Bienal do Livro com objetivo de ressaltar a importância do hábito de leitura dentro de casa. A idéia é que visitantes com crianças enviem fotos do evento que retratam a relação entre a criança e livro. A melhor foto ganhará um kit de livro, conforme a faixa-etária do filho.

É importante ressaltar que os participantes são responsáveis pelo uso da imagem, porém, precisam se cadastrar no site para permitir a publicação das fotos na seção Fotogaleria do site Desabafo de Mãe.

O concurso é patrocinado pela Livraria Sobrado que doará um dos três kits de livros montados exclusivamente para os concursos culturais do Desabafo de Mãe. A equipe de jornalistas do Desabafo de Mãe será responsável pela seleção dos ganhadores.

As fotos poderão ser inseridas por qualquer internauta a partir do dia 14 de agosto até o dia 5 de setembro na seção Fotogaleria. A divulgação do vencedor está prevista para 12 de setembro e o envio do kit deverá ser feito até o dia 30 de setembro pelo Correio.

Segue abaixo os livros oferecidos pela Livraria Sobrado de acordo com a faixa etária da criança, cujo premiado ganhará apenas um dos kits conforme a faixa etária da criança da foto publicada neste concurso:

Kit Primeira Infância ( até 3 anos)
Soft Shapes
Coleção Bloco de Animais – Gatinho + Patinho
Falatório no Jardim
Casas Divertidas

Kit Segunda Infância ( até 6 anos)
Dedinhos de Gente
O Homem que Amava Caixas
O Pote Vazio

Kit Terceira Infância ( até 10 anos)
O Duende da Ponte
Como Fazíamos Sem

Projetos variados

Projeto Nosso Corpo

Fonte: Brincando e Educando

Objetivos:

No final do projeto os alunos deverão ser capazes de:
Identificar todas as partes do corpo;
Conhecer as partes do corpo;
Reconhecer os sentidos;
Identificar e diferenciar as partes do próprio corpo com as partes do corpo dos amigos;
Vestir-se e desvestir-se sozinha;

O professor deverá:Estimular as crianças a: rolar, agarrar, sentar, engatinhar, andar em um pé só, andar sobre linhas – Trabalhando assim atividades de Psicomotricidade;Estimular o raciocínio e a atenção; Estimular a Socialização Estimular as crianças a explorar todos os 5 sentidos de forma abrangente.

Culminância:

Ginástica orientada com músicas;
Montagem de um mural e de dois bonecões para brincar e enfeitar a sala de aula.

Na “rodinha”:

Num segundo momento o professor deve conversar de forma informal sobre cada parte do corpo: boca, nariz, orelhas, braços, mãos, tronco, pernas, pés… Para que servem? – O professor deve provocar as crianças com esta pergunta para Cada parte do corpo que for citada.

Deixar que os alunos se expressem livremente, fazendo as devidas colocações e orientações. Ao fim da conversa sugerimos o trabalho com as músicas já bastante conhecidas em sala de aula, as quais as crianças adoram.

1 – Partes do Corpo:

Cabeça, ombro, joelho e pé.
Cabeça, ombro, joelho e pé.
Olhos, ouvidos, boca e nariz.
Cabeça, ombro, joelho e pé.

Cantar a música dramatizando-a; Pedir que as crianças mostrem as partes do corpo em si e nos amigos; Mostrar gravuras e pedir que indiquem as partes do corpo.

2 – Pop Pop:

Coloque a mão para frente,
Coloque a mão para o lado,
Coloque a mão para frente,
Balança ela agora
Eu danço pop pop
Eu danço pop pop
Eu danço pop pop
Assim é bem melhor!

(Repetir com todas as partes do corpo possíveis.). Cantar a música dramatizando-a.

3 – Remexo:

Ponha a mão na cabeça
Ponha a mão na cintura
Dá um abraço no corpo
Dá um abraço doçura
Sai sai sai Oh! Piaba Sai lá da lagoa.

Cantar a música dramatizando-a.

Relaxamento…

Concluir com o relaxamento da música: Feche os olhos – Do CD Xuxa só para baixinhos 1 ou outra música apropriada.

Brincar com o corpo e com os sentidos…

O professor deve propiciar atividades diversas de Psicomotricidade:

Pular em um pé som ao ritmo de uma música;Andar em cima de uma linha traçada no chão com uma bola na mão;Subir e descer escadas ao ouvir determinados sons; Engatinhar, saltar, com ritmo ou livremente; Virar cambalhota com auxílio do professor em um colchonete; Vestir e desvestir-se, com a roupa pedida, a cada ordem do professor; Dançar em diferentes ritmos;Pular entre bambolês; Imitar animais; Andar em curvas; Arremessar e agarrar bolas;Brincar de Chefinho mandou;Brincar de Morto-Vivo; Brincar de Estátua; Brincar de cabra-cega; E inúmeras outras atividades de acordo com a necessidade da turma, material disponível, tempo e desejo do professor…

Sugestões de alguns jogos de trabalho com corpo e explorando os sentidos:

1-Caçador de tartarugas: Os jogadores dispersam-se pelo pátio: são as tartarugas. Ao sinal, o caçador sai correndo para pegar as tartarugas. Estas evitarão ser apanhadas deitando-se de costas, pernas e braços encolhidos, imitando tartaruga deitada de costas. Enquanto estiverem nesta posição, não poderão ser caçadas. O jogador que for apanhado será eliminado.

2 – Jogo das Cores:

Sentados em círculos, os alunos devem aguardar a indicação do professor. Ao indicar uma cor, exemplo: verde – Todos devem sair correndo e tocar em algo da cor indicada.

3 – Me dá um abraço:

Os alunos devem estar distantes um do outro. Ao sinal especificado: Três palminhas dadas pelo professor, por exemplo, todos devem correr e encontrar um amigo para abraçar.

4 – Lobos e Carneirinhos:

Formação: Traçar no chão duas linhas afastadas cerca de 5 metros uma da outra. As crianças são divididas em dois grupos: lobos e Carneirinhos. Cada grupo se coloca atrás de uma linha. O grupo dos lobos fica de costas para o grupo dos Carneirinhos.
Desenvolvimento: Ao sinal do professor, os Carneirinhos saem a caminhar, o mais silenciosamente possível, em direção aos lobos. Quando estiverem bem próximo deles o professor diz: “Cuidado com os lobos”!Estes, então, voltam-se rapidamente em partem em perseguição aos Carneirinhos. Os Carneirinhos apanhados antes de alcançar a linha original (de onde vieram) passam a ser lobos. Na repetição da brincadeira invertem-se os papéis.

Sugestão: Antes de proporcionar essa brincadeira, é interessante que se explore o que se sabe e se discuta sobre esses animais: Como são? Quem já viu um carneirinho? Quem já viu um lobo? Onde? Quando? Se viu o que achou do animal? Vamos imitar um lobo? Vamos imitar um carneirinho? O professor deve explorar o tema de acordo com o interesse das crianças.

PROJETO: O CORPO DO GRUPO

Fonte: Paixão de Educar

Conceito-chave: corpo/movimento; espaço

Indicação: Crianças até 11 anos

Objetivo: Identificar as diferentes formas de relação do corpo em movimento com os espaços.

Desenvolvimento:

Pedir que os alunos deitem no chão em qualquer posição. Todos deverão estar interligados entre si por qualquer parte do corpo.
Um dos alunos deverá ser escolhido para contornar com giz os colegas. Após isso, todos deverão se levantar, afastar-se numa certa distância e ficar lado a lado atrás de uma linha riscada no chão. O professor dá o sinal e todos deverão correr, escolher um dos corpos contornados, cumprir as mensagens lançadas pelo professor:

Exemplo de mensagens:

– ocupar o corpo de pé, em um pé só.
– ocupar o corpo sentado; de cócoras.
– ocupar a posição desenhada no chão.
– ocupar o maior espaço possível do corpo escolhido.

Variante: Contornar apenas a metade da turma e realizar a atividade com toda a turma. Indicando que ninguém poderá pisar nas linhas de contorno, procurando ocupar o interior do corpo contornado.
Nesta atividade pretendemos que o aluno de uma forma lúdica, perceba e identifique as partes do corpo e as diferentes formas de relação que ele pode estabelecer com o espaço limitado. E também desenvolver a atenção do aluno que poderá ficar sem espaço para ocupar. Promover uma discussão com os alunos analisando quais as partes mais ocupadas e as partes esquecidas.

“É tarefa da Educação Física escolar, portanto, garantir o acesso dos alunos às práticas da cultura corporal, contribuir para a construção de um estilo pessoal de exercê-las e oferecer instrumentos para que eles sejam capazes de apreciá-las criticamente.”( Parâmetros Curriculares Nacionais de Educação Física )

PROJETO TRABALHANDO COM LENDAS

Fonte: Paixão de Educar

Objetivo:
– Estimular o interesse do aluno pelo Folclore Brasileiro, colocando-o em contato com Lendas e Mitos do nosso Folclore, desenvolvendo assim sua criatividade através da utilização de jogos e brincadeiras propostos, de atividades artísticas além de aguçar sua observação e percepção. Visa também uma interdisciplinaridade.

Lenda da Bruxa Nicácia

É uma lenda do sertão nordestino, onde o regime irregular de chuva criou esse personagem.
Conta a lenda que há muitos anos, no sítio das Limeiras, Sertão do Piauí, vivia uma bruxa chamada Nicácia. Ela era a sétima filha de um casal, e tinha que cumprir o triste destino de sugar o sangue de criancinhas na Quaresma. A bruxa vivia com a sua amiga coruja, numa cabana afastada de todos. Quando ela sumia, todos diziam que ela ia visitar o diabo. Quando voltava desses encontros ela preparava suas terríveis porções e fazia previsões, como a de que um dia o rio Corrente sairia do seu leito, causando uma enchente e afogaria a todos. Certo noite houve uma horrível tempestade, inundando tudo. Depois de passada a chuva, a bruxa, sua cabana e sua coruja sumiram. Alguns contam que ela foi arrastada para o fundo de um poço e se transformou num animal horrendo, o qual foi visto algumas vezes tomando sol nas margens do rio, espantando as lavadeiras com seus urros.

SUGESTÕES DE ATIVIDADES:
– Levar os alunos a discutirem sobre a lenda. Se acreditam ou não, justificando.
– Propor que pesquisem outras lendas e contem-nas de forma original para a turma. Um livro com a reescrita e ilustração das lendas pode ser confeccionado.

PROPOSTA DE ATIVIDADE ARTÍSTICA BASEADA NA LENDA DA BRUXA NICÁCIA:

– Dividir a classe em grupos e pedir para que construam a cabana da Bruxa Nicácia e em um segundo momento modelem a bruxa e sua coruja.

MATERIAIS NECESSÁRIOS:
Isopor para a base, palitos de sorvete ou de dente, massa colorida para modelar, argila, papelão, tampas de garrafas, sucatas em geral, sementes, casca de troncos de árvores, areia, palha, tesoura, cola branca, cartolina, hidrocor, lápis de cor ou giz de cera, tinta guache e pincel. Folhas secas também podem ser utilizadas para a construção do telhado, colando-as no papelão.

CURIOSIDADE:
No sertão nordestino, os períodos de seca se estendem por até três anos, ocasionando a redução dos cursos dos rios, que se transformam em simples poças de água. Assim, quando chove, as águas sobem rapidamente de nível causando terríveis enchentes. Provavelmente foi isso que aconteceu na história A Bruxa Nicácia.

SUGESTÕES PARA A CONTINUIDADE DO TRABALHO:

O professor pode relacionar as lendas e mitos com as regiões brasileiras e problemas atuais, para melhor aprendizado do aluno.

a) Discutir a problemática da seca no Nordeste como causa do êxodo nordestino (pedir aos alunos para que pesquisem em revistas e jornais a atual situação do nordeste, para onde estão indo as pessoas que abandonaram o nordeste e como vivem, os problemas para as áreas de imigração dos nordestinos, etc).

a) Explorar o tema “Meio Ambiente”: como e porquê preservá-lo, as conseqüências da destruição do meio ambiente para o homem, como está sendo destruído, como explorar o meio ambiente sem agredí-lo, o que está sendo feito para preservá-lo (ex: reciclagem de lixo, campanhas); citar Chico Mendes (mártir da luta pela preservação da Floresta Amazônica), como e porquê foi morto, o que fez pelo meio ambiente, etc.

Para as crianças menores a lenda pode ser contada de forma lúdica e realizado o trabalho artístico propondo brincadeiras de bruxas e corujas.
Um dos intuitos desta dica é variar as lendas não caindo na mesmice.

Bibliografia:
1. Lendas e Mitos do Folclore Brasileiro: Região Nordeste. São Paulo: Rideel, 1991
2. Cascudo, L.C. Dicionário do Folclore Brasileiro. Edições de Ouro, 1972
3. Santos, Theobaldo Miranda. Lendas e Mitos no Brasil. Editora Nacional S.P, 1974

PROJETO: Lendo através das embalagens

Fonte: Brincando e Educando

Por que ensinar a ler etiquetas e embalagens?

As etiquetas e embalagens são portadores de textos que cumprem a função de informar. Dizem a composição do produto, que cuidados são exigidos para seu funcionamento e manutenção, data de validade, modo de usar e de armazenar o produto… Veiculam textos escritos curtos e utilizam imagens. Ser capaz de compreender esses textos é fundamental para o exercício da cidadania e, se bem utilizados na alfabetização, podem trazer contribuições importantes também para os avanços dos alunos no processo de aquisição de procedimentos de leitor da escrita verbal e não-verbal.

Objetivos

Ao final das atividades, espera-se que o aluno esteja apto a:

* Reconhecer situações em que faz sentido buscar informações nas embalagens e etiquetas; * Identificar o tipo de informação possível de ser encontrada em cada texto desses portadores; * Identificar as principais informações trazidas nas embalagens e nas etiquetas; * Utilizar estratégias de leitura para buscar informações nos textos: antecipar o significado; utilizar as informações não verbais; * Utilizar o conhecimento de mundo; auto corrigir-se quando as antecipações não forem confirmadas pelo texto.

Recursos didáticos

* Embalagens de produtos diversos . * Etiquetas ou reproduções das mesmas (destas que vêm pregadas no interior dos tênis, nas roupas de cama, de mesa e banho e nas vestimentas pessoais) . * Papel sulfite. * Cola e tesoura.

Procedimento:

Peça a seus alunos que tragam embalagens vazias de casa,junte as que foram usadas durante o lanche,limpe-as bem.

As crianças devem identificar qual o produto e o que deve estar escrito. Entregue a embalagem e peça ao grupo para responder: Qual é o produto? Para que ele serve? O que deve estar escrito na embalagem? Onde está o nome do produto? (Peça para que apontem). Quais outras informações devem estar escritas? Por que existem letras grandes e letras pequenas? Peça para que colem a embalagem recebida no papel sulfite e apresente para a sala. Como lição de casa, solicite aos grupos que procurem outras etiquetas e embalagens.

Durante o jogo, vá chamando os alunos. Para aqueles com menos informação dê dicas do tipo Começa com a mesma letra do seu nome, Tem seis letras.

* Monte com eles o cantinho dos rótulos,criem cartazes,separe os produtos por grupos:Doces,salgados,quente,frio.

* Lição de casa: peça às crianças que perguntem aos adultos com quem moram se costumam ler as embalagens quando vão comprar algum produto.

PROJETO: PROJETO ELEIÇÃO

Fonte: Paixão de Educar

Destinado a alunos do 1o Ciclo do Ensino Fundamental.

JUSTIFICATIVA:

Estamos em ano de eleições… Será que os alunos sabem o que fazem aqueles políticos que querem o voto dos eleitores?
Será que também estão preocupados com os problemas do seu país? Da sua escola? Do seu bairro?
Que tal organizar uma eleição para escolher um representante, aquele que irá representar os alunos da escola, no clube, no condomínio, lembrando que os candidatos deverão apresentar suas propostas para, então, se submeterem à eleição? O candidato que demonstrar maior envolvimento com as causas sociais e atividades que desenvolvam o senso de cidadania, provavelmente, será a escolhido.
Desta forma, o voto se faz instrumento de transformação social, onde os eleitos estarão nos representando. Devemos cobrar deles atitudes honestas que beneficiem toda essa sociedade.
Será que seus alunos estão preparados para votar?
Com o desenvolver do projeto as crianças poderão aprender mais sobre a importância do voto e também escolher um candidato para representar seus interesses da sua escola ou dos moradores do seu bairro.

OBJETIVOS:

– Desenvolver a cidadania;
– Compreender a cidadania como participação social e política;
– Levar os alunos a compreender seus direitos e obrigações;
– Compreender características fundamentais das eleições, construindo a noção de identidade nacional;
– Aprender a questionar a realidade;
– Construir o conceito de: democracia; eleição; deputado (estadual e federal), senador e governador; convenção, comício, assembléia; urna, voto; título de eleitor;
– Identificar os candidatos, seus partidos políticos e siglas.

METODOLOGIA:

– Pesquisar e explicar o processo de eleição do Brasil;
– Analisar propagandas e programas eleitorais;
– Desenvolver um processo de eleição da escola.

ATIVIDADES:

Cada dupla ou grupo de alunos deverá:
– Criar um nome e um partido para o seu candidato;
– Criar um logotipo para o partido (não podendo ser de um partido já existente. Deve ser feito à mão livre)
– Explicar quem é esse político e o que ele pretende fazer (uma proposta de governo com sugestões e medidas que poderão ser tomadas para minimizar problemas da comunidade escolar, do clube, do condomínio);
– Criar um slogan para a Campanha;
– Detalhar as prioridades do seu governo (ex: saúde, educação, meio ambiente);
– Justificar por que devem votar no seu candidato.

PRODUÇÃO FINAL:

– Disponibilizar os candidatos, siglas dos partidos e propostas de cada um deles
– Realizar uma eleição
– Organizar debates com os alunos da escola, onde cada candidato terá oportunidade de esclarecer suas propostas;
– Confeccionar título de eleitor;
– Promover um concurso de charges sobre as eleições;
– Organizar um dia da eleição (mesários, apuradores, local da votação e apuração, horário, fiscal de boca de urna);
– Apurar os votos dos candidatos;
– Divulgar da apuração e realizar uma cerimônia de posse do presidente eleito.

O que pode ser trabalhado com este projeto?

Língua Portuguesa: Leitura e escrita informal; Elaboração de discursos; Produção de textos.

Artes: Confecção de cartazes, faixas para a campanha, urnas, botons, Cédula Eleitoral, Título de Eleitor.

História/Geografia: História das Eleições, Estudo dos Três Poderes; Poluição sonora e visual.

Matemática: Número de candidatos, de eleitores e de vagas; horários dos programas; datas e horários das eleições.

Projeto Estudando as Abelhas

Fonte: Paixão de Educar

O projeto deve ser adaptado ao nível, realidade e necessidades de cada turma.

Desenvolvimento
1 – trazer uma abelha morta para a sala de aula e observar detalhes da sua anatomia:
? Número de patas;
? Antenas;
? Mandíbula;
? Olhos;
? Ferrão;
? Abdômen e tórax;
? Asas.

2 – Desenhar e dar os respectivos nomes das fases da metamorfose da abelha. Antes, pesquisar sobre o que é metamorfose e quais os outros insetos que sofrem metamorfose.

3 – Completar a partir de pesquisas orientadas pelo professor os esquemas abaixo:

FUNÇÕES
? Abelha-rainha:
? Abelhas-operárias:
? Zangões:

ABELHAS
? Onde vivem:
? De que se alimentam:
? Como se defendem:
? Quanto tempo vivem:
? O que produzem:

4 – Dividir a turma em quatro grandes grupos. Cada um deve pesquisar sobre a organização social dos seguintes insetos: abelhas, formigas, cupins e vespas.

5 – Construir nas aulas de Educação Artística, móbiles com gravuras ou desenhos de abelhas. Fazer uma armação de arame com sombrinhas velhas, recortar as gravuras, colar a papelão, amarrá-las num barbante e pendurá-las na armação. Os móbiles devem ficar fixos no teto da sala de aula.

6 – Procurar notícias e gravuras sobre o mel (extração, utilidades, curiosidades) e montar um grande mural ou painel.

7 – Pedir ao alunos que tragam receitas simples que tenham o mel com ingrediente. Escolher uma que possa ser feita na escola, juntamente com as crianças.
Listar os ingredientes que devem ser levados pelos alunos. Aproveitar esta atividade e fazer um comentário sobre o valor do mel na alimentação.

8 – Entrevistar um apicultor. Preparar, anteriormente, com os alunos as perguntas a serem feitas.

9 – Pesquisar quais são os estados maiores produtores de mel no Brasil. Localizá-los no mapa, colorindo-os.

10 – Procurar no dicionário o significado das palavras: enxame, colméia, alvéolos, néctar, pólen, própolis, polinização, apicultura e favo. Propor aos alunos que elaborem 1 frase coerente para cada palavra.

Culminância
Trabalhar a letra da música A Abelha Mestra, de Vinicius de Moraes e Bacalov, cantada por Moraes Moreira. Levando, se possível em aparelho de som a fim de que os alunos escutem a melodia e possam acompanhar a letra.

Abelha mestra
A abelha mestra e as abelhinhas
estão todas prontinhas pra ir para a festa.
E zune, que zune,
lá vão para o jardim,
brincar com a cravina,
roçar com o jasmim,
da rosa para o cravo
e do cravo para a rosa,
da rosa para o favo
e de volta para a rosa.

E vem ver como dão mel
As abelhas do céu.

A abelha-rainha
Está sempre em casa.
Engorda a pancinha
e não faz mais nada.

PROJETO: Se meu corpo falasse…

Fonte: Projetos Pedagógicos Dinâmicos

Ler de maneira lúdica e agradável um ou mais livros da coleção CORPIM de Ziraldo.
Comentar com os alunos o tema principal dos livros: As partes do corpo e seus sentimentos, pensamentos, ações, ideais e planos futuros.
Propor aos alunos que imaginando a voz de cada parte do corpo respondam perguntas como: Se o nariz falasse, o que ele diria?
E o dente cariado? E os seus pés depois de você andar muito? E a barriga quando você come demais?
Após esta etapa, quando o grupo estiver bastante incentivado pedir que as crianças façam perguntas para as partes do corpo dos amigos.
Deixar que as crianças expressem suas idéias, pensamentos, elaborem suas frases, intervindo o menos possível – mas estimulando sempre, mostrando interesse na brincadeira.
Em um segundo momento o professor – dinamizador deve propor que a turma divida-se em grupos monte os quebra-cabeças das partes do corpo – Modelo em anexo.

Deixar que os alunos montem e desmontem enquanto houver interesse.

É interessante apresentar um cartaz com as partes do corpo e deixar fixo na sala de aula.

Montar bonecos articulados com as crianças, fazendo-as pintar, e deixar que brinquem a vontade por algum tempo – Modelos em anexo.

Os Sentidos…

Já tendo explorado bastante as partes do corpo, observado no espelho, dançando, tocando-o, relaxando… Passar para a segunda fase do projeto: Explorar os sentidos.

Visão: Mostrar figuras coloridas pequenas, médias e grandes; figuras preta e brancas pequenas, médias e grandes; mostrar de longe, de perto, de muito perto – sempre perguntando o que estão vendo e como. Provocar os alunos para que percebam a importância da visão. E repetir a pergunta: Para que servem nossos olhos?

Audição: Brincar de identificar sons de instrumentos, da natureza,vozes, barulhos em geral; falar bem baixinho, falar alto, propor que todos sussurrem, gritem, fiquem em silêncio. Enfim, através de diversas brincadeiras provocar para que percebam a importância dos ouvidos e da audição. Repetir a pergunta: Para que servem nossos ouvidos?

Olfato: Brincar de distinguir diferentes cheiros de olhos vendados – Dizer cheiros que agradam e os que desagradam – provocando-os até perceberem a importância de nosso nariz, de nosso olfato.

Paladar: Brincar de provar diferentes tipos de alimentos de olhos vendados – provocando-os até perceberem a importância da língua, de nosso paladar.

Tato: Brincar de sentir diferentes texturas: algodão, lixa, esponja, água fria, água morna, gelo etc.) – provocando-os até perceberem a importância do tato, de sentir o toque. O professor pode criar uma caixa fechada com um buraco apenas para caber as mãos das crianças, e dentro dela devem conter diferentes materiais onde poderão tocar e dizer o que sentem se é macio ou áspero. Outra brincadeira legal é: de olhos fechados, descobrir em que parte dos eu corpo o colega está tocando.

Brincar com o corpo e com os sentidos…

O professor deve propiciar atividades diversas de Psicomotricidade:

• Pular em um pé som ao ritmo de uma música;
• Andar em cima de uma linha traçada no chão com uma bola na mão;
• Subir e descer escadas ao ouvir determinados sons;
• Engatinhar, saltar, com ritmo ou livremente;
• Virar cambalhota com auxílio do professor em um colchonete;
• Vestir e desvestir-se, com a roupa pedida, a cada ordem do professor;
• Dançar em diferentes ritmos;
• Pular entre bambolês;
• Imitar animais;
• Andar em curvas;
• Arremessar e agarrar bolas;
• Brincar de Chefinho mandou;
• Brincar de Morto-Vivo;
• Brincar de Estátua;
• Brincar de cabra-cega;
• E inúmeras outras atividades de acordo com a necessidade da turma, material
disponível, tempo e desejo do professor…

Sugestões de Alguns Jogos de Trabalho com corpo e explorando os sentidos:

1 – Caçador de tartarugas:

Os jogadores dispersam-se pelo pátio: são as tartarugas. Ao sinal, o caçador sai correndo para pegar as tartarugas. Estas evitarão ser apanhadas deitando-se de costas, pernas e braços encolhidos, imitando tartaruga deitada de costas. Enquanto estiverem nesta posição, não poderão ser caçadas. O jogador que for apanhado será eliminado.

2 – Jogo das Cores:
Ver acima “Projeto nosso corpo”

3 – Me dá um abraço:
Ver acima “Projeto nosso corpo”

4 – Lobos e Carneirinhos:
Ver acima “Projeto nosso corpo”

5 – Onça Dorminhoca:

Formação: Formar com os alunos uma roda grande. Cada criança fica dentro de um pequeno círculo desenhado sob os pés, exceto uma que ficará no centro da roda, deitada de olhos fechados. Ela é a Onça dorminhoca.

Desenvolvimento: Todos os jogadores andam a vontade, saindo de seus lugares, exceto a onça dorminhoca que continua dormindo. Eles deverão desafiar a onça gritando-lhe: “Onça dorminhoca”! Inesperadamente, a onça acorda e corre para pegar um dos lugares assinalados no chão. Todas as outras crianças procuram fazer o mesmo. Quem ficar sem lugar será a nova Onça dorminhoca.

Sugestão: O professor poderá proporcionar um estudo sobre a onça, de acordo com o interesse das crianças: Quem já viu uma onça?
Aonde? Quando?
Como ela é? Como vive? O que come?
Quem quer imitá-la?
Confeccionar uma máscara de cartolina ou papelão para aquele que fará o papel da onça.
Partindo deste estudo, a criança, quando for desenvolver a atividade, criará um personagem seu relativo à brincadeira.

6 – Corrida do Elefante:

Formação: As crianças andam à vontade pelo pátio. Uma delas separada utiliza um braço segurando com a mão a ponta do nariz e o outro braço passando pelo espaço vazio formado pelo braço. ( Imitando uma tromba de elefante).

Desenvolvimento: Ao sinal, o pegador sai a pegar os demais usando somente o braço que está livre ( O outro continua segurando o nariz). Quem for tocado transforma-se também em elefante, logo, em pegador, adotando a mesma posição. Será vencedor o último a ser preso.

Sugestão: As crianças, durante a brincadeira podem caminhar como um elefante.

Sempre é bom…

• Trabalhar com parlendas, adivinhas, trava-línguas;
• Desenhar livremente ou de maneira orientada – Exemplo: Desenhe seus olhos.
• Trabalhar pesquisas. Deixar que as crianças recortem e colem diferentes
figuras de corpo humano;
• Usar as cantigas e brincadeiras de roda;
• Modelar bonecos, procurando colocar todas as partes do corpo;

Para finalizar o projeto sugerimos a criação de um boneco do tamanho das crianças feito de sucata – Nomeá-lo, listar suas características de personalidade e caráter, cada parte do corpo que for sendo criada o professor aproveita para revisar tudo que já trabalharam.

Autoria: Patrícia Fonte

Modelos de bonecos articulados:

• Xerocar 2 vezes para cada aluno;
• Propor que as crianças pintem os modelos;
• Colar em papel cartão;
• Prender as partes do corpo com bailarina para maior resistência.
• E estará pronto para brincar!

Exemplo de Atividade Artística Sistematizada:

Cole lã da cor de seus cabelos na cabeça da figura e complete o rosto recortando e colando os órgãos do sentido nos lugares cor
retos:

A importância do brincar com o corpo na Educação Infantil:

Durante muito tempo as creches, Pré-Escolas ou Jardim de Infâncias foram consideradas locais para deixar a criança com alguém de segurança para os pais poderem exercer seus trabalhos, ou, no máximo, um local para brincar. Hoje sabemos a importância e o papel pedagógico, educativo, social desta fase da criança.
Pesquisas demonstram que quando a escola é um ambiente altamente estimulante, onde possam ter como se explorar, imitar, olhar, escutar, expressar-se através de sua fala e em contato com crianças da mesma faixa etária, tendo a professora como facilitadora e orientadora, as crianças com menos de 6 anos desenvolvem sua inteligência de forma surpreendente.
A nós educadores cabe propiciar atividades diversificadas e criar ambientes educativos cada vez mais ricos e desafiadores.

“Brincar com crianças não é perder tempo, é ganhá-lo; se é triste ver meninos sem escola, mais triste ainda é vê-los sentados enfileirados em salas sem ar, com exercícios estéreis, sem valor para a formação do homem.”
( Carlos Drumond de Andrade )

A brincadeira é o caminho do desenvolvimento cognitivo na infância. E é a partir da exploração do seu próprio corpo e dos amigos que iniciam as construções dos conhecimentos e habilidades principais. Em vez de impedí-las de brincar, o ideal é apresentar materiais que incentivem brincadeiras diversas e enriqueçam cada vez mais o processo ensino-aprendizagem.

Desabafo de Mãe promove Concurso de Fotos na Bienal do Livro

O site Desabafo de Mãe, primeiro site de conteúdo de nicho no Brasil feito com a participação do internauta, promove neste mês de agosto o Concurso de Fotos da Bienal do Livro com objetivo de ressaltar a importância do hábito de leitura dentro de casa. A idéia é que visitantes com crianças enviem fotos do evento que retratam a relação entre a criança e livro. A melhor foto ganhará um kit de livro, conforme a faixa-etária do filho.

É importante ressaltar que os participantes são responsáveis pelo uso da imagem, porém, precisam se cadastrar no site para permitir a publicação das fotos na seção Fotogaleria do site Desabafo de Mãe.

O concurso é patrocinado pela Livraria Sobrado que doará um dos três kits de livros montados exclusivamente para os concursos culturais do Desabafo de Mãe. A equipe de jornalistas do Desabafo de Mãe será responsável pela seleção dos ganhadores.

As fotos poderão ser inseridas por qualquer internauta a partir do dia 14 de agosto até o dia 5 de setembro na seção Fotogaleria. A divulgação do vencedor está prevista para 12 de setembro e o envio do kit deverá ser feito até o dia 30 de setembro pelo Correio.

Segue abaixo os livros oferecidos pela Livraria Sobrado de acordo com a faixa etária da criança, cujo premiado ganhará apenas um dos kits conforme a faixa etária da criança da foto publicada neste concurso:

Kit Primeira Infância ( até 3 anos)
Soft Shapes
Coleção Bloco de Animais – Gatinho + Patinho
Falatório no Jardim
Casas Divertidas

Kit Segunda Infância ( até 6 anos)
Dedinhos de Gente
O Homem que Amava Caixas
O Pote Vazio

Kit Terceira Infância ( até 10 anos)
O Duende da Ponte
Como Fazíamos Sem

PROJETOS

PROJETO NOSSO CORPO

Extraído do Brincando e Educando

Objetivos:

No final do projeto os alunos deverão ser capazes de: Identificar todas as partes do corpo; Conhecer as partes do corpo; Reconhecer os sentidos; Identificar e diferenciar as partes do próprio corpo com as partes do corpo dos amigos; Vestir-se e desvestir-se sozinha;

O professor deverá: Estimular as crianças a: rolar, agarrar, sentar, engatinhar, andar em um pé só, andar sobre linhas – Trabalhando assim atividades de Psicomotricidade; Estimular o raciocínio e a atenção; Estimular a Socialização Estimular as crianças a explorar todos os 5 sentidos de forma abrangente.

Culminância:

Ginástica orientada com músicas; Montagem de um mural e de dois bonecões para brincar e enfeitar a sala de aula.

Na “rodinha”:

Num segundo momento o professor deve conversar de forma informal sobre cada parte do corpo: boca, nariz, orelhas, braços, mãos, tronco, pernas, pés… Para que servem? – O professor deve provocar as crianças com esta pergunta para Cada parte do corpo que for citada.

Deixar que os alunos se expressem livremente, fazendo as devidas colocações e orientações. Ao fim da conversa sugerimos o trabalho com as músicas já bastante conhecidas em sala de aula, as quais as crianças adoram e encontram-se em um dos CDs que acompanha o presente projeto:

1 – Partes do Corpo:

Cabeça, ombro, joelho e pé.
Cabeça, ombro, joelho e pé.
Olhos, ouvidos, boca e nariz.
Cabeça, ombro, joelho e pé.

Cantar a música dramatizando-a; Pedir que as crianças mostrem as partes do corpo em si e nos amigos; Mostrar gravuras e pedir que indiquem as partes do corpo.

2 – Pop Pop:

Coloque a mão para frente,
Coloque a mão para o lado,
Coloque a mão para frente,
Balança ela agora
Eu danço pop pop
Eu danço pop pop
Eu danço pop pop
Assim é bem melhor!

(Repetir com todas as partes do corpo possíveis.).

Cantar a música dramatizando-a.

3 – Remexo:

Ponha a mão na cabeça
Ponha a mão na cintura
Dá um abraço no corpo
Dá um abraço doçura
Sai sai sai Oh! Piaba Sai lá da lagoa.

Cantar a música dramatizando-a.

Relaxamento…

Aproveitar a excelente fase da cantora e apresentadora Xuxa e do estímulo que provoca nas crianças, concluir com o relaxamento da música: Feche os olhos – Do CD Xuxa só para baixinhos 1.

Brincar com o corpo e com os sentidos…

O professor deve propiciar atividades diversas de Psicomotricidade:

Pular em um pé som ao ritmo de uma música;Andar em cima de uma linha traçada no chão com uma bola na mão;Subir e descer escadas ao ouvir determinados sons; Engatinhar, saltar, com ritmo ou livremente; Virar cambalhota com auxílio do professor em um colchonete; Vestir e desvestir-se, com a roupa pedida, a cada ordem do professor; Dançar em diferentes ritmos;Pular entre bambolês; Imitar animais; Andar em curvas; Arremessar e agarrar bolas;Brincar de Chefinho mandou;Brincar de Morto-Vivo; Brincar de Estátua; Brincar de cabra-cega; E inúmeras outras atividades de acordo com a necessidade da turma, material disponível, tempo e desejo do professor…

Sugestões de Alguns Jogos de Trabalho com corpo e explorando os sentidos:

1-Caçador de tartarugas: Os jogadores dispersam-se pelo pátio: são as tartarugas. Ao sinal, o caçador sai correndo para pegar as tartarugas. Estas evitarão ser apanhadas deitando-se de costas, pernas e braços encolhidos, imitando tartaruga deitada de costas. Enquanto estiverem nesta posição, não poderão ser caçadas. O jogador que for apanhado será eliminado.

2 – Jogo das Cores:

Sentados em círculos, os alunos devem aguardar a indicação do professor. Ao indicar uma cor, exemplo: verde – Todos devem sair correndo e tocar em algo da cor indicada.

3 – Me dá um abraço:

Os alunos devem estar distantes um do outro. Ao sinal especificado: Três palminhas dadas pelo professor, por exemplo, todos devem correr e encontrar um amigo para abraçar.

4 – Lobos e Carneirinhos:

Formação: Traçar no chão duas linhas afastadas cerca de 20 metros uma da outra. As crianças são divididas em dois grupos: lobos e Carneirinhos. Cada grupo se coloca atrás de uma linha. O grupo dos lobos fica de costas para o grupo dos Carneirinhos. Desenvolvimento: Ao sinal do professor, os Carneirinhos saem a caminhar, o mais silenciosamente possível, em direção aos lobos. Quando estiverem bem próximo deles o professor diz: “Cuidado com os lobos”!Estes, então, voltam-se rapidamente em partem em perseguição aos Carneirinhos. Os Carneirinhos apanhados antes de alcançar a linha original (de onde vieram) passam a ser lobos. Na repetição da brincadeira invertem-se os papéis.

Sugestão: Antes de proporcionar essa brincadeira, é interessante que se explore o que se sabe e se discuta sobre esses animais: Como são? Quem já viu um carneirinho? Quem já viu um lobo? Onde? Quando? Se viu o que achou do animal? Vamos imitar um lobo? Vamos imitar um carneirinho? O professor deve explorar o tema de acordo com o interesse das crianças

Projeto leitura

Mala viajante…

Confeccione uma mala usando uma caixa de papelão retangular. Pinte com tinta para artesanato preta e depois de seca,cole algumas gravuras,tiradas de encartes.
Para finalizar faça pespontos com a tinta cor marfim e passe sobre a caixa uma camada de goma laca ou cola tenaz para envernizar e fixar melhor as gravuras.

Esta caixa recebeu o nome de “MALA VIAJANTE”

A cada semana uma criança é sorteada para levá-la pra casa, e na segunda-feira deve trazê-la para a escola com alguma novidade sobre um determinado assunto.
A partir de Agosto a mala irá pra casa com um livro dentro.

A criança sorteada deverá ler o livro com os pais, responder algumas perguntas e na segunda-feira deverá contar a história. Poderá ilustrar com algum tipo de material feito por ela. Exemplo: desenho dos personagens do livro.

MATEMÁTICA DIVERTIDA

Extraído do blog Paixão de Educar

Laranja na cesta

OBJETIVOS:

1- Estimular a construção do número de O a 10.
2- Estímulo à construção do número pela contagem feita pelo esquema um a um, no uso da relação de um objeto associada à soma de pontos apresentados pelos dois dados, ao todo.
3- Conceitos de mais e menos e de maior e menor.
4- Conceito de esvaziamento relacionado à operação tirar.
5- Desenvolvimento da atenção e da disciplina.
6- Reconhecimento dos direitos alheios e respeito às regras impostas pelo grupo.

Números de Jogadores:
Quatro jogadores, sendo indispensável a presença do adulto participante, menos nas primeiras vezes.

MATERIAL:

1. Um campo desenhado sobre uma cartolina, com quatro laranjeiras, com dez laranjas cada árvore.
2. Uma cesta com dez espaços destacados é desenhada ao lado de cada laranjeira.
3. Dez fichas, de cor laranja, marcam as frutas sobre cada árvore no início da partida (40 fichas ao todo).
4. Um copo e um dado.

OBSERVAÇÃO:

As fichas, de cor laranja ou amarelas, podem ser substituídas por laranjinhas, de massa de papel e cola, feitas pelas crianças ou por botões de roupa com esse formato.

REGRAS:

l. Um dos participantes, escolhido pelo grupo, por critério decidido entre eles, inicia a partida.
2. De acordo com o número apontado pelo dado, o jogador retira as laranjas de sua laranjeira e as coloca sobre a cesta desenhada ao lado.
3. O jogo continua até que um dos jogadores consiga encher sua cesta.
4. Vence o jogador que conseguir colher primeiro todas as suas laranjas. É comum continuarem jogando para ver quem “ganha” em segundo lugar e também em terceiro.

PISTAS E DICAS QUE AUXILIAM A IDENTIFICAR OS ESQUEMAS DE RACIOCÍNIO EMPREGADOS

Reações típicas sensório-motoras, anteriores a 4 anos:

1)- Mesmo que eventualmente, se mostre interessada pela brincadeira, ela não consegue relacionar o número de pontos do dado ao número de laranjas.

2)- Mesmo que aparentemente, consiga entender a regra do jogo, ela não relaciona o número de pontos do dado, com exatidão, ao número de laranjas a ser retirado.A contagem recitativa não corresponde ao número de objetos
apontados. O prazer é exclusivamente sensório-motor, de manipulação de peças.

Reações típicas pré-operacionais de 4 a 5 anos e meio:

1)- A contagem das laranjas é realizada em confronto direto com o número de pontos apontados pelo dado, um a um. Esse fato nos mostra que essa criança não construiu ainda o conceito de número, ela não associa a expressão oral, o termo falado, a uma quantidade definida.

2)- A contagem recitativa é forte e marcada pelo ritmo da frase melodiosa e geralmente acompanhada com os dedos, apontando, um a um, os pontinhos do dado. A mesma contagem melodiosa é repetida e acompanha a ação de retirada das fichas (laranjas), uma a uma. Havendo interrupção da contagem recitativa, a criança se perde e precisa começar tudo do início, uma prova de que ela ainda não conserva a imagem mental do número.

3)- Enquanto a criança manifestar essa forma de procedimento, ela mostra não ser ainda capaz de operar o total. Ela é pré-operacional, de primeiro nível, ainda muito apegada à percepção visual e tátil. A motivação do jogo é fundamentalmente a de manipular objetos, prazer sensorial.

Reações típicas pré- operacionais a partir de 5 ou 6 anos:

1)- A aferição do número mostrado pelo dado já é realizada com maior autonomia, mais desprendida da contagem, um a um, dos pontinhos mostrados.

2)- A contagem das laranjas, embora ainda apoiada na recitação dos números na sua ordem natural, é mais fluente e desprendida da comparação rígida ao número de pontos mostrados pelo dado. Não exige aproximação.

3)- A criança pré-operacional de segundo nível já demonstra emoção, comparando o seu resultado dos outros jogadores. Percebe quem está ganhando e se excita muito com o sentimento antecipado de uma possível vitória. Já existe uma cooperação mútua nascente. Já há uma saída do seu egocentrismo inicial.

4)- A partir do que ela vê e manipula, ela consegue pensar e criar expectativas, mas ainda é pré-operacional.

CONCLUSÃO:

Será, portanto, absurdamente, inadequado e, de todo inútil, submeter uma criança, que ainda não consiga conservar o número e não opere, à realização de “continhas” armadas no papel. A Escola Natural, por mim defendida, só admite que o registro escrito seja feito quando ele puder ter um significado conceituai estabelecido, sobre o qual se assente. Antes disso, escrever e fazer continhas (precocemente) é desaconselhável por ser prejudicial ao desenvolvimento do raciocínio. Leva a criança a memorizar respostas prontas, com o intuito, exclusivo, de agradar ao adulto. Esse processo gera automatismos, criados com o fim de evitar a necessidade raciocinar.

CARTAS & RECEITAS CRIAM ATIVIDADES

CONCEITO-CHAVE: Texto-Contexto

INDICAÇÃO: 1o ao 5o ano

OBJETIVO:

Trabalhar as diferentes funções da linguagem, as variantes lingüísticas e a expressão, através de outras linguagens.

DESENVOLVIMENTO

– Encaminhar à turma uma carta e propor a decifração das mensagens do envelope e da carta.

OBS: Decifrar é um jogo de desafio que estimula a turma a ouvir, ler, trocar opiniões.

Moro nesse endereço…
Ai?… Qual? Mas não sei se sou daqui.
Envio junto com esta carta meu retraio; só da forma que meus olhos vêem.
Como você está me vendo? Como sou? O que eu faço se vivo nesse lugar?
Ajude-me. Estou confuso, mas não sei se o que sinto é tristeza, saudade ou alegria. Esqueci caso tenha recebido minha carta, queira desculpar a forma como está escrito meu nome e o seu endereço. É como sei escrever. A carta foi escrita em sonho.

– Formar grupos e sugerir que cada um, a partir da mensagem, imagine o personagem que escreveu a carta, representando-o a partir de materiais diversos.

OBS: É importante oferecer materiais diversos que o grupo escolha aquele que deverá usar: lápis de cor, sucata, revistas (para recorte e colagem), barro ou argila.

– Abrir discussão, para que cada grupo relate o processo vivido durante a criação do personagem – sua caracterização física e emocional.

– Registrar as opiniões emitidas.

– Propor a elaboração da fotografia do personagem.

OBS: Fazer a relação de como nós somos “por fora” e “por dentro” e como é o personagem.

– Sugerir aos alunos que façam o mapa do local onde o personagem mora.

– Encaminhar à turma uma nova carta, utilizando o mesmo envelope, propondo a decifração da receita.

OBS: Esta proposta possibilitará ao professor perceber o conhecimento que o aluno tem quanto a representação espacial. A partir daí poderá explorar e expandir esse conhecimento, aprofundando conceitos de Geografia e Matemática.
Nesta etapa da atividade, a turma terá possibilidade de conversar sobre receitas, identificando o que pode e o que não pode ser medido, explorando conceitos matemáticos.

Carta 2

Todos que me olham, dizem que perdi a memória. Preciso de uma receita para me curar, voltando a lembrar tudo sobre mim. Até já me deram esta receita.

Será que é boa?

Mas eu quero receber outras receitas.
Ouvi dizer que vocês são muito sabidos e podem me ajudar.

Avaliar, ao final da atividade, o interesse da turma através de debates e incentivando que os alunos proponham outras atividades.

VARIANTES DA ATIVIDADE

Com as cartas:
Estimular a turma a:
— Criar papéis de cartas coloridos e enfeitados.
— Confeccionar caixa de correspondência para a turma.
— Trocar correspondências. A professora, como parte integrante do grupo escreverá também.
— Instituir carteiros, fazendo revezamento para que todos possam exercer tal função.
— Visitar a Agência Central dos Correios onde poderão ver a classificação das cartas, os diferentes caminhos que elas percorrem. Trabalhar tempo: as cartas que chegam mais rápido, as que demoram mais a chegar ao seu destino. Fora isso, poderão analisar o grupo social que trabalha na Agência.

Com as receitas:

Propor à turma:
— ler diferentes receitas
— selecionar uma receita, fazer um doce para o lanche coletivo .
— imaginar que ingredientes misturarão para fazer porções mágicas para: virar estátua, virar animais e dramatizar, imaginar tudo ao contrário ,etc.
— trabalhar a ordenação: desenhar o modo de fazer. O que tenho que fazer primeiro, depois, depois…
— confeccionar um bolo utilizando caixas, cartolinas, para posteriormente confeitarem.

Com os Personagens
Propor à turma a criação de:
— teatro de fantoches
— bruxas, fadas, duendes e os demais personagens das histórias lidas na turma.
— histórias, ilustrando-as posteriormente.

PONTOS DE OBSERVAÇÃO:

– A carta é um meio de comunicação significativo. Através delas, informamos, transmitindo sentimentos, solicitamos algum material importante etc.
– Experimentar, misturar ingredientes para ver o que vai acontecer é sempre interessante.
– Diferentes personagens poderão ser elaborados

JOGO DA ROLETA

Com o auxílio do lúdico a alfabetização se torna significativa

O jogo é a mais presente atividade no cotidiano infantil. É através do lúdico que a criança testa suas hipóteses, constrói noções e estabelece relações.
O uso do jogo na sala de aula, como atividade pedagógica, vem contribuindo significativamente para o processo de alfabetização. Adaptações de jogos clássicos aos objetivos propostos pela professora tornam a descoberta do mundo da escrita mais prazerosa e desafiadora. É neste contexto que o Jogo da Roleta vem integrar-se à prática escolar.
Sua confecção é fácil e utiliza materiais simples como cartolina, lápis, canetinha colorida e clipes de papel.
Em cartolina, recortam-se círculos de aproximadamente 15 cm de diâmetro. Com uma caneta colorida divide-se o disco em fatias. Em cada fatia escreve-se uma palavra em estudo. Para diversificar, deve-se variar algumas palavras escritas em cada disco, de tal forma que elas não serão as mesmas em todas as roletas.
Para cada grupo de alunos deve ser confeccionada uma roleta.

COMO JOGAR:

O jogador coloca um clipe no centro da roleta. Prende-o firmemente com um lápis posto de pé e apoiado na ponta, de tal modo que permita girar o clipe, como indica a ilustração.
Com o dedo indicador da outra mão o jogador gira o clipe. Quan-
do parar de girar, o clipe estará apontando para uma palavra. O aluno lê a palavra sorteada e escreve uma frase. O jogo segue com tantas rodadas quantas forem necessárias, para que algum
jogador consiga sortear todas as palavras da roleta.
Vence o jogador que sortear todas as palavras da roleta ou o que conseguir maior número de palavras no tempo determinado pela professora.

VARIAÇÕES PARA O JOGO

Podem ser utilizados círculos com inúmeras variações, como as sugeridas a seguir:
• roleta com desenho -> aluno escreve a palavra;
• roleta com letra inicial —> aluno escreve uma palavra que inicie com a letra sorteada;
• roleta com palavra em letra script —> aluno escreve a palavra com letra cursiva;
• roleta com palavra no singular —> aluno escreve a palavra no plural.

O professor, certamente, fará as necessárias adaptações ao jogo, dependendo do que estiver trabalhando com os alunos, podendo incluir vocabulário e/ou expressões cada vez mais complexos, em conformidade com o nível de escolaridade da classe.

Já estão abertas as inscrições para a 5a. Turma de Formação de Tutores em EAD – Tutoria e Docência a Distância.

O Curso é interativo e totalmente a distância. Os processos educativos serão realizados/mediados na plataforma Moodle e atividades de webconferência.

Para cada matrícula será oferecido o acesso gratuito ao Guia de Funcionalidades Moodle do Portal EADVIRTUAL.

As vagas são limitadas! Acesse AQUI e garanta sua participação.

As Instituições de Ensino, Corporações, Empresas, etc. estão, cada vez mais, em busca de profissionais para atuarem em seus projetos de EAD.

Matrículas pelo Portal EADVIRTUAL

Escolas de SP darão acesso à web mesmo fora de aula

Agencia Estado
O Governo do Estado de São Paulo lançou hoje o Acessa Escola, projeto para manter os laboratórios de informática das escolas estaduais abertos das 8 horas às 20 horas, possibilitando ao aluno acesso à internet mesmo fora do horário das aulas de informática. Como parte do projeto, a partir da próxima segunda-feira a Secretaria de Estado da Educação e a Fundação de Desenvolvimento Administrativo (Fundap) abrirão inscrições para a seleção de quatro mil estagiários que serão treinados para monitoramento nos laboratórios.

Poderão se inscrever para a seleção dos estagiários alunos do 1º e 2º ano do Ensino Médio das escolas estaduais. A seleção será feita em 22 de junho, por meio de prova objetiva com questões de lógica e informática. A relação dos classificados será publicada em 3 de julho, na escola onde foi feita a inscrição. O tempo mínimo de contrato é de seis meses. A carga horária será de 4 horas diárias, com remuneração mensal de R$ 340. Segundo a secretaria, será dada preferência para a contratação de alunos da própria escola.

A Secretaria de Estado da Educação informou ainda que pretende contratar, até o final da implantação do projeto, um total de 12.242 estagiários. De acordo com o órgão, o Acessa Escola irá atingir as escolas estaduais de Ensino Médio em três fases: 500 até fim de 2008 (todas na capital), 1.000 até março de 2009 (capital, cidades da Grande São Paulo, Campinas e Campo Limpo Paulista), 3.000 até final de 2009 (outras cidades da Grande São Paulo e interior) e 3.527 até março de 2010 (todo o Estado), com 12.242 alunos como monitores.

SP abre 4 mil vagas para monitoria de informática

Agencia Estado

O governo de São Paulo inicia amanhã inscrições para vagas de monitores de informática na capital paulista. O salário é de R$ 340 mensais, para quatro horas diárias, e alunos do ensino médio podem se inscrever no projeto, chamado de “Acessa Escola”. No total, quatro mil estudantes selecionados terão a função de orientar os colegas e manter as salas das escolas estaduais da capital abertas em período integral.

Segundo informações da Secretaria Estadual da Educação de São Paulo, os monitores selecionados vão trabalhar quatro horas por dia. O contrato de estágio será de até 12 meses, podendo ser prorrogado por mais um ano. “O projeto permitirá que todos os estudantes da rede estadual possam usar os laboratórios a qualquer momento, não apenas durante as aulas de informática, sempre tendo auxílio de monitores treinados”, informa nota da secretaria.

O interessado em disputar a vaga de monitor de informática deve comparecer à secretaria da escola em que estuda. Só poderão concorrer alunos do 1º e 2º anos do ensino médio das unidades estaduais. Eles farão prova objetiva, na qual serão avaliados raciocínio lógico e a familiaridade com informática.

O projeto vai priorizar a contratação de estudantes da própria escola. Caso algumas unidades não tenham candidatos, alunos da escola mais próxima serão chamados, conforme ordem de classificação.

.

Projeto Eleição

PROJETO ELEIÇÃO

Sugerido por PAIXÃO DE EDUCAR

Destinado a alunos do 1o Ciclo do Ensino Fundamental.

JUSTIFICATIVA:

Estamos em ano de eleições… Será que os alunos sabem o que fazem aqueles políticos que querem o voto dos eleitores?
Será que também estão preocupados com os problemas do seu país? Da sua escola? Do seu bairro?
Que tal organizar uma eleição para escolher um representante, aquele que irá representar os alunos da escola, no clube, no condomínio, lembrando que os candidatos deverão apresentar suas propostas para, então, se submeterem à eleição? O candidato que demonstrar maior envolvimento com as causas sociais e atividades que desenvolvam o senso de cidadania, provavelmente, será a escolhido.
Desta forma, o voto se faz instrumento de transformação social, onde os eleitos estarão nos representando. Devemos cobrar deles atitudes honestas que beneficiem toda essa sociedade.
Será que seus alunos estão preparados para votar?
Com o desenvolver do projeto as crianças poderão aprender mais sobre a importância do voto e também escolher um candidato para representar seus interesses da sua escola ou dos moradores do seu bairro.

OBJETIVOS:

– Desenvolver a cidadania;
– Compreender a cidadania como participação social e política;
– Levar os alunos a compreender seus direitos e obrigações;
– Compreender características fundamentais das eleições, construindo a noção de identidade nacional;
– Aprender a questionar a realidade;
– Construir o conceito de: democracia; eleição; deputado (estadual e federal), senador e governador; convenção, comício, assembléia; urna, voto; título de eleitor;
– Identificar os candidatos, seus partidos políticos e siglas.

METODOLOGIA:

– Pesquisar e explicar o processo de eleição do Brasil;
– Analisar propagandas e programas eleitorais;
– Desenvolver um processo de eleição da escola.

ATIVIDADES:

Cada dupla ou grupo de alunos deverá:
– Criar um nome e um partido para o seu candidato;
– Criar um logotipo para o partido (não podendo ser de um partido já existente. Deve ser feito à mão livre)
– Explicar quem é esse político e o que ele pretende fazer (uma proposta de governo com sugestões e medidas que poderão ser tomadas para minimizar problemas da comunidade escolar, do clube, do condomínio);
– Criar um slogan para a Campanha;
– Detalhar as prioridades do seu governo (ex: saúde, educação, meio ambiente);
– Justificar por que devem votar no seu candidato.

PRODUÇÃO FINAL:

– Disponibilizar os candidatos, siglas dos partidos e propostas de cada um deles
– Realizar uma eleição
– Organizar debates com os alunos da escola, onde cada candidato terá oportunidade de esclarecer suas propostas;
– Confeccionar título de eleitor;
– Promover um concurso de charges sobre as eleições;
– Organizar um dia da eleição (mesários, apuradores, local da votação e apuração, horário, fiscal de boca de urna);
– Apurar os votos dos candidatos;
– Divulgar da apuração e realizar uma cerimônia de posse do presidente eleito.

O que pode ser trabalhado com este projeto?

Língua Portuguesa: Leitura e escrita informal; Elaboração de discursos; Produção de textos.

Artes: Confecção de cartazes, faixas para a campanha, urnas, botons, Cédula Eleitoral, Título de Eleitor.

História/Geografia: História das Eleições, Estudo dos Três Poderes; Poluição sonora e visual.

Matemática: Número de candidatos, de eleitores e de vagas; horários dos programas; datas e horários das eleições.

PROJETO ELEIÇÃO

Sugestão do Colégio Mallet Soares

Fundamental I

Sugestão de Atividade

Sugestão 1
Conheça a letra e a música do Hino Nacional , visitando o site: http://www.lions.org.br/lionnet/hinonaccantado.htm
Divida o Hino Nacional em partes e organize a turma em grupos para ilustrá-las.

Sugestão 2
A Bandeira, o Selo, o Brasão e o Hino Nacional são símbolos da nossa Pátria. Que tal você presentear o nosso País com a criação de um novo símbolo que represente seu sentimento pela Pátria.

Fundamental II

Sugestão de Atividade

Sugestão 1
Os programas e as campanhas eleitorais estão acontecendo, e os candidatos estão apresentando suas propostas. Acredite que você é o mais novo candidato à prefeitura do nosso município e por isso não perca tempo. Apresente sua proposta de governo de maneira criativa, criando um panfleto ou cartaz para sua campanha.

Sugestão 2
Represente através de Charges e Caricaturas o momento atual das propagandas eleitorais.

Tire suas dúvidas
» Calendário
» Casos especiais
» Cola do voto
» Justificativa do voto
» Locais de votação
» Mesários
» No dia da eleição
» Novas regras do TSE
» Obrigatoriedade
» Propaganda eleitoral
» Telefones úteis
» Título eleitoral
» Urna eletrônica
» Voto no exterior

Nesta eleição, os eleitores poderão escolher os prefeitos e vereadores que governarão os seus municípios.

Primeiro, o eleitor deve escolher o vereador. Para votar em vereador, ele deve digitar o número do candidato. É permitido levar uma “cola” para o dia da votação, para ajudar a lembrar o número. Se o eleitor quiser votar apenas na sigla, deve colocar apenas os dois primeiros digitos e apertar no botão CONFIRMAR.

Depois, o eleitor deve preencher o número do prefeito. No segundo turno, nos municípios onde não houver vitória na primeira votação, eleitores voltam às urnas apenas para escolher o prefeito.

Projeto Eleições Cidadãs

Justificativa

A cidadania só tem sentido como testemunho e prática de conhecimentos que levam à ação. É urgente levantar as bandeiras cidadãs da preservação ambiental, dos direitos humanos, da incorruptibilidade, da paz, enfim, quantas forem necessárias para formarmos cidadão conscientes do seu papel na sociedade e comprometidos com a transformação de nosso país em uma “casa” boa de se viver.
Aprender a mobilizar conhecimentos para fazer intervenções solidárias na realidade é um direito dos nossos alunos. Respeitá-los como cidadãos é franquear a eles a porta do universo cognitivo e afetivo: o conhecimento significativo.
Através do desenvovimento de um blog colaborativo, pretende-se despertar nos educandos noções de cidadania e respeito à opinião do outro e a consciência de seu papel na sociedade.

Séries envolvidas: Ensino Fundamental II e Médio

Objetivos:

– Despertar a consciência cidadã das crianças participantes do projeto;
– Proporcionar aos alunos oportunidades para que possam pensar, questionar, criticar, dar opiniões do que seria preciso mudar para que possamos viver num país e num estado melhor;
– Incentivar o aluno, desde já, a participar da política de forma ativa, mostrando a importância de bons governantes para qualquer país;
– Observar de forma crítica as promessas dos candidatos, verificando se realmente há possibilidade de cumpri-las;
– Incentivar a conversa em família sobre a política, ajudando os pais a escolherem seus candidatos, alertando os mesmos para políticos corruptos que estão concorrendo a cargos públicos;
– Conhecer o significado do voto consciente;
– Ajudar na formação de cidadãos conscientes de suas potencialidades, conhecedores de seus direitos e responsabilidades;
– Pesquisar o funcionamento dos três poderes em nível federal, estadual e municipal, bem como os cargos a serem disputados nas eleições 2008;
– Respeitar as opiniões dos colegas de intercâmbio e da escola fazendo comentários construtivos sobre suas produções textuais;
– Estimular o exercício de cidadania quanto à realidade que vivemos e nossa responsabilidade enquanto agentes transformadores, tanto nas eleições, quanto no dia a dia da sociedade;

Metodologia

– Fazer uma lista com os problemas existentes no país. Depois pedir que observem os candidatos e vejam se há algo que estão prometendo que resolva algum problema listado por eles;
– Incentivar os alunos para que assistam a propaganda eleitoral gratuita, anotar o que os candidatos estão listando como problemas e as soluções apresentadas pelos mesmos. Daí fazer uma crítica sobre o que foi dito por eles, ponderando as possibilidades reais de tais promessas serem cumpridas;
– Para os candidatos à reeleição, procurar o programa de governo apresentado na eleição anterior e verificar o que foi efetivamente executado pelo político em questão;
– Procurar lista de candidatos e verificar os que já foram indiciados em alguma CPI ou outro processo de corrupção, e publicar, evitando assim que vençam as eleições e continuem corrompendo e desfalcando os cofres públicos;
– Promover na escola eleição entre os alunos. Cada candidato deverá apresentar seu plano de governo, propostas de melhoria na escola e na comunidade;
– Comparar o país de ontem e de hoje: como era sua estrutura física? Como eram os costumes? E a convivência familiar? Quais eram os principais valores? O que mudou? Destacar pontos positivos e negativos. O que esperamos do país para o futuro?
– Pesquisas em livros, revistas, jornais, folhetos, fotos, internet.
– Entrevistas com pessoas mais antigas sobre como era o país no passado e o que acham da época atual (colher depoimentos);
– Das atividades sugeridas surgirá material para publicação no blog onde haverá também interação entre os participantes.
– Aula expositiva dialogada , pesquisa em revistas, jornais, panfletos dos candidatos, na TV e na internet.
– Trabalho em grupo onde cada um pesquisará vários setores da sociedade: educação, economia, saúde, segurança pública. Alguns grupos também investigarão a estrutura de poderes em que vive o Brasil: Executivo, Legislativo e Judiciário, assim como suas atribuições
– Depois da pesquisa publicaremos comentários acerca dos diversos setores e das propostas desses temas no blog ou mural
– A seguir os alunos terão momentos de comentário acerca das publicações dos colegas de intercâmbio e da escola que participam do projeto.

Cronologia:

1 aula por semana até o fim do processo eleitoral.

Avaliação:

Será feita durante todo o processo através da observação das atividades desenvolvidas, dos textos produzidos e dos comentários feitos no blog ou em sala de aula.